Arquivo da tag: Enxu-Queimado

Magias da natureza

IMG_0412

“Umbuzeiro é a árvore sagrada do sertão”

frase do livro Os Sertões

Anúncios

Nas veredas das dunas – I

7 Julho (29)As areias e dunas das praias do Rio Grande do Norte e Ceará e um atrativo para os proprietários de carros 4×4 e buggy e tem roteiros para todos os gostos e gastos. Não que isso seja visto com bons olhos pelos órgãos e ONGs ligados ao meio ambiente e também pelos banhistas, que perdem o sossego e a paz com tantos automóveis circulando sem nenhuma regulamentação adequada, muitas vezes em velocidades alucinantes e dirigidos por motoristas fazendo uso de bebidas alcoólicas. Antes que eu leve uma bordoada é preciso dizer que toda exceção tem uma regra.

7 Julho (38)Carro em beira de praia pode até parecer uma aberração nesses tempos de politicamente correto, onde o correto nem sempre está do lado do politicamente falando, mas é isso o que mais se vê nas praias ensolaradas de um Nordeste arretado de bonito. Que o passeio é maravilhoso, ninguém duvide, e de vez em quando embarco no carro de um amigo para aproveitar o que ainda pode ser feito, porém, embarco como um fiel e atento navegador no quesito segurança total no passeio e no que der para ser feito para não agredir tanto a natureza bela e indefesa. Nem sempre dá, mas a gente tenta!

6 Junho (123)Pois bem, hoje morando na paradisíaca praia de Enxu Queimado, litoral norte potiguar, em um pedaço quase virgem de praia – quase virgem é ótimo -, recebo a visita de alguns amigos e quando eles vêm aboletados em possantes 4×4, tentam nos levar pelas trilhas das dunas, que conheço bem, para um passeio até a Praia de Galinhos, uma das joias do turismo do RN. Tentam, tentam, atanazam e as vezes ganham a parada e lá vamos nós. Foi numa dessas que embarcamos no carro do casal Afonso e Fabiola Melo e pegamos o beco, ou melhor, o areal para a praia peninsular, onde teoricamente não deveria existir tráfego de automóveis, porém, como em tudo nesse nosso Brasil tem um senão, Galinhos tem carro sim, e muito senões para macular as teorias e normas.

7 Julho (34)Conheci Galinhos quando tudo era apenas uma brincadeira de aventureiros em meio a um amontado de cabaninhas de pescadores e uma ou duas ideias de pousadas em estado aconchegantemente bruto. Era show! Para chegar até lá o mais fácil era de carro pela BR 406 até o Pratagil, estacionamento público onde deixávamos o carro e embarcávamos num barco a vela para chegar a praia do outro lado do rio. Hoje ainda é assim, mas os barcos são a motor. De buggy pela beira mar, partindo de Caiçara do Norte, era um viajandão em todos os sentidos e existiam poucos carros fazendo o trajeto. Hoje, a beira mar entre Caiçara e Galinhos é uma via expressa e se vê todo tipo de modelo de carro e não apenas os 4×4 e buggys. É uma farra!

7 Julho (91)Será que estou muito crítico nessa prosa? Acho que sim e acho que não, mas é melhor dar bordo e seguir viagem no possante de Afonso.

7 Julho (40)Saímos de Enxu na manhã de um domingo feliz, com maré no começo da vazante, serpenteamos as dunas da Ponta dos Três Irmãos, um ponto notável e onde começa a Carta Náutica 800, desembocamos na Praia do Serafim, para mim umas das mais belas desse litoral, acionamos a tração total para cruzar as praias de São Bento do Norte até darmos de cara com o Farol de Santo Alberto, motivo de teima histórica entre os moradores de São Bento e Caiçara. Acho que o farol pertence ao Santo Bento, mas os pescadores batem o pé e afirmam com todas as letras que é de Caiçara. A peleja é grande! Do farol tomamos as ruas das cidades, isso mesmo, das cidades, pois são tão pegadas que não se definem. – E por que seguir pelas ruas e não pela beira mar? Porque foram construídos alguns espigões na beira mar, para tentar segurar a força da maré, e estes impedem a circulação de veículos. Cruzamos Caiçara por completo e novamente caímos na faixa de areia e dali para frente acessamos a via expressa. Lembra que falei nela?

7 Julho (49)7 Julho (48)7 Julho (50)7 Julho (52)7 Julho (53)7 Julho (62)Mais ou menos 20 quilômetros separam Caiçara do Norte de Galinhos, pela beira mar e depois de algumas teimas a bordo chegamos ao destino, onde paramos para registrar em fotografia a passagem da nossa trupe. Retrato batido, algumas considerações, alguns pormenores e fomos passear de carro pelas ruas de Galinhos. – De carro? Pois é, de carro! Tentei reviver a nossa primeira visita aquele outrora paraíso, mas não encontrei o fio da meada. O farol está lá, lindo como sempre foi, mas a áurea da cidade já não é a mesma. Pedra de calçamento em vez das escaldantes areias, que nos fazia apressar o passo. Visitantes por todos os lugares. Inúmeras casas. Várias pousadas. Muitos bares e restaurantes espalhados na praia da frente. O portinho desfigurado, porém, os Tele Burros continuam trafegando e tem até estacionamento e associação. – Quer saber? – Perdi o encanto daquela primeira vez, quando o silêncio imperava, a paz era sentida em cada passo que dávamos, o aceno e o aperto de mão era caloroso, tudo era magia, tudo era vento, mar, rio e barco a vela.

