Arquivo da tag: vela de cruzeiro

Olá!!!

IMG-20191130-WA0073

Tem pessoas que entram na vida da gente apenas com um simples olá e se tornam amigos para toda uma vida. Foi assim com o casal Marta Machado e Fernando Luiz, quando certa vez estávamos com o Avoante ancorando no Iate Clube do Natal e cruzamos com o casal saindo do curso de Arrais Amador, que acontecia no auditório do clube. Fernando todo de branco, acusando sua condição de médico, e Marta, também médica, mas observando tudo e querendo saber todos os segredos daquela que seria a nova extensão de sua casa e foi mesmo, pois o casal, durante o bom período em que foram sócios do ICN foram ativos agregadores e animadores de todos os movimentos náuticos e sociais que aconteciam naquele recantinho gostoso nas margens do histórico e belo Rio Potengi. Depois daquele “olá” cultivamos e regamos uma amizade estreita e assim fomos navegando pela vida, aproveitando os alísios, aprendendo com os amuos do mar que banha as terras de Poti, trançando rotas nos mares da Bahia e atravessando boa parte do Atlântico em uma epopeia, que jamais nos sairá da lembrança, até a Ilha de Fernando de Noronha, numa velejada que aconteceu de tudo um pouco e que durou maravilhosas 84 horas.  Aprendemos muito com Marta e Fernando, inclusive como entrar de cabeça e sem noção no negócio de charter em veleiro, porque fomos intimados por eles a montar um charter de sete dias pela Baía de Camamu, passando pelo Morro de São Paulo e terminando nas águas abençoadas da Baía de Todos os Santos. O pacote tinha três exigências básicas: 7 latas de cerveja por dia; 7 garrafas de vinho chileno e algumas caixas de chocolate para Marta. A cerveja era para Fernando, mas como fiquei cabreiro e conhecendo o bebedor como conhecia, comprei quase o triplo e terminamos o charter na reserva da reserva. O vinho deu, mas ficou faltando. Quanto aos chocolates, juro que não lembro, mas a cozinha funcionou a todo vapor, onde Lucia montou um cardápio de fazer inveja a qualquer chef mais famoso e garanto que qualquer um deles perdia feio. E assim foram as nossas navegadas e os encontros ao longo dos anos que se seguiram, tudo muito farto, tudo na mais perfeita harmonia e tudo festejado com muita alegria e boas risadas. Eles dizem que fomos os grandes incentivadores do projeto que rabiscavam a passos moderados de um dia largar tudo para viver a vida a bordo de um veleiro e até me sentia culpado sobre isso, pois sabendo do sucesso profissional e familiar que eles tinham, por muitas vezes desejei que o projeto não largasse as amarras. Porém, os duendes que chafurdam e botam pilha no lado desajuizado do juízo da gente, falavam assim: – Muito bonito pra sua cara de anjo, largasse tudo, jogasse tudo para o alto e nem esperou que caísse alguma coisa na cabeça, embarcou em um veleiro e se danou no meio do mar e agora quer que o sonho dos outros encalhe no vazio da alma? Fizemos uma reunião de diabinhos e decidimos que se você continuar com essa chorumela tu vai ver o que é bom pra tosse, viu! Pois assim foi, Fernando e Marta largaram o indecifrável da vida urbana, se mandaram para os “estaites”, sem medo de errar ou dos erros que por acaso surgirem na proa, compraram um veleiro de oceano e para comemorar a comprar, sentaram no cockpit, diante do mar do Tio Sam,  e fizeram o primeiro brinde da nova vida em nossa companhia. – Se estávamos lá? – Estávamos e não estávamos! – Aliás, não estávamos, mas estávamos! – Peraí, calma que explico! Eles sentaram no cockpit, abriram uma champanhe e enviaram a foto com a frase: “Primeiro brinde junto com vocês!!! Que nos inspiraram e ajudaram muito!!” 

Tim tim, queridos amigos, desejamos que Netuno e todo seu séquito de encantados abençoe suas navegadas e sempre os guiem por águas tranquilas.

