Arquivo da categoria: Cartas de Enxu

Observando o mundo através da varandinha de uma casinha de praia.

Cartas de Enxu 57

IMG_0181

Enxu Queimado/RN, 26 de janeiro de 2020

Carlinhos, como navegam as coisas em sua velha e boa Bahia? Tenho acompanhado tudo pelos buxinhos que escapam das linhas imaginárias que cruzam as cartas náuticas e que denunciam os rastros dos navegantes abençoados pelo Senhor da Colina Sagrada. Diante de tudo que chegam aos meus ouvidos, trazidos pelo eco dos ventos, defino que tudo vai bem, se bem que algumas coisas precisam de correções. O que seria da navegação se não existissem as correções, não é mesmo? Cabral que não as fez, acabou num sabe onde e condenando um povo a caminhar sem chegar a lugar nenhum. Aliás, ainda estamos nos descobrindo e com vontade de cobrir tudo novamente, porque a correção está difícil.

Amigo, tenho andado pouco por aí, pois essa vidinha de praieiro deixa a gente assim meio paradão. Não sei se é por causa do ar da praia, do marulhar das ondas, do bailar das folhas dos coqueiros, da observação das jangadas entre idas e vindas, dos alísios que por aqui transformam tudo em poesia ou simplesmente do calor apetitoso do Sol, que é um convite para um delicioso mergulho no mar de Enxu, mas é assim, a inércia tomou conta de mim e se não fossem as viagens a Natal, que me desloco de vez em quando para dar um cheiro em Ceminha, os passeios pelo mundo seriam apenas pela telinha brilhante do aparelhinho de celular ou na telona desse computador de mil e uma utilidades. Até meus escrevinhados ficaram raros e embalados no velho papel que se embrulha o deixe para depois, mas vou seguindo assim e quem sabe um dia dona inércia resolve tomar tento e passarei, novamente, a olhar o horizonte com o olhar de curiosidade. Quem sabe!

Meu amigo, escuto dizer que nos dias de hoje não é preciso sair batendo perna para conhecer e saber das coisas do mundo, porque tudo está muito bem nítido no bombardeio de informações que estamos recebendo instantaneamente e sem ter tempo nem de piscar o olho, o que é uma verdade não verdadeira, pois no mundinho digital, a mácula da desinformação exime o ônus da prova. Porém, digo que diariamente varo o mundo sem sair do lugar e ainda fico cansado, porque a caminhada, nas veredas das ondas internéticas, tem que ser ligeira, pois se vacilar, o bonde passa e o próximo é outro papo.

Comodoro, ultimamente minhas andanças estão voltadas para descobrir os caminhos que cercam essa prainha paraíso, que não são poucos, porém, esquecidos e incrivelmente abandonados. Enxu Queimado, no alto de seus 90 anos, tem um acervo paisagístico riquíssimo e uma maravilhosa história tendo o mar como pano de fundo. O Município de Pedra Grande, base desse pequenino povoado praia, e os distritos que lhe servem de satélites, foram aquinhoados com fascinantes tesouros naturais que se estivessem fincados em outros locais, ou mesmo países mundo afora, seriam bem vistos e valorizados. Na época das chuvas temos lagoas de águas cristalinas entre as dunas, assim como as que dão fama aos Lençois maranhense. Temos grutas subterrâneas como poucas no mundo. Uma fauna, apesar das ações desastrosas do homem, de fazer inveja a muitos parques ambientais. Uma flora exuberante e que de tudo dá, desde que se plante. E um povo dotado de um exuberante calor humano. Trilhas fabulosas, ornamentada por fábulas fascinantes, por entre a mata da caatinga. Tudo isso temperado por um clima maravilhoso e sem falar que foi nessas terras que oficialmente o Brasil teve início, em 7 de agosto de 1501.

Pois é, meu amigo Carlinho, muito do que escrevo aqui já foi dito em outras Cartas de Enxu, mas tem coisas que nunca é demais contar mais de uma vez e outras tantas forem preciso, para não caírem no esquecimento, ainda mais em uma região tão cruelmente desassistida. Costumo dizer que hoje vivo no Brasil real, como era real aquele Brasil em que vivi a bordo do Avoante, em que a fala das promessas se perdem no vazio das ações. Essa semana os portais de notícias deram conta de que a China, que enfrenta uma grave e mundialmente preocupante epidemia do coronavírus, surto que tem deixado a medicina feito barata tonta, está construindo um hospital com mil leitos, que deve ficar pronto em seis dias, somente para atender os casos diagnosticados. Diante da notícia tão valiosa e de priorização com saúde humana, olho para as nossas Unidades Básicas de Saúde, muitas delas há anos ainda em fase de projeto e construção, e as que estão em funcionamento, com indecifráveis faltas de equipamentos, medicamentos e estrutura de pessoal, e indago: – Poxa, Seu Cabral, porque não corrigiu a rota de suas Naus?

