Arquivo da categoria: Coisas do Mar

O artífice

8 Agosto (122)8 Agosto (123)

João Maria de Lima, o Joca, é um cara irrequieto, desses que quando pensamos que ele está indo, está indo mesmo, só que já voltou várias vezes e a gente nem viu. O conheci quando certa vez estava realizando uma obra no Avoante, no pátio do Iate Clube do Natal, e ao me ver enfrentando dificuldades para colocar o esticador de proa – que traciona o estai do mastro – sem pedir licença, subiu a bordo, tomou a peça de minha mão, fez o serviço e saiu rindo, como quem pergunta: – Aprendeu? Joca faz de tudo e mais um pouco, mas o que ele gosta mesmo é de marcenaria e navegação, duas áreas que domina como poucos. Nos últimos anos,  Joca tem se dividido entre Natal, Rio de Janeiro e Noruega. Natal, onde reside, Rio de Janeiro, onde cultiva amizades e faz trabalhos para grandes amigos, entre eles o medalhista olímpico, Kiko Pelicano, e a Noruega, como tripulante do lendário veleiro Saga. Coleciono boas histórias na companhia desse amigo e algumas estão registradas neste Diário, com os títulos, Receita de Peixe Ensopado e Peixe Ensopado – A Receita. Recentemente esteve em Enxu Queimado, nos fazendo uma visita para colocar o papo em dia e falar do veleiro que está construindo, em Natal, projeto e execução dele mesmo, batizado – por enquanto – de Nômade. No veleiro, que é um primor de construção e terá 26 pés de comprimento, ele pretende embarcar a família e dar um giro pelos mares do mundo. Para quem conhece Joca, essa é uma tarefa das mais fáceis. No primeiro retrato, ele posa ao lado do filho, não menos irrequieto, Erik, o “joquinha”.  

Anúncios

Ideias “brilhantes”

35839753_2277748408908227_2988752365579927552_nEssa imagem que circula nas redes sociais de navegantes é fiel a máxima de que, quando o assunto é armengue, fica difícil achar gente mais criativa do que velejador. A esposa que trate de comprar outra sombrinha!  

Histórias tristes da vela

boxe-ronald-1Histórias de pessoas que cruzaram suas vidas com a crueza alucinante do tráfico de drogas é um poço de desejos para escritores e roteiristas de filmes. Foi assim com a alemã Christiane F, com a mexicana Teresa Mendonza, com o colombiano Pablo Escobar, com carioca Guilherme Estrela e tantos outros que viraram personagens reais de uma triste e infeliz história. Agora é a vez do velejador carioca Ronald Soares, que viveu grande parte de sua vida a bordo de um veleiro a serviço do tráfico internacional, até ser preso e condenado na Inglaterra, em 1999. O brasileiro, que ficou conhecido como O Economista, teve participação ativa no tráfico e chegou a amealhar mais de 7 milhões de dólares, valor integralmente confiscado pela justiça inglesa depois que foi condenado a 24 anos de prisão, 12 dos quais em prisão da Inglaterra. O Economista foi beneficiados por acordos entre os dois países e foi extraditado para o Brasil, onde cumpriu parte do restante da pena e foi liberado por bom comportamento – coisas da nossa infindável benevolência. Pois bem, a história de Ronald Soares, que transportou ou ajudou a transportar, toneladas de drogas para a Europa, rendeu o livro Tudo ou Nada, de Luiz Eduardo Soares, e tudo indica vai parar na telona. Fonte: blog Histórias do Mar       

Onda boa

filipe_toledo_jeffreys_bayE nem só de futebol vive o esporte brasileiro, pois somos bons em várias modalidades e em algumas, mesmo se não disputamos o pódio, ficamos sempre, no mínimo, entre os dez primeiros, como é o caso do surf, onde já temos dois títulos mundiais, Gabriel Medina e Adriano de Souza, e na temporada 2018 do WSL, os surfistas brasileiros já chegaram no alto do pódio em cinco das seis provas, a última esta semana, em Jeffrey’s Bay, África do Sul, com o paulista Felipe Toledo. Na penúltima etapa, disputada em Bali, Indonésia, entre os dias 27/05 e 09/06, a taça de campeão ficou com o potiguar Ítalo Ferreira, criado nas ondas da praia de Baía Formosa, litoral Sul do Rio Grande do Norte. E vamos que vamos!     

Esses meninos!!

5b34fef2b4593O Canal da Mancha, que originalmente se chama Manga, porque se parece com a manga de uma camisa, é um braço de mar do oceano Atlântico separando a Grã-Bretanha da França e faz a ligação do Atlântico com o Mar do Norte. Os franceses o chamam de “Le Manche”, os ingleses de “English Channel”, os alemães de “Canal da Manga” e os tradutores da língua portuguesa, rascunharam para lá, apagaram para cá, rabiscaram novamente e o que sobrou no papel foi mancha e por mancha ficou. O famoso canal é a rota marítima mais movimentada do mundo, principalmente no pedaço entre a cidade inglesa de Dover e a francesa Calais. Tão movimentado quanto perigoso, pois a força das correntes aliado as fortes tempestades que acometem aquela região do planeta, foram e são responsáveis por vários acidentes fatais. O Le Manche, para agradar os franceses, tem 563 km de comprimento por  240 km de largura em sua margem mais distantes, mas seu ponto mais estreito é de 33 km, número que floreia os sonhos e desejos de aventureiros mundo afora. Já atravessaram a nado, de canoa, remando, boiando e mais uma danação de invenções. O aventureiro mais recente, junho 2018, foi o menino francês Tom Goron, 12 anos, que embarcou em um veleiro Optimist,  subiu as velas na ilha de Wight, Reino Unido, e aproou o rumo da venta em busca de alcançar a comuna francesa de Cherbourg, França, onde chegou depois de 14 horas e 20 minutos de velejada. O recorde anterior era da também francesa, Viollete Dorang, 15 anos, com o tempo de 14 horas e 56 minutos, em 2016. O menino, que na travessia foi seguido de perto pelo pai, a bordo de um veleiro maior, disse em entrevista que passou mal e chamou “hugo” varias vezes durante a travessia de 60 milhas, mas em nenhum momento pensou em desistir. A mãe, Sophie, declarou: “Estou muito orgulhosa dele, conseguiu (…) É teimoso, ambicioso, perseverante e… temos que segui-lo”. Parabéns menino Tom, o mar é seu!  

Imagem

Curiosidades náuticas

DgiacnzWAAAQ04e

As pescadoras de Enxu Queimado

IMG_0080

– Hoje teve pescaria? – Teve sim, senhor, e da melhor qualidade! As pescadoras da praia de Enxu Queimado, acordaram cedo e foram lançar rede ao mar. Foi uma manhã de alegria que encheu de beleza e formosura as areias de uma das mais belas praias do Rio Grande do Norte. Foram três lances de arrastão e uma bela produção, com direito até a camarão bem nutrido! Viva e parabéns as pescadoras de Enxu!

IMG_0085IMG_0117IMG_0123IMG_0126IMG_0132IMG_0134IMG_0137IMG_0144IMG_0145IMG_0148IMG_0153IMG_0154IMG_0156IMG_0158IMG_0163IMG_0164IMG_0166IMG_0169IMG_0172IMG_0178IMG_0182IMG_0184IMG_0185IMG_0187IMG_0189IMG_0190IMG_0193IMG_0194IMG_0195IMG_0202IMG_0206IMG_0207IMG_0208