Arquivo da tag: Rio Grande do Norte

Cartas de Enxu 01

Agosto (11)

Antes de começar a escrevinhar a primeira das Cartas vou dizer que não será preciso você se benzer três vezes e nem se arvorar de um crucifixo para ler, pois o enxu aqui não se refere ao Orixá Exú e sim, a praia de Enxu Queimado, um pedacinho delicioso do litoral norte do Rio Grande do Norte, onde a vida ainda insiste em caminhar sobre um cotidiano bucólico, apesar da presença ameaçadora de gigantescos totens eólicos, que mais parecem mamulengos transformadores de belíssimas paisagens em cenários devastados de filmes futuristas, em que personagens disputam o reinado da brutalidade.

Após onze anos e cinco meses morando a bordo do Avoante, um veleirinho arretado de bom, e escrevendo o cotidiano da vida sobre o mar nos textos Vida Bordo, que ultrapassou o número quinhentos – cinquenta deles publicados no livro Diário do Avoante, lançado em 2013, – decidimos passar uma temporada em terra firme e escolhemos a praia potiguar para seguir no novo rumo. Essa mudança se deu em junho de 2016, porém, não havia criado coragem para escrever sobre ela, porque não tem sido fácil digerir essa mudança e nesse primeiro momento, tenho andando meio assustado com o que tenho presenciado nas ruas das cidades. Na verdade, os primeiros dois meses foram de tratamento de choque, pois viramos prisioneiros forçados numa Natal sem dono, sem Lei, sem alma, sem essência e sem esperança.

– Oh Natal, cidade cascudiana de Poti, povoado que acolheu com fervor o codinome dos Reis Magos – comunicadores das boas novas. Pedaço de terra defendido com arcos, flechas e tacapes pela nação Tupi. Noiva do Sol. Cidade trampolim da vitória de uma guerra absurda e desumana. Vilarejo entre o rio e o mar e abençoado por Nossa Senhora da Apresentação. O que fizeram como você Natal? Quem a descaminhou pelas brisas errantes? Logo você Natal, que tanto se orgulhou dos alísios que a acariciam. Hoje você é uma cidade retraída, cabisbaixa, esmaecida, amedrontada, desiludida e desapartada do seu maravilhoso sorriso largo. Seus abraços já não são os mesmos, pois existe um que de desconfiança entre você e o abraçado. Suas ruas já não nos acolhem com alegria. Em qual das suas esquinas ficou para trás a musa e poética linda baby? Oh Natal, você não merecia tanta desfeita e tanto abandono!

Pois bem, Cartas de Enxu não é para desabonar cidades e muito menos relatar as tristezas da vida, mas sim, deixar algo escrito, mesmo que em linhas desalinhavadas, da riqueza de costumes e valores de um pequeno povoado, e suas vizinhanças, encravado entre o mar e o sertão. Um lugar de gente alegre, extremamente acolhedora e que, mesmo diante das adversidades, consegue olhar para o mundo com um olhar de inocência. Uma prainha que há mais de 25 anos flechou meu coração e passei a amar. É nessa prainha praieira que me instalei depois de desembarcar de uma vida de sonhos e será da varandinha da minha choupaninha, cercada de coqueiros, que olharei para o mundo e talvez passe batido em temas que desassossega o país e o resto do planeta, pois as coisas por aqui ainda caminham lenta e com os pés na areia. O cotidiano por aqui ainda segue os princípios do mar, apesar dos ventos terem trazidos boas novas nas pás de um progresso meio atrapalhado. É na poeira avermelhada das ruas e becos de Enxu, que buscarei a vitamina para azeitar meus escritos e quem sabe, deixar material para quem um dia quiser pesquisar o passado olhado da varandinha de uma casinha de praia.

A Terra é um vulcão em permanente estado de erupção e nada melhor do que a gostosura de uma rede armada, diante do frescor de uma sombra macia, para servir de camarote de observação. É com o passar dos dias bucólicos nessa prainha ainda nativa, que conserva as origens de sua colônia de pescadores, que olharei as lavas fumegantes do vulcão. Será através de uma lente desnuda dos malabarismos das modernosas ferramentas de edição que me transportarei pelos caminhos dos escrevinhadores. Posso até cometer os costumeiros erros crassos, que sempre cometi nas crônicas Vida a Bordo, mas seguirei.

