Arquivo do mês: dezembro 2012

Com 2013 no horizonte

viagem no naumi (4)

Mais um ano de vida a bordo do nosso Avoante e mais uma vez é chegado o momento das recordações e também de renovar as esperanças diante de um novo ano.

O que seria das nossas vidas se não fossem as esperanças que depositamos na poupança dos sonhos? Se não fosse essa poupança, como jogaríamos fora a esperança das coisas que achamos que não temos condições de fazer? Por causa dessa poupança é que jogamos nossos sonhos em rumos tão errantes, mas sempre renovando as esperanças. Assim, a vida vai sendo decidida entre esperanças mortas, sonhos apenas sonhados, realizações que achamos que está de bom tamanho e o sonho que ficou esquecido em algum lugar de nossa mente.

Desde que viemos morar e viver a vida a bordo do nosso querido barquinho, encaramos de uma vez por todas os nossos sonhos. Não tínhamos como continuar adiando uma coisa que sabíamos que para realizar teríamos que levantar a cabeça, mirar o horizonte e seguir o rumo traçado. Não podíamos continuar vivendo um sonho tão próximo, mas que fazíamos questão de não alcançar. Ele estava ali a um passo de distância e a gente caminhando sempre pela tangente.

Gosto de falar de sonhos e me espanta ouvir pessoas falando de sonhos inalcançáveis sem ao menos tentar fechar os olhos para sonhar. Pessoas que vivem eternamente em litígio com a consciência sem nem bem saber o que é sonho e o que é pesadelo. Espanta-me, mas eu também já fui assim.

Gosto de falar de sonhos para aqueles que se fecham em suntuosos castelos patrimoniais e se acham fáceis compradores de todos os sonhos do mundo. Gosto de escutar seus discursos de exagero e depois ouvir o silêncio que ecoa ao redor de suas vontades. Gosto de ver a expressão de espanto estampado no rosto de fúteis sonhadores quando digo que vivo um sonho real e preciso de tão pouco.

Mas hoje não era sobre sonhos que eu pretendia falar. Queria falar de vidas que se renovam em anos que se iniciam. Queria falar apenas de esperanças, mas não tem como falar em esperança sem enveredar pelos meandros dos sonhos. Queria relembrar do quanto navegamos nesse ano que passou como uma flecha, apesar do Avoante ter ficado tão parado no porto.

Relembrar que iniciamos 2012 velejando em um veleirinho com nome de anjo e que nos deixou boas marcas e lembranças gostosas. Foi comandando o anjo Malaika que percebi que aquela velejada poderia ser a porta aberta para a renovação de todos os sonhos do proprietário daquele barquinho. Foi com alegria que presenciei a alegria estampada em seu rosto e a sua emoção em ver um mundo possível.

Olhar para trás e sentir o rufar dos tambores do Bumba Meu Boi lá do Maranhão e o colorido exuberante de uma natureza tão próxima da floresta, que conhecemos a bordo do veleiro Tranquilidade. Outro barco maravilhoso que abriu a porta do mundo dos sonhos para seu comandante em chefe, que sem pestanejar, nos convidou para apresentá-lo ao mundo das águas de todos os santos da velha e boa Bahia. Hoje ele vive o sonho que há muito teimava em adiar.

Olhar pelo retrovisor e ver que voltamos à paradisíaca ilha de Fernando e Noronha, uma maravilha da natureza que os homens estão fazendo o que podem para denegrir sua bela imagem vulcânica.

Abrir o livro dos arquivos para reler tudo o que já sabíamos sobre duras velejadas, mas que nunca podemos afirmar que já sabemos. Cada velejada é um aprendizado e cada milha navegada é um livro recheado de conhecimentos. As noventa e seis horas entre Natal e Recife, no mês de Outubro, foi tão rica em conhecimentos que nem nos deixou com as marcas do cansaço.

Relembrar com alegria ter iniciado o ano velejando e ter findado com uma maravilhosa navegada de Natal a Salvador levando um barco de um amigo, numa velejada das mais deliciosas e que ainda irei contar aqui nesse Diário.

