Arquivo da tag: litoral do RN

Cartas de Enxu 54

11 Novembro (137)

Enxu Queimado/RN, 30 de dezembro de 2019

Eh, meu irmão, já vai longe o tempo em que meu amigo Alexandre Jácome, Teltur Viagens e Turismo, falou das belezas da praia de Enxu Queimado e você endossou a parada dizendo que conhecia e por aqui havia passado algumas temporadas na companhia do seu compadre Alexandre Chaves, genro do Sr. Abrão, que possuía uma casa a beira mar e de varandas abertas para os alísios que sopravam por sobre as maravilhosas dunas móveis que se estendiam para o sul até a Praia do Marco. Quanto aos alísios, digo que ainda são os mesmos se bem que ultimamente estão soprando mais avexados e tirando onda em estações climáticas que tradicionalmente eles passam mais parcimoniosos. Coisas dos deuses da natureza! Quanto as dunas, de Enxu ao Marco, digo que receberam a intervenção criminosa dos caras pálidas, que chegaram com a cruz, as bandeiras e as armas do progresso, e hoje praticamente foram riscadas do mapa para dar vez a um gigante parque eólico. Coisas dos sapiens e de suas leis descompensadas! Porém, para não instigar falação, pulemos essa parte!

Pois é, meu irmão, Enxu continua um lugarejo descente, dotado de uma beira mar aconchegante e se olharmos com um olhar mais apurado, não mudou muito desde os verões dos anos oitenta e noventa. Sinceramente, acho até que adormeceu por longo período e acordou meio sonolento em pleno século XXI, tentando resgatar o passado, mas com o foco desnorteado nos horizontes de um futuro incerto. Dia desses sonhei acordado na lembrança dos balaios de bolacha doce e “fresco”- iguaria feita com goma e coco seco ralado – produzidos em fornos artesanais de barro nos quintais das casas e todas as tardes eram vendidos de porta em porta pelas crianças. Eram os bons tempos das casas de farinha, que existiam em quase toda localidade interiorana e que complementava a renda de famílias que se divertiam nas horas da farinhada. Meu irmão, tudo isso ficou para trás e o que restou das velhas casas de farinha foi abandono, promessas politiqueiras e saudações a mandioca, como se palavras jogadas ao vento resolvesse alguma coisa. Como bem diz um velho ditado potiguar: Conversa fiada foi o que fechou o bar cova da onça!

Idio, sou saudosista sim e até tento controlar esse instinto tão cruel para o ser humano diante desses tempos modernosos, em que a razão se perde em meio ao nada e os antigos costumes culturais, para muitos, não passa de balela contada pela história dos povos. Aliás, a defesa da cultura nesses dias em que a década se encaminha serelepe para a entrada do ano derradeiro, não passa de discursos raivosos contra o corte das verbas que abasteciam os sabidos. Acredita não? Pois então bote na vitrola qualquer LP de Gonzagão ou ouça as prosas do Jessier Quirino! Os tempos eram outros, meu irmão! Quer ver coisa esquisita? Tente assistir uma apresentação de foguedo, sem se espantar com a descaracterização que está causado a morte de raríssimas raízes culturais! Tente participar do que ainda resta das festas de padroeiro, Brasil afora, sem se espantar com o esvaziamento dos costumes e a tristeza que ecoam das ladainhas! Entre em qualquer repartição pública que “cuida” da cultura e peça informações sobre tal! É duro, meu irmão, é duro!

Já sei, você está doido para saber sobre a cultura daqui, num é? Pois vou contar assim: A cultura aqui é do mar, das redes de pesca, das jangadas, dos paquetes, dos botes, dos balaios de pescado, da vida ditada na dança das palhas do coqueiral, mas ela está agonizante e jurada de morrer na praia. Dizem por aí, que quando o homem perde o rumo de sua história, sua alma definha até renascer sem os princípios que o fizeram homem. Será verdade?

