Arquivo do mês: novembro 2019

Na paz

IMG-20191116-WA0008

O alma boa, jornalista, ativista de causas sociais, e agora retratista juramentado, o potiguar Flávio Rezende, tem varado os quatro cantos do Rio Grande do Norte em busca de imagens para encher de cores e belezas as lentes de sua Canon Rebel e num tá nem aí, ele enquadra a cena, aponta a máquina e sai todo amostrado divulgando a arte de seus cliques. Flávio é autor de 27 livros e o último, Brechando o Planet, é uma pequena amostra de sua nova paixão. A foto que ilustra essa postagem não está no livro, mas conta um pouco da tranquilidade do homem do mar enfrentando as manias da modernidade.    

Pronto, falei

janeiro a junho (495)

Tem coisas que por mais que procuremos saber a verdade, mais a verdade se afasta, porque as explicações que surgem não passam de achismos ou mesmo mentiras deslavadas, mesmo aquelas que saem da boca de “grandes” figurões ou técnicos afamados. Somos uma nação viciada na pouca verdade, na falta de ética, na mentira, na canalhice e o pior, baixamos a guarda, a vista e nos ajoelhamos diante de qualquer canalha que por ventura faça um ajuntamento dos nossos vícios e os abone em praça pública. –E a Lei? – Que Lei? – Não temos Lei, nem clara, nem obscura. O que temos é uma Constituição que de tanto ser rasgada, pisoteada, queimada, achincalhada, já não conseguimos juntar os pedaços para saber decifrar, a contento, os artigos. Vivemos num eterno mar de lama! Mar de lama? Vixi, agora que tomei ciência do tema que queria abordar nesse textinho malcriado. Queria falar do óleo. – Do óleo? – Sim, do óleo sem dono, sem origem, sem defensor, sem acusador e que vai se escafeder sem ninguém mais saber e ponto.

Pois bem, desculpe a maledicência do parágrafo aí de cima, mas tem coisas que vão se acumulando em nosso juízo e quando damos por fé, nos danamos a falar coisas sem coisas, temperadas com uma danação de impropérios que até Nosso Senhor sai de perto para não sair lambuzado. Eita, peraí que lá vou eu saindo do rumo novamente, mas agora vai!

Pois bem de novo, quando começaram a surgir as primeiras manchas de óleo pelas praias do Nordeste, um amigo sugeriu que eu escrevesse algo sobre o assunto, mas sinceramente não me vi com autoridade e nem bagagem para falar o que fosse, porque até ali ninguém sabia nada, como não sabem até os dias de hoje. Na verdade, o que se tem até o momento é um festival de desinformação e declarações estapafúrdias.

Assim como o verão da lata, dos contêineres, dos maços de dinheiro nas praias do Rio, que passaram como passam as chuvas, agora teremos o verão do óleo, aliás, tudo indica que a sangria irá estancar até o Sol fazer valer o colorido e a cerveja gelada tomar conta das praias, pois pelo preço que anda o petróleo por aí, não tem quem aguente bancar a sujeira por muito tempo, a não ser que seja para apertar o nó para algum sabido com cara de anjo poder desatar depois.

Aliás, ao meu ver, o óleo serviu para duas coisas: Uma para provar que somos bestas mesmos e a outra para provar aos crentes, descrentes, doutores, doutorandos e pitaqueiros em geral, que as correntes marinhas existem e nem tudo que se sabe das errantes navegações dos portugas é o que se sabe. Aliás, não sabemos nada e quando alguém me pergunta, apenas porque naveguei durante onze anos o litoral nordestino, para lá e para cá até perder a conta, se o Brasil foi descoberto pelo Rio Grande do Norte, respondo: Não boto fé nem aqui e nem nas praias do povo dos orixás, mas quem sabe no espaço que fica entre os canaviais, que nem existiam, das Alagoas e as florestas dos babaçus? – E os pataxós? – Pois é, né? – E o que danado tem a ver alho com bugalho, ou melhor óleo? – Vamos lá, as primeiras manchas surgiram nas praias do tal Consórcio Nordeste, entre Sergipe e Alagoas, subiu subindo labuzando quase tudo, ou melhor, onde as correntes e os alísios mandam e desmandam, somente quando pegaram uma refregazinha do lestão, fizeram o retorno é se bandearam para as bandas do Sul e aí já sabe, né. Chegou nos terreiros do Axé, o povo de lá fala e canta que só vendo e pronto, o sambão atravessou, o acarajé quis azedar, o caruru desandou e o mundo se danou a saber, mas nem Macron, nem Chico, nem Greta, nem ninguém quis melar os pezinhos de piche.

Nossa briosa Marinha de Guerra guarneceu os navios e saíram em busca de dar tiro mar afora, mas não encontraram foi ninguém, a não ser, ouviram falar que uns gregos haviam passeado pelo horizonte e por lá despejaram algo, mas nem algo mais se sabe, pois os cabras não amostraram o calcanhar.