Mas sem esquecer, e isso nunca esqueceremos, que a vida sempre cobra suas razões. Foi assim que em meio aos muitos bordos da vida, que ficamos sem a presença física de Dona Lindalva, minha sogra. Uma daquelas almas especiais e tão difíceis de encontrar no mundo de hoje.

Mas tudo bem, vamos seguindo em frente e traçando novos rumos nesse mar de horizontes infinitos. Traçando rumos pelas cartas náuticas da ética e marcando waypoints nos quadrantes da felicidade. Procurando sempre olhar as estrelas e através delas buscar orientações para a vida. Mirando as cidades sem entender o porquê de tantas mazelas. Mas nunca desistindo do sonho, que é a força que move o destino de nossa vida. Que venha um Feliz 2013!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Anúncios

Relembrando 2012

Alguns momentos bons vividos por essa gente apaixonada pelo mar e que a cada ano se fortalece como uma grande e maravilhosa família  Pode até ser que você não se veja nessa serie de fotos, mas na outra com certeza você estará por aqui.

Veleiros do Sul capta recurso de Lei de Incentivo ao Esporte

vds_12-12

O Veleiros do Sul, clube de tradição no Rio Grande do Sul, se habilitou a captar recursos da Lei de Incentivo ao Esporte (Pro-Esporte/RS). Taí um bom exemplo que poderia muito bem ser absorvido pelos vários clubes náuticos espalhados por esse grandioso litoral brasileiro. Vi a notícia no site popa.com.br e copiei na integra o seu teor:

Na manhã da quarta-feira (26) o Veleiros do Sul recebeu da Secretaria do Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul a habilitação para a captação de verba para dois projetos pelo Programa de Incentivo ao Esporte (Pró-Esporte/RS). O Clube é um dos primeiros do Estado a aprovar projetos pela nova lei de incentivo.
O secretário estadual do Esporte e do Lazer Kalil Sehbe e a presidente da Fundação de Esporte e Lazer do RS (Fundergs) Renita Dametto receberam o vice-comodoro Eduardo Ribas para formalizar a entrega do documento que autoriza os projetos Campeonato Sul Americano de Optimist e Treinamento Olímpico da Classe 470 a receberem doações de empresas interessadas em apoiar o esporte da vela com aplicação 0,5% do ICMS a pagar.
Participaram também da cerimônia os velejadores em campanha olímpica Geison Mendes e Gustavo Thiesen, que serão beneficiados pelo projeto Treinamento Olímpico da Classe 470 e o gerente esportivo do Clube Odécio Adam. Conforme o secretário Kalil Sehbe a aprovação das cartas para o VDS foi unânime e a publicação no Diário Oficial, homologando as ações. O projeto Campeonato Sul Americano de Optimist contará om três meses para a captação de R$ 371,5 mil e o projeto Treinamento Olímpico da Classe 470 terá prazo de seis meses para captar R$ 287,7 mil.
Kalil Sehbe antecipou Pró-Esporte em 2011 no VDS
O secretário Kalil Sehbe relembrou que em fevereiro de 2011, quando esteve no Veleiros do Sul participando da solenidade de batismo dos barcos Elliott 6M um pouco antes de assumir a pasta em que hoje é titular. Na ocasião, anunciou a criação de uma lei estadual para incentivo ao esporte, nos moldes da Lei do Incentivo à Cultura (LIC): “Além de termos uma política estadual, voltada ao esporte, também vamos ter uma lei de incentivo através do ICMS a pagar, compromisso a ser honrado já no primeiro ano de governo. Será um marco inicial para grandes conquistas”.
Na época, havia apenas um esboço do Pró-Esporte/RS e curiosamente o Veleiros do Sul foi uma das primeiras entidades a serem beneficiadas com o projeto: “Estamos vivendo uma nova realidade no Estado com a viabilização do Pró-Esporte/RS, só temos que agradecer o empenho do governo Estadual que conseguiu implementá-lo em tão pouco tempo”, orgulha-se o secretário. A presidente da Fundergs Renita Dametto enfatizou a importância do Pró-Esporte para as associações a para os atletas do Estado. “É um incremento grande de receita, um recurso necessário para podermos desenvolver todas as modalidades, assim como a vela que hoje recebe esse benefício pelo Veleiros do Sul. Campeonatos como o Sul-Americano de Optimist são importantíssimos e podem inclusive trazer novos atletas para o esporte.
Fonte e foto: Ane Meira/Assessoria de Imprensa do Veleiros do Sul/Divulgação

