Arquivo da tag: regata

Recorde na regata Transat Jacques Vabre 2017

imagesVapt-vupt, foi assim a velejada dessa ferinha, que aparece na imagem, entre Le Havre, região francesa da Alta Normandia, e a baianíssima Salvador, terra abençoada pelo Senhor do Bonfim. O trimarã de 100 pés, comandando pelos franceses Thomas Coville e Jean-Luc Nelias, cruzou o Atlântico como uma bala e gastou 7 dias, beirando o oitavo, e atracou, nesta segunda-feira, 13/11, cheio de vontade de se lambuzar de dendê no píer do Terminal Náutico da Bahia, e foi o primeiro participante da regata Transat Jacques Vabre 2017 a cruzar a linha de chegada e com isso ostenta orgulhoso a faixa de Fita Azul no alto do mastro. Fita Azul, no iatismo, é o primeiro barco a cruzar a linha de chegada, independente do tamanho, classe ou vontade dos concorrentes. O trimarã da Sodebo foi seguido de perto por outro trimarã voador, mas este, entre um contrapé e outro, cruzou a linha duas horas depois. As duas feras conseguiram baixar o recorde da prova em três dias. Danou-se! Agora as duas tripulações ligeiras, vão se aboletar diante de um tabuleiro de acarajé para esperar pacientemente pelos concorrentes que cortam água por aí, entre eles o barco brasileiro Mussulo 40, que compete na Class 40. O Mussulo 40, comandado pelos competentes Leonardo Chicourel, baiano arretado, e José Guilherme Caldas, teve alguns problemas e aparece, por enquanto, na 13ª posição, em sua classe. A Transat Jacques Vabre é uma das mais tradicionais provas do iatismo mundial e nessa edição retorna a Bahia, onde aportou em tempos idos. Fonte: Coluna do Murilo 

Anúncios

O fim de semana será de festa em Angra dos Reis

Bracuhy-divulgação

O mar de Angra dos Reis estará em festa neste final de semana, 24 a 26/03, com a realização da 1ª Regata JL Marina Bracuhy e que deverá contar com mais de 70 barcos na linha de largada. A FARVO – Flotilha de Angra dos Reis de Veleiros de Oceano, anuncia que a prova faz parte do calendário de regatas de Angra. Fonte: Almanáutica

XXVIII REFENO. É amanha!

image

É amanhã, sábado, 24/09, precisamente às 11 horas da manhã, a largada da XXVIII REFENO, Regata Recife/Fernando de Noronha, e quem quiser acompanhar ao vivo, basta se adiantar e marcar presença na Praça do Marco Zero, Centro do Recife, logo cedinho, porque as largadas da Refeno sempre viram festa e o povo comparece em grande número. Como foi dito aqui anteriormente, a previsão é de uma prova em mar de almirante e vento Leste/Sueste, em torno dos 15 nós de velocidade. O quadro acima, copiado do CPTEC/INPE, mostra como serão as condições da ancoragem na ilha maravilha, mar azul, vento gostoso e tomara que os golfinhos de Noronha marquem presença no Porto do Santo Antônio, passeando entre os barcos para conhecer a flotilha. Vale lembrar aos tripulantes mais afoitos, que é terminantemente proibido ficar na água quando aparecem golfinhos e aqueles que insistem, podem se meter em sérias complicações com os órgãos ambientais. 

O recorde da Refeno

O programa Bahia Náutica, exibido por uma emissora de televisão da Bahia e apresentado pelo jornalista e velejador Denis Peres, foi durante muitos anos uma referência para a náutica baiana, mas estendia seus tentáculos pelo mares do Brasil, até sair do ar por volta de 2009. Boas entrevistas e uma excelente e diversificada pauta de assuntos ligados ao mar, davam uma excelente audiência ao programa. Digo isso porque certa vez fomos entrevistados e não era raro sermos reconhecidos nas ruas de Salvador como o casal da entrevista. A edição da Refeno de 2007, Regata Recife/Fernando de Noronha, teve seu recorde cravado pelo catamarã baiano Adrenalina Pura, com 14h 34 min 54s, e média de velocidade, 20,4 nós, que perdura até hoje, 09/09/2016, e o programa Bahia Náutica registrou tudo. A próxima edição da Refeno larga dia 24 de setembro do Marco Zero, no Porto do Recife, e quem sabe não surja daí um novo recordista. Fonte do vídeo: Youtube

10º Regata dos Pescadores da praia de Enxu Queimado

13672246_1119472444782484_211365138_n

A praia de Enxu Queimado, litoral norte do Rio Grande do Norte, estará em festa no próximo final de semana, 13 e 14/08, com a 10º REGATA DE PESCADORES, uma promoção de Pedrinho de Nenê Correia. É uma prova bem disputada, animada, descontraída e todo esse clima se espalha nas areias da praia com shows de bandas da região. O momento mais esperado e divertido da premiação e a volta no burro – Eles enfeitam um burro com tiaras de flores e latas velhas, para fazer barulho, colocam em cima o comandante que se destaca entre os piores, normalmente é aquele que deu a virada mais espetaculosa, e tangem o burrico para um passeio entre os espectadores. Gozação é que não falta! Quem tiver em Natal, ou aproveitando as praias do RN, e estiver a procura de um bom programa para o final de semana, taí uma boa opção. Enxu Queimado é uma das mais belas praias do litoral potiguar e se destaca por manter viva a tradição da pesca artesanal que lhe confere uma das maiores produção de lagosta do Estado. Enxu se localiza a 145 quilômetros da capital e é distrito do município de Pedra Grande. A regata tem apoio da Marinha do Brasil, através da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte. 

