Arquivo da tag: meteorologia

De olho no tempo

mapservbr1E por falar em meteorologia, vamos ver com anda o tempo no Brasil, nessa quarta-feira, 05/08, nas imagens e informações do Cptec/Inpe.

Pancadas de chuva em partes do Sul e extremo norte do país
Nesta quarta-feira (05/08) haverá muitas nuvens com pancadas de chuva em grande parte do RS. A partir do período da tarde estas pancadas ocorrerão no sul de SC, onde podem vir acompanhadas de ventos fortes e descargas elétricas. Na Região Norte, as pancadas estarão mais restritas ao norte e noroeste do AM, norte do PA, no AP e em RR. Há previsão de chuva em alguns pontos isolados na faixa litorânea dos estados do RN, PB, PE, AL, SE e no Recôncavo Baiano. Na faixa mais para o interior entre o Recôncavo Baiano e o RN o dia estará nublado com possibilidade de chuva. Nas demais áreas o sol aparecerá entre poucas nuvens. A umidade relativa do ar continua baixa em diversas cidades das Regiões Centro-Oeste e Sudeste do país.
Obs: Texto referente ao dia 05/08/2015-11h55

Boas novas vindas do espaço

MSG4Boas novas para o mundo náutico: Essa é a primeira imagem enviada do espaço pelo satélite meteorológico MSG-4, lançado em 15 julho pelas Agência Espacial Europeia, Eumetsat e indústria espacial europeia. O MSG-4 é o quarto satélite geoespacial da serie Meteosat de Segunda Geração (MGS) e quando entrar oficialmente em operação fornecerá dados meteorológicos de alta precisão. Vamos aguardar!

Entre uma chuva e outra

IMG_0097IMG_0100

Nesse período junino queríamos ter navegado por algumas cidades que margeiam o Recôncavo Baiano, não seria uma viagem para balançar o esqueleto nos muitos forrós espalhados por ai, mas sim para rever lugares que nos encantou em um passado recente, para saber se o encanto ainda prevalece. Apos ancorar em Itaparica e festejar uma noite de São João chuvosa, aproamos o Avoante para a cidade de Salinas da Margarida para uma breve parada antes de subir o histórico Rio Paraguaçu. Pois é, a breve parada se estendeu além da conta, os santos forrozeiros já recolheram as sanfonas e hoje, 30/06, ainda estamos ancorados em frente a bela cidade de Salinas. Mas juro que não foi por vontade própria e sim por força das chuvas que castigaram o Recôncavo. Não foram chuvas torrenciais que duravam o dia todo, mas pancadas insistentes, que deixavam o céu muito nublado e que despejavam água a qualquer momento, trazendo um friozinho gostoso durante a noite. Esse é justamente o quadro meteorológico que o velejador de cruzeiro adora, porque dá aquela velha vontade de ficar um pouquinho a mais da conta. Dá uma preguiça!

almoço no Ondine - salinas jun 2015 (2)almoço no Ondine - salinas jun 2015 (3)

E já que estávamos na companhia dos amigos dos veleiros Ondine e Tô Indo, Gomes e Lia, Gerson e Lili, tirávamos os dias chuvosos para nos reunirmos cada dia em um veleiro diferente em seções gastronômicas de engorda magro, como mostra as imagens a bordo do Ondine. Os amigos já retornaram a Salvador e nos continuamos aqui olhando para o tempo parcialmente nublado e de vez em quando batendo perna pelas ruas largas e limpas da cidade de Salinas da Margarida. 

O Menino é mesmo do bagaço

image

O fenômeno meteorológico El Niño é um gigante endiabrado que vira a cabeça dos deuses climáticos e não é somente a nossa grande aldeia tupiniquim que sofre seus efeitos colaterais. Utilizando truques de feitiçaria, O Menino cutuca os botões, que regulam a temperatura, e é um deus nos acuda nas lentes dos satélites, deixando os homens das ciências feito baratas tontas. O povo do sertão há tempos conhece o poder da fera que espalha terror sobre a terra rachada de secura e calor. Já o povo do sudeste, que antes torciam o nariz para a desgraceira, agora sabe o que é bom para tosse. O Cantareira que o diga! Já essa semana, os gringos californianos se assustaram com um vermelhão nas areias das praias e quando chegaram perto para ver do que se tratava, se depararam com milhares de caranguejos vermelhos, os famosos red tuna crabs, mortinhos da silva. Os especialistas creditam a culpa no El Niño que elevou a temperatura da água. Eita Menino danado!  