Carlos Santana, ou melhor, Carlinhos do Xéu, tenho saudades da sua Bahia e da alegria carinhosa do píer do Angra dos Veleiros, um dos portos seguros do Avoante na terra dos Orixás. Ainda lembro de suas palavras certa vez em que atraquei no Angra: – A alegria voltou! Sejam bem-vindos, Nelson e Lucia! Pois é meu amigo, quero dizer a mesma coisa no dia em que você chegar sob a sombra dessa nossa cabaninha, mas não se avexe, pois garanto deixar os assuntos comentados nessa cartinha, bem longe da sua alegria contagiante.

Grande abraço e antes do ponto final, digo que a Lua iniciou a fase de crescimento e a Lua cheia por aqui é linda. Venha conferir!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 56

IMG_0109

Enxu Queimado/RN, 16 de janeiro de 2020

Sabe minha irmã, durante a fração de vida vivida a bordo do veleiro Avoante, todo fim de tarde adorava sentar no cockpit para sentir o pulsar do coração da natureza, ouvir ao longe os ecos das vozes e sons que vinham das cidades diante da ancoragem e pedir bênçãos aos deuses para que aquele momento de paz, emoldurado pela magia do pôr do sol, que jamais se apresentou com a mesma roupagem, chegasse a cada pedacinho do planetinha azul, principalmente as bucólicas e aconchegantes comunidades ribeirinhas em que deixamos tantos e queridos amigos com água nos olhos. Agora, morando embaixo da sombra gostosa dessa cabaninha de praia, estendida sobre o chão de uma Enxu mais bela, tento repetir o velho costume, mas a vida urbana é complexa demais para aliviar a alma. – E o pôr do sol? – Pois é, o pôr do sol!

Grace, falando assim você pode achar que estou com saudade do mar e pode apostar que sim, mas vou driblando essa saudade diante da pequena nesga de oceano que consigo mirar da varandinha da cabaninha, só não sei até quando, porque as cidades exigem progresso e o progresso não aceita e nem reconhece caprichos. Aí você diria: – E porque não mora em uma casa de frente para o mar? Digo: – Bem que poderia, mas assim eu iria sonhar um sonho vivido, vivendo diante de um sonho sonhado. Ficou difícil de entender, não foi? Mas não se avexe, porque também é difícil de explicar, pois esse é um segredo que nem os poetas contam, porque não sabem contar e os que sabem não contam, por medo de perderem a conexão com a alma. – E o pôr do sol?

Minha irmã, dia desses descobri que não tenho mais tempo para o pôr do sol, não que eu não queira, mas a cidade não me permite. Quando morava em uma casinha balançante sobre o mar e meus passos deixavam poeiras de espumas e plânctons em uma esteira que se perdia em pensamentos, o pôr do sol era um quadro pintado e emoldurado por contornos mutantes. A hora da despedida do Astro luz era um grande momento de reflexão e redenção diante da indecifrável magnitude da natureza. Aquele espetáculo me dizia tudo o que era preciso saber daquele dia que se despedia, dos dias que viriam, e a ele me rendia de corpo e alma. Era uma vida medida pelos quartos de tempo e não pelos ponteiros do relógio. A madrugada com suas sombras era o primeiro quatro, o dia com seus brilhos era o segundo, a tarde com seus lusco-fuscos era o terceiro e a noite com seus mistérios fechava o ciclo da vida e assim o veleirinho seguia cambaleante e inebriado em sua saga de bem singrar os mares e nos dar prazer.

Grace, apesar dessa cabaninha encravada em meio a uma maravilhosa natureza viva, onde cantam livres os passarinhos e os alísios aliciam as dunas em um namoro desavergonhado, o pôr do sol visto da varadinha é notado apenas pelas cores pintadas na tela azul do céu e denunciado pelos rebanhos de carneiros que passam na rua de volta a segurança dos cercados. Sei das suas cores, sinto seu pulsar e até escuto o sussurro de sua voz querendo me falar as novidades, mas a inércia me prende sob a cabaninha e assim ele se vai. Ele tem paciência e sabe que um dia novamente estarei postado diante do seu altar. E eu? Fico perdido em uma angustiante desfaçatez.

Mas minha irmã, não se apegue aos meus lamentos, porque são apenas palavras ditas para anestesiar as dores da alma e sempre que posso, e algum amigo me atenta, largo o conforto da cabaninha e me posiciono diante do crepúsculo, mas confesso que não consigo decifrar as palavras que ali estão tão explicitas. Meus sentidos ficam dispersos em meio as vozes urbanas e por mais que tente manter a concentração nada consigo. O que me resta é me render diante da beleza, que nunca é igual.