Ocultação de Júpiter vista de Natal

No finalzinho de Novembro/2012 um fenômeno astronômico chamou a atenção de muita gente que estava com a cabeça no mundo da Lua, como era o meu caso e de um grupo de amigos na varanda do Iate Clube do Natal. O motivo de tamanha estranheza era uma pequenina estrela que aparecia logo abaixo da Lua e que o amigo Airton Viegas identificou como sendo o planeta Júpiter e que ele iria ser encoberto pela Lua naquele dia. O nosso assessor especial para assuntos planetários e outros fenômenos mais, Joaquim das Virgens, logo se pronunciou e declarou que: a Lua percorre o arco de 0,5´, equivalente ao seu diâmetro aparente em uma hora (aproximadamente). então, segundo o almanaque náutico 2012, a efeméride da Ocultação de Júpiter só foi visto da Bahia pra baixo. Em Natal a lua passou raspando o planeta mas não o ocultou. O fenômeno teve inicio por volta das 20:00 e terminou por volta de 21:00 hora local. Mas para a felicidade geral da nação Iateclubense, dia 25/12/2012 Dia de Natal, o firmamento nos presenteará com uma ocultação TOTAL de Júpiter pela Lua, iniciando por volta de 20:00 hora local. Hoje, 25/12/2012, a teoria do mestre Joaquim das Virgens se confirmou e pudemos observar mais uma bela demonstração da perfeição da natureza. Como Joaquim gosta de prego batido com ponta virada, enviou para o blog a foto do fenômeno planetário, tirada com o apoio de seu super telescópio. Esse Joaquim é mesmo um cabra da peste!

II Cruzeiro Costa Nordeste já tem datas fixadas

digitalizar0002Se você está a procura de um bom motivo para velejar no começo do ano de 2013, aproveitando o melhor que o verão tem a oferecer, acho bom começar a preparar o barco e convidar os amigos. Entre os dias 4 e 6 de Janeiro larga de Natal/RN no rumo de Maragogi/AL o II Cruzeiro Costa Nordeste. A flotilha, que já tem 10 veleiros inscritos, terá paradas em Cabedelo/PB no dia 08/01; Recife/PE 10/01 e Finalmente Maragoggi dia 12/01, onde acontecerá uma grande festa de confraternização com jantar de adesão. Serão nove dias navegando e apreciando o melhor que a costa nordestina tem a oferecer. Não fique de fora dessa flotilha! 

A Bahia amanheceu entristecida

A Bahia amanheceu mais triste neste Natal de 2012. Morreu Dona Canô, a musa de 105 que era a cara e o jeito do povo do Recôncavo Baiano e que levou o nome da sua amada Santo Amaro da Purificação aos quatro cantos do mundo. Eu, apaixonado que sou pela bela Baía de Todos os Santos, que ela tanto amava, não poderia deixar de prestar minha homenagem. Por isso fui me socorrer no YouTube e encontrei essa pérola.

A Estrela e o Natal

mais um por do sol (1)

Juro que não sei dizer em qual latitude da minha vida a bordo desse Avoante carregado de sonhos, fantasias e reflexões consegui enxergar e decifrar as estrelas.

Os poetas se repetem em provar que a conversa com as estrelas foi reservada para os que têm no amor a tábua de salvação para a vida. Dizem, os poetas, que não se conversa com estrelas sem ter no coração pelo menos uma gotinha de amor. Não conseguimos nem enxergar as estrelas se o coração não estiver aberto e pronto para receber os mais suaves suspiros do amor.

Pode até ser que você ache que tudo isso são fantasias tão próprias da cabeça dos poetas, mas hoje posso dizer que mesmo não sendo poeta, vejo as estrelas com outros olhos e até consigo retirar daquele brilhozinho tão distante segredos que a vida consegue esconder tão a nossa vista.