Meu irmão, juro que não queria azucrinar seu juízo com coisas que fugissem dos limites dessa prainha paraíso, pois queria mesmo era despertar em você a vontade de rever o que um dia encheu seus olhos, mas tem coisas que não caminham longe de outras e por mais que tenhamos o cuidado de desviar dos obstáculos, mais damos de cara com eles. Porém, venha aqui, meu irmão, venha jogar conversa fora sob a sombra dessa cabaninha de praia. Venha estirar a rede na varanda para tocar sua viola. Venha rir da vida e lembrar da vida vivida. Venha sentir o cheiro do mar e caminhar despreocupado por uma beira de praia encantadora. Venha receber o sorriso largo e o abraço de um povo que tenta resistir as desventuras. Venha olhar as estrelas do céu, que por aqui são mais brilhantes. Venha acompanhar o belo passeio da Lua sobre o manto negro do firmamento. Venha assar castanha numa fogueira sobre as dunas para degustar o verdadeiro sabor da terra e venha sem pressa, pois de carreira já basta o tempo.

Idio Nogueira de Mattos Neto, nesse pezinho de nada que falta para findar o ano, dias de luar em quarto crescente, o convite está feito, mas nem precisava, porque minha casa é sua casa e na casa da gente precisa de convite não. Mas digo uma coisa: Se não trouxer a viola vai ter que voltar para buscar. Venha e traga sua trupe pois aqui tem escapas para um monte de rede e o tacho da moqueca é grande.

Beijos em tu e em Neném!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 53

10 Outubro (226)

Enxu Queimado/RN, 12 de novembro de 2019

Parodiando o poeta, pergunto e respondo: – A gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu? – Os dois!

Pois é, Kátia, dizem por aí, e com toda propriedade, que o Rio Grande do Norte poderia se chamar “Já Teve” e seria até interessante, porque já que existe um município na região Oeste potiguar chamado Venha Ver, as peças publicitárias poderiam incrementar frases assim: “Venha ver o que tem em Já Teve”; “Já Teve, mas venha ver assim mesmo”; “Conheça Já Teve antes que não tenha mais”, e por aí caminharia a nação dos potiguares. Aliás, seria bom a gente se apressar para conhecer Venha Ver antes que ele se torne “Já Teve”, porque o município de pouco mais de 4 mil habitantes, segundo os bruxos da imprensa, está na lista de extinção, como também está o município de Pedra Grande, com 3.275 habitantes, do qual faz parte o pequenino distrito praieiro de Enxu Queimado, pedacinho de chão de onde escrevo essas missivas.

Cunhada, conheci Enxu há mais de trinta anos e de cara me apaixonei pela vidinha simples que se levava por aqui, com os pés pisando ruas de fina areia branca, coberta por leve camada de piçarro, e no final do dia mergulhando o corpo no mar para retirar a poeira avermelhada soprada pelos alísios que acariciavam as dunas e desciam correndo soltos pelas vielas. Eram bons tempos de fartura de lagosta, cestos e mais cestos de serras, garachumbas, galos do alto, guarajubas, ciobas, cavalas, bicudas, ariacós e mais uma ruma de espécies de fazer inveja a um bocado de pescador afamado. – E as galinhas? – Vixi, vou nem contar, mas em todo caso, fizemos muitas estripulias em busca das galinhas alheias. Enxu era uma festa nos idos anos 90. Aí você pergunta: – E não é mais? – É e não é, e acho até que é menos do que mais! – Entendeu? – Nem eu! Rsrsrsr…

Na década de 90 Enxu era um arruado de casas, muitas delas de taipa e com uma dúzia de casas de veranistas, quase todos oriundos do município de João Câmara, e o verão era uma festa de cores, alegria e tinha uma beira mar de fazer valer a fama que os poucos turistas que a conheciam alardeavam aos quatro ventos. A pequena localidade de pescadores recebia reflexos de um futuro promissor e com as antenas ligadas no turismo que avançava pelas praias do Rio Grande do Norte. Ora, não podia ser diferente, pois foi nas areias desse litoral que desembarcaram os enviados do Rei D. Manoel I para fincar a pedra fundamental da criação do país chamado Brasil, em 7 de agosto de 1501. A data, inclusive, está registrada como sendo, além da posse oficial do Brasil, aniversário do Rio Grande do Norte. Como bem diz a frase estampada em todos os documentos da Prefeitura de Pedra Grande: O Brasil começou aqui. E começou mesmo, mas por aqui estancou de repente, e o país seguiu, aos trancos e barrancos, em frente, deixando para trás a história esquecida em um Marco de Posse que até hoje ninguém decidiu o que fazer com ele.

