Arquivo do mês: dezembro 2017

Imagem

Feliz Ano Novo!

Collage 2017-12-31 12_53_59

Anúncios

Você acredita em Papai Noel?

Papai NoelTexto publicado em dezembro de 2010, na coluna Diário do Avoante, jornal Tribuna do Norte, e publicado neste blog no mesmo dezembro e hoje renovo minhas esperanças. Feliz Natal!!!!

Do meu cantinho no cockpit do Avoante, onde costumo observar o cotidiano das cidades, às vezes me pego sonhando acordado e perdido em devaneios. Sons de sirenes, buzinas, motores e tiros são trazidos pelos ventos carregados da cidade. Cidade que vira as costas para seus problemas.

Luzes coloridas piscam ao longe, dando vida e cores a mais um Natal que se aproxima. Nas esquinas e na penumbra das ruas, crianças lutam contra o novo bicho-papão em forma de pedra. A cidade não reconhece a fera e a vida vai assim sendo desmentida. Papai Noel não existe! Bicho-Papão não existe!

O Avoante balança suavemente na ancoragem e me desperta para ver que no mundo de hoje, nem criança acredita em Papai Noel.

E você, acredita em Papai Noel? O velhinho bondoso e bonachão, com sua roupa vermelha, gorro dependurado, transportado num trenó e puxado por renas voadoras.

Você não acredita em Papai Noel? Que pena!

Como seria bom se todos acreditassem em Papai Noel. Não na figura mercadológica, mas no bom velhinho. Personagem encantado e carismático, com sua risada gostosa, que não precisa falar, sua risada já diz tudo.

Quantos Natais dependeram de sua presença alegre para ser Natal? Quantas noites mal dormidas a espera dos presentes desejados? Quantas vezes ficamos a olhar o céu na esperança de ver seu trenó passar com os sinos a tilintar? Quantas vezes desejamos ter uma chaminé no telhado para o velhinho entrar com os presentes? Quantos sonhos? Quantos pedidos? Quantos presentes? Quanta fantasia?

Quem inventou o Papai Noel? Alguns falam nos americanos. Outros juram que foi a Coca-Cola. Muitos afirmam que foram os empresários. Os cépticos apostam tudo no capitalismo, mas estes como sempre, duvidando. Não precisamos saber quem criou o Papai Noel, só precisamos reconhecer que foi uma pessoa iluminada e que queria trazer alegria e paz ao mundo e as crianças, pelo menos em um dia do ano. Assim vai Papai Noel em seu passeio pelos ares, carregado de presentes e apoiado em seu cetro grandioso.

Muitos adultos já não acreditam em Papai Noel e, por incrível que pareça, muitas crianças também não. O adulto tem suas razões para a descrença, mas a criança não. Elas foram orientadas pelos pais de que tudo não passa de fantasia, de uma grande mentira, de uma farsa diabólica e maldosa. Criança não gosta de maldade. Criança não gosta de coisas diabólicas. Criança não mente e nem gosta de mentira, mas criança adora fantasia.

Por que reprimir a fantasia do Papai Noel da cabeça da criança? Por que desmerecer o papel do Papai Noel? Por que apagar a esperança por coisas boas e lembranças felizes de brinquedos e brincadeiras? Por que retirar esse sonho das cabeçinhas inocentes das crianças? Por que tomar o doce da alegria e do desejo de suas bocas? Por que não permitir que a criança seja criança? Por quê? Do que temos medo?

O mundo vive na banalização da violência, na concorrência desenfreada e desumana, na eterna briga pelo poder, na falta de vergonha, na extinção da ética, na corrupção desenfreada, na falta de pudor, na fúria das drogas, na desagregação dos povos, na cegueira da justiça, na palhaçada oficial, na guerra pelo petróleo, na intolerância religiosa, no choque entre culturas, no terror desumano, na expectativa do confronto e na guerra, eternamente na guerra. Por que não pedir ao Papai Noel um mundo melhor para nossas crianças?

Por que ter medo do Papai Noel? Por que não deixar que a criança acredite no Papai Noel? Como éramos inocentes e felizes quando acreditávamos em Papai Noel! Por que não deixar que as crianças peçam paz, amor, esperança e presentes ao Papai Noel? Criança é criança e adulto é adulto.