Aliás, sobre a palavra crasso, que passou a estar presente em minha mente, não tenho muito o que falar, a não ser relembrar: – Certo dia um leitor, ao encontrar-se comigo em um evento, puxou-me pelo braço e disse como se segredasse um pecado: – Gosto de sua escrita e é a primeira coisa que leio ao abrir a Tribuna do Norte, aos domingos. Gosto muito, mas você é muito crasso! Sorri, agradeci, apertei sua mão e sai matutando. – O que danado é isso? Socorri-me aos universitários que estavam na mesa e ao chegar em casa tratei de conferir no pai dos burros. E lá estava: “Crasso: Grosso, denso, espesso, rude. Falha, erro grave”.

Pois é, escrever não é fácil.

Nelson Mattos Filho

O litoral potiguar

20160823_165541280px-RioGrandedoNorte_Municip_CaicaradoNorte.svgEssa praia apetitosa, coalhada de barcos de pesca e com um bonito farol em sua ponta mais vistosa é Caiçara do Norte, localizada no litoral norte do Rio Grande do Norte e distante 149 quilômetros de Natal. Caiçara, como é carinhosamente chamada pelo povo da região, já foi tema de outras postagem aqui, entre elas a que falamos sobre o Farol de Santo Alberto, que rende até hoje bons debates. Aliás, o Farol é tema de calorosas discursões entre os moradores de Caiçara e São Bento do Norte, municípios tão ligados que custa ao visitante identificar onde começa um e termina o outro. Brevemente falaremos mais sobre essa praia que se enche de orgulho em possuir a maior flotilha de barcos de pesca do Brasil. Eita litoral para ter história!

Lagoa da Cotia

Janeiro (21)Janeiro (22)

Esse Brasil é mesmo cheio de segredos, claro que nem todos são bons e tem alguns que extrapolam a razão e faz aflorar a nossa desimpaciência como o descaratismos de certas figurinhas carimbadas, mas no almanaque das paisagens deslumbrantes, duvideodó que algum lugar nesse planeta incompreendido, ameaçado e castigado, exista um conjunto tão interminável de belezas naturais. Claro também que em algumas paisagens a beleza se restringem apenas a uma velha e desbotada fotografia jogada num cantinho empoeirado, porém, basta uns passinhos a mais para darmos de cara com recantinhos meio que intocados irradiando boniteza nos ares. Foi dando uns passinhos a mais, na companhia dos amigos Venício e Sandra Gama, que cheguei a beira da Lagoa da Cotia e sem pestanejar mergulhei em suas águas convidativas, transparentes e mornas. A Lagoa da Cotia fica no município praieiro de Rio do Fogo/RN – que há muito perdeu seus encantos para o progresso sem freios e sem rédeas – e é um lugar que vale ser conhecido enquanto existe, nem que seja para tirar um retrato.  

 

Na margem esquerda do Potengi tem uma linda praia

Praia da Redinha

“Do cais, você olha a boca-da-barra. Do lado de cá, o pontal escuro, com um farol sinaleiro. Braço de pedra, mar a dentro, ajudando navios e barcos maiores nas aperturas do canal. Do lado de lá, o dorso branco de praias e morros, manchas vermelho-azuis do casario irregular. Uma torre humilde de igreja. Os cocares impacientes do coqueiral. O território livre da Redinha”, escreveu em crônica o poeta e pintor Newton Navarro. Era a década de 1970 e a Redinha começava a mudar.

A Praia da Redinha é sinônimo de reino encantado – encravado nas dunas que circundam a cidade do Natal – das paixões, dos seresteiros, poetas, pintores, boêmios, praieiros, pescadores e amantes de uma vida plena de alegria, tudo temperado com o sabor de deliciosos cajus, cachaça, peixe frito e tapioca. Sob a sombra dos seus alpendres a cidade dos Reis Magos foi sendo forjada nas rimas, prosas, letras e melodias maravilhosas que embalaram sonhos de vida e vida de sonhos. A Redinha de hoje perdeu muito dos seus encantos, mas sobrevive na lembrança de seus velhos moradores e veranistas que enchem os olhos de lágrimas ao lembrar de um tempo que se foi na maciez dos alísios nordestinos. A velha Redinha é poesia bruta embalada por melodias entristecidas carregadas de magia. O poeta e pintor Newton Navarro, o mesmo que cedeu o nome para batizar a modernosa ponte que atravessa o Potengi, era um apaixonado pela velha praia. No veraneio do pé na areia e da simplicidade espantosa da Redinha, aprendi que a vida tinha outros horizontes e a humanidade outro sentido. Da convivência com personagens históricos da velha praia, pessoas do naipe de um Bianor e Terezinha Medeiros, Candinho, Seu Humberto e tantos outros, hoje trago na memoria momentos felizes de uma vida em que a alegria era a ordem geral e unida. Hoje, ao ler a matéria, Redinha e margem esquerda do Potengi, publicada no jornal Tribuna do Norte, bateu saudade e passearam em minha frente cenas de um passado que jamais esquecerei. Tudo isso eu não poderia deixar de dividir com você leitor.“…Praieira dos meus amores/Encanto do meu olhar…”