Hora de pular o Taiti?

huahine-Tahiti-Nui-Television

O site Sailing Totem vem com matéria interessante sobre um movimento que está ocorrendo em algumas ilhas da Polinésia Francesa, principalmente Taina e Taiti, que tem como objetivo principal chamar atenção para ancoragens irresponsáveis, que não respeitam os costumes locais, a fauna, a flora e os corais. Para quem passa uma vista rápida na matéria ou mesmo faz o julgamento apenas com base na manchete, como é comum na maioria dos usuários das mídias sociais, o movimento parece ser antipático e tenta afastar os velejadores de cruzeiros que por lá ancoram. Olhando da ótica que essa minha mesinha de “trabalho”, de frente para um maravilhoso coqueiral, sombreado pelo oceano, me proporciona, acho até que as duas afirmativas são verdadeiras, mas quando tiro a mente da inércia e me transporto em pensamentos para a bordo de um veleiro, vejo que os polinésios têm boa parcela de razão, porque durante minha vida náutica fui testemunha de verdadeiras aberrações cometidas por velejadores de finais de semana, como também por parte de cruzeiristas. Aliás, grupos de adoram denegrir os usuários de lanchas e motonáuticas, mas como bem diz o ditado: Macaco não olha para o rabo. – Hora de pular o taiti? – Você é quem sabe, mas antes de decidir, clique AQUI e leia a matéria completa. 

Registros e recordações

viagem no Tranquilidade em 2011 (40)

Vasculhando os arquivos da alma para espanar a poeira, pesquei essa imagem, uma pequena fração da velejada no catamarã Tranquilidade, entre São Luiz/MA e Natal/RN, em junho de 2012, na companhia dos amigos Sérgio Marque, Moby, Erasmo e Flávio Alcides. O retrato foi  o registro da ancoragem no Marina Park Hotel, em Fortaleza/CE. – Quer saber o que Lucia serviu nesse almoço, né? – Acesse o link, Nas águas de Iracema, e confira! E assim, segue o tempo!

REFENO, celeiro de boas amizades

Imagens 105Imagens 106Imagens 114Imagens 122Imagens 125Imagens 127Imagens 129Imagens 130Imagens 136Imagens 137Imagens 138Imagens 140Imagens 145Imagens 148Imagens 155Imagens 159Imagens 167Imagens 172Imagens 174Imagens 185Imagens 187Imagens 191Imagens 195Imagens 199Imagens 201Imagens 206Imagens 212Imagens 215Imagens 216

A REFENO – Regata Recife/Fernando de Noronha, uma das mais gostosas provas do iatismo brasileiro, um grande encontro dos amantes da vela de oceano, mas antes de tudo, é nas dependências do Cabanga Iate Clube de Pernambuco que boas e sinceras amizades são forjadas e se perpetuam abençoadas por gotas de água salgada. As imagens que ilustram essa postagem, com personagens que fizeram a história da REFENO 2010 – uma prova que os deuses do mar fizeram questão de testar a capacidade dos comandantes em um mar de faroeste – fazem parte de um recheado acervo de memórias que guardo com muito carinho.  Lembranças e saudades de uma vida bem vivida ao sabor dos ventos e sob os ensinamentos do mar.   

Aviso aos navegantes e afins

7 Julho (119)

Confirmando as informações publicadas aqui, em 01 de agosto, a Marinha do Brasil, através da Diretoria de Hidrografia e Navegação, emite nota a imprensa alertando para as condições de mar grosso, com previsões de ventos de até 40 nós, entre a Bahia e o Rio Grande do Norte, entre os dias 5 e 7 de agosto. Passando o olho nós gráficos dos institutos meteorológicos, podemos notar que o amuo das forças de Netuno se estenderá um pouco mais e com maior intensidade. 

MARINHA DO BRASIL

DIRETORIA DE HIDROGRAFIA E NAVEGAÇÃO

NOTA À IMPRENSA

Niterói, RJ.  Em 4 de agosto de 2019.

A Marinha do Brasil, por meio do Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), participa que a persistência de um sistema de alta pressão sobre o oceano poderá provocar ventos de direção Sudeste a Leste com intensidade até 74 km/h (40 nós) entre os estados de Alagoas e do Rio Grande do Norte, ao sul de Natal (RN), entre o dia 4 à noite e o dia 7 pela manhã. Este sistema também poderá provocar ondas, em alto-mar, de direção Sudeste a Leste entre 3,0 e 4,0 metros nas proximidades do litoral entre os estados da Bahia, ao norte de Salvador (BA), e do Rio Grande do Norte, ao sul de Natal (RN), entre o dia 5 pela manhã e o dia 7 pela manhã. Haverá condições favoráveis à ocorrência de ressaca com ondas de direção Sudeste até 2,5 metros entre Salvador (BA) e Touros (RN), entre o dia 5 pela manhã e o dia 7 pela manhã.  A Marinha do Brasil mantém todos os avisos de mau tempo em vigor no endereço eletrônico https://www.marinha.mil.br/chm/dados-do-smm-avisos-de-mau-tempo/avisos-de-mau-tempo. Adicionalmente, as informações meteorológicas podem ser visualizadas na página do Serviço Meteorológico Marinho no Facebook, no link: https://www.facebook.com/servicometeorologicomb/, e por meio do aplicativo “Boletim ao Mar”, disponível para download na internet, tanto para o sistema Android quanto para iOS, desenvolvido em parceria entre a Marinha do Brasil e o Instituto Rumo ao Mar (RUMAR). Alerta-se aos navegantes que consultem essas informações antes de se fazerem ao mar e solicita-se ampla divulgação às comunidades de pesca e esporte e recreio.