Kátia, como você bem sabe, a Enxu do século XXI é uma praia bela, com um litoral paradisíaco, mas que merecia mais: Mais atenção, mais cuidado, mais carinho, mais investimentos, mais amor, mais responsabilidade com o desenvolvimento sustentável e mais respeito com sua população. O município de Pedra Grande está inserido entre aqueles que receberam fabulosos investimentos oriundos dos empreendedores da energia dos ventos e ostenta em suas terras um vultuoso parque eólico, além de uma gigantesca fábrica de torres. – E só isso basta? – Não, não basta, mas se toda essa pujança for bem aproveitada, adiantaria mais da metade da viagem rumo ao progresso sustentável e Enxu Queimado, como pórtico de entrada ao mar e a grande visibilidade que o mar proporciona, ganharia nova visão turística e quem sabe, tiraria o município da fatídica lista de abate.

Lembro de uma conversa que tive na época, com o então prefeito Chico Vitor, para mim um homem de visão, e ele falava que iria construir a Estrada da Palmeira, uma via ligando Enxu Queimado a Praia do Marco, em um traçado mais curto do que aquele que existia até então. Ele apostava que a estrada seria a redenção das duas praias, porque daria incentivo ao Governo do Estado para continuar com a estrada até São Miguel do Gostoso e no futuro ligar Gostoso, Marco, Enxu e Galinhos. Chico Vitor cumpriu a promessa, mas a Estrada da Palmeira, uma estrada piçarrada, nos padrões das RNs, hoje está praticamente abandonada, com o mato tomando parte da via e muito lixo jogando nas margens.

Pois é, Kátia, olhando o bonde que vai passando e assistindo essa bela prainha ficar empancada na estação, apesar de ter um dos mais lindos cenários litorâneos do Nordeste, não me vem em mente outra palavra a não ser já teve. Palavra essa tão bem apropriada para um Estado que já foi tudo, inclusive fonte originária de um país inesgotável.

Kátia Suely Silva dos Santos, minha cunhada querida, fico triste em ver que essa antiga vilazinha de pescadores perdeu o rumo da Estrada da Palmeira, via que foi pensada vislumbrando os ventos do futuro. Mas não é tanta tristeza assim, porque apesar de tudo, olhando da varanda dessa cabaninha, vislumbro e me sinto vivendo na comunidade que me recebeu carinhosamente há trinta anos. Só não existe mais a inocência e os perigos que rodam essa beirinha de praia são outros!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 50

7 Julho (218)

Enxu Queimado/RN, 15 de setembro de 2019

Luciano, meu amigo, como andam as coisas na sua Bahia mais bela? Por aqui vamos caminhando, cantando, seguindo a canção e achando graça, porque se faltar o riso o bicho pega. E por falar em bicho: Como vai seu ninho de cobras? Pelas bandas daqui, tenho notado que a criação de ovelhas e carneiros diminuiu um pouco, pois faz dias que não avisto os bichinhos caminhando livre, leve e solto pelas ruas e avenidas dessa Enxu querida. – Avenida? Isso mesmo, meu amigo, avenida, pois assim está escrito no endereço da conta de energia elétrica. E por falar em conta de energia, por mais que os encantadores de gente se esmerem em explicar, juro que não consigo entender essa troca de bandeiras. Tem tempo que é verde, tem tempo que a danada amarela e nesse mês de setembro o troço veio num tom encarnado, mais esfomeado do que a molesta. Seu menino, eu ia até falar, mas vou parar por aqui para não “elogiar” a senhora Mãe dos outros.

Amigo, sobre essa troca de bandeiras o que me intriga é ver, da minha varandinha, a danação de torres catadoras de ventos espalhadas a torto e a direito sobre dunas e matas, gritando promessas engabeladoras, e nem sinal das tais bandeiras perderem o ímpeto. Ei, baiano, não se avexe com minhas observações amalucadas, pois são apenas visões de um praieiro que em vez de ficar catando nuvens no belo e infinito céu dessa prainha paraíso, fica dando pitaco em coisas que não entende.

