Arquivo do mês: janeiro 2014

Regata com dendê

regata morro de são pauloPara os apaixonados por multicascos vem aí um evento arretado de bom e com sabor de dendê: X Regata Salvador/Morro de São Paulo, que acontecerá dia 15 de Fevereiro, organizado pelo Yacht Clube da Bahia e Clube de Vela Morro de São Paulo. A festa começa dia 14/02, com a reunião de comandantes e coquetel de abertura nas dependências do Yacht Clube. Para quem é do mar o verão na Bahia é uma festa.  

Anúncios

O Diário do Avoante na Moana Livros

Moana livrosIMG_0184

O livro Diário do Avoante agora faz parte do catálogo de obras oferecido pela Moana Livros, que tem a mais completa coleção de livros sobre mar e aventura. Entre no site da Moana Livros e adquira já o seu. Por sinal, fiquei muito lisonjeado com a crítica literária feita pela Moana

Um livro especial para quem quer se iniciar na Arte de Bem Viver a Bordo! Um coletânea de pequenos artigos, publicados na Tribuna do Norte (Natal-RN), com todas as perguntas que você gostaria de fazer para alguém que vive em um veleiro, e respondidas de forma direta e bem humorada. Pequenas crônicas de nosso litoral, aventuras de quem leva a vida na brisa e na velocidade das lufadas do terral. Um texto cheio de amor pelo mar e pela vida, muito bom de ler e bom de guardar, para dar uma renascida de vez em quando.

Jovens aos oitenta anos

6 Junho  (116)

“… quem sabe faz e quem não sabe ensina no palhoção…”. Com essa frase solta e tão própria de quem já acumulou milhares de milhas abaixo da quilha do veleiro e que sabe muito bem definir o que é verdade e o que é mentira dentro de uma história, começo mais uma folha desse Diário.

A frase estava escrita em meio a um email que recebi do lobo do mar Erico Amorim das Virgens, em que ele falava de um velejador de 85 anos que havia quebrado o mastro do veleiro de 26 pés quando retornava de Natal para a paraibana João Pessoa. A ida do velejador, conhecido como Montarroyos, a capital potiguar havia sido apenas com o objetivo de participar do Circuito de Vela de Oceano do Rio Grande do Norte 2013, que aconteceu no mês de Outubro, que por sinal, ele ganhou todas as provas em que participou.

Aliás, a viagem do Sr. Montarroyos de João Pessoa até Natal já pode se considerar como uma boa aventura, pois na saída ele esqueceu a feira de alimentos no barco de um amigo e às quinze horas do percurso foi apenas se alimentando de brisa, que por sinal é o nome do seu veleiro.

Nem bem terminou a premiação da regata em Natal, sem nenhum sinal de cansaço, Montarroyos levantou as velas e partiu de volta para casa, quando na altura da praia de Tabatinga, litoral potiguar, aconteceu o acidente da quebra do mastro às 22 horas de uma noite escura e de mar agitado.

Depois do susto, a tripulação jogou âncora em mar aberto e foram descansar até o dia clarear. Assim que o Sol nasceu, avaliaram a situação, puxaram o manual do armengueiro, improvisaram um mastro de fortuna e retornaram a Natal. Somente quem viveu uma situação como essa sabe o que é esse desconforto.

Segundo disse Erico Amorim, no retorno a Natal ninguém ouviu uma palavra sequer de insatisfação do comandante Montarroyos, muito menos ele dizer que foi sorte, azar ou coisa parecida. A mesma atitude que ele teve quando esqueceu a comida no barco alheio.

Lendo o relato me veio em mente outros jovens velejadores na faixa dos 80 anos que depositaram no mar seus sonhos de vida e muitos deles ainda cruzando rotas por ai.

Não posso esquecer o grande velejador luso/pernambucano Antônio Marques, que este ano deixou os mares da Terra e foi formar fileiras nas tripulações do Céu. Seu Antônio, como todos o conheciam, era um obstinado por barcos a vela e tinha nas regatas a vitamina que mantinha essa obstinação.