Foi com esse sentimento que no segundo sábado de janeiro fui com amigos assistir ao espetáculo a beira mar. Levei a máquina fotográfica, umas cervejas geladas para variar, e caminhei sozinho em busca dos melhores ângulos. Naquele dia registrei os últimos movimentos do grande rei e até vi em seu olhar a esperança de me contar boas novas, mas baixei a vista, porém, sem antes deixar de notar em seu rosto um leve sorriso de alegria em me ver ali tão próximo.

Grace Lopes Mattos Barbalho, minha irmã caçulinha, desculpe essa carta tão carregada de insatisfações, mas hoje acordei com saudades do mar, do pôr do sol e precisava contar isso para alguém. A magia do crepúsculo solar sempre me fascinou, mas a partir do momento que soltei as amarras e me vi no mar, para mim ele se tornou um deus.

Quer saber? Venha aqui, minha irmã, venha e traga Jailson para falarmos mais sobre esse tema sobre as areias macias dessa prainha paraíso e prometo te levar para ver um dos mais belos pôr do sol do universo, apesar de eu estar momentaneamente alheio aos seus segredos. Venha, pois estamos na safra da azeitona e os pés estão todos carregados com frutos da melhor cepa. Venha e traga Ceminha, pois quem sabe ao lado dela, recupero a linguagem que vem do Sol.

Beijo!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 55

20200108_061639

Enxu Queimado/RN, 08 de janeiro de 2020

Olá, comandante dos mares de Iemanjá e dos oceanos em que navegam as Naus das boas amizades, embaladas por ondas de afagos, risos, bons papos e temperadas com o néctar colhido nos mais puros canaviais das terras banhadas pelo belo Rio Cunhaú, “água de mulher” segundo o alfabeto tupi, que guarda no fundo do seu leito bons arquivos da história da nação dos potiguares.

Velejador, como vão os aprendizados, colhidos do alto da colina em sua aguçada observação, sobre o suave voo das velas que riscam as águas e dão ar de fascinação a Praia de Barra do Cunhaú? Para não perder a vez: Ergamos um brinde! Saúde!

Amigo, respondendo sua pergunta, feita nos primeiros passos deste ano que marca rumo ao futuro, sobre como estavam soprando os ventos nas bandas por onde o vento faz a curva, digo que sopram faceiros, preguiçosos e mornos vindos das paragens do Norte. Daí, lembro que o poeta arriscou falação e disse, enquanto jurava mentiras em sua caminhada solitária, que os ventos do Norte não movem moinhos e ainda bem que ele assumiu os pecados, pois se tivesse deitado o corpo sob o frescor das palhas do coqueiral dessa Enxu mais bela, veria outros segredos. Mas antes da correção dos incautos, vou dizer que a arte tem interpretações diversas e segundo se conta a boca pequena, os arrodeios do poeta de sangue latino contava a história do sofrimento de um povo, o que não é o caso desse aprendiz de escrevinhador que tenta ser o que não é e da varandinha dessa cabaninha de praia, olha para os modernosos e gigantescos catadores de vento, da eólica, apontados para os ventos que vem do Polo de riba e se arvora a desmiolar o juízo em palavreado amalucado e tomara ter respondido sua pergunta.

Érico, tenho andado meio disperso nos escritos, mas não é por falta de assunto, pois nesse povoado praia o que mais tem é assunto para assuntar. Porém, essa tal de rede social é bicho tinhoso para nos meter em caminhos tortuosos e ainda por cima é danada em nos enganchar em bate-boca e o pior, com gente que nem conhecemos nem mais gordo, nem mais magro, mas um tal de logaritmo afirma que somos amigos desde de criancinha e quando damos por fé, entre uma vírgula e um ponto, lá vai a “amizade” para o beleléu. Pois bem, a gente fica passando o dedo, para cima e para baixo, na telinha e nem percebe que o tempo passou e com ele as ideias dos escritos.

Comandante, a virada do ano por aqui foi na paz que sempre se deu e atesto que nem precisava das tais bandas que se apresentaram com repertório de nem sei o que dizer. Nas festas de Ano Novo, o largo da beira mar, uma pracinha de apetitosa areia branca, vira um grande salão de abraços, apertos de mão, declarações de amizades, crianças brincando despreocupadas, adultos em largos sorrisos e tendo as ondas do mar como testemunha e a Senhora dos Navegantes como fiel guardiã. As badaladas da meia noite são festejadas ao som do pipocar de fogos, que este ano disseram que foi pra mais de 13 minutos. Se foi ou se não foi não dou por certo, pois sempre me atrapalho com as bolhinhas do espumante e daí já viu, né! Juro que queria saber quem danado inventou essa história de beber champanhe em virada de ano. Se era para fazer espuma e esparramar pelo chão, bastava uma Brahma, num é não?

