Arquivo do mês: junho 2019

Cartas de Enxu 43

20190628_085610~2

Enxu Queimado/RN, 30 de junho de 2019

Presidente, rapaz, desculpe a ousadia de enviar-lhe essa missiva e também a intimidade do “rapaz”, pois lhe vejo tão sem apego aos salamaleques das palavras e do cargo, que resolvi pular os princípios da boa educação e respeito que Ceminha ensinou, mesmo arriscando levar uns puxões de orelha. Mas antes de seguir ajuntando letras nos moídos, vou contar um tiquinho do porquê das Cartas de Enxu.

Idealizei as Cartas para contar um pouco das coisas do cotidiano da pequena comunidade praieira de Enxu Queimado/RN, onde moro atualmente sob as sombras de uma cabaninha de praia, e por aí vou indo contando fatos, causos, costumes e reparando nas necessidades que aqui são muitas. Pronto, já que contei um conto, vou contar o contado. Mas Capitão, antes de mais nada, me diga aí de onde danado vosmicê tira tanta coragem para se meter em falação? Pense num caboco pra gostar de peleja!

Presidente, Enxu Queimado, distrito do pequeno município de Pedra Grande/RN, é uma joia de lugar com a cara escancarada para o paraíso e com um povo ordeiro que faz inveja a uma ruma de lugar mundo afora. Por aqui a vida ainda é contada passo a passo que nem a letra de uma música do rabequeiro pernambucano Siba, “…toda vez que dou um passo, o mundo sai do lugar…”, porém, nem tudo são flores e quando são, vez em quando tem uns espinhos que é para o povo não esquecer o tranco.

Jair, o senhor está precisando conversar na linguagem do povo e o povo que o cerca precisa encolher a língua, senão o baralho vai embaralhar de vez. Sei que a orquestra estava bastante desafinada, porém, afinação se faz em um instrumento de cada vez, senão desanda no compasso e não tem maestro que consiga botar ordem no terreiro. Seus meninos estão muito ouriçados e tem horas que merecem até levar umas chineladas das boas. Onde já se viu criança se meter em conversa de adulto? Lá em casa tinha isso não e se acontecesse, Ceminha botava um quente e dois fervendo!

Homem de Deus, esse negócio de mandar recado e ditar diretrizes pelas linhas curtas do Twitter tem futuro não! Além do mais, a grande maioria do povo nem sabe o que danado é tuitar e aqui em Enxu tem esse bicho não. O papo cabeça por aqui é via WhatsApp, pelas teimas intermináveis sob a sobra de pé de pau ou embaixo de uma barraca a beira mar. Capita, se não for assim, ou através da telona de uma TV, o recado sai atravessado, distorcido e mal falado, porque quem conta um conto aumenta um ponto e quando o conto vem da sua conta, aí danou-se! Não vá na onda do “galego do topete”, pois ele tem panos pras mangas, viu! Quer um conselho? Bote uns coturnos macios e vá bater pernas por aí para escutar e dizer as verdades que precisam ser ditas e ouvidas.

Presidente, sei que muita coisa boa foi feita nesses seis meses de mandato, mas a engrenagem mestra que move o moinho do governo está pisando no eixo da grampola e se não for reparado ligeiro, vai torar em bandas! Tome tento, homem, pois até os “inocentes” do Congresso estão tirando onda de bons moços, porque lábia eles têm para dar, emprestar, alugar e receber, que é o que mais gostam. Seu povo aí está batendo cabeça e nós aqui é que recebemos a pancada. – Quer que fale mais, quer? – Pois lá vai: Está faltando conversa olho no olho e no fio do bigode, está sobrando lero-lero e acho que já estou sendo chato com essa conversa de pitaqueiro barato. Pronto, falei!

Seu Messias, que tal vir dar um passeio por essa prainha linda e aconchegante? Faz tempo que não aparece uma autoridade bacana por essas dunas brancas e quando aparece, chega transvestido de candidato e sendo assim a promessa corre solta pelos alísios e se vão para nunca mais. Capitão, o povo daqui não quer muito, quer apenas 11 quilômetros de estrada asfaltada que ligue o povoado a sede do município, um posto de saúde decentemente bem equipado e com bons médicos, boas escolas e um programa de incentivo para melhorar a flotilha de barcos de pesca, porque os barquinhos estão sofridos e com idade para lá de avançada. Se o senhor garantir que vem, vou ajeitar com Xará, presidente da colônia de pesca, para ajuntar os pescadores e assim o senhor fala o que quiser falar, mas não venha com mais promessa, porque de prometido e não cumprido os balaios já estão cheios.

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, desculpe o atrevimento dessa cartinha mal escrita, mas gostaria muito que o senhor desse o ar da graça por essa prainha paraíso, que garanto que Dona Michelle vai adorar conhecer. Venha ver as riquezas de um pedaço quase esquecido do Brasil, apesar do gigantesco, porém, socialmente deficiente, parque eólico plantado sobre dunas e matas. Venha tirar um retrato no histórico e abandonado Marco de Posse, localizado  na Praia do Marco, parede e meia com Enxu. Venha degustar da moqueca produzida por Lucia, que é dos deuses, e venha se fartar em um delicioso caldeirão de lagosta feita no bafo. Venha que garanto estirar uma rede sob a varandinha de minha humilde cabaninha, para o senhor jogar conversa fora e tirar um cochilo sonhando o sonho dos justos.