Rapaz, essa semana estive na casa de Ceminha e ao folhear o jornal Tribuna do Norte, cravei a vista numa matéria que falava da nossa falta de interesse nas benesses do grande mar Atlântico, que nos banha. Pois bem, a nota dava conta de que um economista português ajuntou um punhado de interessados, ou desinteressados, sei lá, para dizer uma coisa que seus patrícios de 500 anos atrás já haviam descoberto e até hoje não demos de conta. O portuga disse em alto e bom som, que o potencial costeiro do Rio Grande do Norte é enorme e que até os dias de hoje, por mais que tenhamos trocado o comando do timão, não aproveitamos, ou melhor, desaproveitamos por completo. Ao ler a matéria lembrei de uma palestra que assisti no Sesc, em Natal, com o economista Delfim Neto, na época ministro todo poderoso, em que ele disse que o RN estava lutando uma luta inglória – e hoje está provado -, ao pleitear a implantação de uma refinaria de petróleo, porque a grande redenção desse Estado estava no turismo e no maravilhoso mar que acaricia suas praias. Eh, meu amigo, olhando da minha varandinha o mar emoldurado pelos troncos e palhas dos coqueirais não posso e nem devo deixar de aceitar as palavras do economista português, Miguel Marques, e muitos menos do grande professor Antônio Delfim Neto. Como seria bom se nossos governantes tivessem pelo menos um tiquinho de tempo e vontade para ouvir e falar verdades. Aliás, o tão proclamado Marco de Posse, chantado na praia do Marco/RN, que o diga, porque mais abandono é impossível.

Luciano, mudando o rumo dessa prosa, você acompanhou o moído sobre os “inocentes” livrinhos infantis lançados na feira literária sob as bênçãos de São Sebastião? Se acompanhou, fez bem, pois assim não será pego desprevenido quando algum neto lhe indagar sobre a vida. Se não acompanhou, fez mal, pois perdeu de dar boas risadas com as palavras ditas, escritas e com as afetações de quem canta a música sem nem saber a letra, nem o tom e só sabe entoar o coro. Me contaram que um cabocolinho que comprou, todo falante, um exemplar do tal livrinho, quando chegou em casa o filhinho quis folhear e levou um tapa nas orelhas, pois aquilo não era leitura para uma criança, ainda mais a dele. Vai vendo, viu! Mas fiquei sabendo que quem ficou brabo mesmo foi Seu Quinzinho da Burra, um antigo morador de um povoado distante daqui, pois na adolescência ele sentiu uma queda pela jumentinha mimosa que andava faceira pelas baixas, e depois de ganhar a confiança da bichinha, partiu confiante para uns afagos, amassos e daí para os finalmente foi apenas questão de minutos e um “Ih” mais carinhoso do que o normal. Depois de uns meses o amancebo foi descoberto pelos outros pretendentes da burrinha faceira e a fofoca caiu nos ouvidos do delegado que não contou conversa, mandou chamar Quinzinho e entre perguntas e cacete, fez o pobre namorado entregar o serviço contando coisas de A a Z. O namorador passou uns dias enjaulado, ganhou o agregado no apelido e até os dias de hoje nunca mais passou nem próximo das baixas, mas a saudade é grande daquela a quem tanto carinho dispensou. Pois bem, Seu Quinzinho soube que tem um livrinho ensinando os meninos a chamar uma coelhinha na chincha e que depois de uns alaridos, os senhores do conselho superior deram tudo como certo, justo e encerraram a peleja com pontos para o autor. Agora, Seu Quinzinho, no alto dos seus 90 anos, quer saber quem vai indenizar a desgraça amorosa sofrida nos seus 18 anos. Procede!