Até os divinos supremos se apropriaram do óleo que ninguém sabe, todos viram, mas ninguém dá conta, meteu o que pode num caldeirão e sem mais por isso e pra que tudo, encobriram a vergonha, danaram-se a jogar merda no ventilador, liberou geral e quem quiser que vá reclamar ao bispo, que por sinal, abençoou a bagaceira e até gostou da catinga. – E os políticos? – Homem, tenha fé em Jesus! – O do Flamengo? – Não, rapaz, se bem que o cabra é bom, mas é no de Nazaré!

Pronto, meu amigo, falei do óleo, mas sinceramente, era melhor ter ficado calado! Mas antes do ponto final, vou lhe dizer que até esse dia 26 de novembro de 2019, a melequeira não deu as caras nessa Enxu mais bela, mas já chegou nas barbas de São Sebastião. – Prumode? – Prumode as correntes e os alísios, viu! 

Ah, a foto aí em cima? Sei lá, achei bonita!

Nelson Mattos Filho

Tem novo tubarão no pedaço

untitledCerta vez, em conversa embaixo do sombreiro de uma cabaninha de palha a beira do mar, ouvi de um velho pescador que  o homem não conhecia nem a metade das espécies que habitam o fundo dos oceanos e que ele mesmo já tinha visto tanta criatura esquisita que nem dava conta de contar. Levei aquilo como mais uma estória de pescador, mas em todo caso, para não perder a pareia do bate papo, fiz cara de acreditador e assim, a conversa prosseguiu alinhada. Mas a verdade, verdadeira, é que a ciência não cansa de procurar e anunciar novas espécies marinhas e dessa vez a novidade vem das profundezas das águas territoriais brazucas, com a descoberta de uma nova espécie de tubarão, batizado cientificamente por Parmaturus angelae, mas, sinceramente, se me pedissem para batizar o bichano eu iria chamar de lambioia gilmalógino. Pense num bicho feio e asqueroso! Pois bem, dois exemplares do gilmalógino, ou melhor, Parmaturus, foram capturadas no mar do Rio de Janeiro e Santa Catarina, em profundidade de mais de 500 metros e, segundo o site da UNIVALI, tem as seguintes características: “…origem da primeira barbatana dorsal anterior à barbatana pélvica, presença de crista caudal superior e inferior bem desenvolvida, dentículos laterais em forma de lágrima e falta de cúspides laterais, dentículos uniformemente espaçados e contagens vertebrais. A referida espécie é a segunda espécie do gênero relatada no Oceano Atlântico e apenas a terceira espécie fora da região do Indo-Oeste do Pacífico”. Os cientistas apostam na captura de novos exemplares para aprofundar os estudos, mas em todo caso, fico com palavra do velho pescador: O fundo do mar é segredoso!

Hora de pular o Taiti?

huahine-Tahiti-Nui-Television

O site Sailing Totem vem com matéria interessante sobre um movimento que está ocorrendo em algumas ilhas da Polinésia Francesa, principalmente Taina e Taiti, que tem como objetivo principal chamar atenção para ancoragens irresponsáveis, que não respeitam os costumes locais, a fauna, a flora e os corais. Para quem passa uma vista rápida na matéria ou mesmo faz o julgamento apenas com base na manchete, como é comum na maioria dos usuários das mídias sociais, o movimento parece ser antipático e tenta afastar os velejadores de cruzeiros que por lá ancoram. Olhando da ótica que essa minha mesinha de “trabalho”, de frente para um maravilhoso coqueiral, sombreado pelo oceano, me proporciona, acho até que as duas afirmativas são verdadeiras, mas quando tiro a mente da inércia e me transporto em pensamentos para a bordo de um veleiro, vejo que os polinésios têm boa parcela de razão, porque durante minha vida náutica fui testemunha de verdadeiras aberrações cometidas por velejadores de finais de semana, como também por parte de cruzeiristas. Aliás, grupos de adoram denegrir os usuários de lanchas e motonáuticas, mas como bem diz o ditado: Macaco não olha para o rabo. – Hora de pular o taiti? – Você é quem sabe, mas antes de decidir, clique AQUI e leia a matéria completa. 

Cartas de Enxu 53

10 Outubro (226)

Enxu Queimado/RN, 12 de novembro de 2019

Parodiando o poeta, pergunto e respondo: – A gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu? – Os dois!

Pois é, Kátia, dizem por aí, e com toda propriedade, que o Rio Grande do Norte poderia se chamar “Já Teve” e seria até interessante, porque já que existe um município na região Oeste potiguar chamado Venha Ver, as peças publicitárias poderiam incrementar frases assim: “Venha ver o que tem em Já Teve”; “Já Teve, mas venha ver assim mesmo”; “Conheça Já Teve antes que não tenha mais”, e por aí caminharia a nação dos potiguares. Aliás, seria bom a gente se apressar para conhecer Venha Ver antes que ele se torne “Já Teve”, porque o município de pouco mais de 4 mil habitantes, segundo os bruxos da imprensa, está na lista de extinção, como também está o município de Pedra Grande, com 3.275 habitantes, do qual faz parte o pequenino distrito praieiro de Enxu Queimado, pedacinho de chão de onde escrevo essas missivas.