7 Julho (54)Paramos o carro em frente ao porto, fiz algumas fotos, tomei uma água, entrei novamente no carro e me recolhi em reflexões, enquanto esperava Lucia que tinha ido tentar reencontrar vestígios do passado.

7 Julho (57)O que fizeram com você Galinhos?

Nelson Mattos Filho

Imponderável

7 Julho (40)Farol de Santo Alberto, conhecido no mundo náutico como Farol de Caiçara, porém, está localizado no município de São Bento do Norte. Os municípios de Caiçara do Norte e São Bento, de tão próximos, parecem dividir praticamente o mesmo espaço territorial e o Farol é protagonista de uma velha e animada peleja entre os moradores dos dois rincões. Nessa postagem não vou entrar na teima do farol, que já foi tema de postagens anteriores, queria apenas dar um Norte a esta escrita. A Marinha do Brasil, através da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte, emitiu comunicado a comunidade náutica do RN, principalmente as colônias de pescadores, solicitando que informem quais faróis ou auxílios náuticos ainda mantém sua viabilidade, pois existe uma proposta para cancelamento de alguns auxílios luminosos na região Nordeste. Ora, na minha  singela visão de aprendiz nas coisas da navegação, os auxílios cegos ou luminosos, principalmente os faróis, jamais podem ser considerados inviáveis, a não ser quando não mais exista o motivo de sua atenção, como a retirada do obstáculo ao qual ele indica. Se o objetivo da proposta for redução de custo, aí é que não se justifica mesmo, pois estamos lidando com aspectos de segurança a vida humana e quanto a isso não existe justificativa que se sobreponha a razão. Falando sobre o assunto com os pescadores da Colônia de Pesca de Enxu Queimado – Z-32, todos foram unanimes em afirmar que os faróis de Caiçara, Touros, Galinhos e todos os outros que fazem referência a região, são de extrema importância para eles, pois é pelos lampejos que eles se orientam em noites de escuro e tormenta. Acho eu que a Marinha do Brasil tem assuntos mais importantes, no atual momento em que vivemos, para direcionar seus estudos, como por exemplo, o combate a violência e pirataria que já se faz presente nos mares brasileiros.

Veja a lista dos faróis e auxílios luminosos, do RN, que fazem parte da proposta:

imageimage

 

Surf em alto mar no Rio Grande do Norte

Point de surf no RN. Crédito Rogerson Barroso

Desde que enveredei pela vida no mar a bordo de um veleiro, não canso de afirmar, e sem medo de errar, que o litoral brasileiro tem belezas e riquezas difíceis de serem encontradas em outros lugares do mundo, porém, infelizmente, ou felizmente, não sabemos aproveitar e nem procuramos saber. Talvez seja até melhor, porque assim retardaremos o violento processo de agressão a algumas das muitas maravilhas da natureza que existem em nosso território. Dia desses, navegando nos mares da internet, me deparei com uma matéria, de novembro de 2015, no site Surfar, em que falava de um segredo em alto mar localizado no mar do nordeste. Pela bela imagem acima, que também abre a matéria da Surfar, fui devorado o texto em passos lentos, na tentativa de descobrir onde ficava o tal segredo, já que era no litoral do Rio Grande do Norte. Pelas imagens que se seguiam ao texto, logo percebi que a base da “expedição” era a península de Galinhos e o segredo devia estar situado em alguma das urcas em frente aquele pedaço de paraíso. Mostrei as fotos ao amigo de fé e pescador Manoel Correia, da praia de Enxu Queimado/RN, conhecedor como poucos dos segredos daquele mar, e ele disse que das duas uma: Ou seria a Urca do Tubarão, ou a Urca da Pedra Seca, porém, ele apostava no Tubarão. E Manoel disse mais: De Enxu Queimado a Galinhos existem várias urcas que oferecem todas as condições para a prática do surf da melhor qualidade, inclusive, na Urca da Cotia, em frente a Enxu e a 8 milhas da costa, as ondas são mais perfeitas e maiores do que no Tubarão e na Pedra Seca – conhecida também como Urca das Oliveiras. Marquei com ele para ir até lá e em breve mostrarei as fotos e comentarei o que vi. Pois é, o litoral brasileiro tem pareia não! Veja a matéria da Surfar no link sublinhado.        