Luciano Lopes Guimarães, cabra aventureiro da gota serena, faz tempo que você e a sua mandante Arlene, não dão as caras por essa prainha bela e preguiçosa. Venha, homem de Deus, venha para a gente emendar os bigodes nos bons papos que rolam sob a sobra dessa cabaninha de praia. Venha aproveitar os assopros dos bons alísios de um setembro soprador. Venha que prometo arranjar uma jangada para você traçar rumo até o abençoado e produtivo Cabeço de André, lugar que deixa qualquer pescador abestalhado diante de tanta fartura.

Estou esperando, viu, e já vou colocar as cervejas no gelo!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 48

5 Maio (34)

Enxu Queimado/RN, 19 de agosto de 2019

Sabe, Maurício, hoje, na paz do luar que derrama fios prateados sobre a noite dessa Enxu mais bela, me peguei fazendo uma retrospectiva de vida e desatei a lembrar dos bons momentos vividos a bordo do veleiro Avoante, subindo e descendo o litoral do Nordeste, plantando, regando e colhendo amizades. Em uma das passagens da fita, veio a imagem de um tripulante, que estava fazendo um dos nossos charters pelos encantos e segredos da bela e colorida Baía de Todos os Santos, e as palavras por ele proferida enquanto degustávamos um vinho, saboreando um risoto de limão siciliano, na enigmática ancoragem do Saco do Suarez, por traz da Ilha do Bom Jesus dos Passos e de frente para a mata atlântica que cobre a Ilha do Frade, ancoragem que segundo contam os livros de história, os holandeses se esconderam durante 60 anos dos olhos e ouvidos dos portugueses, até que em um 2 de julho a brincadeira acabou e até hoje o baiano festeja.

“Nelson e Lucia, vocês não vendem charter e nem curso de vela, vocês vendem sonhos e uma maravilhosa história de vida”. Pois é, Maurício, durante o resto da noite e boa parte da madrugada, a frase cutucou meu juízo e no silêncio e na paz daquela ancoragem tão mágica, adormeci, os circuitos internos do cérebro levaram a frase para o arquivo e assim ela permaneceu esquecida até que hoje, uma velinha branca de paquete cruzou o pedacinho de mar que vislumbro dos domínios de minha varandinha de praia, e pronto, estou aqui a matutar. Pois num é que dia desses, Gilberto da Farmácia, um amigo cultivado sob os alísios que sopram por essa paragens, disse que adorava vir aqui para entabular um conversê, porque, segundo ele, os horizontes se abriam em sua frente. Agora danou-se, um disse que eu vendia sonhos e agora o outro diz que vendo horizontes. Sei não, viu! Rapaz, aqui eu vendo é pizza e saltenhas, e segundo uma criança que passou na calçada, a melhor pizza do universo.

Maurição, pois num é que a tal retrospectiva me fez ver coisas que diante do moído da vida urbana deixei esquecer. Durante onze anos tive uma casa com a varanda de frente para o nascente, o poente e de cara para todos os ventos que se arvorassem a soprar. Foram dias de intensa conjugação com os elementos da natureza e seguindo os ditames de deuses encantados. Por mais que me fizesse de rogado, jamais pude deixar de sorrir e pedir bênçãos diante da magia e das cores do pôr do sol, que nunca se apresentou igualmente o anterior. Via o pôr do sol como um grande livro de páginas infinitas, de versos e crônicas em escritos, desenhos e cores que jamais se repetirão. Hoje, meu amigo, mesmo sabendo da bela maquiagem que as dunas de Enxu produzem para o final da tarde, não consigo tempo para assistir os últimos passos diários do astro rei. Quando consigo, tenho o mesmo deslumbramento e a mesma emoção de sempre, mas sinto minha alma entristecida. Maurício, será que a vida urbana consome a alma das pessoas?