Rainhas dos oceanos

8 Agosto (245)

Texto publicado em 16/08/2015, na coluna Diário do Avoante, jornal Tribuna do Norte. A coluna é publicada aos domingos e em 2015 completou 8 anos. 

A velejadora brasileira Izabel Pimentel é uma mulher guerreira, corajosa e, como diz o baiano, arretada. Conheci Izabel em 2006, quando de sua primeira travessia oceânica do Atlântico, a bordo do Petit Bateau, um modelo Mini Transat – veleirinho muito rápido com 6,5 metros de comprimento e que é utilizado em regatas em solitário transoceânicas. Na ocasião ela tentava conseguir o passaporte para a regata Mini Transat e chegou a Natal com o Petit Bateau mais capenga do que lutador que sofre um nocaute, mas apesar da fragilidade aparente do barco e da própria comandante, ela olhou para mim, sorriu, como quem tem a certeza do dever cumprido, e em vez de jogar a tolha falou: – Você tem uma toalha?

Ela estava completamente molhada, com os cabelos duros de cristais de sal, precisava de um banho de água doce e a bordo do Petit tudo estava virado pelo avesso e úmido. – Tenho sim! Izabel estava ali na condição de primeira mulher brasileira a ter atravessado o Oceano Atlântico em um veleiro numa navegação em solitário. Ela vinha de Fortaleza/CE, onde havia concluído a travessia, e na velejada do Ceará para o Rio Grande do Norte o barco sofreu a dureza do que é considerado o pior pedaço de mar do litoral do Brasil para quem navega contra ele.

Os inspetores da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte, que estavam ali em total apoio a velejadora, olhavam com semblantes de incredulidade aquele barquinho machucado e sua franzina comandante cansada, porém, feliz. Escutei da boca do inspetor William uma frase que nunca esqueci: – Nelson, essa é mesmo uma mulher de coragem e só temos que aplaudir!

Pois é, Izabel é uma velejadora de fibra e nunca jogou a tolha para o mar. Depois dessa primeira travessia vieram outras e até uma volta ao mundo, com escalas, concluída em 2014. A volta ao mundo foi em um veleiro de 33 pés, em que sofreu uma capotada no temível Cabo Horn, o terror de todo marinheiro, deu meia volta e dias depois aproou novamente o Cabo para atravessar em grande estilo. Ela é assim e não desiste nunca.

O mar foi desbravado ao custo de muito desafio e até hoje é assim, mesmo com o homem conhecendo quase todas as fronteiras navegáveis. Mas, conhecer é uma coisa e navegar é outra. Muitos homens já embarcaram na aventura que desafiou o sonho de Izabel e o pioneiro foi Joshua Slocum, a quem a velejadora fez a promessa que faria a mesma coisa. Porém, mulheres foram poucas e até se conta nos dedos.

A pioneira na circum-navegação com escalas foi à polonesa Krystina Chojnowska, em 1976 e retornando para casa dois anos depois. Em seguida, e no mesmo ano que a polonesa retornou, partiu a neozelandesa Naomi James. Uma curiosidade é que Naomi não tinha nenhuma experiência com navegação e o desejo aflorou durante lua de mel. Dizem que ela chegou a trocar latitude por longitude nos cálculos de posição, quase perdeu o mastro do veleiro no Cabo Horn – sempre ele -, capotou, ameaçou abandonar a aventura e no afã de vencer, seguiu em frente e concluiu a viagem. Só não sei se o marido esperou para concluir a lua. Também em 1978 a inglesa Brigitte Oudry perambulou pelos oceanos durante 20 meses e também esculpiu seu nome nos arquivos de Netuno.