Mas a festança começa mesmo é pela manhã com a tradicional regata de fim de ano e este ano, para não fugir à regra e nem do costume da gozação, o barco de Pedrinho, com ele no governo, chegou em derradeiro. O pior, sempre que estou por aqui ele me convida para fazer parte da tripulação e até já gastei todo o rol das desculpas, mas por enquanto vou me livrando do mico, ou melhor, do burro, pois quem chega por último, ou comete a maior barbeiragem, tem que passear em meio a turma montado num burrico. Meu amigo Pedrinho, no comando do Brasil 1, não perde uma viagem!

Caro amigo, Érico Amorim das Virgens, naquele dia em que você perguntou sobre os ventos que estavam soprando por aqui, juro que imaginei que havia chegado a hora de ver a Musa jogando o ferro no portinho de Enxu e até pedi a Lucia que preparasse uma moqueca das boas e arrochasse na farinha do pirão, pois logo, logo você riscaria o horizonte, mas foi só a vontade, porque fiquei sabendo que seu belo paquete mais uma vez havia desbravado a brava barra do Cunhaú e naquele momento descansava feliz diante da estonteante paisagem que cerca as terras dos Santos Mártires. Porém, não esqueça que me deve uma visita, se bem que te devo bem mais do que uma, mas conta é assim mesmo, quando a gente deve dá preguiça de lembrar!

Amigo, deixa eu te contar um segredo: Ganhei uma garrafa de Samanaú envelhecida, presente de minha irmã Margareth, que vive me acenando, mas nem dou cabimento a ela. Que tal vir aqui para tirar essa história a limpo?

Grande abraço.

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 54

11 Novembro (137)

Enxu Queimado/RN, 30 de dezembro de 2019

Eh, meu irmão, já vai longe o tempo em que meu amigo Alexandre Jácome, Teltur Viagens e Turismo, falou das belezas da praia de Enxu Queimado e você endossou a parada dizendo que conhecia e por aqui havia passado algumas temporadas na companhia do seu compadre Alexandre Chaves, genro do Sr. Abrão, que possuía uma casa a beira mar e de varandas abertas para os alísios que sopravam por sobre as maravilhosas dunas móveis que se estendiam para o sul até a Praia do Marco. Quanto aos alísios, digo que ainda são os mesmos se bem que ultimamente estão soprando mais avexados e tirando onda em estações climáticas que tradicionalmente eles passam mais parcimoniosos. Coisas dos deuses da natureza! Quanto as dunas, de Enxu ao Marco, digo que receberam a intervenção criminosa dos caras pálidas, que chegaram com a cruz, as bandeiras e as armas do progresso, e hoje praticamente foram riscadas do mapa para dar vez a um gigante parque eólico. Coisas dos sapiens e de suas leis descompensadas! Porém, para não instigar falação, pulemos essa parte!

Pois é, meu irmão, Enxu continua um lugarejo descente, dotado de uma beira mar aconchegante e se olharmos com um olhar mais apurado, não mudou muito desde os verões dos anos oitenta e noventa. Sinceramente, acho até que adormeceu por longo período e acordou meio sonolento em pleno século XXI, tentando resgatar o passado, mas com o foco desnorteado nos horizontes de um futuro incerto. Dia desses sonhei acordado na lembrança dos balaios de bolacha doce e “fresco”- iguaria feita com goma e coco seco ralado – produzidos em fornos artesanais de barro nos quintais das casas e todas as tardes eram vendidos de porta em porta pelas crianças. Eram os bons tempos das casas de farinha, que existiam em quase toda localidade interiorana e que complementava a renda de famílias que se divertiam nas horas da farinhada. Meu irmão, tudo isso ficou para trás e o que restou das velhas casas de farinha foi abandono, promessas politiqueiras e saudações a mandioca, como se palavras jogadas ao vento resolvesse alguma coisa. Como bem diz um velho ditado potiguar: Conversa fiada foi o que fechou o bar cova da onça!

Idio, sou saudosista sim e até tento controlar esse instinto tão cruel para o ser humano diante desses tempos modernosos, em que a razão se perde em meio ao nada e os antigos costumes culturais, para muitos, não passa de balela contada pela história dos povos. Aliás, a defesa da cultura nesses dias em que a década se encaminha serelepe para a entrada do ano derradeiro, não passa de discursos raivosos contra o corte das verbas que abasteciam os sabidos. Acredita não? Pois então bote na vitrola qualquer LP de Gonzagão ou ouça as prosas do Jessier Quirino! Os tempos eram outros, meu irmão! Quer ver coisa esquisita? Tente assistir uma apresentação de foguedo, sem se espantar com a descaracterização que está causado a morte de raríssimas raízes culturais! Tente participar do que ainda resta das festas de padroeiro, Brasil afora, sem se espantar com o esvaziamento dos costumes e a tristeza que ecoam das ladainhas! Entre em qualquer repartição pública que “cuida” da cultura e peça informações sobre tal! É duro, meu irmão, é duro!

