Arquivo do mês: julho 2010

Imagens da semana

um domingo no clube 001

um domingo no clube 006 um sábado no iate clube do natal um sábado no iate clube do natal (10) um sábado no iate clube do natal (20) um sábado no iate clube do natal (40) atelier de flávio freitas 011 atelier de flávio freitas 017 encontro dia 28 de julho 011encontro dia 28 de julho 024

encontro dia 28 de julho 027

encontro dia 28 de julho 028

encontro dia 28 de julho 021

A partir de hoje dou início a mais uma categoria de post: imagens da semana.

Pintando o Setti no Cruzeiro Costa Leste 2010

“Veleiro vai devagar, depende do vento e do mar…”. Essa frase é apenas um pedaço da letra de uma música do casal velejador Suzy e Vitor, mas ela é mais do que apropriada para definir o Cruzeiro Costa Leste 2010 que vem subindo a costa brasileira a partir do Rio de Janeiro com destino ao Recife. A flotilha agora encontra-se ancorada no Iate Clube de Vitória. Vamos acompanhar o relato do casal bacana Ivan e Egle, veleiro Taai-Fung II, que pesquei do blog Pintando o Setti:

Cruzeiro Costa Leste 2010 – Colocando o relato em dia

Chegamos a Buzios sábado dia 24 de julho após viagem de 14 horas  com direito a um pouco de vento, muita lua e mar meio mexido. O ICAB como sempre nos recebeu muito bem e os dias estavam gloriosos, sol e calor durante o dia e um fresquinho delicioso  noite que dava até para usar cobertor.

Por conta das condições de vento e mar a programação do CCL está meio atrasada , mas parafraseando Vitor e Suzy, veleiro vai devagar, depende do vento e do mar.

Discute dali, negocia daqui, nossa largada para Vitória foi marcada para terça feira, 27 _07, às 15 horas. A previsão do tempo indicava que teríamos pouco vento contra, mar um pouco alto e alguma chuva ao chegar a Vitória. A viagem foi bem agradável, lua cheia, cerca de 13 horas de velejada com vento a favor e as demais 26 a motor. Ficamos ralentando na entrada do Iate de Vitória para entrar de manhã, atendendo a orientação da comodoria, pois teríamos um esquema organizado ao chegar, com indicação de poitas e vagas para cada um dos participantes do Cruzeiro. Ledo engano. Vários barcos chegaram à noite, alguns lançaram ancora, outros pararam no pier, outros pegaram poitas. O grupo que chegou ao amanhecer (cerca de 15 barcos)  teve que buscar suas próprias soluções de fundeio, com o auxílio dos funcionários do clube que se esforçaram para superar a escassez de informações.

O trajeto foi marcado pela visão várias baleias, golfinhos e pesca de pacú ( o Vail do Mony sentou em um anzol, he!he!).

Hoje a noite vai rolar música ao vivo e amanhã a tradicional paella.

Ancoragem em Búzios

Iate Clube Armação de Búzios

Vai velejar no fim de semana? Olhe o tempo

O mês de Julho não foi dos melhores para quem navega pelo nordeste brasileiro, ondas acima de 2 metros foi uma constante durante grande parte do mês e ventos forte acima de 12nós castigaram o litoral, numa força que fez muita gente apostar que o clima errou o mês. Agosto é o mês dos ventos forte no nordeste, principalmente entre Pernambuco e Rio Grande do Norte, e Julho se situa numa posição bem mais tranquila. Mas, nesse 2010 de mudanças climática a coisa esta esquisita. Tomara que os ventos de Agosto cheguem cansados e não castiguem além da conta. Mas, se depender das previsões do CPTEC/INPE as forças dos ventos e do mar, parecem que não vão dar muito refresco.

REGIÃO DO LITORAL BRASILEIRO – NORDESTE
– Hoje (29/07), os ventos continúam soprando de sudeste com velocidades de até 12 m/s ao largo do litoral da Região Nordeste, com excepção do litoral de Ceará e Rio Grande do Norte, onde os ventos superam velocidades de 12 m/s. O mar continúa agitado ao largo do litoral da Bahia até o litoral de Rio Grande do Norte devido a chegada de ondas de sudeste com alturas significativas acima de 2,5 metros. Esta agitação marítima também atinge a região ao largo do litoral de Ceará com alturas significativas de onda acima de 2,5 metros. A situação ainda é de ALERTA.
– Nos próximos dois dias, estas condições do estado do mar tenderão a se manter.