Dos deuses da culinária

2 Fevereiro (188)

Escaldaréu na linguagem simples e direta do pescador é um pirão do caldo de peixe preparado sobre o piso da jangada e muitas vezes feito com a própria água do mar. Mas não se assuste e nem faça careta, porque nesses tempos modernosos, em que os barcos estão mais equipados, o pirão é feito mesmo na panela, porém, para tudo na vida existe  saudosismo. No último dia 22/02 acordei com desejo de comer um escaldaréu e saí pesquisando com aos amigos pescadores da praia de Enxu Queimado/RN sobre a melhor receita do prato e entre várias indicações vi que, como toda receita, não existe aquela que podemos chamar de original, pois depende dos ingredientes que tiver a bordo e todas me pareceram deliciosas. Lá para as tantas cheguei na casa de Paulino Correia e Lindamar e falei do meu desejo e eles se prontificaram a preparar o prato, mas eu disse que queria que tudo fosse preparado sob as barracas que ficam na beira mar. – E qual o problema? –Vamos preparar lá! Combinamos para o começo da noite e na hora marcada estávamos a postos, com uma garrafa da cachaça alagoana Caraçuipe embaixo do braço. Convidamos alguns amigos, entre eles Seu Neném Correia, Seu Nilo, Dona Tita, Lucinha de Pedrinho, Loura, Dedinha e alguns meninos que estavam zanzando por ali. Lindamar acendeu o fogareiro a carvão, botamos o panelão com peixe no fogo e fomos bater papo até que o cheiro denunciou que a prato estava pronto e fomos tirar a prova dos nove se o bicho estava mesmo bom como merecia. Rapaz, o bicho tava bom não, tava a molesta de saboroso e teve gente que raspou o tacho. De bucho cheio e a cabeça com algumas doses de cachaça a mais, voltamos para casa satisfeitos da vida e com a certeza que o danado do escaldaréu é de se comer lambendo os beiços. Agora vamos a receita: Peixe cortado em postas, incluindo a cabeça e o rabo; cebola, tomate, pimentão, cebolinha, coentro, um pouquinho de colorau, um pouco de óleo e sal a gosto. Ponha tudo na panela e leve a fogo até ferver. Coloque farinha de mandioca em outra panela e vá despejando o caldo quente do peixe em cima, mexendo, até ficar homogêneo. Pronto: Chame os amigos, abra uma cerveja bem gelada, ou uma garrafa de cachaça da boa, mande seu nutricionista procurar coquinho em ovo e coma sem culpa.    

Um marco esquecido

2 Fevereiro (17)2 Fevereiro (28)2 Fevereiro (29)2 Fevereiro (31)10 Outubro (69)10 Outubro (72)

Essa é a Praia do Marco, litoral norte do Rio Grande do Norte, localizada na divisa do municípios de São Miguel do Gostoso e Pedra Grande, e para alguns historiadores, entre eles Lenine Pinto, foi a aí que o Brasil foi descoberto. Quem acompanha o Diário do Avoante desde o princípio deve está familiarizado com a praia, porque vez por outra o Marco serve de tema para nossas postagens, pois conheço de perto suas potencialidades, seu abandono, suas deficiências e a eterna leniência e descaso com que os homens públicos, dos dois municípios e do governo estadual, dispensam a um dos principais marcos da história das terras das Pindoramas, que está praticamente jogado a própria sorte. A Praia do Marco é linda por natureza e não merecia o desprezo em que se encontra. Quisesse deus, o Tupã, que o tempo retrocedesse uns quinhentos anos, pois só assim talvez a história desse outra sorte a essa praia entristecida.    

Colorindo Enxu Queimado de rosa

IMG_0377IMG_0380IMG_0384

O Outubro Rosa foi comemorado na Praia de Enxu Queimado, nesta sexta-feira, 28/10, com um passeio ciclístico até a Praia do Marco, um percurso de pouco mais de 11 quilômetros. Foi um dia de conscientização e festa que contou com o apoio da Secretaria de Saúde do Município de Pedra Grande e do Grupo Serveng, que constrói e administra um parque eólico na região.

img-historiaVocê sabe como começou esse movimento no mundo? Segundo o site da ONG Outubro Rosa, que tem como objetivo participar e divulgar a importância do Diagnóstico Precoce do Câncer de Mana, a história é assim:    O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.
A história do Outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade (www.komen.org).
Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. Para sensibilizar a população inicialmente as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, desfile de modas com sobreviventes (de câncer de mama), partidas de boliche e etc. (www.pink-october.org).
A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e etc. surgiu posteriormente, e não há uma informação oficial, de como, quando e onde foi efetuada a primeira iluminação. O importante é que foi uma forma prática para que o Outubro Rosa tivesse uma expansão cada vez mais abrangente para a população e que, principalmente, pudesse ser replicada em qualquer lugar, bastando apenas adequar a iluminação já existente.
A popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos em em torno de tão nobre causa. Isso faz que a iluminação em rosa assuma importante papel, pois tornou-se uma leitura visual, compreendida em qualquer lugar no mundo.