Já sei, você está doido para saber sobre a cultura daqui, num é? Pois vou contar assim: A cultura aqui é do mar, das redes de pesca, das jangadas, dos paquetes, dos botes, dos balaios de pescado, da vida ditada na dança das palhas do coqueiral, mas ela está agonizante e jurada de morrer na praia. Dizem por aí, que quando o homem perde o rumo de sua história, sua alma definha até renascer sem os princípios que o fizeram homem. Será verdade?

Meu irmão, juro que não queria azucrinar seu juízo com coisas que fugissem dos limites dessa prainha paraíso, pois queria mesmo era despertar em você a vontade de rever o que um dia encheu seus olhos, mas tem coisas que não caminham longe de outras e por mais que tenhamos o cuidado de desviar dos obstáculos, mais damos de cara com eles. Porém, venha aqui, meu irmão, venha jogar conversa fora sob a sombra dessa cabaninha de praia. Venha estirar a rede na varanda para tocar sua viola. Venha rir da vida e lembrar da vida vivida. Venha sentir o cheiro do mar e caminhar despreocupado por uma beira de praia encantadora. Venha receber o sorriso largo e o abraço de um povo que tenta resistir as desventuras. Venha olhar as estrelas do céu, que por aqui são mais brilhantes. Venha acompanhar o belo passeio da Lua sobre o manto negro do firmamento. Venha assar castanha numa fogueira sobre as dunas para degustar o verdadeiro sabor da terra e venha sem pressa, pois de carreira já basta o tempo.

Idio Nogueira de Mattos Neto, nesse pezinho de nada que falta para findar o ano, dias de luar em quarto crescente, o convite está feito, mas nem precisava, porque minha casa é sua casa e na casa da gente precisa de convite não. Mas digo uma coisa: Se não trouxer a viola vai ter que voltar para buscar. Venha e traga sua trupe pois aqui tem escapas para um monte de rede e o tacho da moqueca é grande.

Beijos em tu e em Neném!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 53

10 Outubro (226)

Enxu Queimado/RN, 12 de novembro de 2019

Parodiando o poeta, pergunto e respondo: – A gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu? – Os dois!

Pois é, Kátia, dizem por aí, e com toda propriedade, que o Rio Grande do Norte poderia se chamar “Já Teve” e seria até interessante, porque já que existe um município na região Oeste potiguar chamado Venha Ver, as peças publicitárias poderiam incrementar frases assim: “Venha ver o que tem em Já Teve”; “Já Teve, mas venha ver assim mesmo”; “Conheça Já Teve antes que não tenha mais”, e por aí caminharia a nação dos potiguares. Aliás, seria bom a gente se apressar para conhecer Venha Ver antes que ele se torne “Já Teve”, porque o município de pouco mais de 4 mil habitantes, segundo os bruxos da imprensa, está na lista de extinção, como também está o município de Pedra Grande, com 3.275 habitantes, do qual faz parte o pequenino distrito praieiro de Enxu Queimado, pedacinho de chão de onde escrevo essas missivas.

Cunhada, conheci Enxu há mais de trinta anos e de cara me apaixonei pela vidinha simples que se levava por aqui, com os pés pisando ruas de fina areia branca, coberta por leve camada de piçarro, e no final do dia mergulhando o corpo no mar para retirar a poeira avermelhada soprada pelos alísios que acariciavam as dunas e desciam correndo soltos pelas vielas. Eram bons tempos de fartura de lagosta, cestos e mais cestos de serras, garachumbas, galos do alto, guarajubas, ciobas, cavalas, bicudas, ariacós e mais uma ruma de espécies de fazer inveja a um bocado de pescador afamado. – E as galinhas? – Vixi, vou nem contar, mas em todo caso, fizemos muitas estripulias em busca das galinhas alheias. Enxu era uma festa nos idos anos 90. Aí você pergunta: – E não é mais? – É e não é, e acho até que é menos do que mais! – Entendeu? – Nem eu! Rsrsrsr…

