Arquivo da tag: Marinha do Brasil

Tradições navais

10 Outubro (182)

CORDA E CABO

Diz-se que na Marinha não há corda. Tudo é cabo. Cabos grossos e cabos finos, cabos fixos e cabos de laborar…, mas tudo é cabo.

Existem porém, duas exceções:
– a corda do sino e
– a dos relógios

Fonte: site mar.mil.br

Anúncios

Aviso aos navegantes

IMG_0180

O mar pelo litoral do Nordeste brasileiro está para peixe, mas para barco, somente para aqueles muito bem preparados para condições severas e comandados por timoneiros cabras da peste, porque além das ondas altas, em torno de 2,5 a 3,5 metros de altura, os ventos vindos do quadrante Sul não estão de brincadeira, soprando rajadas a mais de 25 nós. Será que é efeito do furacão Irma? Os especialistas dizem que uma coisa não tem a ver com a outra, porém, fui relatar as palavras dos homens do tempo para minha Mãe e ela disse assim: – Sei! Ontem, 12/09, em Pernambuco, um barco que faria sua primeira viagem levando mantimentos entre Recife e a ilha de Fernando de Noronha, naufragou a poucas milhas da boca da barra, depois de sofrer os efeitos do mar, e felizmente os seis tripulantes conseguiram nadar por cinco horas e chegaram ilesos a praia. A Capitania dos Portos informou que apesar dos avisos de mar grosso a embarcação seguiu viagem, o que não quer dizer nada, pois a decisão de seguir viagem ou não, deve ser tomada pelo comandante da embarcação, após observar os procedimentos de segurança e navegabilidade. O alerta da Marinha continua valendo até  dia 16 de setembro. A imagem que abre a postagem é da praia de Areia Preta, em Natal/RN.   

Tradições navais

F42_Constituição

CONHECENDO O NAVIO

A TOLDA À RÉ

    Existem conveses com nomes especiais. Um convés parcial, acima do convés principal na proa é o convés do castelo. A denominação é reminiscência do antigo castelo que os navios medievais levavam na proa onde os guerreiros combatiam.

    Em certos navios existem mais dois conveses com nomes especiais: o convés do tombadilho, que é o convés da parte alta da popa, e o convés da tolda.

    Nos navios grandes o local onde permanece o Oficial de Serviço, no porto, é chamado convés da tolda à ré.

    Nele não é permitido a ninguém ficar, exceto o Oficial de Serviço e seus auxiliares.

Fonte: mar.mil.br

Aviso aos navegantes

image

A semana começa com mar agitado no litoral nordestino e ventos soprando forte que nem um raio, previsão já esperada e anunciada pelos sites meteorológicos, entre eles o CPTEC/INPE. A Marinha do Brasil mantém o aviso de ressaca e alerta aos navegantes que tenham cautela  e verifiquem as condições da embarcação e o bom funcionamento dos equipamentos, antes de fazerem ao mar. O gráfico mostra as condições do mar no litoral da capital Potiguar, que tem promessa de melhora na sexta-feira, 04/08.

Tradições do mar

viagem no Tranquilidade em 2011 (34)

CONHECENDO O NAVIO

PRAÇAS E COBERTAS

Uns tantos compartimentos são chamados de praças: praça de máquinas, praça d’armas, praça de vaporizadores, etc.

   Os alojamentos da guarnição e seus locais de refeição são chamados de cobertas: coberta de rancho, coberta de praças, etc.

Fonte: mar.mil.br

Aviso aos navegantes

7a24d72f7721c5620aa1cd3ecd63f780anima_alturaO final de semana deve ser de chuva pelo litoral do Nordeste, com ventos fortes, mar agitado e temperaturas que podem variar entre 16 e 28 graus, coisa difícil de ser vista por uma região acostumada com o Sol forte. A Marinha do Brasil emitiu aviso de ondas de mais de 4 metros de altura entre Natal/RN e São Luiz/MA, a partir da noite da sexta-feira, 28/07, mas pela animação do gráfico do CPTEC/INPE, o aviso é válido para todo litoral nordestino. Portanto, quem pretende ir ao mar, é bom apagar o facho.

Imponderável

7 Julho (40)Farol de Santo Alberto, conhecido no mundo náutico como Farol de Caiçara, porém, está localizado no município de São Bento do Norte. Os municípios de Caiçara do Norte e São Bento, de tão próximos, parecem dividir praticamente o mesmo espaço territorial e o Farol é protagonista de uma velha e animada peleja entre os moradores dos dois rincões. Nessa postagem não vou entrar na teima do farol, que já foi tema de postagens anteriores, queria apenas dar um Norte a esta escrita. A Marinha do Brasil, através da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte, emitiu comunicado a comunidade náutica do RN, principalmente as colônias de pescadores, solicitando que informem quais faróis ou auxílios náuticos ainda mantém sua viabilidade, pois existe uma proposta para cancelamento de alguns auxílios luminosos na região Nordeste. Ora, na minha  singela visão de aprendiz nas coisas da navegação, os auxílios cegos ou luminosos, principalmente os faróis, jamais podem ser considerados inviáveis, a não ser quando não mais exista o motivo de sua atenção, como a retirada do obstáculo ao qual ele indica. Se o objetivo da proposta for redução de custo, aí é que não se justifica mesmo, pois estamos lidando com aspectos de segurança a vida humana e quanto a isso não existe justificativa que se sobreponha a razão. Falando sobre o assunto com os pescadores da Colônia de Pesca de Enxu Queimado – Z-32, todos foram unanimes em afirmar que os faróis de Caiçara, Touros, Galinhos e todos os outros que fazem referência a região, são de extrema importância para eles, pois é pelos lampejos que eles se orientam em noites de escuro e tormenta. Acho eu que a Marinha do Brasil tem assuntos mais importantes, no atual momento em que vivemos, para direcionar seus estudos, como por exemplo, o combate a violência e pirataria que já se faz presente nos mares brasileiros.

Veja a lista dos faróis e auxílios luminosos, do RN, que fazem parte da proposta:

imageimage