Contato:  Assessoria de Comunicação Social da Diretoria de Hidrografia e Navegação

Baía de Camamu, a realidade e o país da fantasia

Outubro (1)

Sou solidário na dor e na revolta, diante do sentimento de impotência, que deve estar sentindo a velejadora Guta, mas o que aconteceu com ela, na baía de Camamu/BA, é nada mais, nada menos, do que acontece diariamente no Brasil real, que é o Brasil infinitamente distante das páginas e retratos editados das mídias sociais. No país maravilha dos facebooks, instagrans, whatsapps e outras feitiçarias quaisquer, a realidade do que aconteceu a bordo do veleiro Guruçá representa apenas nada mais do que um dia, ou no máximo dois, de curtidas e comentários revoltosos e ponto. O áudio que hoje, 26/07, foi divulgado pela velejadora é o retrato mais fiel da realidade que vive o Brasil verdadeiro. Realidade em que figuram os personagens da justiça que emperra na hora que deveria andar, da delegacia que está fechada em horas inoportunas ou simplesmente não tem pessoal, nem material humano, nem carros, nem equipamentos para atender uma ocorrência. Do hospital que não atende por falta de medicamentos, equipamentos adequados, macas ou apenas porque o médico não quer atender naquela hora crucial para aliviar a dor e a alma daqueles que sofrem. O Brasil onde as autoridades impedem a divulgação das estatísticas e onde as estatísticas são manipuladas ao bel prazer das suas vontades. O Brasil do tudo pode e nada existe de fato, nem de direito, pois tudo é direito e nada é fato. O Brasil em que uma criança dos cafundós da floresta amazônica é barbaramente assassinada pela mãe e sua companheira e tudo continua como antes. O Brasil onde o assassino  confessa que matou apenas pelo prazer de matar, porque o que ele queria era ficar alegre, e ficou. O Brasil do tudo, do nada, do bárbaro, do sentimento de impotência, da desgraça, da graça, da esmola, do circo, dos aplausos, das vais, dos vivas, do futebol, do santo ofício, das necessidades. Brasil da falta de vergonha na cara. O Brasil que vota por um pedaço de pão e uma dose de cachaça, mas que não deve nada ao Brasil que vota por uma dose de uísque 12 anos e um jantar no mais caro restaurante do jet set. Amiga Guta, infelizmente sua dor é real, mas sua luta é inglória, e você irá perceber ao caminhar alguns passos até que resolva olhar para trás, pois ninguém, a começar pelas autoridades que deveriam lhe dar abrigo, marchará a seu lado por mais do que um ou dois quarteirões, pois no Brasil da fantasia não cabe a insensatez da realidade. Encerro esse texto inglório e revoltante com o comentário do velejador baiano Julival Fonsêca de Góis, na postagem, Triste sina de um país contaminado pela impunidade.          