Na década de 90 Enxu era um arruado de casas, muitas delas de taipa e com uma dúzia de casas de veranistas, quase todos oriundos do município de João Câmara, e o verão era uma festa de cores, alegria e tinha uma beira mar de fazer valer a fama que os poucos turistas que a conheciam alardeavam aos quatro ventos. A pequena localidade de pescadores recebia reflexos de um futuro promissor e com as antenas ligadas no turismo que avançava pelas praias do Rio Grande do Norte. Ora, não podia ser diferente, pois foi nas areias desse litoral que desembarcaram os enviados do Rei D. Manoel I para fincar a pedra fundamental da criação do país chamado Brasil, em 7 de agosto de 1501. A data, inclusive, está registrada como sendo, além da posse oficial do Brasil, aniversário do Rio Grande do Norte. Como bem diz a frase estampada em todos os documentos da Prefeitura de Pedra Grande: O Brasil começou aqui. E começou mesmo, mas por aqui estancou de repente, e o país seguiu, aos trancos e barrancos, em frente, deixando para trás a história esquecida em um Marco de Posse que até hoje ninguém decidiu o que fazer com ele.

Kátia, como você bem sabe, a Enxu do século XXI é uma praia bela, com um litoral paradisíaco, mas que merecia mais: Mais atenção, mais cuidado, mais carinho, mais investimentos, mais amor, mais responsabilidade com o desenvolvimento sustentável e mais respeito com sua população. O município de Pedra Grande está inserido entre aqueles que receberam fabulosos investimentos oriundos dos empreendedores da energia dos ventos e ostenta em suas terras um vultuoso parque eólico, além de uma gigantesca fábrica de torres. – E só isso basta? – Não, não basta, mas se toda essa pujança for bem aproveitada, adiantaria mais da metade da viagem rumo ao progresso sustentável e Enxu Queimado, como pórtico de entrada ao mar e a grande visibilidade que o mar proporciona, ganharia nova visão turística e quem sabe, tiraria o município da fatídica lista de abate.

Lembro de uma conversa que tive na época, com o então prefeito Chico Vitor, para mim um homem de visão, e ele falava que iria construir a Estrada da Palmeira, uma via ligando Enxu Queimado a Praia do Marco, em um traçado mais curto do que aquele que existia até então. Ele apostava que a estrada seria a redenção das duas praias, porque daria incentivo ao Governo do Estado para continuar com a estrada até São Miguel do Gostoso e no futuro ligar Gostoso, Marco, Enxu e Galinhos. Chico Vitor cumpriu a promessa, mas a Estrada da Palmeira, uma estrada piçarrada, nos padrões das RNs, hoje está praticamente abandonada, com o mato tomando parte da via e muito lixo jogando nas margens.

Pois é, Kátia, olhando o bonde que vai passando e assistindo essa bela prainha ficar empancada na estação, apesar de ter um dos mais lindos cenários litorâneos do Nordeste, não me vem em mente outra palavra a não ser já teve. Palavra essa tão bem apropriada para um Estado que já foi tudo, inclusive fonte originária de um país inesgotável.

Kátia Suely Silva dos Santos, minha cunhada querida, fico triste em ver que essa antiga vilazinha de pescadores perdeu o rumo da Estrada da Palmeira, via que foi pensada vislumbrando os ventos do futuro. Mas não é tanta tristeza assim, porque apesar de tudo, olhando da varanda dessa cabaninha, vislumbro e me sinto vivendo na comunidade que me recebeu carinhosamente há trinta anos. Só não existe mais a inocência e os perigos que rodam essa beirinha de praia são outros!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 52

7 Julho (32)

Enxu Queimado/RN, 08 de outubro de 2019

“…não é só falar de seca, não tem só seca no sertão…”.

Pois é, caro amigo Bardou, assim cantou o poeta cearense enquanto olhava o açudão impanzinar, e hoje, vendo a seca medonha que se avizinha sobre a barra do nascente, estendendo tentáculos em brasa pelos cantos, recantos até se adeitar nas nuvens acolchoadas do poente da terra seca, coberta de uma mata ainda levemente colorida com as cores verdes das chuvas que já vão ao longe, reconheço como uma reza as palavras do poetinha cantador lá das bandas do Orós. Aí você diria: – Mas o que danado tem esse praieiro, aboletado em uma rede sob a sombra de uma varadinha de praia, para se avexar a falar de seca? Falo sim, meu amigo gaúcho, pois é nas paragens desse tiquinho de Nordeste, chamado Enxu Queimado, que se abrem as porteiras de um sertão brabo como espinho de jurema preta, afogueado feito rosto de vaqueiro valente, povoado de boi tinhoso, curtido no sol e no suor do sangue quente, mas entupido de um povo carinhoso que nem manteiga escorregando sobre miolo de pão quentinho.

