Arquivo do mês: março 2012

Essa é 10!

Para quem ainda não a conhece, vou tentar falar um pouco dessa Senhora que é a cara do Iate Clube do Natal e que aniversariou no último dia 26 de Março, com uma grande comemoração durante o café dos velejadores. Ela se chama Isolda, mas para os íntimos e para cem por cento dos velejadores do Rio Grande do Norte ou que um dia já passou por Natal, ela é Dona Isolda. Pois bem, Dona Isolda com seu coração forte, alma guerreira e sempre pronta a ajudar, é uma das grandes incentivadoras do esporte a vela no RN. Nada que estiver relacionado a vela em Natal passa despercebido dos seus olhos atentos e do seu crivo de aprovação. Existe até um ditado entre os velejadores que aportam em Natal para um breve descanso que diz assim: Se Dona Isolda não deixar não tem quem faça você seguir viagem. Se você tiver dúvidas, basta perguntar para o Eduardo Zanella. Dona Isolda é casada com o velejador Eilson Amorim, nosso professor pardal e outra joia de pessoa. Pronto, agora quando você aportar no Iate Clube do Natal basta procurar por ela para receber carinho e atenção, mas se sua intenção é partir logo, não esqueça de dizer isso com muita antecedência.

Anúncios

Um dia lindo

terra caída (17)terra caída (30)terra caída (63)terra caída (82)

Você deve ter navegado pelo blog várias vezes nesses últimos dias à procura de notícias e viu que tudo parou no post As pedras e a educação náutica. Não foi preguiça e nem falta de assunto, mas é que saímos de Natal/RN no último dia 27/03, no rumo de Salvador/BA e paramos por dois dias num pequeno pedaço de paraíso em que é até difícil definir onde o Estado de Sergipe termina e onde começa a Bahia. Um lugar tão apaixonante que não tem como a gente acordar e não achar o dia lindo. Mas antes que você pergunte eu vou responder: Não viemos no Avoante, viemos no carro de apoio que foi um presente de minha Mãe e que tem deixado a gente muito mal acostumado. Outra resposta: Esses dias lindos acontecem no povoado Terra Caída/SE, parede e meia com a tietana Mangue Seco. Se você ainda não conhece, que tal nas próximas férias esquecer os salamaleques europeus, os acordes dos tangos e vinhos, os sandubas do Tio Sam, as asas apertadas das promoções e  se embrenhar pelas belezas das paisagens e riquezas culturais desse imenso Brasil?

As pedras e a educação náutica

Rio da Dona (1)

Um dos princípios básicos para a segurança na navegação é manter a embarcação a salvo de perigos, mas infelizmente não é isso o que avistamos quando navegamos por ai ou quando assistimos os noticiários.

O caso do capitão do transatlântico que naufragou na costa italiana, matando dezenas de pessoas, é apenas a ponta mais visível da pedra. Muitos comandantes se apressaram em condenar o capitão irresponsável, mas se esquecem de virar os olhos para o cockpit das suas próprias embarcações. Eu mesmo já presenciei comentários raivosos sobre o comandante Schettino e logo em seguida o mesmo comentarista assumir o comando de uma embarcação e fazer manobras absurdamente perigosas. Coisas dos homens! Continuar lendo

Uma poesia para o Avoante

passeio de elson e fabiane (2)passeio de elson e fabiane (11)

Fazer e manter amigos é um dos maiores segredos que existe na vida. Lucia e eu ainda não sabemos desvendar totalmente o segredo, mas fazemos o possível para caminhar o mais próximo dos caminhos que levam a ele. Hoje recebemos a bordo do Avoante o casal Elson e Fabiane, não para fazer o curso de vela de cruzeiro que eles tão carinhosamente falam no texto abaixo, mas para um delicioso passeio de iniciação no mundo da vela de oceano, navegando pelo amado Rio Potengi e com uma saída de algumas milhas mar adentro, para esses nordestinos, radicados em Brasília, sentirem a força pulsante do mar de Natal.  Levado pelos alísios que sopram sobre a bela e imponente cidade dos Reis Magos o Avoante fez a sua parte de mestre dos mares e na cozinha de bordo, Lucia preparou mais uma porção mágica do seu infindável mundo dos sabores. Foi um Domingo dos melhores em que ainda recebemos de presente uma poesia carregada de emoção. Muito obrigado amigos!

Caríssimos amigos Nelson e Lúcia,
Em lugar algum pode existir um curso assim tão especial a bordo de um veleiro tão especial como o Avoante e com pessoas tão especiais. Daí resultou que quando chegamos agora no hotel, escrevi essas singelas palavras tentando homenagear esse dia:
Voa Avoante,
me leva sobre as águas desse mar azul
Sem pressa Avoante,
que o destino é certo de que não sigo pra perto
No rumo Avoante,
do sol que nasce mais cedo nessa latitude abençoada
Me leva, me leva
que meu coração criou asas
Feito tu Avoante,
a navegar nesse mar que nunca acaba.
                                                                        Elson e Fabiane

A pimenta milagrosa


A pimenta é uma iguaria que tem defensores valentes e detratores mais irados ainda. Em mesas de bares e restaurantes sempre tem aqueles que se vangloriam colocando colheradas de molho de pimenta sobre a comida, para azia e espanto dos outros, e ainda conseguem engolir tudo sem deixar escapar uma lágrima. E ainda tem aquele que diz: Arde não e fraca! Na Bahia é tradição das baianas do acarajé perguntar se o fregues quer quente ou frio. Para os desavisados é um deus nos acuda quando abocanham um pedaço do bolinho de feijão fradinho  crocante.  Para os que sofrem com as reclamações fumegantes das partes baixas, um pingo de pimenta é o mesmo que acender o bico de maçarico. Não é preciso fazer a rima! Mas agora, como diz aquele povo das organizações tabajara, seus problemas acabaram: A pimenta Tico Tico, vendida no restaurante Paçoca de Pilão, na praia de Pirangi/RN, promete botar água gelada na fervura sem agredir o reclamante que a partir de agora pode soprar feliz. Se você é um sofredor e adora uma comidinha picante, acho bom comprar a pimenta Tico Tico e conferir se o slogan fala a verdade.

 

Protegendo a moleira

Se você está pensando em fazer um boa cobertura para seu barco e acha que não existe nada além dos tradicionais tecidos impermeáveis ou plásticos, e bom mudar seus conceitos. foto copiada do sailinganarchy.com

Aula prática de quebra do mastro

Existem situações no mar que velejador não deseja nem para o maior inimigo e a quebra do mastro é uma delas. Na semana passada recebi uma indicação do amigo Gerson Silva, veleiro Tô Indo, para acessar um link no YouTube que é uma aula prática de desmastreação. Os caras montaram um cenário completo, inclusive num dia em que o mar estava bem endiabrado e com vento soprando forte. O filme é um pouco longo, mas bem interessante.