Arquivo da tag: reserva ambiental

Ilha do Coral

volta-ilha-do-coral-1_thumb

Em 22 de julho de 2016, postei sobre a Ilha do Coral, localizada no litoral de Santa Catarina, ao comentar sobre o veleiro Taipan, de bandeira argentina, que estava desaparecido e havia sido encontrado no cenário de sonho que compõe a ilha catarinense. No sábado, 15/06/2019, praticamente três anos depois, o leitor, que se identifica por Limaco, enviou o seguinte comentário que enriquece o texto:  

Eu conheci. O Janjéca se matou com um tiro, após saber que não poderia mais morar na ilha, bom os corais cheio de mitos, já tive a oportunidade de acampar algumas vezes lá junto aos meus irmãos, ilha mágica, cheia de mistérios, com gravuras em pedras feita por índios que viviam por lá, lugar incrível, pena que a marinha teve de fechar por causa de pessoas que não sabem o valor do local e acabaram destruindo vários painéis com gravura históricas, fazendo com que fosse fechada, hj além de estar pichada foi invadida por plantas das quais são invasoras e estão abafando a mata e destruindo o que resta, bom mais o lugar ainda continua incrível, quem tiver a oportunidade de estudar o lugar vai se surpreender com a magia da ilha dos corais.  Limaco, 15 de junho de 2019.

 

Anúncios

Um sonho no meio do oceano

arquivo de epaminondas - atol das rocas (1)arquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-7.jpgarquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-6.jpgarquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-5.jpgarquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-3.jpgarquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-4.jpgarquivo-de-epaminondas-atol-das-rocas-2.jpg

Existem algumas fronteiras náuticas no Brasil que alimentam o sonho de todo velejador. Algumas são mais fáceis de atingir, bastando apenas que o comandante alie o sonho com a vontade e cumpra algumas exigências, o que é o caso de Fernando de Noronha, Abrolhos e dos longínquos rochedos de São Pedro e São Paulo. Porém a joia náutica da coroa é mesmo o Atol das Rocas. O Atol fica localizado na costa do Rio Grande do Norte, numa distância de 144 milhas náuticas de Natal e a 80 milhas náuticas da Ilha de Fernando de Noronha. No passado, não muito distante, o Atol das Rocas era destino certo de muitos aventureiros do mar e também de barcos pesqueiros. Depois da criação da Reserva Biológica Atol das Rocas em 1979 e hoje comandada pelo ICMBio, se aventurar nas águas que cercam o belo recife natural passou a ser crime ambiental, já que a área da reserva é de 360 quilômetros quadrados, incluindo o atol e toda área marinha em volta, até a profundidade de mil metros. O Atol é um sonho na imensidão de mar que o cerca. Eu já tive a oportunidade de chegar próximo, mas infelizmente não tive permissão para desembarcar, e para ser sincero, não me abalei nem um pouco, pois tudo aquilo me pareceu um ambiente frágil demais para ser tocado pelo homem. Me perdoem os meus companheiros de mar, mas concordo fielmente com a proibição. Mas tudo bem, vou voltar ao tema principal dessa postagem e deixar as polêmicas para outra hora. Mesmo após a criação da Reserva Ambiental, em 1979, o Atol continuou sendo visitado por velejadores, pescadores e pesquisadores, sem o mínimo de interferência, até a fundação da Base Permanente de pesquisa que hoje é comandada pela competente Maurizélia de Brito Silva, mais conhecida como Zelinha. Ela vira uma fera quando o assunto é Atol das Rocas, pois aquele é o seu mundo e que ela conhece como ninguém. É emocionante vê-la falar do Atol e de tudo o que aquele fragilizado ecossistema representa para o nosso mundo. Lá vou eu fugindo novamente do assunto, mas agora vou em frente: Em 1989 aportou pelo Atol um veleirinho de 22 pés batizado de Shogun, no comando estava um pernambucano arretado e com ele uma tripulação de três amigos. Todos radioamadores que desejavam contato com o mundo. Contato com o mundo no Atol? Um lugar isolado como aquele? Isso mesmo. Epaminondas, mais conhecido como Epa, batizou a viagem como 1ª Expedição de Radioamadores do Atol das Rocas. Segundo me falou o Epa, nos quatro dias em que ficaram acampados no Atol conseguiram manter contato com mais de cinco mil radioamadores de todo o mundo. Levaram inclusive uma placa que colocaram no tronco de um coqueiro, que até gostaríamos de saber se ainda existe, onde fazia o registro da Expedição. Mas isso foi há vinte e cinco anos. O Atol das Rocas é mesmo um lugar enigmático e vai continuar alimentando sonhos e desejos de muita gente. Assim espero!