Arquivo da tag: curso de vela de cruzeiro

Mais um velejador para singrar os mares do mundo

20160403_055511

Um amigo sempre diz que eu não tenho nada que pedir desculpas por passar alguns dias sem aparecer pelo blog, mas acho que tenho sim, porque compromisso é compromisso e quando me propus a por o Diário do Avoante no ar, foi com a ideia que ele teria atualização diária, mas como nem sempre é possível, vou navegando e dando bordos entre uma desculpa e outra. A desculpa dessa vez foi que estávamos mostrando a um novo aluno do nosso curso de vela de cruzeiro, como é a vida a bordo de um veleiro de oceano e quanto ela é prazerosa.

20160402_083426Pois bem, o Ricardo de Brasília, chegou e de cara já sentiu que a vida de velejador de cruzeiro é cheia de alegrias, boas amizades, extremamente irreverente e que nem sempre a turma está afim de dar uns bordos por aí, porém, é uma vida maravilhosa e que passa bem distante dos estresses produzidos pelas cidades.

20160402_14064920160403_055158IMG_0028

Como primeira aula, participou do churrasco de inauguração da churrasqueira do veleiro Intuição, do comandante Chaguinhas, que começou pela manhã, se estendeu pela tarde e culminou com o início da segunda aula, numa velejada noturna do Aratu Iate Clube até o Suarez, ou portinho da ilha de Bom Jesus – como queiram – , um dos mais gostosos e tranquilos fundeadouros da Baía de Todos os Santos. Foi uma velejada em flotilha, porque tivemos a companhia do veleiro Luar de Prata, do comandante Paulo, num percurso de pouco mais de 14 milhas.

20160403_17341920160403_20023920160403_200355

No segundo dia de aula, navegamos do Suarez até a ilha de Itaparica, num través gostoso, onde dividimos a ancoragem com os veleiros Ati Ati, do comandante Fernando e da grumete Erica, e do veleiro Remelexo, comandante Claudio e imediata Giordana. A noite foi de festa a bordo do Remelexo e mais uma vez o Ricardo sentiu a força da amizade que tempera a alma dos velejadores de cruzeiro.

20160404_14203720160404_15275720160404_153007IMG_0033IMG_0035

O terceiro de dia de curso para Ricardo foi uma navegada pelo Canal Interno de Itaparica, diante de uma paisagem de encantar, até a Fonte do Tororó, uma pequena cachoeira quase sem água, mas que oferece um banho de mar sensacional. Depois do almoço a bordo, emoldurado pela mata exuberante do Tororó, levantamos as velas e tomamos o rumo do fundeadouro da ilha da Cal, outro paraíso da Baía de Todos os Santos, onde passamos a noite. Aliás, na ancoragem da ilha da Cal não precisamos nem olhar para o Céu para ver as estrelas, basta olhar o mar para vê-las refletidas.

20160405_172509

No quarto dia voltamos a Ilha de Itaparica, onde o Ricardo desembarcou, para seguir para Morro de São Paulo, e nos fizemos o rumo do Aratu Iate Clube, navegando sob as cores de um belíssimo pôr do sol. Ricardo foi mais um aluno aplicado que desembarcou do Avoante focado no sonho de singrar os mares do mundo a bordo de um veleiro. Tudo que viu e viveu durante os quatro dias de curso temos certeza que ficará marcado em sua memória como dias maravilhosos e que jamais ele imaginou que teria. Fizemos questão de montar uma grade de curso em que a vivencia sobressaísse sobre os ensinamentos técnicos, porque assim ele veria que a vida a bordo de um veleiro não tem segredos e tudo não passa de um novo olhar sobre a vida, onde se busca a verdadeira interação entre homem e natureza. Desejamos sempre bons ventos e mares tranquilos ao novo velejador e desejamos um dia ancorar nosso veleirinho ao lado do seu em algum recantinho gostoso desse mundão de oceano.

Anúncios

Do muro das lamentações

1 janeiro (76)

Em todos esses anos morando a bordo do Avoante, onze anos, tenho acompanhado os traumas e incertezas dos companheiros do mar quanto ao quesito manutenção da embarcação. Este é um tema que requer atenção e que leva o navegante a enfrentar terríveis dilemas existenciais. A coisa é tão complicada que cada vez que tentamos conversar sobre o assunto em uma gostosa roda de bate papo, sob a sombra de um palhoção de clube náutico, o máximo que conseguimos é uma interminável série de interrogações e discursões acaloradas. Já nos grupos de mídia social, o moído vira um legítimo samba do crioulo doido e no final sobram mais dúvidas do que certezas. No afã de demonstrar conhecimentos, o interlocutor virtual se transforma numa monumental enciclopédia tipo Delta Larousse e saí detalhando ensinamentos a torto e a direito.