Laura Dekker – Volta ao mundo autorizada.

Laura Dekker

Acabou a pendenga judicial entre os pais da menina/velejadora Laura Dekker e os serviços de proteção a criança da Holanda. O tribunal da cidade de Middleburg (sudoeste) da Holanda, autorizou que a menina possa realizar sua tão sonhada volta ao mundo, sozinha a bordo de um veleiro, e se tornar a pessoa mais jovem a realizar a façanha. Laura, que esta com 14 anos, deve completar a volta ao mundo até o dia 20 de Setembro de 2012, para conseguir o recorde. Em Junho postei um texto sobre a velejadora Abby Sunderland com o título UMA SENHORA VELEJADORA, onde sou totalmente favorável a aventura marítima dessa meninada corajosa. Fico agora na torcida para que a menina/velejadora Laura Dekker, que nasceu em um porto na Nova Zelândia quando seus pais realizavam uma volta ao mundo no veleiro da família, tenha sempre bons ventos e sucesso. Competência e coragem eu aposto que ela tem.

Agora danou-se tudo!

Banque Populaire V

Sei que vou receber um bocado de pancada da turma dos multicascos, mas mesmo assim vou provocar com um assunto que é nitroglicerina pura. Num belo dia de sol no Iate Clube do Natal, em que o churrasco corria solto e a cervejada batia no meio da canela, soltei uma frase que até hoje a turma fica olhando para mim com aquele jeito meio atravessado. Era uma discussão acalorada entre os apaixonados por monocascos e os vidrados nos velozes multicascos. Na hora me lembrei da peleja entre o amigo baiano Davi Hermida e Fabinho do veleiro Tatuamunha. Davi apaixonado pelos multicascos e Fabinho louco por monocasco, moviam ventos e tempestades procurando motivos que justificassem suas preferências. A peleja somente chegou ao fim quando Davi disse que monocasco era para quem tinha uma perna curta. Fabinho não se deu por vencido, pois ele mesmo tinha um defeito na perna, e falou: “por isso não, eu tenho…” Davi, ainda se sentindo vitorioso treplicou: “Mas você só tem na ida, porque na volta o bicho pega”maora_20_mini Foi uma risada geral e a cerveja rolou no centro.

Lembrando desses dois amigos na Bahia e vendo que a turma dos multicascos em Natal estava muito animada em ganhar a peleja naquela tarde de sol, soltei essa frase: “Catamarã é barco de rodinha”. Rapaz! A turma só faltou me fuzilar com os olhares e pular na minha jugular. Depois desse comentário o churrasco ficou bem mais animado.

Na verdade essa frase me passou pela cabeça logo que vi uma foto dos trimarãs Maora que já podem ser encontrados no Brasil. O Maora é um projeto do françês Stéphane Vallet e que chega ao Brasil com o objetivo de democratizar a vela. Foi projetado para os jovens velejadores de Optimists que desejam mais desempenho, não esquecendo os velejadores mais experientes que procuram por mais comodidade e conforto.

Prao02_mini

Quando vi as fotos desse barquinho interessante e moderno, mas com jeito das canoas da Polinésia, me lembrei das bicicletas de rodinha que se usa para aprender a pedalar.

Sei que a turma dos dois cascos não vai me perdoar por esse post, até porque conversando com o amigo Hélio do Maracatu, perguntei a ele porque não tinha multicasco competindo na semana de vela de Ilhabela. Hélio, que é dono de monocasco, mas adora os catamarãs, respondeu assim: “Eles só aceitam barcos de alta performance….” 

Com mais essa frase embaixo do braço, parti novamente para o ataque. Danou-se!

Pense numa foto!

Imagem 100

Imagem 098

O que um fotografo não faz por uma boa foto. Foi pensando assim que registrei o velejador Eudes Galvão tentando pegar o melhor ângulo para fotografar o comodoro Betuca ao lado de um belo peixão. O peixe foi fisgado numa velejada entre Pirangi e Natal e até hoje é motivo de orgulho da tripulação do Jazz II, na qual fazia parte também o velejador Alexandre Sales.

Entrevista com Amyr Klink no blog velejar catamarã

podcast O blog Velejar Catamarã do amigo e velejador Ubirajara Carratu tem uma entrevista inédita, em podcast, com o velejador Amyr Klink. Na entrevista muito bem elaborada pelo Bira Carratu, Amyr fala de novos projetos, viagens em solitário e dos rumos que a vela deveria tomar no Brasil.