– E a Lua? Pois é amigo, a Lua daqui é linda como a Lua dos outros lugares, mas também não a tenho diante dos meus olhos e nem mantenho a intimidade que tive noutros tempos. Conheço os passos do seu caminhar, sei os segredos de suas cores, consigo sentir seu cheiro e as vezes escuto seus lamentos, mas perdi a intimidade. Aí você pergunta: – Como assim? – Você mora em um paraíso, em uma praia linda, com paisagens belíssimas, com um mar encantador, diante de um coqueiral deslumbrante, cercado de pessoas maravilhosas e sob o teto de uma aconchegante cabaninha praieira, o que falta mais? Pois é, tenho sonhos, horizontes, amigos, família presente e unida, mas falta a intimidade com os elementos da natureza, com a Lua, com o Sol, com os ventos, as correntes marinhas, as ondas, as nuvens, as gotas de sal sobre a face, o balanço do oceano, as vozes do mundo, os sons que ecoam do fundo do mar. Falta o calor do abraço de um mundo que sei que está bem ali, mas um pouco distante demais da mão. Eh, amigo, acho que é isso, a vida urbana consome a alma da gente e fecha os nossos olhos para as maravilhas que somente a natureza pode dar.

Maurício Silva Rosa, você que um dia viveu conosco alguns dias a bordo daquele belo veleirinho avoado, avoando lentamente pelos mares do Senhor do Bonfim, sentindo a natureza correr nas veias e piscando os olhos diante da paisagem desnudada a cada fração de milha navegada, sabe das lamurias que me trazem essa incrível e saudosa retrospectiva, mas não se avexe com essas linhas escritas, porque tudo passa entre um balanço e outro da rede. Além de que, os encantos dessa prainha paraíso é um fabuloso remédio para aplacar minhas saudades.

Amigo, agora me responda: Será que eu ainda consigo vender sonhos ou os tais horizontes que encantam Gilberto? Não, Maurício, não vendo sonhos, nem horizontes, quero mais é dar alegria e mostrar para aqueles que se interessam, que o mundo pode ser melhor, infinitamente melhor, do que este que estamos vivendo. E para isso, nada melhor do que ir ao pomar e colher uma muda de bons amigos.

Venha aqui, amigo, e venha sem pressa, porque embaixo dessa varandinha cabe uma montanha de boas conversas.

– O vinho? – Claro, tem vinho!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 47

IMG_0067

Enxu Queimado/RN, 15 de agosto de 2019

Eh, Pai, domingo, 11/08, foi dia de saudades, mas não aquela saudade que corrói a alma e sai por aí espalhando dor e sorrisos amarelos, mas a saudade do bem querer, das boas lembranças, dos felizes ensinamentos, do amor incondicional e da precisão de ensinamentos, quase cirúrgicos, que trançam os passos e os caminhos dos filhos pela vida afora. Pois é, sempre festejo com alegria esse dia, mesmo sem ter a alegria de vê-lo sentado na mesa. Aliás, nunca entendi os motivos daqueles que declaram não ter motivos para celebrar o Dia dos Pais pela justificativa de que os deles já se foram para os braços do Pai. Eu tenho motivos sim e se assim for permitido, comemorarei por muitos anos, porque o senhor merece e nós, seus filhos, temos mil e um motivos para festejar. O senhor era demais!

Pai, como vão suas tocatas pelos bailes do Céu? Acredito que a orquestra daí está cada dia mais afinada e se esmerando em maravilhosas partituras, pois o que tem subido de gente boa para estrelar o palco do paraíso, não é brincadeira. Dou por visto a alegria da plateia e o rosto de encantamento de Nosso Senhor, diante dos shows. Já por aqui a coisa está cada dia mais feia, pois está ficando só a catrevagem e ainda inventaram um tão de paredão, saído das ideias malignas do tinhoso, que tem pareia não. Aliás, estou planejando entrar no mercado de produzir pen drives para tocar nos paredões, porque achei uma fórmula arretada de gravação e que vai fazer sucesso: Gravarei apenas a introdução das “músicas”, ou no máximo dois minutos de cada, e assim, em um pen drive de 4Gb gravarei umas 8 mil “músicas”. Pai, nunca ouvi um dono de paredão deixar tocar uma faixa – graças aos anjos do Céu – inteira. É só o comecinho e pula para a próxima.