Até mais!

Nelson Mattos Filho

Humor naval

facebook_1561739902590

– Humor ou mau humor? – Não sei, só sei que é assim! 

Aviso aos navegantes

anima_altura O Inverno está aí, mas como São Pedro está envolvido na organização dos arraiais em sua comemoração, que acontecem dias 28 e 29/06, a chuvarada rareou um pouco e esta semana se concentrará apenas nos extremos das regiões Sul e Norte, com um punhadinho aqui ou outro acolá pelas beiradas do Nordeste. Porém, o mar deve crescer a partir do dia 27, em agitação moderada, com ondas que devem alcançar 2,5 metros de altura em todo litoral brasileiro. Mas vale lembrar que o “dono da festa”, além de mandatário das chuvas, é também um bom homem do mar.   

Morre o historiador Lenine Pinto

227276

O Rio Grande do Norte perdeu na madrugada deste domingo, 23, o historiador Lenine Pinto, 89 anos, vítima de complicações causadas por pneumonia. Lenine, membra da Academia Norte-rio-grandense de Letras, escritor de valiosas obras da historia da Segunda Guerra e das grandes navegações, foi o mais ferrenho defensor da tese de que o Brasil foi descoberto pelo Rio Grande do Norte, mais precisamente na Praia do Marco, localizada na divisa dos municípios de Pedra Grande e São Miguel do Gostoso, onde em 1501 os portugueses, André Gonçalves e Américo Vespúcio, chantaram um marco de posse, conhecido como Marco de Touros. Siga em paz, grande historiador, e torço para que o brilho dos seus estudos continue a iluminar novos horizontes.   

Alguma coisa está fora da ordem

xblog_bear_shoot.jpg.pagespeed.ic.LPHLqW_vTkRaul Seixas um dia pediu que parassem o mundo que ele queria descer pois estava… tudo errado, tá tudo errado/Desorientado, cego vivo enquanto eu vou/Ficando aqui parado/Tá tudo errado, tá tudo errado…, mas o mundo não parou, Raul desembarcou assim mesmo e os versos do roqueiro continuam ecoando aos quatro cantos do mundo. No começo de junho o Brasil assistiu o filme de terror vivido pelo menino Rhuan, porém, a plateia, ou grande parte dela, ou  melhor, mais de 99,9%, não derramou uma lágrima sequer, muito menos marejou os olhos e nem de longe lembrou de vestir – nem mesmo para tirar um retrato – uma camiseta com a imagem do rosto da criança, que foi agredida, mutilada, trucidada, despedaçada. Os jornais, os grandes jornais, e seus antenados e falantes comentaristas, pincelaram umas notinhas mixurucas e c’est fini! Rhuan perdeu a vida porque era um fardo na vida das assassinas. – E os direitos humanos? – Nem nem, mas muito em breve vão se avexar nos reclames em busca da progressão da pena para as criminosas. – E o urso? Pois é, o urso da imagem  que abre a postagem, foi abatido por agentes florestais, no estado de Oregon/EUA, por ter ficado “muito confortável” na presença de humanos. As autoridades contam que receberam denuncia de que um urso folgado estava circulando livremente entre os visitantes de um parque, inclusive posando para selfies, o que para eles não é admissível, poderia colocar em risco a vida das pessoas e por isso foi abatido sem dó nem piedade. Pois é, o urso, na tentativa de levar uma vida diferente, virou um fardo para o agentes florestais e por isso foi eliminado sumariamente. – Barbaridade? Claro que sim, mas o que dizer do caso Rhuan, que o Brasil já esqueceu? –E os direitos dos animais? Bem, se depender do histórico de lutas da turma que defendo os bichos, o mundo inteiro vai ficar sabendo, os agentes serão processados, daqui para frente nenhum “urso amostrado” será abatido e nem vou estranhar se no Brasil aparecer uma sociedade amiga do urso. – E Rhuan? Ora, ele era apenas uma criança, acriana, que atrapalhava a vida “amorosa” de adultos no Planalto Central! CANTA RAUL! “…Pare o mundo que eu quero descer/Por que eu não aguento mais noticias de/Corrupção, violência que não param de aumentar/E pensar que a poluição contaminou até as/Lágrimas e eu não consigo mais chorar…”. 

Fim de um pesadelo

 

62519368_2252647674854795_6673859083214258176_n

O STF pôs fim a uma peleja que se estendia há cinco anos nos tribunais federais, desde que o belo veleiro que ilustra essa postagem, modelo Beneteou 47, foi apreendido pela Receita Federal, em Natal/RN, sob alegação que o proprietário, italiano, estaria tentando nacionalizar a embarcação, apesar do mesmo provar que estava apenas de passagem pelo Brasil, em rumo para Cancún, Miami e Nova York. O proprietário, que ganhou a causa no Supremo, havia deixado o barco em Natal, sob os cuidados do Iate Clube do Natal, e retornou ao seu país, mas ao voltar, soube que o veleiro estava lacrado pela Receita e que seria encaminhado a leilão. Fico matutando com meus botões: Quem danado irá indenizar o infeliz proprietário pelos gastos com advogados, desgastes emocionais e com a manutenção necessária em um barco que ficou parado durante cinco anos? Quando digo que o Brasil é administrado de costas para o mar alguns amigos dizem que é exagero. Como bem diz uma amiga: “Então tá!” 

Pensadores

IMG_0162

Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino.

Leonardo da Vinci