A previsão e a lavagem de São Pedro

20150514_152529

Se alguém quiser saber o quanto chove em alguma cidade litorânea do Brasil, basta comprar um barco! Há mais de um mês que São Pedro abriu as torneiras sobre o Recôncavo Baiano e nem parece que tenha intenção de fechar tão cedo. Ele deve ter entrado na onda das tradicionais lavagens, pois o que tem chovido nas terras do Senhor do Bonfim não é brincadeira. Desde do final de março que a chuva assumiu o posto de assunto mais comentado nas rodas de bate papo e quase sempre com narrações trágicas. Mais de 20 pessoas perderam a vida em deslizamentos de encostas e o número de desabrigados sobe a cada dia. É muita água concentrada em cima de Salvador! No começo dessa semana que começou ensolarada, segunda 11, os noticiários anunciaram que mais chuva estava por vir e que o final de semana seria de pauleira. A quinta-feira, 14, amanheceu com um pouco de sol e eu até me animei a ir até o Farol da Barra para visitar o Museu Náutico da Bahia que há tempos queria conhecer – sobre isso comentarei em outra postagem. Sai da marina Angra dos Veleiros no começo da tarde lembrando dos avisos meteorológicos, porém, apesar de um céu de cores estranhas embarquei no carro e fui ao museu. Pensei: – Acho que não chove hoje. Ao botar os pés no calçadão da Barra a cena que visualizei foi a que está registrada na foto ai em cima. Lucia perguntou: – Aquilo ali vem ou vai? Respondi: – Vem e vamos adiantar o passo se não vai nos pegar antes de chegar no abrigo. Chegamos e o aguaceiro despencou com rajadas de vento que chegava fácil aos 50 nós. Não tive como não dar graças a Deus por ter deixado o Avoante muito bem atracado no píer da marina lá na Ribeira. Era a chuva que havia sido anunciada e que chegou com um dia de atraso. Mas quem falou que previsão tem que ser exata? Pois bem, a chuva chegou desde ontem, 14, os ventos continuam azucrinado com rajadas de mais de 40 nós e a vida de quem mora a bordo, que é o nosso caso, fica mais a bordo ainda.

mapserv Pois bem, os satélites do Cptec/Inpe, continuam lá do espaço anunciado chuva no recôncavo e em boa parte do Brasil para os próximos dias. São os efeitos do fenômeno climático El Niño que anda fazendo estripulias por ai.

DJF_elMais uma vez recorri aos gráficos e imagens do site Cptec/Inpe para ilustrar a postagem e tentar mostrar esse individuo que mexe com o clima de meio mundo. Dizem que foram os pescadores da costa oeste da América do Sul que deram conta do El Niño. Em suas observações, e pescador é mesmo um povo observador e conversador, notaram no mar temperaturas mais altas do que as normais durante o final do ano – por isso a denominação de O Menino, em referencia ao Menino Jesus – e que isso alterava a produção do pescado. O site do Cptec diz assim: El Niño é um fenômeno atmosférico-oceânico caracterizado por um aquecimento anormal das águas superficiais no oceano Pacífico Tropical, e que pode afetar o clima regional e global, mudando os padrões de vento a nível mundial, e afetando assim, os regimes de chuva em regiões tropicais e de latitudes médias. Em novembro de 2014 falei sobre isso na postagem El Niño preguiçoso e hoje estou presenciando o que foi dito aqui.

mapserv (1)Bem, hoje é sexta-feira, 15, muita gente rindo a toa, fazendo planos para o final de semana e eu aqui, escrevendo esse texto enquanto a chuva tamborila o convés do Avoante e sem nem sinal que vai dar uma trégua. O mapa está ai na imagem do satélite mostrando o que está acontecendo com o tempo no planeta e a previsão para o nosso Brasil é essa:

Chuva deverá se intensificar no Recôncavo Baiano
Nesta sexta-feira (15/05) o dia será com períodos de chuva na região do Recôncavo Baiano, com chance de chuva intensa em alguns pontos. Muitas nuvens e pancadas de chuva do norte do AP ao norte do MA e do oeste do AM, ao AC, RO e noroeste e centro de MT.
Obs: Texto referente ao dia 15/05/2015-13h19

A Tempestade – Parte 19

6 Junho  (240)

– E a Tempestade que nunca acaba? Pois é amigos, há nove meses publiquei aqui a 18ª parte de A tempestade, escrita pelo velejador Michael Gruchalski, e de lá para cá venho recendo cobranças dos leitores que embarcaram no relato e estão ao deus dará em meio a um mar tempestuoso em frente a bela cidade de Aracaju/SE sem saber que rumo tomar. Depois de nove meses, eu já havia perdido as esperanças, o cronista resolveu pingar mais uma dose para aplacar a nossa angústia. Agora vamos rogar aos céus para que o autor consiga achar o caminho do Porto e atracar o veleiro em segurança. Achar o fio da meada dessa peleja é fácil: Basta ir em PESQUISAR NO BLOG e inserir o título A Tempestade. Está tudinho lá.  

A TEMPESTADE

PARTE 19. A BARRA DE ARACAJU II

Por: Michael Gruchalski

Não sei quanto tempo havia passado quando abri um olho, depois o outro. A cabine balançava ritmicamente, ouvi o motor trabalhando. Com certeza, estava num veleiro. Levei mais quatro segundos para entender como, onde e por que.

Não me mexi. De olhos estatelados, consciente da situação, pensei no motor. Nosso coração de ferro. Lembrei-me de um ensinamento de um velejador experiente que não perdia a oportunidade de dizer: “perca o mastro e as velas, perca a comida, os eletrônicos e as bombas, perca tudo, mas não perca o motor, eixo e hélice. O motor é a diferença entre chegar e chegar bem”.

Você nunca vai deixar de chegar a algum lugar enquanto estiver em cima de um casco bem feito porque o mar não o quer flutuando sobre ele a vida inteira. Sem motor, você terá muitos problemas para resolver, mas estará seguro do seu destino. Seu destino, não importa aonde, será algum ponto em terra firme, algum dia. Até lá, o maior problema vai ser o tempo, só isso. O tempo de atraso. Serão alguns dias se você tiver sorte, semanas ou meses, se tiver azar. Continuar lendo

Capital baiana em alerta máximo por causa das chuvas

20150427_093103br1 A capital baiana está literalmente debaixo de chuva desde a madrugada desta Segunda-Feira, 27/04, e novamente o caos toma conta das ruas. Alagamentos em vários pontos com carros abandonados, deslizamentos de barrancos, casas destruídas e as equipes de socorro já anunciam mortes, feridos e pessoas soterradas. Além desse cenário trágico, ainda chegam notícias de manifestações populares em alguns bairros e avenidas. Segundo as forças de segurança, muitas dessas manifestações são causadas por marginais que se aproveitam do caos para praticar arrastões e assaltos. Informações de ouvintes nas rádios dão conta que espertalhões montaram barricadas nas avenidas com o intuito de dar informações de como sair do alagamento. A coisa está feia e o governo estadual e municipal aconselha que as pessoas fiquem em casa.

mapservOs sites meteorológicos anunciam que as chuvas devem prosseguir durante todo o dia e se estenderão ao longo da semana.

27/04/2015:No leste da BA: muitas nuvens e chuva. No nordeste da região: variação de nuvens. No litoral sul da BA, e em SE: possibilidade de chuva. Nas demais áreas da região e litoral norte: variação de nuvens e pancadas de chuva localizadas. Temperatura estável. Temperatura máxima: 35°C no PI. Temperatura mínima: 19°C no interior da BA.
Tendência:No leste da BA: muitas nuvens e chuva. No nordeste da região: variação de nuvens. Nas demais áreas da região e litoral norte: variação de nuvens e pancadas de chuva localizadas. Temperatura estável.
CPTEC/INPE.