Nos grupos sociais o tema manutenção é tão complexo e animado que até quem nunca teve um barco, nunca navegou e nem sabe para que lado se localiza a popa ou a proa de uma embarcação, discursa de cor e salteado manuais técnicos e práticos. Alguns ainda se arvoram em garantir que assina embaixo da afirmação, porque sabe que funciona, pois ele soube por um amigo da prima do vizinho, que tal teoria funcionou no barco de um colega distante do namorado da tia torta de um sobrinho da cunhada de um conhecido da época de ginásio. Bem pertinho!

Sou declaradamente cético quando escuto ou leio sobre manutenções infalíveis e que todos deveriam seguir. Se um barco nunca é igual a outro, navega em condições diferentes, estão baseados em climas totalmente adversos e recebem dos proprietários atenções distintas, como pode uma mesma receita servir para doentes tão diferentes.

Claro que orientações são sempre bem vindas e não devemos descartá-las, por mais que achemos que sejam bobagens, porém, muita dor de cabeça e prejuízo pode ser evitado se seguirmos a lógica dos fatos e observamos o que causou o problema. Muitos nem se dão ao trabalho de pensar na solução e prefere pagar valores absurdos aos prestadores de serviço maledicentes e sem nenhuma ética profissional.

Fico abismado quando as soluções indicadas descambam para o mundo da carestia, como se tudo para ser bom e funcional precisasse ser acrescido de valor monetário elevado. Como se o mar e suas intempéries soubessem avaliar as coisas pelo tamanho da conta bancária do navegante.

Um barco para dar o prazer que o navegante necessita, requer simplicidade nos detalhes e nenhuma dose extra de extravagância, principalmente na parte elétrica e eletrônica, que são os maiores causadores dos problemas a bordo. Dotar uma embarcação com os últimos lançamentos do mundo das bruxarias náuticas nunca trouxe alegria e nem satisfação ao navegante, a não ser a satisfação de empostar a voz para anunciar e mostrar aos amigos os brinquedinhos disponíveis. Quando sou eu o apresentado as incríveis parafernálias eletrônicas que equipam alguns barcos, dou os parabéns e digo que tudo aquilo é arretado. E fico a me perguntar: – Será que tudo isso terá uso realmente? E se der uma pane elétrica, será que o barco navega?

Uma das grandes fontes de defeitos, e que ninguém afirma que seja verdade, é a geladeira. Certa feita um amigo chegou até mim para anunciar que havia a comprado uma geladeira para o veleiro e que a partir da instalação a vida dele no mar seria outra, pois teria mais conforto, água gelada, cerveja fiofó de foca e mais uma série de coisas maravilhosas. Fiquei a matutar na alegria do meu amigo e imaginando que eu bem que poderia ter a mesma alegria e empolgação se comprasse um refrigerador para o Avoante. Eita ia ser o céu! Perguntei quanto havia custado o equipamento e ele respondeu que foi coisa de pouco mais de mil reais. Beleza! Segui meu caminho tentando entabular umas contas para adquirir uma geladeira e ele seguiu o dele, feliz e sonhando com sua nova vida de conforto no mar.

Meses depois encontrei novamente o amigo e perguntei como estava a geladeira. Ele fez cara de muxoxo e respondeu: Rapaz, ainda não funcionou a contento, porque é preciso refazer a vedação da caixa, necessito comprar mais uma placa solar, duas baterias, se brincar um gerador eólico e continuo levando uma caixa de isopor com minhas cervejinhas. Já estou achando que não foi boa ideia, pois tenho navegado tão pouco ultimamente. Além de que, a turma da manutenção é um pé no saco. Apenas assenti e mudei de assunto.

Sempre que vejo barcos super equipados me vem na lembrança às palavras do velejador Fábio Constantino, em uma palestra no Iate Clube do Natal: – Quer se deleitar com a vida a bordo de um veleiro? Mantenha isso estupidamente simples!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Dando asas aos sonhos

IMG_0048IMG_0016

Hoje festejamos mais um aluno do nosso “Curso de Vela de Cruzeiro”, dessa vez foi o sergipano Gustavo Barreto de Melo que embarcou no Avoante para dar asas ao sonho de um dia cruzar os mares do mundo a bordo de um veleiro.

20151205_16332920151206_20573420151207_173313IMG_0001IMG_0025IMG_0040

Foram quatro dias navegando por belos recantos da Baía de Todos os Santos – um dos melhores lugares do mundo para a prática da vela de cruzeiro –, apreciando paisagens fantásticas, saboreando a culinária maravilhosa da comandante e chef sem igual Lucia, se inteirando dos meandros das Cartas Náuticas, planejando rotas e regulando as velas para aproveitar com conforto o melhor que um veleiro pode oferecer que é a magia do encanto. Desejamos bons ventos ao novo comandante e que em breve possamos dividir a mesma ancoragem em algum recantinho gostoso do imenso e apetitoso litoral brasileiro.