Navegador, nesse 08 de outubro, que no calendário está marcado como Dia do Nordestino, depois de tomar umas goladas de café, acompanhado de uma pratada de cuscuz com ovo, peguei a estrada poeirenta e me danei no rumo de Caiçara do Norte, terra juramentada e afamada como sendo a capital da pesca artesanal desse Brasil brasileiro, na intenção de comprar uns quilinhos de camarões para Lucia produzir suas delícias gastronômicas. E deu tudo nos conformes, viu, mas ao longo da viagem me vi perdido em pensamentos diante da brabeza do Sol inclemente feito açoite de cipó de broxa. Seu menino, é tanta quentura que chega a tapar os buracos da venta e sem falar nos rodopios dos sacis que riscam o chão espalhando poeira amarronzada no meio do mundo. É bonito ver o ciscado, numa perna só, dos moleques travessos assustando os desavisados e fazendo rir os que reconhecem e respeitam suas estripulias. Tem até quem sinta o cheiro da fumaça do cachimbo e escute o eco dos seus risos. Eu até que tento, mas tem jeito não, fico só na beleza do rebuliço do vento sobre o chão de barro.

Amigo, e por falar em Saci e em pé de vento, digo que os alísios que varrem as praias desse litoral Norte, este ano estão meio desembestados e tem deixando muitos jangadeiros com as barbas de molho. E o mar? Vixi, tem pareia não! Rapaz, o senhor do tridente está mandando ver na festança e os carneirinhos estão tomando conta do oceano até o horizonte que a vista alcança. Éolo ligou os moinhos que sopram do Sul e Sudeste numa velocidade de fazer inveja a madame cruviana e Netuno, rei do reino do mar, puxou a prateleira de vinil e atochou rock pesado na vitrola. A brincadeira, para eles, está boa, mas para o povo do mar, a coisa está esquisita. Dia desses ouvi dizer que os comandantes das belonaves inscritas na REFENO 2019 estão apostando numa velejada gostosa e macia, de Recife até a ilha maravilha, dia 12/10, e tomara que eles estejam certos, pois como diria o velejador pernambucano Guga, talvez o maior colecionador de troféus da REFENO, comandando a fera Ave Rara: – Acho que vai ser punk!

E por falar em REFENO, este ano até que recebi convite, mas olhei para a sombra dessa cabaninha de praia, para a rede espichada na varanda, pedi conselho ao coqueiral, me confessei com os encantados que protegem os navegantes e depois de banhar a alma com umas doses de Rum, preferi ficar quieto e escutar apenas os moídos e festejos que os ventos oceânicos devem trazer de lá para cá. Se a brincadeira vai ser boa? Tenho certeza que sim, pois sempre é!

Eita, meu amigo, agora que estou me dando conta que já dei uma ruma de bordo nessa prosa. Comecei falando em seca, embrenhei pela floresta da caatinga, me deparei com sacis, cruzei a fronteira praticamente inexistente entre as cidades de São Bento e Caiçara do Norte, divididas apenas pelo passar da perna, cutuquei os encantados do mar, me vi diante dos assopros dos deuses dos ventos e temporais, Éolo e Cruviana, e até me avexei a caçar as velas das Naus dos iatistas que em breve cruzaram as águas mornas nordestinas, mas tudo bem, pois a intenção dessa missiva é mandar notícias daqui e entre um papo e outro tem um bocado de trilhas e veredas.

Luiz Achylles Petiz Bardou, amigo que recebi de presente do mar e que guardo com carinho no coração, já completou mais de uma década que você riscou traçado pelas cercanias dessa prainha dos domínios de Poti e já é chegada a hora de vir conferir o que um dia você viu. Venha meu amigo, venha ver a seca que canta, encanta, traz dor, lamento, alegria, esperança, resignação, fé, descrença e como num passe de mágica, transforma tudo em poesia.

Venha ver o mar, o mar do Nordeste, o mar dos alísios, o mar de dunas brancas, mar que encanta e por encanto, transforma tudo em melodia nos acordes de uma viola chorosa sombreada pelas palhas de um coqueiral.

“…se não é seca é enchente/Ai, ai, como somo sofredô/Eu só queria saber/O que foi que o Norte fez/Pra vivê nesse pena…” E assim vai Raimundo Fagner, o poeta cantador.

Nelson Mattos Filho

 

Cartas de Enxu 51

8 Agosto (6)

Enxu Queimado/RN, 21 de setembro de 2019

Waltão, como vão as coisas com você e com os seus, meu amigo? Por aqui tudo indo e vindo, porém, mais indo do que vindo e não me pergunte os motivos, porque por mais que observe e tente decifrar os teoremas, mais perdido fico. Como disse um amigo: “Nelson, as coisas são o que são e quando não são, não são, entende?” Rapaz, preferi responder que entendia, pois vai que ele resolvesse explicar!

