Arquivo do mês: janeiro 2012

CPRN tem novo comandante

mudança de comando cprn (7)mudança de comando cprn (9)mudança de comando cprn (10)mudança de comando cprn (16)mudança de comando cprn (20)mudança de comando cprn (23)mudança de comando cprn (26)mudança de comando cprn (30)mudança de comando cprn (31)mudança de comando cprn (49)mudança de comando cprn (50)mudança de comando cprn (53)mudança de comando cprn (55)mudança de comando cprn (64)mudança de comando cprn (67)mudança de comando cprn (68)

Assumiu hoje, 24/01, a Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte o Capitão-de-Fragata Rodolfo Gois de Almeida, rendendo o Capitão-de-Fragata Alan Kardec Mota, que agora vai assumir um posto no Ministério da Defesa. A cerimonia comandada pelo VAlte – Airton Teixeira Pinho Filho, comandante do 3º Distrito Naval, contou com presença de vários chefes militares, autoridades civis e representantes do meio náutico potiguar. 

Anúncios

Primeira expedição Maceió/Trindade – Martin Vaz

Ankena dia 23 21 36h (1)

A primeira expedição de veleiro largando de Maceió/AL até as ilhas brasileiras de Trindade e Martin Vaz, que divulguei aqui com o título Uma expedição arretada!, já está no mar. O Anakena, comandando por Eugênio Lisboa, tem enfrentado ventos não favoráveis, mas navega firme para o objetivo. A equipe de apoio em terra, comandada pelo alagoano Mário Engles, emite diariamente boletins informativos contando tudo o que o Anakena está enfrentado no mar. Veja o que diz o último informativo:

Prezados Amigos,
Segue o último posicionamento: O Sistema NOAA dos EUA, link
http://www.ndbc.noaa.gov/ dispõe de duas “Estações boias” no percurso.
Boia 31004 – 260 milhas ao largo de Salvador, já montada pelo través de boreste pelo Anakena, dando as seguintes informações: Ventos ESE 17 knt.
Boia 31005 – 300 milhas ao largo de Vitória do Espírito Santo, ainda não montada, dando as seguintes informações: Ventos ENE a 60º e 14 knt.
Sendo assim as previsões são de ventos mais brandos entretendo de melhor direção.
Vejam o anexo e boa noite.
Mário Engles.

Comemorando 90 mil acessos em grande estilo

almoço na granja de noronha (2)

Esse caju pode insinuar e atiçar em você mil e um desejos nesse verão. Para mim ele é a pareia perfeita para uma dose da mais pura e deliciosa cachaça nordestina, mas seu sabor inigualável, e esse estava realmente inigualável, pode apenas refrescar e adoçar a garganta enquanto apreciamos as cores do Sol. O sabor de um bom caju é de fazer sonhar e você pode até imaginar esse caju recheando um indecifrável pote de um suculento doce ou então, abrilhantando outras receitas maravilhosas. Caju é sinônimo de verão e de nordeste e ele está nesse post por dois motivos: O primeiro é para colocar mais sabor no seu verão e o segundo é para comemorar os 90 mil acessos do nosso blog. Eu imaginei degustar esse caju de diversas maneiras e todas elas deliciosas, mas para comemorar mais um degrau do Diário do Avoante, eu não me contive: Cortei em fatias e com uma dose de uma excelente cachaça, brindei os 90 mil acessos do Blog. Muito obrigado a todos vocês que fazem parte dessa conquista.  

Deixe seus fantasmas em terra

Imagens 212

Qual o motivo de velejar ser tão difícil e complicado? Eu não sei explicar e acho até que ninguém teria essa explicação, mas o que mais vemos por ai é gente procurando e criando motivos para não velejar.

Vejo pessoas sonhando em ter um veleiro e correndo todos os classificados do mundo em busca de um barco que atenda as suas necessidades. Vejo essas mesmas pessoas comprando o barco que queria e com alegria estampada no rosto, mas quando o barco chega, começam a surgir de todos os lados os motivos que impedem as velejadas tão sonhadas.

Quando isso acontece aparece ainda à figura risonha e sarcástica daquele nosso velho e mui amigo destruidor de sonhos, com o veneno na ponta da língua: “Eu não disse?”

Mas eu não quero falar do destruidor de sonhos, pois até reconheço que ele tem certa razão em alguns casos. Quero me centrar no pretenso velejador e seu lindo barquinho adquirido com todas as pompas do mundo e que está a todo pano pronto para ganhar os mares do mundo.

Tudo é motivo para a desistência da velejada de final de semana, porque muito criativa é a nossa mente. Eu já vi uma desculpa tão esfarrapada que não consegui nem balançar a cabeça, apenas pisquei os olhos para ver se estava mesmo acordado. O velejador chegou ao clube e disse: “Hoje eu não posso velejar, pois o cachorro da minha vizinha está doente e eu gosto muito daquele bichinho. Como estou muito triste, velejar hoje vai ser uma barra”

Barco não foi construído para ficar no seco e dormindo eternamente em cima de um berço. Barco foi pensado e concedido para navegar e levar e trazer conhecimentos ao homem. Sempre eu disse que barco em seco se estraga mais rápido do que na água e isso eu não tenho a menor dúvida. O Avoante quando demora um pouco mais em seco o desgaste é mais acelerado. Ressecam borrachas e cabos, quebra articulações, trava o motor, enferruja o inox, empena as madeiras e mais um monte de estripulias. Parece até que vários duendes ficam a trabalhar dia e noite.