A idade, que para muitos era avançada, nunca foi motivo para ele passar o comando do veleiro Venestal IV para as mãos de outro e digo mais: Seu Antônio gostava das grandes travessias oceânicas. Tanto era assim que alinhou seu Venestal IV na famosa regata que comemorou os 500 anos do descobrimento do Brasil.

Conversar com Seu Antônio sobre o mundo do mar era como fazer um curso de doutorado com um professor excepcional. Não precisávamos dizer nada e muito menos perguntar, tudo fluía macio e na medida exata, feito uma boa regulagem de velas. O que tínhamos de fazer era somente absorver toda aquela melodia de conhecimentos que vinha ao sabor dos ventos alísios que sopravam sobre as varandas do Cabanga Iate Clube. Seu Antônio era um mestre dos mares!

Outro oitentão que povoou minha mente enquanto lia o relato de Erico, foi o pernambucano arretado Epaminondas, mais conhecido como Epa. Esse é um predestinado que até hoje está cruzando os mares a bordo de um veleirinho amarelo de 27 pés, como o simpático nome de Miroca, que segundo ele: Nem dá, nem vende, nem troca.

Sentar com Epa para um bom bate papo é uma alegria, pois ele é dono de uma simpatia apaixonante. Ele gosta de contar que a primeira vez que chegou a Salvador/BA a bordo de um veleiro de 22 pés, acompanhado de dois amigos, as pessoas que o receberam no clube Angra dos Veleiros disseram assim: “Chegou três velhinhos, vindos de Recife, a bordo de um 22 pés”. Naquela época Epa e os amigos estavam na faixa dos sessenta anos. Hoje ele se diverte quando dizem assim: “Chegou um “jovem” de 82 anos, sozinho, a bordo de um 27 pés”.

Com essas lembranças em mente fico feliz quando me vejo vivendo o sonho que um dia me fez observar os muitos horizontes que o mar nos descortina. Fico mais feliz ainda quando certo dia sai do conforto das sombras dos palhoções e, sem olhar para trás, soltei as amarras que prendiam o Avoante ao caís.

Tomara eu chegar aos oitenta anos, navegando pelos mares, a bordo do meu barquinho e de mãos dados com meu amor.

Nelson Mattos Filho/Velejador

Decisão da Corte de Haia põe fim a batalha entre Peru e Chile

limite_chile_v2_1Uma decisão da Corte Internacional de Justiça de Haia, selou o fim de uma peleja histórica entre o Peru e o Chile envolvendo uma fatia de mar do Oceano Pacífico. A décadas que os peruanos reivindicavam a área e os chilenos se trancavam em copas alegando prejuízos econômicos e territoriais. Os juízes escuram as razões de cada um e decidiram em favor dos peruanos, que agora podem festejar navegando na linha de costa de 200 milhas náuticas. Para Netuno e sua corte nada deve mudar, mas no reino dos homens ainda vai dar muitos panos para as mangas. Veja a matéria completa no G1.com.br.

Navio fantasma?

navio-fantasma

Essa história, que copiei do site popa.com.br, daria um bom filme de suspense. Como diria meu amigo Pedrinho, lá da praia de Enxu Queimado/RN: No mar tem todo tipo de marmota.

Sem tripulação e infestada de ratos, embarcação perdida em reboque em 2010 teria sido localizada por estação de radar britânica