Amigo, nunca esqueci aquele dia, do ano 2000, quando saímos da Praia do Marco, onde eu tinha uma cabaninha de praia e juntamos aquela turma boa de velejadores, e viemos a Enxu Queimado, eu, Lucia, você e Baleia, tomar um café da manhã, no bar de Dona Tita, regado a cerveja, aliás, mais cerveja e menos café. Naquele tempo a fartura de lagosta por essas bandas ainda era coisa de fazer valer uma boa matéria jornalística e você sabendo disso incentivou a vinda – como desculpa para a cerveja – para bater uns retratos e registrar no bloquinho de anotações algumas informações. Pois saiba que aqueles meninos que carregavam dois carros de mão carregados, até a borda, de lagosta, e que tremeram nas bases e afrouxaram o intestino quando você pediu que eles parassem um pouco, porque você queria bater uma foto, aqueles meninos hoje são adultos, pais de família e ainda lembram do cheiro do “material pastoso” que escorreu por entre as pernas deles. Eles pensaram que você era fiscal do IBAMA. Vez em quando, em conversas de varandas, damos boas risadas lembrando daquele episódio. Mas Waltão, para mim o mais engraçado foi sua tentativa de aprender a subir em um pé de coqueiro. Sei não, viu! Pense num caboco desajeitado e ainda bem que você desistiu antes de receber a segunda lição, pois eu já estava imaginando a cena quando fosse para você descer.

Jornalista, sob a sombra dessa cabaninha de praia fico ouvindo os moídos do mundo, apesar da cacofonia que ecoa das trincheiras da grande rede e que as mídias tracionais teimam em comer corda, e não tenho como refestelar os miolos do juízo. Pense numa bandalheira desenfreada e sem direção lógica! Está todo mundo tão amalucado com a tal mídia social, que ninguém quer mais saber a verdade de nada, basta postar, ou ler o que os “influenciadores” publicam, apertar a tecla de encaminhar e pronto, a “verdade” está confirmada e prontinha para fazer estrago na vida do alheio por intermináveis dois dias até cair no ralo do assunto antigo e sem mais interesse. Waltão, quanto a isso, o navegador Amyr Klink falou assim, em uma entrevista sobre a comemoração dos 35 anos da travessia do Atlântico em um barco a remo: “…Se fosse hoje, eu estaria no Instagram uma boa parte do tempo, nas mídias sociais, provavelmente eu teria uns 2 ou 3 milhões de seguidores e, em uma semana, nenhum. Eu não ia ter mais nada pra falar porque todo mundo já acompanhou o que aconteceu. Então eu teria tido milhões de caras torrando minha vida a bordo na última semana e na primeira semana de volta ao Brasil eu não teria mais nada para contar…”. É assim, amigo!

Rapaz, por falar em mídias sociais, faz dias que escuto os ruídos que hoje, 21/09, é o dia reservado a Limpeza Mundial e sinceramente ainda não consegui entender o que danado isso quer dizer, pois o planetinha azul nunca esteve tão sujo, em todos os sentidos da palavra. Pois bem, acordei neste sábado de Limpeza Mundial, disposto a pegar uma pá, uma vassoura, alguns sacos para juntar lixo e sair em busca da turma que estava imbuída da tal limpeza. Já na cama apurei os ouvidos na tentativa de escurar o ciscado das vassouras e o arrastado das pás, e nada. Levantei, abri a janela, e nem sinal dos voluntários. Pensei com meus botões: Deve ser mais tarde! Tomei café, acompanhado de umas bolachas molhadas no leite, salteadas com queijo, e fui na calçada procurar saber onde estavam todos, e mais uma vez não consegui resposta. Foi aí que passou Dona Leonete, ativista de causas sociais, e perguntei de pronto: Amiga, a Limpeza Mundial já começou por aqui? Ela deu uma risada e respondeu: – Já teve! Olhei para um lado, para o outro e repliquei: E foi? Waltão, você acredita que mundo afora foi diferente daqui? Eu mesmo é que não acredito, pois se quisessem mesmo limpar o planeta, bastava incentivar que cada um limpasse a sua casa e chamasse o vizinho para conferir. Vizinho é bicho fuxiqueiro!

Pois é Walter Garcia, jornalista e velejador arretado, diante do coqueiral e do mar que me acena, fico escutando as loas e matutando nas batalhas travadas sobre as paragens desse planetinha metido a besta e muitas vezes prefiro fechar os olhos, os ouvidos e me calar, pois assim a vida se torna mais salutar. Mas como gosto de ver, ouvir e falar pelos cotovelos, vou seguindo feito balanço de rede: Meio lá, meio cá!

Velejador, que tal voltar a pisar os pés nas areias dessa prainha paraíso? Venha, homem, mas não garanto que terá outros carros de mão com a fartura de lagosta como naquele ano de virada de século. O que foi já era e o que já era, já era mesmo. Entendeu? Se não entendeu, venha que explicarei aqui!

Lucia manda um cheiro!

Nelson Mattos Filho