Essas mulheres navegaram os oceanos com escalas em alguns portos e entre elas se alinharam duas adolescentes australianas, que até comentei aqui nesse Diário sem rotina. Mas teve quem apostasse em não parar em lugar nenhum e seguir em frente sem eira, nem beira e sem assistência. A pioneira dessa categoria foi à australiana Kay Cotter, em 1988, a bordo de um veleiro de 37 pés – pouco mais de 11 metros – e levou 189 dias para rodar o mundo, numa viagem azeitada com aventuras e capotadas. Numa dessas capotadas, Kay foi jogada no mar e devolvida a bordo por força de uma onda caridosa, mas seguiu em frente desdenhando da cara feia do medo.

No livro “First Lady”, escrito pela australiana e que tem o mesmo nome do seu veleiro, ela conta que em uma travessia teve que emendar um dente com epóxi, depois de um pequeno acidente. O veleiro de Kay hoje faz parte de um museu na cidade de Sidney. Eh, por ai afora essas façanhas são reconhecidas e preservadas!

Mulheres como Izabel, Krystina, Naomi, Brigitte, Kay e tantas outras que se fazem ao mar em busca de novos horizontes e novos sonhos, é um exemplo para gerações futuras. Elas são a prova de que somos o que queremos ser e não podemos ter medo e nem criar fantasmas sobre o caminho a ser percorrido. O homem foi concebido para ser livre, pensar livre e caminhar sempre no rumo da liberdade. Ficar enfurnado em planos e sonhos que nunca se realizam é a mais cruel das prisões.

Tem pessoas que se fecham em castelos de areia e diante de histórias de vida como a das velejadoras se apressam em perguntar: – Sim, e dai? E eu respondo: – Dai nada né!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Iate Clube Barra do Cunhau em festa

1 Janeiro (31)1 Janeiro (59)

O Iate Clube Barra do Cunhau, timoneado pelo comandante Érico Amorim das Virgens, promove no próximo domingo, 06/09, mais uma edição da tradicional Regata Dr. Getúlio Sales e promete reviver os bons tempos da vela potiguar, com disputas entre velejadores da Paraíba e Rio Grande do Norte. A regata é uma homenagem ao saudoso veranista e grande apaixonado pelas belezas da Barra do Cunhau. Infelizmente nos últimos anos a prova havia sido deixada de lado, mas com o retorno do Comodoro Érico Amorim – que foi fundador e primeiro Comodoro do clube – a festa será reativada e torcemos que seja para o sempre. A Barra do Cunhau, que é distrito do município de Canguaretama, é uma das mais belas praias do Rio Grande do Norte e está localizada no litoral Sul, a 80 quilômetros de Natal e 110 de João Pessoa/PB. Vai ser festa muita!

A Fortaleza dos Reis Magos e a incompetência

FORTE DOS REIS MAGOS

Nas postagens – divididas nos cinco capítulos de O Grande Mar – sobre o Rio Paraguaçu e sua bela Baía do Iguape, falei sobre o abandono de monumentos históricos e todos eles sobre a guarda da Lei do IPHAN, que deveria protegê-los. Infelizmente a Lei parece ser apenas coisa – como diz o ditado – para inglês ver, porque o que mais se ver por ai são prédios jogados a própria sorte diante das agruras do tempo. Infelizmente o abandono não se restringe apenas as antigas construções, pois a nossa cultura popular, dotada de tanta beleza e também “acobertada” pelo IPHAN, está dilacerada e sendo disputada na tapa, aos berros e nos chiliques dos fantasiosos e emplumados gestores. Tomem ciência cambada de incompetentes deslumbrados! Hoje lendo uma matéria do jornalista Yuno Silva, nas páginas do jornal potiguar Tribuna do Norte, vejo com tristeza que uma das mais belas construções militares do Brasil colônia, marco da cidade do Natal, cartão postal mais retratado de uma cidade que foi berço do grande Luís da Câmara Cascudo, está jogado aos ratos. Ratos no sentido amplo e irrestrito. O que é isso gente! Botem suas barbas de molho e a ideologia no saco e vão procurar uma lavagem de roupa, porque de cultura e patrimônio público vocês não entendem nada.