Uma embarcação da era soviética infestada de ratos, pesando 1.565 toneladas, vagando sem tripulação pelos mares. Poderia ser o roteiro de um filme de Hollywood, mas esse navio-fantasma existe de verdade.
O Lyubov Orlova, construído em 1976, se perdeu no Atlântico quando estava sendo rebocado em 2010. Construído na antiga Iugoslávia em 1976, o Lyubov Orlova acabou abandonado num porto do Canadá após a falência de seus proprietários. Mas o pior estava por vir: durante a operação que o rebocaria em 2010 para a República Dominicana, onde vivia seu comprador, uma corda se rompeu, e o barco definitivamente singrou os mares sem rumo.
No ano passado, uma estação britânica de radar localizou uma massa no Atlântico Norte que correspondia em tamanho ao navio desaparecido. O sinal foi monitorado e, desde então, trabalhos eventuais de busca não tiveram sucesso em localizá-lo. Autoridades do Reino Unido agora temem que o Lyubov Orlova se choque contra a costa do país. O barco é considerado uma bomba ambulante de doenças. E convivendo há três anos sem alimento, os ratos estariam se canibalizando uns aos outros, acreditam cientistas.
Por outro lado, segundo informa o website Maritime Matters, em Março de 2013, autoridades irlandesas receberam sinais de emegência do Lyubov Orlova. A Epirb
 envia estes sinais quando cai n’água, sugerindo que o navio tenha afundado naquela ocasião.
Fontes: Último Segundo e MaritimeMatters; Foto: Wikimedia Commons1/9

Seja bem vindo a bordo

 

clip_image002CHARTER NO AVOANTE

SEJA BEM VINDO A BORDO DO SEU SONHO

Navegar em um veleiro é uma das grandes paixões do homem e sair por ai livre, leve e solto ao sabor dos ventos é um sonho que habita mentes e corações. Ancorar naquela ilha deserta, margear as praias mais selvagens, viver em contato extremo com a natureza, cruzar os mares do mundo sem pressa e sem destino, seguir as estrelas e se encantar com a magia que somente o mar é capaz de oferecer. Nada se compara a um cruzeiro a bordo de um veleiro, em que somos dono do nosso destino. Venha viver um pouco daquele sonho que há muito promete dar um novo rumo a sua vida. Venha conhecer como é a vida a bordo de um veleiro de oceano. Venha ver como a vida pode ser vivida de um jeito mais leve e extraordinário. Venha conhecer o mundo maravilhoso que existe além da sua imaginação. Venha navegar com a gente a bordo do Avoante, numa navegada sem a companhia dos males que faz você correr a troco de nada. Venha viver o seu sonho em roteiros maravilhosos e encantadores na Baía de Todos os Santos, Camamu ou Morro de São Paulo. Venha e se surpreenda vivendo o seu sonho!clip_image004

Roteiros:

Baía de Todos os Santos:

Pacotes de três e cinco dias: Itaparica/Rio Paraguaçu/Salinas da Margarida/Ilha do Frade/Loreto/Ilha do Bom Jesus/Ilha de Maré/Madre de Deus/Ilha Maria Guarda/Praia de Mutá/Ilha do Cal/Fonte do Tororó e muito mais que a Baía de Todos os Santos tem a oferecer.

Baía de Camamu: Pacote de uma semana na terceira maior baía do Brasil, mas, sem sombra de dúvidas, envolvida em uma áurea de magia e encantamentos que não existe em lugar nenhum do mundo. Em Camamu o tempo é medido pelas marés de enchente e vazante e assim a vida vai sendo levada por lá.

clip_image006Morro de São Paulo: Pacotes de três dias ou uma semana, navegando pelos canais do mais famoso point da costa do dendê. 

 

Informações: Os pacotes incluem todas as refeições feitas a bordo, água, refrigerante e suco. Para quem vem de outros estados, oferecemos translado do aeroporto até o local do embarque, ida e volta, incluso no pacote.

 Preços:   Diária para duas pessoas R$ 400,00
 Contato: Telefone: (71) 9114-9570 /Email: avoante1@hotmail.com

Uma belezura dos mares

IMG_0429

Esse veleirão com cinco mastros, que fotografei de longe em Salvador/BA, é o Club Med 2, um navio com capacidade para receber 400 passageiros e navega com 200 tripulantes. Apesar dos cinco mastros e sete velas, o navio cruza os mares na força dos seus motores, pois o bichão pesa 14983 toneladas. Esse vela/motor foi construído em 1992 e tem 184 cabines. É realmente uma beleza de se ver!