No Avoante é assim!

20151010_161312

Curso de vela? E o que danado faz essa garrafa de cachaça e essa latinha de cerveja em meio a um dia de aula diante de uma paisagem espetaculosa? Será que fazem parte do currículo? Pois é, taí uma boa pergunta! Mas não se avexe que tenho uma boa resposta, ou pelo menos vou tentar. Esse dois ai são os amigos Diego e Felipe, que se mandaram das paragens do planalto central e embarcaram no Avoante para desanuviar o juízo dos dias de lida  em uma cidade mandatária, que a cada dia nos deixa com cara de espanto. Diego queria aprender os segredos da vela de cruzeiro para muito em breve cruzar os mares do mundo. Felipe pretendia apenas passear e conhecer os segredos guardados a céu abertos pelos santos e orixás que povoam a Baía de Todos os Santos, pois daqui uns dias seu veleiro, que está sendo construído pelo estaleiro maranhense Bate Vento, estará bossando pelas águas da Bahia. Juntamos o útil ao agradável e montamos esse curso/charter que foi um sucesso e recheado de boas energias e uns centímetros a mais na circunferência abdominal de cada um.

IMG_0099IMG_010720151010_16205720151012_163540

Para variar, mais uma vez Lucia caprichou na gastronomia e preparou um cardápio, desde o café da manhã com tapiocas, bolos quentinhos, peixe frito e outras guloseimas, que encantou nossos tripulantes. E nos almoços e jantares não faltaram as deliciosas moquecas baianas e as tradicionais massas.´

IMG_0090

Claro que o Felipe, que embarcou para curtir a vida, adorou o que viu do mar da Bahia, mas o Diego, aproveitou cada minuto do aprendizado e desembarcou dando aula de rotas e marcações e já  tentando enxergar um veleiro para adquirir e realizar o sonho. – E as cervejas e a cachaça? – Claro que tínhamos que brindar tudo isso!

Mais dois cruzeiristas a bordo

9 Setembro (372)9 Setembro (20)9 Setembro (111)

Encerramos dia 30 de setembro mais uma turma do nosso Curso de Vela de Cruzeiro, dessa vez foi o paulista Paulo Lourenço e o filho Thiago, artesões em Morro de São Paulo/BA onde fabricam e vendem belas pulseiras trabalhadas em couro marroquino. Paulo tem o sonho de comprar um veleiro e sair pelo mundo com o filho e para isso vieram a bordo do Avoante para ter a prova se é isso mesmo o que desejam e parece que gostaram. Encerramos o curso com uma celebração a vida, tipicamente de cruzeirista, no Bar da Maria, no distrito de Galeão – Cairu/BA. Um lugar gostoso e um ancoradouro fantástico.

Mais um casal na vela de cruzeiro

20150905_134111IMG_0012

Na semana passada recebemos a bordo o casal Fabrício e Isabela, que veio de Fortaleza/CE para conhecer como é vida em um veleiro de oceano e se inteirar dos segredos da navegação. O casal pretende adquirir um veleiro para dar um giro por ai e se inscreveu em nosso curso de Vela de Cruzeiro para tirar a prova dos nove.

20150906_17430020150906_205320

Foram quatro dias de aprendizado e durante a ancoragem no portinho da Ilha de Bom Jesus dos Passos, por trás da Ilha dos Frades/BA, recebemos a visita do casal Hamilton e Gal, veleiro Horus, para um delicioso bate papo que muito contribuiu para aprimorar a decisão de Fabrício e Isabela.    

O grande mar – IV

IMG_0234

A Baía do Iguape é um mundo de água cercado por um vasto manguezal. Em suas margens se debruçam o município de Maragojipe e os povoados de Nagé, São Francisco do Paraguaçu, São Tiago do Iguape e outras povoações menores, além de pequenas ilhas, entre elas a do Francês, que divide o rio ao meio, e do Coelho, que tem um fundeadouro maravilhoso. A baía é rica em várias espécies de peixes, moluscos e mariscos, entre eles se destaca o camarão.

Iguape é uma RESEX – Reserva Extrativista Federal, com 10.082,45 hectares, ligada ao ICMbio. Grande parcela da população vem de origem quilombola e sobrevive da pesca artesanal, cultura do fumo e agricultura familiar.

A navegação no Rio Paraguaçu não oferece grandes perigos, mas é indicado estudar bem a carta náutica e seguir com atenção os waypoints demarcados. O problema maior são as redes de pesca que não são poucas, mas nada que um bom comandante não resolva. Continuar lendo