Cunhada, conheci Enxu há mais de trinta anos e de cara me apaixonei pela vidinha simples que se levava por aqui, com os pés pisando ruas de fina areia branca, coberta por leve camada de piçarro, e no final do dia mergulhando o corpo no mar para retirar a poeira avermelhada soprada pelos alísios que acariciavam as dunas e desciam correndo soltos pelas vielas. Eram bons tempos de fartura de lagosta, cestos e mais cestos de serras, garachumbas, galos do alto, guarajubas, ciobas, cavalas, bicudas, ariacós e mais uma ruma de espécies de fazer inveja a um bocado de pescador afamado. – E as galinhas? – Vixi, vou nem contar, mas em todo caso, fizemos muitas estripulias em busca das galinhas alheias. Enxu era uma festa nos idos anos 90. Aí você pergunta: – E não é mais? – É e não é, e acho até que é menos do que mais! – Entendeu? – Nem eu! Rsrsrsr…

Na década de 90 Enxu era um arruado de casas, muitas delas de taipa e com uma dúzia de casas de veranistas, quase todos oriundos do município de João Câmara, e o verão era uma festa de cores, alegria e tinha uma beira mar de fazer valer a fama que os poucos turistas que a conheciam alardeavam aos quatro ventos. A pequena localidade de pescadores recebia reflexos de um futuro promissor e com as antenas ligadas no turismo que avançava pelas praias do Rio Grande do Norte. Ora, não podia ser diferente, pois foi nas areias desse litoral que desembarcaram os enviados do Rei D. Manoel I para fincar a pedra fundamental da criação do país chamado Brasil, em 7 de agosto de 1501. A data, inclusive, está registrada como sendo, além da posse oficial do Brasil, aniversário do Rio Grande do Norte. Como bem diz a frase estampada em todos os documentos da Prefeitura de Pedra Grande: O Brasil começou aqui. E começou mesmo, mas por aqui estancou de repente, e o país seguiu, aos trancos e barrancos, em frente, deixando para trás a história esquecida em um Marco de Posse que até hoje ninguém decidiu o que fazer com ele.

Kátia, como você bem sabe, a Enxu do século XXI é uma praia bela, com um litoral paradisíaco, mas que merecia mais: Mais atenção, mais cuidado, mais carinho, mais investimentos, mais amor, mais responsabilidade com o desenvolvimento sustentável e mais respeito com sua população. O município de Pedra Grande está inserido entre aqueles que receberam fabulosos investimentos oriundos dos empreendedores da energia dos ventos e ostenta em suas terras um vultuoso parque eólico, além de uma gigantesca fábrica de torres. – E só isso basta? – Não, não basta, mas se toda essa pujança for bem aproveitada, adiantaria mais da metade da viagem rumo ao progresso sustentável e Enxu Queimado, como pórtico de entrada ao mar e a grande visibilidade que o mar proporciona, ganharia nova visão turística e quem sabe, tiraria o município da fatídica lista de abate.

Lembro de uma conversa que tive na época, com o então prefeito Chico Vitor, para mim um homem de visão, e ele falava que iria construir a Estrada da Palmeira, uma via ligando Enxu Queimado a Praia do Marco, em um traçado mais curto do que aquele que existia até então. Ele apostava que a estrada seria a redenção das duas praias, porque daria incentivo ao Governo do Estado para continuar com a estrada até São Miguel do Gostoso e no futuro ligar Gostoso, Marco, Enxu e Galinhos. Chico Vitor cumpriu a promessa, mas a Estrada da Palmeira, uma estrada piçarrada, nos padrões das RNs, hoje está praticamente abandonada, com o mato tomando parte da via e muito lixo jogando nas margens.

Pois é, Kátia, olhando o bonde que vai passando e assistindo essa bela prainha ficar empancada na estação, apesar de ter um dos mais lindos cenários litorâneos do Nordeste, não me vem em mente outra palavra a não ser já teve. Palavra essa tão bem apropriada para um Estado que já foi tudo, inclusive fonte originária de um país inesgotável.

Kátia Suely Silva dos Santos, minha cunhada querida, fico triste em ver que essa antiga vilazinha de pescadores perdeu o rumo da Estrada da Palmeira, via que foi pensada vislumbrando os ventos do futuro. Mas não é tanta tristeza assim, porque apesar de tudo, olhando da varanda dessa cabaninha, vislumbro e me sinto vivendo na comunidade que me recebeu carinhosamente há trinta anos. Só não existe mais a inocência e os perigos que rodam essa beirinha de praia são outros!

Nelson Mattos Filho