Foi olhando para elas que numa Noite de Natal, em que navegávamos a milhas e milhas da costa, vislumbrei como é bonita uma Noite de Natal. Não era aquela noite tão típica a qual fomos acostumados a ver ao longo da vida. Não tinha os abraços calorosos de boas festas. Não tinha o calor dos familiares e amigos ao redor de uma mesa farta e colorida. Não tinha nem o pinheirinho verde rodeado de presentes. Não tinha também as tradicionais fotos para a almejada posteridade, com largos sorrisos a esconder mazelas e desilusões.

Lá em meio ao nada de um tudo, havia sim uma bela Noite de Natal cravejada de estrelas verdadeiras. Lá abraçamos um mundo de vida real e com todos aqueles mistérios que somente uma Noite de Natal é capaz de nos mostrar. Lá o Natal tinha outro sentido e parecia até que o mundo era mais mundo. Lá em meio ao nada de um mundo tão peculiar entre o mar e o céu, vi o quanto não éramos nada, além do que verdadeiramente somos.

Naquela noite brilhante de céu natalino, que nunca tinha visto, pude ver o quanto às estrelas tem a nos dizer e o quanto eu havia desperdiçado. Não era o Natal dos presentes empacotados, mas sim o Natal da reflexão e olhando ao longe para um mundo tão incapaz de aplacar suas atrocidades.

Naquela imensidão de mar me perguntei quantas pessoas naquele momento estavam olhando para as estrelas. Me perguntei quantas pessoas haviam ao menos se lembrado que foi olhando para as estrelas que três Magos receberam o sinal que uma vida iria nascer e que eles tinham que reverenciar. Mas lembrei-me que das cidades não conseguimos ver as estrelas. Toda a intensidade brilhante daqueles pontinhos prateados fica ofuscada pela plasticidade urbana com seus clarões.

Lembrei-me que no tempo dos Magos os homens eram sábios e sabiam decifrar a voz das estrelas. Lembrei-me que aquele era um tempo das profecias e os profetas sabiam das coisas. Me veio a lembrança que a estrela avistada pelos Magos anunciava a chegada do maior dos profetas e depois dele nenhum outro viria mais ao mundo. Aquele era o último e por isso a estrela era tão brilhante e por isso mesmo ele passou tão rápido. Rápido como um cometa, mas com um rastro tão brilhante que até hoje se consegue enxergar. Coisa de profeta!

Naquela Noite de Natal, navegando naquele mar de vida, me esmerava mirando as estrelas e suas muitas facetas brilhantes, mas não conseguia ver aquela estrela tão brilhante avistada pelos Magos, mas dava para sentir a sua presença tão viva entre nós. Que estrela teria sido aquela que tão boas novas trazia em seu brilho? Porque somente aqueles três homens conseguiram avistá-la? O certo é que procurei, procurei, continuo procurando, mas não consigo ver aquela estrela. Apenas, e felizmente apenas, reconheço toda a sua força e conheço toda a sua mensagem de amor e vida.

O certo mesmo é que apenas os Magos viram e apenas eles sabiam que aquele era o anúncio. Anúncio de um mundo mais humano em meio aqueles vastos desertos de desesperanças. Anúncio que o mensageiro da paz e do amor estava para chegar ao mundo. Anúncio que os homens nunca mais seriam os mesmos. Anúncio de plantar palavras e colher bons frutos para o sempre. Anúncio que em alguma época mais para frente os homens duvidariam da sua palavra e tentariam mudar seus escritos, mas eles seriam eternos e verdadeiros. Tão verdadeiros que tudo ainda esta lá, por mais que os homens do futuro tentem duvidar.

Continuo a navegar acreditando em tudo o que as estrelas têm a me dizer e atento aos sinais de seus brilhos. Continuo a acreditar na paz das Noites de Natal e na sabedoria daquele menino simples que se tornou o maior dos Reis. Sei que não estou só, mas, infelizmente, das cidades os homens não conseguem enxergar as estrelas.

Feliz Natal sempre!

Nelson Mattos Filho/Velejador