O Papai Noel não traz somente presentes, ele traz sonhos, fantasias, esperança, risadas, encantamento, paz, compreensão e alegria, tudo que a criança precisa, tudo que a criança deseja, tudo que a criança merece e tudo que o adulto necessita para deixar um mundo melhor para as crianças.

Por que desfazer o sonho? Por que acabar a fantasia? Por que o medo?

Eu acredito em Papai Noel, tanto acredito que todo Natal peço alegria, compreensão, tolerância e paz para o mundo. Ainda não fui atendido, talvez Papai Noel esteja ocupado em atender aos pedidos de crianças que pedem alegria, compreensão, tolerância e paz para seus lares.

Viva, Papai Noel! Viva sempre!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Dilemas de uma profissão

Agosto 2017 (13)

Quando escrevi o texto Cumbuca, o fiz olhando pelo esquadro das janelas escancaradas, que poucos querem enxergar, mesmo tendo diante dos olhos as verdades ou as mentiras que o mundo do jornalismo cobre ou descobre, a depender das direções que sopram os ventos. Não peguei o mote de ninguém, apenas me estirei na rede armada na varanda e deixei a mente vagar, passando a limpo os últimos acontecimentos do gigante verde e amarelo. Lendo hoje, a coluna do jornalista potiguar Woden Madruga, na Tribuna do Norte, me deparei com o mote e vi que ele gira por aí que nem pião e tem deixado rastros com traços bem fortes, como o artigo, Dilemas do Jornalismo, de Carlos Alberto Di Franco, no Estadão, que termina assim:  

…A internet é um fenômeno de desintermediação. E que futuro aguarda os meios de comunicação, assim como os partidos políticos e os sindicatos, num mundo desintermediado? Só nos resta uma saída: produzir informação de alta qualidade técnica e ética. Ou fazemos jornalismo para valer, fiel à verdade dos fatos, ou seremos descartados por um consumidor cada vez mais fascinado pelo aparente autocontrole da informação na plataforma digital.

Com quem nós queremos falar? Com o Brasil real? Com o País que tem valores e olha para a frente? Ou queremos falar com minorias ideológicas, à direita e à esquerda, articuladas e barulhentas? Façamos jornalismo. Nada mais.

Cumbuca

11 Novembro (1)

Vou vendo, vou lendo e vez em quando meto a mão na cumbuca, mas o que seria de um duble de escrevinhador se não fosse essa mania besta e perigosa de dar pitaco em assunto sério. – Serio? – Sério, sim, ou não seria? – Sei lá, vá lá que seja, pronto! Vamos em frente!

Esse começo meio embromeiro é apenas uma tentativa escamoteada para fugir de uma insistente síndrome do papel em branco que acomete os bons e os maus, que é meu caso, escritores. Se existe a tal síndrome juro que não sei, mas ultimamente tenho olhado para a telinha branca e nada de nada, porém, hoje, um sábado quente quem nem sábado de verão, resolvi desafiar o bicho. – Sim, é daí? – Calma homem, se avexe não que vai!

Rapaz, a capital dos Magos está uma gracinha sem graça, pois o povo tem andado olhando de lado e se assustando até com o sopro do vento e o pior de tudo, não aparece uma notícia boa, é só desgraça. Não entendo dessas coisas, porque nunca me propus a sentar nos bancos das faculdades de jornalismo, mas pense numa assessoria de comunicação pé de chinelo, essa que serve ao governo do Rio Grande do Norte! Aliás, diga-se de passagem, esse cargo está corroído em tudo que é lugar desse Brasil velho de guerra.

E por falar em jornalismo, a profissão parece que entrou em parafuso de rosca sem fim e não aparece um filho de santo para jogar um punhadinho de mandinga na engrenagem. Os homens das reportagens não andam mais com os caderninhos de anotações e perderam o tino para investigar o que, ou aquele, que se considera investigável. O povo das redações nem lembram mais de fazer perguntas indiscretas e nem chafurdar na lama que banha os porcos. Preferem a receita do copiar, colar, se avexam em matérias com pontos, vírgulas e travessões ideológicas e fazem do google uma feliz ferramenta de pesquisa, igualzinho como faz a blogueirada, que eles abominam. – Quer ver? O gás de cozinha está pela hora da morte e tudo que avistamos por aí são manchetes, em tons críticos, anunciando a alta. Por que não escarafunchar a causa? Por que não? A comunicação, nesses tempos modernosos, está fácil, o difícil é exercer a boa comunicação.

