Arquivo da tag: iatismo

Uma noite ao luar

P_20171201_082619Ontem, 30 de novembro, foi dia de celebrar as águas passadas sob o casco das embarcações, águas, e bons tempos, que marcaram a história do Iate Clube do Natal. Foi uma noite prateada com os encantos de uma bela Lua crescente que iluminou as varandas debruçadas sobre as águas do velho Potengi amado e cantado em verso, prosa e poesia. Noite de bons papos, afagos, abraços calorosos e renovação de amizades. Noite viva e memorável. Noite do comandante Érico Amorim das Virgens,  professor, poeta, escritor, navegador e dono de uma verve sem igual. Noite de Um Mar de Memórias, novo livro do Érico, que enfunou as velas das lembranças e trás a flor d’água sonhos adormecidos. Para quem não teve o prazer e a alegria de vivenciar essa noite, última de mais um novembro que entrou para história, Um Mar de Memórias está a venda na secretária do Iate Clube do Natal, ou com o autor.  

Anúncios

Um mar de memórias

IMG-20171128-WA0032O velejador/escritor, Érico Amorim das Virgens, lança dia 30 de novembro,  a partir da 19 horas, no Iate Clube do Natal, Um Mar de Memórias, uma obra imperdível para todo aquele que tem o mar como paixão, em que o autor resgata fatos, fotos e causos que marcaram a história do iatismo no Rio Grande do Norte. Vamos lá! 

Recorde na regata Transat Jacques Vabre 2017

imagesVapt-vupt, foi assim a velejada dessa ferinha, que aparece na imagem, entre Le Havre, região francesa da Alta Normandia, e a baianíssima Salvador, terra abençoada pelo Senhor do Bonfim. O trimarã de 100 pés, comandando pelos franceses Thomas Coville e Jean-Luc Nelias, cruzou o Atlântico como uma bala e gastou 7 dias, beirando o oitavo, e atracou, nesta segunda-feira, 13/11, cheio de vontade de se lambuzar de dendê no píer do Terminal Náutico da Bahia, e foi o primeiro participante da regata Transat Jacques Vabre 2017 a cruzar a linha de chegada e com isso ostenta orgulhoso a faixa de Fita Azul no alto do mastro. Fita Azul, no iatismo, é o primeiro barco a cruzar a linha de chegada, independente do tamanho, classe ou vontade dos concorrentes. O trimarã da Sodebo foi seguido de perto por outro trimarã voador, mas este, entre um contrapé e outro, cruzou a linha duas horas depois. As duas feras conseguiram baixar o recorde da prova em três dias. Danou-se! Agora as duas tripulações ligeiras, vão se aboletar diante de um tabuleiro de acarajé para esperar pacientemente pelos concorrentes que cortam água por aí, entre eles o barco brasileiro Mussulo 40, que compete na Class 40. O Mussulo 40, comandado pelos competentes Leonardo Chicourel, baiano arretado, e José Guilherme Caldas, teve alguns problemas e aparece, por enquanto, na 13ª posição, em sua classe. A Transat Jacques Vabre é uma das mais tradicionais provas do iatismo mundial e nessa edição retorna a Bahia, onde aportou em tempos idos. Fonte: Coluna do Murilo 

Os rumos escusos do iatismo

21271237_792053424300806_2368944388347526868_nO velejador brasileiro Lars Grael, um dos expoentes do iatismo mundial, põe o dedo numa ferida que há muito merece atenção. A declaração de Lars, clamando os velejadores a reflexão, vem a público depois que um velejador perdeu 4 dedos da mão em um acidente com um Nacra 17’, veleiro de competição que faz sucesso nas raias mundo afora. Quero aqui deixar minha solidariedade ao Lars e parabenizá-lo pela coragem de abordar o tema. 