Olá, caro Nelson, pena que após expressivo período de tempo sem nos falarmos, que agora voltemos a fazê-lo como dantes. De início, queremos dizer que sua ira é uma maneira injusta para com nosso poder superior: Guta, deveria, sim, ajoelhar-se sobre uma camada de sal grosso, sob sol escaldante de 45 graus, por horas seguidas parada como uma estátua sobre a cabine do veleiro, com o olhar voltado para os céus e de modo contrito orar, orar e orar agradecendo ao criador por ter saído viva. Não ela a primeira vítima “ingrata” e não será possivelmente a única. Situações idênticas acontecem em todos os quatro quadrantes brasileiros. E quando ouvimos nossos gestores responsáveis, todos são unanimes em dizer: “hoje como nunca, nosso governo tem diminuído a violência”. Falam assim cinicamente enganando-se a si próprios. Há poucos dias, um grupo de bandidos, em represália a uma determinação judicial, invadiu uma propriedade da VERACEL, produtora de eucalipto e sob os “holofotes” dos celulares, não se intimidavam em mostrar toda brutalidade de que são capazes, quando quebraram e queimaram veículos, por pouco não assassinando os seguranças empregados exatamente para protegerem o patrimônio alheio. E porque assim procederam? Exatamente pelo indiferentismo de nossas “aRtoridades” em casos semelhantes, a exemplo do bandidiso cometido ano passado contra investidores japoneses no município de Correntina, oeste baiano, quando tudo destruíram causando prejuízo superior a 60 milhões de reais, deixando centenas de famílias desempregadas e inibindo a que outros investidores pensem em novos projetos. Para não mais nos alongar, quando nos decidimos pela venda do SEDUTOR( já felizmente consagrada), a razão maior foi exatamente essa: ausência de liberdade par vivermos nossa velhice em paz ao sabor dos ventos. Esteja certo, que não fossem esses registros, nossas delegacias de policia, estariam criando dificuldades para a realização dos “BO”, imoral situação que segundo alguns, uma determinação de sua excelência, a excelentíssima autoridade maior do estado da Bahia, o Excelentíssimo Senhor Dr. Governador. Agora, uma pergunta que não “ofende”: É ele diferente dos anteriores? Não, não é! Porque todos tem sido farinha com “bolô” no mesmo saco! Calate-boca, Julival! É melhor parar por aqui. À senhora GUTA, nossa irrestrita solidariedade. Fraternalmente, Julival Fonsêca de Góes

Triste sina de uma país contaminado pela impunidade

Outubro (45)

Essa imagem é de uma das mais fascinantes ancoragens da paradisíaca Baía de Camamu, o canal entre as ilhas de Sapinho e Goió. Jogar âncora nas águas desse canalzinho delicioso é um desejo de boa parte dos velejadores de cruzeiro, não somente brasileiros, mas principalmente estrangeiros, que se encantam pela vida vivida quase em estado bruto da encantadora baía que é o principal cenário da Costa do Dendê. Essa imagem é de 2015, última vez que passei por lá, a bordo do veleiro Compagna, do comandante Braz, em viagem que teve a carioca Paraty como destino final. Sou declaradamente apaixonado pela Baía de Camamu, um lugar mágico, e adentrar navegando aquela indecifrável paisagem, que o Criador se esmerou em desenhar, não tenho palavras para definir. – Quer que conte uma tristeza? – Conto! Segundo informações colhidas nos grupos de mídias sociais de velejadores, foi no canal do Goió que nesta quarta-feira, 24/07, aconteceu mais um criminoso caso de pirataria no Brasil, quando dois bandidos invadiram o veleiro carioca Guruçá, do comandante Fausto, e agrediram a Guta, esposa do Fausto, crime que ela mesma relatou e você lerá logo abaixo. – Dizer o que? Diante da tristeza e perversidade do acontecido, que felizmente Guta escapou apenas com hematomas, físicos e na alma, e gritando sua dor e impotência aos quatro ventos, não tenho muito a dizer, apenas que enquanto, como cidadãos, somos reféns do caos, nossos governantes brincam de ideologias baratas, de fazer  beicinhos, de discutir bairrismos e de mexer cordinhas de marionetes. – Nós? – Seremos eternamente palhaços!

Estamos fundeados em Camamú -BA e hoje, após Fausto sair com o Xerife para uma caminhada, fui surpreendida por dois homens. Um ficou na canoa e o outro subiu à bordo, com uma faca na mão.
Quando percebi o perigo, infelizmente não havia uma arma na mão, pois eu teria tempo de reagir.
Fui dominada, amordaçada, presa pelos pés em uma cadeira e as mãos nas costas.
Eles perguntavam por dinheiro, só dinheiro, que estava em uma mochila, mas amordaçada, eu não tinha como responder e por isso apanhei.
No rosto, nas pernas, nas costelas e estômago.
Quando encontraram a bolsa, levaram o dinheiro que tínhamos à bordo e mais nada.
O cara da canoa dizia: Rápido, só pegue dinheiro.
Minha pressão caiu e desmaiei.
Quando acordei, meus pés estava roxos pelo aperto da fita na cadeira.
Tive que me machucar mais ainda para conseguir pedir ajuda pelo rádio VHF.
Gostaria de agradecer ao Barba Negra que me desatou, e a todo pessoal: Caboges, Strega, Beijupirá que foram carinhosos e cuidadosos comigo.
Estou toda dolorida e com machucados bem feios que não vale a pena compartilhar.
Toda a comunidade está se esforçando para encontrarem os bandidos, um paraíso como esse não pode ser contaminado com a impunidade.