Nessa prainha linda que me dá guarida e carinho, o Dia dos Pais foi comemorado com uma regata que se tornou famosa na região e neste 2019 comemorou a décima terceira edição. É a regata dos Navegantes da Praia de Enxu Queimado, um evento arretado, idealizado e organizado por Pedrinho e Lucinha, casal bom do “carvalho”, e que colore o lugar com as cores da alegria e do companheirismo, qualidades tão peculiares aos pescadores. É gostoso ver o moído do preparo das embarcações nos dias que antecedem a festa e mais gostoso ainda é presenciar a faina e a labuta dos últimos detalhes minutos antes da largada. Pai, o sistema é bruto e aí daquele mastro, vela ou corda que não aguentar o tranco dos puxos e repuxos! Eu, velejador de barcos de plástico, cheios de salamaleques e prá que isso, dou risadas e fico imaginando a cena de um desses iatistas juramentados participando de um preparo de paquete para correr uma “corrida”.

Circulando entre os barcos, abraçando os amigos e batendo retratos a torto e direito, no dia da largada, parei para ver a vela do paquete Brasil 1 – isso mesmo, Brasil 1 – sendo esticada por seis homens sobre o mastro e a retranca e apostei comigo mesmo que aquele sistema não aguentaria e não sei se por força do meu olho grande, ou praga de apostador, a corda partiu e lá se foi a mesa que acomoda o mastro partida em bandas. O reboliço foi grande, porque o tiro de largada se aproximava, e entre palpites e pitacos, inclusive meus, apareceu uma furadeira, com eixo do mandril mais empenado do que o “gato da zinebra”, mas acho que a broca era mais torta, uma extensão com fio desencapado, um martelo, duas chaves de boca, bitola 14, porém, as porcas eram 13, umas latinhas de Itaipava escumando e entre pelejas, gritos e gozações, o armengue ficou pronto e lá foi a “nova estrutura” ser forçada novamente. E num é que aguentou! Tanto aguentou que o barco foi para a competição e não fez feio e nem os tripulantes andaram no burro. – No burro? – Isso mesmo! Os caras enfeitam um burrico e quem faz a pior lambança durante a prova, na chegada tem que passear em meio ao povo sobre o burro. Eita que a gozação é boa!

Pois é, Pai, a vida por aqui vai indo assim e bem diferente dos azedumes e mal costumes das grandes cidades. Por aqui basta pouco para a felicidade aflorar e por mais que os reclames insistam em dizer que babado não é bico e que o caldo vai entornar, ninguém liga muito para as armadilhas e subterfúgios produzidos nos caldeirões das redações. Aliás, os aprendizes de feiticeiros que mexem a colher nas redações dos jornais, precisam pegar a vassoura para dar pelo menos um voozinho por aí. A vida tem andado bem diferente do que eles alegam.

Nelson Mattos, meu querido e amado Pai, pensei em escrever essa cartinha para enviar-lhe no Dia dos Pais, mas dei um bordo, porque não queria que a emoção enuviasse minha cabeça de vento e como bem disse um colega: “O coração das pessoas já não aguenta tanto repuxo”. Pai, por aqui vai tudo bem, tudo indo e bem-vindo. Nelsinho e Amanda continuam me dando alegrias e Ceminha dia desses deu o ar da graça sob essa varandinha, na companhia de Tia Cecília, Grace e Jailson. Saborearam uma das deliciosas moquecas da Lucia, que eu e Jailson degustamos com umas doses da marvada, para não perder a vez, e se foram prometendo voltar em breve. Estou aguardando!

Para encerrar, confirmo que o senhor continua muito vivo e lindo em meus sonhos e tomara que permaneça assim por longos anos, viu! Beijos!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 45

1 Janeiro (70)

Enxu Queimado/RN, 28 de julho de 2019

Pois é, Torpedinho, a vida não está fácil pelas “terras de pindorama” e até pensamos que estaríamos prestes a ver alguma luz que indicasse novos rumos a serem seguidos, mas tudo indica que continuaremos navegando feito marujos desnorteados. Será herança dos nossos descobridores? É bem capaz, viu! Aliás, como estão as coisas pelas terras dos maracatus? Aqui vai indo e quase do mesmo modo que você viu no comecinho desse julho que já se encaminha para os finalmentes. Porém, até nos mais bucólicos povoados desse país de temperaturas moderadas, a vida segue deixando rastros e impressões digitais nos escaninhos da história dos povos.