A ISAF atual World Sailing tomou um rumo diverso na Vela. Acabaram com os barcos de quilha nas Olimpíadas e no Pan. Alegação? Custo? Eliminar os velejadores Master? Eliminar os pesados? Se o Finn sair, e deve sair. Quem tem mais de 85 kg não vai mais pra olimpíada. Mais de 50% dos velejadores no mundo navegam em barcos de quilha! Não são mais representados pela WS… A Vela de Oceano nunca teve tão forte internacionalmente. Classes de moda bombando como o J70′ (como foi antes com o J24′ e o Melges24′). Classes tradicionais fortes e pujantes como o Star; Dragon; Etchells e até mesmo as classes métricas. Os atletas pesados tem vez em todas modalidades de lutas olímpicas e até mesmo no Atletismo (3 arremessos). Os velejadores Master continuam mais ativos que nunca, com o fenômeno do envelhecimento da população mundial. Estão em peso nas classes de quilha; Finn e Laser por exemplo. A WS não é mais dominada por velejadores, classes e países. É dominada por juízes e fornecedores de barcos. Nos eventos oficiais da WS, a proporção de barcos é praticamente igual a de botes. Isto é caro e excludente. Um time de 49er com bote, custa muito mais caro que uma campanha de Star sem bote. Fora que o 49er dura 1 ano e o mercado de segunda mão é péssimo. O star dura muito e se vende bem. A Vela é o ÚNICO esporte olímpico, aonde o equipamento individual é fornecido por um fornecedor em regime de exclusividade (monopólio). Estes fornecedores comercializam os equipamentos pelo preço que bem entendem. O lucro é generoso e sobra dinheiro para ganhar votos nas assembleias. Nada muito diferente do que conhecemos no Brasil. A Vela tornou-se a modalidade esportiva mais ecologicamente incorreta de todas reconhecidas pelo COI. O gasto de combustível do Mundial da ISAF (técnicos; juízes; segurança; árbitros), é compatível a quase toda uma temporada da F-1 (sem contar os treinos). Torben foi eleito Vice-presidente da WS. Sei que ele concorda com pelo menos, parte dos meus (nossos?) argumentos. Sabemos que ele é minoria, mas é muito respeitado…Torcer que venham repensar a Vela após um acidente que exigirá a reflexão de todos. O que dizer das classes que entraram recentemente nas Olimpíadas e antes mesmo de serem testadas, foram excluídas? Cito o Yngling e o tragicômico Elliot. Como o Nacra 17′ virou olímpico antes até mesmo de um protótipo ser testado? Já sabiam que era “melhor ” que um Tornado, apenas vendo um simples prospecto? E o recall de mastros, problemas estruturais, quebras, problemas de fornecimento dos Nacra pra campanha da Rio2016? O que dizer dos velejadores de ponta que declararam terem adquirido 3 barcos; 1 dúzia de mastros e quase 20 jogos de Vela num único ciclo olímpico? Que tal saber que todos estes Nacras produzidos não servem para a versão 2017/2020?Que um Nacra usado vale menos que um Dingue?: Que o novo Nacra com foil foi uma adaptação tosca do antigo e que não tiveram tempo para testar? Os testes (e já convocaram recall de componentes) está sendo feito agora com o dinheiro e risco dos velejadores olímpicos. Ou a WS corrige seu rumo, ou a Vela real seguirá seu rumo próprio como a classe Star já faz. Surgirá o momento para os velejadores profissionais criarem sua associação e darem as costas à sua Federação International. É o que Tênis foi capaz de fazer ao criar a ATP e elevar seu esporte para um dos mais bem sucedidos! Alguém se lembra que existe a ITF?

Imponderável

7 Julho (40)Farol de Santo Alberto, conhecido no mundo náutico como Farol de Caiçara, porém, está localizado no município de São Bento do Norte. Os municípios de Caiçara do Norte e São Bento, de tão próximos, parecem dividir praticamente o mesmo espaço territorial e o Farol é protagonista de uma velha e animada peleja entre os moradores dos dois rincões. Nessa postagem não vou entrar na teima do farol, que já foi tema de postagens anteriores, queria apenas dar um Norte a esta escrita. A Marinha do Brasil, através da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte, emitiu comunicado a comunidade náutica do RN, principalmente as colônias de pescadores, solicitando que informem quais faróis ou auxílios náuticos ainda mantém sua viabilidade, pois existe uma proposta para cancelamento de alguns auxílios luminosos na região Nordeste. Ora, na minha  singela visão de aprendiz nas coisas da navegação, os auxílios cegos ou luminosos, principalmente os faróis, jamais podem ser considerados inviáveis, a não ser quando não mais exista o motivo de sua atenção, como a retirada do obstáculo ao qual ele indica. Se o objetivo da proposta for redução de custo, aí é que não se justifica mesmo, pois estamos lidando com aspectos de segurança a vida humana e quanto a isso não existe justificativa que se sobreponha a razão. Falando sobre o assunto com os pescadores da Colônia de Pesca de Enxu Queimado – Z-32, todos foram unanimes em afirmar que os faróis de Caiçara, Touros, Galinhos e todos os outros que fazem referência a região, são de extrema importância para eles, pois é pelos lampejos que eles se orientam em noites de escuro e tormenta. Acho eu que a Marinha do Brasil tem assuntos mais importantes, no atual momento em que vivemos, para direcionar seus estudos, como por exemplo, o combate a violência e pirataria que já se faz presente nos mares brasileiros.