Os jornais de papel estão dando lugar aos portais internéticos, que em breve irão também para o beleléu, pois começaram 0800 e agora resolveram meter a mão no bolso do leitor, que sem achar graça nenhuma, migram para o próximo com uma simples teclada. Aliado a tudo isso, existe a preguiça histórica que temos com a leitura. O que sobra é a desinformação das mídias sociais, que fazem festa no vácuo deixado pelo bom jornalismo, só que ali, ninguém tem compromisso com nada e muito pelo contrário.

Dia desses, passei em uma banca de revista, comprei a revista Veja e me dirigi a casa de um amigo. Chegando lá, o filho dele olhou para a publicação em minha mão e perguntou com cara de espanto: – Você lê isso? Respondi: – Também! E você lê o que? Ele: – Não leio nada, mas meus amigos e meu professor, dizem que essa revista é uma porcaria, além de ser de direita. – Ah, bom! Sem mais o que comentar, nem perguntar, preferi sentar numa poltrona e exercer minha leitura, tirando, eu mesmo, as conclusões e reflexões. Hoje em dia ninguém quer interpretar nada, prefere que o outro, que também não sabe, o faça do modo que o convier.

E já que entrei nesse turbilhão incendiário, vou continuar. Faz tempo que não assisto televisão e nem tenho o aparelho em casa, mas escuto o moído das redes e das ruas, quanto a programação da Globo e fico a matutar: A Globo tem uma programação eclética e voltada para toda sorte de adversidade e por lá, há muito a diversidade de gênero se faz presente e produz celebridades, como é o caso de um nobre e excelentíssimo deputado BBB. Os atores globais são fontes permanente de notícias e quando abrem a boca para opinar, as opiniões valem como verdade absoluta, mais até do que os santos do céu. Apareceu na telinha dos Marinhos, é certeza de sucesso. Juro que não entendo a gritaria pedindo o fechamento da rede carioca. Se for pela censura, faz tempos que o Brasil pulou essa página. Ou não?

Lembro das palavras do comediante potiguar, Espanta Jesus, quando perguntaram porque havia saído do humorístico, Escolinha do Professor Raimundo: – Saí por divergência minhas com os editores, mas financeiramente perdi um bocado. Antes de aparecer na Globo meu cachê era um tiquinho e após o primeiro programa, pulou uns cinquenta tantos. Ao sair, caiu para um ticão e estabilizou em um tico.

Bem que falei que estava embromando. Ei, os cajus estão bonitos!

Nelson Mattos Filho

Imagem

Parabéns marujada!

24993626_2426955704195234_7574972645556270911_n

Hoje é mais um dia feliz!

11 Novembro (125)

.…Dona da minha cabeça quero tanto lhe ver chegar….Quero saciar minha sede milhões de vezes Milhões de vezes…. Na força dessa beleza é que eu sinto firmeza e paz… Por isso nunca desapareça…. Nunca me esqueça, eu não te esqueço jamais…. Eu digo e ela não acredita, ela é bonita demais….

Parabéns, meu amor!!!! Até a falha na lente da máquina lhe caiu bem.

Encerradas as buscas pelos tripulantes do San Juan

2017-11-25t172504z_97904387_rc1a5a1c7030_rtrmadp_3_argentina-submarine-e1511869446715A Marinha da Argentina anunciou ontem, 30/11, que encerrou as operações para resgate dos tripulantes do submarino ARA San Juan, porém, concentrará esforços na localização da embarcação. Alguém haverá de perguntar se não é a mesma coisa, mas adianto que não, porque pelo código naval, são operações diferentes, inclusive pelo tipo de equipamento e força humana utilizados. Foram 15 dias de intensa busca, que contou com participação de equipes de vários países, e apesar de terem vasculhado uma grande área do oceano, com ajuda de navios, aviões e radares, nada foi encontrado. Geralmente operações de resgate de sobreviventes no mar, duram em torno de 7 dias.