Nada impede você de velejar a não ser seus próprios fantasmas. Ficar garimpando motivos é o pior das prisões para a não realização dos seus sonhos na água. Sei que os motivos são muitos e as correntes urbanas são fortes o bastante para lhe prender em terra, mas deixar aumentar a dívida com você mesmo é um mal que deve ser jogado nas profundezas do mar. Ficar preso pela doença de um belo cachorrinho não é justo diante da fragilidade que é a vida.

Não aceite as chantagens emocionais de familiares e outras pessoas próximas, porque eles é que estão sendo egoístas com você. Quantos finais de semana você já ficou junto deles, fazendo ou participando de festinhas e encontros que você não queria. Se eles não querem participar de sua velejada, convide amigos, chame seu vizinho, convoque seu chefe, veleje sozinho, somente assim você vai se libertando das amarras.

Esqueça a velha desculpa do almoço com a sogra, com a prima querida, com a tia rica, com o cunhado gente boa, com a comadre, com o chefe, com o filho que está dando trabalho. Deixe a missa para outra hora e não aceite que sua filha largue o netinho amado em sua casa e vá curtir o churrasco com os amigos. A vida está passando para você e seus sonhos vão sendo descartados como singelas utopias de uma mente extravagante e que não pode machucar ninguém.

Nas minhas velejadas por ai eu já vi colegas deixar de ir a casamentos de irmão justamente porque era num fim de semana, e os fins de semana ele usa para velejar. Velejar deixa a nossa alma livre para decidir, liberta nossos corações dos cadeados enferrujados com os estresses da vida. Abre a nossa mente para um mundo tão fantástico quanto imaginário. Um mundo tão real quanto à mágica do nascimento de uma vida. Faz a gente renascer para com a gente mesmo e nos obriga a olhar e apreciar os horizontes.

Não fique a procura de motivos que lhe tire o sabor dos ventos, pegue seu barquinho e largue-se no mar com as velas abertas ao vento e o rosto respigado de sal. Seja por você e largue as amarras do mundo!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte terá novo comando

festa batalha naval do riachuelo (12)festa batalha naval do riachuelo (24)Regata Batalha Naval do Riachuelo 121Regata Batalha Naval do Riachuelo 145Regata Batalha Naval do Riachuelo 187regata capitania barra de cunhau (13)regata capitania barra de cunhau (17)regata capitania barra de cunhau (58)regata capitania barra de cunhau (60)regata capitania barra de cunhau (74)regata dia do marinheiro (58)risoto no amazonas (24)super quarta (58)visita a fragata independencia (13)visita a fragata independencia (49)visita a fragata independencia (59)

Na próxima Terça-Feira, 24/01, o Capitão-de-Fragata Alan Kardec Mota, transmite o cargo de Capitão dos Portos do Rio Grande do Norte ao Capitão-de-Fragata Rodolfo Gois de Almeida. A cerimônia será na sede da Capitania dos Portos, às 10 horas da manhã. O comandante Alan Kardec é mais um amigo que embarcamos para formar a grande tripulação do Avoante e que deixa Natal para assumir um novo comando na Marinha do Brasil. As fotos acima mostram o comandante Alan Kardec em várias momentos que pudemos compartilhar de sua presença e amizade.

Apoio náutico boa praça em Maceió

viagem no malaika (42)

Essa figura que pangaia a canoa e o Lêleu, um alagoano que está sempre a postos, junto com outros, para desembarcar pescadores e velejadores que chegam ao fundeadouro de Maceió. Dificilmente colocamos o bote de apoio na água para o desembarque na capital alagoana e essa turma raramente deixa a gente na mão. A exceção fica para quando a cachaça fala mais alto e a turma esquece a gente na praia, mas ai já é outra história. Essa forma de remar é quase uma marca registrada desses taxistas náuticos de Maceió e é uma alegria desfrutar da convivência amiga e boa praça desse povo. Todos eles já sabem que quando Lucia vai desembarcar exige que a canoa esteja o mais próximo possível da areia, mas nem sempre a coisa funciona e tome reclamação dela e replica deles dizendo assim: Dona Lucia, não tem jeito, sempre que a senhora vai descer a onda já sabe é molha seus pés. Eu pulo antes e fico me divertindo com o barulho. Pode ser Lêleu, Carlinhos, Neném e outros, mas quando você passar por Maceió não deixe de se servir do trabalho dessa turma amiga e divertida, pois eles tem sempre bons serviços a oferecer. 

De volta a casa

IMG_0169IMG_0173

Já estamos de volta a Natal e perfeitamente alinhados com os encontros e festejos que regem os ventos e os mares do grupo de velejadores do Iate Clube do Natal. Chegamos na madrugada da Segunda-Feria, 16/01, e fomos recepcionados pelo casal de bem com a vida e o mundo, Antônio e Rosangela. Entrando de cabeça no forte regime de engorda dos encontros de vela, na tarde/noite da Segunda-Feira, 16/01, nos reunimos em torno da mesa do tradicional Café da Segunda e na Quarta-Feira, 18/01, enveredamos pelos mares do encontro de velejadores para assistir a palestra do casal médico/velejador Fernando e Marta, que teve como título: Não fique engembrado, nem descadeirado no seu lazer. Agora vamos caçar as velas e acelerar a manutenção do Avoante, para, o mais breve possível, retornarmos ao mar.