Veja a lista dos faróis e auxílios luminosos, do RN, que fazem parte da proposta:

imageimage

 

Imagens que trazem saudades

IMG-20170502-WA0001IMG-20170502-WA0002IMG-20170502-WA0003IMG-20170502-WA0004IMG-20170502-WA0005IMG-20170502-WA0006IMG-20170502-WA0010IMG-20170502-WA0007IMG-20170502-WA0009IMG-20170502-WA0012IMG-20170502-WA0014IMG-20170502-WA0017IMG-20170502-WA0018IMG-20170502-WA0020

Estas imagens foram retiradas do tempo pelo velejador, fotografo e geólogo potiguar Joaquim Amorim, que possui um maravilhoso arquivo fotográfico contando um pouco da história das regatas REFENO, Regata Recife/Fernando de Noronha, e FENAT, Regata Fernando de Noronha/Natal, como também momentos que marcaram época no Iate Clube do Natal.

 

Quais são suas atitudes no mar?

01 - Janeiro (47)

Dia desses um vídeo viralizou nos grupos dos amantes da navegação, mostrando o enrosco entre uma lancha e um veleiro em uma ancoragem, se não estou enganado, nas águas do Sudeste. Nos comentários, em grande maioria raivosos, velejadores sentavam o pau de spinnaker na cabeça do proprietário da lancha, comumente apelidado de lancheiro. Pois bem, o “lancheiro”, segundo se ouve na filmagem, festejava o barraco e proibia que seu marinheiro fizesse algum esforço para desfazer a situação. Ora, pequenos incidentes como aquele são mais do que comuns em qualquer local, onde algum comandante deixe de observar as boas regras de ancoragem e como consequência, o barco sai todo faceiro para denunciar o mal feito. – E quer saber? O mesmo tipo de atitude, e até pior, já presenciei envolvendo dois ou mais veleiros, com gritos de ameaças veladas e palavrões trocados pelos comandantes. Várias vezes embarquei em meu bote de apoio para segurar barcos de terceiros, que encontravam-se próximo de um abalroamento, enquanto os infelizes proprietários apenas observavam a cena, muito bem sentados no cockpit. De alguns ouvi abismado: “Só estava esperando para ver a m…. desse irresponsável e se batesse em meu barco o bicho iria pegar”. Certa feita estava com o  Avoante ancorado na Ilha de Itaparica, quando a tardinha chegou outro veleiro e ancorou pela popa, porém, muito próximo. Vendo a cena que poderia acontecer, recolhi um pouco a corrente e avisei ao outro comandante que aquela não era uma boa posição para ele jogar âncora. Ele sorriu, entrou na cabine e não mais saiu. Na madrugada, quando o vento acabou e os barcos ficaram pelas ordens dos remansos da maré, o púlpito de proa do veleiro dele veio de encontro a plataforma de popa do Avoante e ficaram ali num namoro barulhento e perigoso. Acordei e fui ver o que estava acontecendo, porém, o que vi foi o velejador sentado com a cara feia sobre o convéns e quando me viu foi logo dizendo: “Seu barco está batendo no meu”. Não fez o mínimo esforço para evitar uma situação causada por ele mesmo. Calado, liguei o motor, recolhi a âncora e fui procurar outro lugar para ancorar. Não estou defendendo o arrogante proprietário da lancha que aparece no vídeo, porém, antes de condená-lo, precisamos fazer minuciosos exames na consciência e rever nossas atitudes no mar, ambiente em que ética e bom senso não são apenas palavras bonitas.