Regata Aratu Maragojipe

13912621_927838110677085_9168888714146722775_n

Está chegando o dia da festa maior do Iatismo na Bahia! 47ª REGATA ARATU-MARAGOJIPE. Se você deseja participar, acho bom se adiantar. Informações adicionais veja no site: www.aratumaragojipe.com.br

Regata Aratu/Maragojipe – Relato de um tripulante

IMG_7971A Regata Aratu/Maragojipe, promovida pelo Aratu Iate Clube, em parceria com a Via Náutica Consultoria & Eventos, acontecerá dia 20 de agosto e com a proximidade dessa que é a 47ª edição, publico o texto de Antonio Lima, tripulante do veleiro baiano Desmantelo, do comandante Adriano Hora, relatando de forma bem humorada a participação dele na edição de 2011.

Toda vez que me olho, percebo que meus joelhos já não são mais os mesmos. Correr só com tênis especiais. Aventuras na chapada só com muito planejamento, mas meu espírito de aventura continua o mesmo da minha juventude. Talvez, seja esta minha melhor forma de me atualizar e me reciclar. Apreender nos erros, pois pior é não ter tentado. Vou contar.
Meu amigo e compadre Adriano comprou um veleiro. O Desmantelo. Este é o seu nome. Nada mais apropriado, pois segundo ele, desmantelo: “É vida, alegria e quebra de regras”. Pois é. Quando ele me fez o convite para participar de sua tripulação na regata aceitei o convite de cara, pois aventura é comigo!
Agendamos dia e hora. Encontramo-nos numa espécie de congresso técnico no Aratu Iate Clube, regado a coquetel muito alegre e divertido. Adriano (a partir daqui, pela ordem, capitão!) formava comigo a equipe que na manhã seguinte estaria velejando pela Baia de Todos os Santos rumo a Maragojipe.
Após o show saímos para dormir no barco. Pegamos uma espécie de taxi náutico que nos levou ao barco ancorado num boia com o nome esquisito que não consegui gravar o nome. Aos meus roncos, sob protesto do capitão na manhã seguinte, rumamos à boia de largada. No meio do caminho tivemos um pequeno problema de falha do motor, logo resolvido, mas claro com a tradicional ansiedade do capitão, quase ficávamos a deriva, mas tudo se resolveu. Rumamos à boia.
Ao chegarmos ficamos rodando em círculos aguardando o sinal da largada, pois barco não tem freio de mão, ou seja, não fica parado.
Dado a largada da nossa bateria, começamos a velejar, mas e o vento? Sumiu. Uma calmaria tomou o início da prova. Sem vento, velejar passa a ser caçada. Só que de vento, jargão que aprendi nesta regata junto, proa, popa, calado, vela de popa e muitos outros que enriqueceram meu vocabulário.
Após caçarmos bastante, conseguimos pegar o rumo de Maragojipe. Claro que o capitão indo à loucura em busca de uma melhor posição. Ele estava para “pirão”, ou seja, ele queria ficar pelo menos na primeira divisão. Para mim era mais uma aventura. Mas, comando é comando, ouvi atentamente todas as ordens que vinham em minha direção. Içar velas! Mudar de lado! Manter o leme! Verificar posição de boias de localização! Enfim, me senti assinando um contrato novo de venda de imóvel, pura pressão!
Diante de todas as dificuldades pela nossa inexperiência, inclusive do capitão, conseguimos chegar à entrada do Rio Paraguaçu, mas ainda estávamos na metade do caminho. Nova calmaria, mas chegamos. O Desmantelo sofreu muitas avarias. O capitão ficou decepcionado, pois quase foi para segunda divisão, mas com muita garra o importante foi completar a prova na vela. Valeu capitão!
Tirei desta aventura, algumas lições:
1. Como impressiona o silêncio. Quando todos os barcos desligaram o motor, o silêncio é total. Como somos barulhentos. Fiquei refletindo sobre isto durante o retorno.
2. Planejamento é fundamental. Pecamos por não termos montado uma estratégia de trabalho. Delegação de tarefas. O tradicional plano “B” no caso de ocorrências.
3. Velejar é paciência, logo o controle da ansiedade é fundamental para o sucesso de uma regata.
4. Trabalhar em equipe é fundamental. Bordão fatídico, mas verdadeiro! Fomos pegos pela fadiga mental associada à ansiedade costumeira do meu querido capitão! Fomos penados neste quesito.
5. Às vezes é melhor participar do que competir, principalmente quando ainda não desenvolvemos habilidades especificas necessárias em uma regata, ou seja, tínhamos habilidades para velejar, mas para competir não!
Assim, diante de tamanha aventura, mas uma vez obtive aprendizado. Fortaleci meu elo com Adriano, grande amigo e parceiro, talvez a maior lição. Revi muitos amigos na regata, Cicinho, Almir, Dondon, Aline e muitos outros, por exemplo. Convivi no mundo da vela, onde o senso de amizade e cooperação é muito forte. Espero participar de novas experiências. Viver é me manter jovem na alma, pois para os joelhos existe anti-inflamatório. Minha alma continua leve. Valeu capitão!