Amigo, o mar de Netuno – ou seria de Iemanjá? – tem andado meio amuado por essas bandas daqui, mas nada diferente do que tem acontecido a partir do litoral sudeste e subindo para os lados de cá. Os alarmentos, mas nem por isso mais responsáveis por suas ações, apostam que os reclames da natureza são consequências dos nossos atos, porém, nem os meninos das ciências se entendem sobre a razão e vez por outra estão batendo cabeça nos compêndios. Dia desse vi um professor da USP dizer, entre risos e bocas, que em meio as causas ambientais, principalmente ao mal falado aquecimento global, existe muita farinha falsificada no angu. Acreditar em quem? Vai saber!

Certa feita, ouvi um caçador de estrelas e planetas dizer que o eixo da Terra deu uma leve escorregada para o lado, mas não me pergunte para que lado, pois ele não disse e até tentei fofocar sobre o escorrego, mas ele calou-se diante das cartas, fez cara de paisagem estelar e recolheu as fichas da mesa. Deitando em minha rede, armada sob a varandinha, fico matutando, entre um cochilo e outro, será que esse reboliço de mar tem relação com esse moído. Rapaz, sei não, mas se continuar assim não vai demorar muito para o Sul virar Norte, Nordeste virar Sudeste, Centro-Oeste continuar Centro-Oeste, e assim, ninguém vai poder falar de ninguém.

Ei, Cleidson – é estranho chamá-lo assim, mas vou enfrentar a estranheza -, por falar em reboliço de mar, por essa região tem acontecido uns fenômenos arretados e que têm feito a alegria dos pescadores e das páginas nas mídias sociais. No final de junho, na praia de Galinhos, bem aliiii mais para o Norte, as redes de arrastão tiraram do mar uma ruma danada de Garabebeu, peixe que passa longe das receitas dos amostrados. Neste dia 25/07, na mesma praia de Galinhos, mais um lance de rede, e mais outros, acertaram bem de cheio em uma colônia de Corvinas, que segundo a conversa dos pescadores, rendeu mais de 25 toneladas. Foi peixe, amigo, foi peixe! JÁ no mar dessa Enxu mais bela, os barcos estão chegando carregados de Bonito, outro peixe que passa distante das receitas dos chefs, mas que é uma delícia quando preparado pela mão azeitada do povo do mar. É a vida sendo levada adiante pela natureza, que nos mostra a todo instante que nem tanto, nem tão pouco, pois o que ela quer dar, ela dá e nem adianta a gente espernear e nem querer se meter a adivinhações.

Pernambucano, por falar em natureza, quando você dará uns bordos por aqui naquele seu catamarã bala. Vi que você já está alistado na raia da próxima Refeno, Regata Recife/Fernando de Noronha, e fiquei imaginando que, na volta da ilha maravilha, você pudesse dar uma voltinha por essas quebradas. Rapaz, olha só as belezas que tem por aqui: Praia do Marco; Enxu Queimado; Ponta dos Três Irmãos; Serafim; Caiçara do Norte; Galinhos, Guamaré; Diogo Lopes e mais um monte de enseadinhas arretadas e que merecem registros. Digo mais, quem navegou boa parte do litoral nordestino, mas passou vexado por alguns desses lugares que falei, foi o Pedalinho, cabra arroxado e vivedor, que está mostrando ao povo da vela de cruzeiro, que o litoral brasileiro é muito mais bonito, fantástico, maravilhoso e navegável do que dizem por aí. Grande Pedalinho, que não conheci pessoalmente, mas tem toda minha admiração e reconhecimento.

Torpedinho, deixa eu lhe contar uma tristeza: No começo da semana, estava eu pintado o cercado de madeira do chalé que estamos terminando e que você bem conhece – Aliás, o ar-condicionado já está instalado -, quando passou um garoto, na companhia do pai, e ele vinha desembrulhando um bombom. Após colocar o doce na boca, seguiu segurando a pequena embalagem na mão, e o pai, que deveria ensinar, gritou: Sacuda esse papel na rua, seu p….! A criança, acho eu, para não levar uns puxões de orelha ou receber mais impropérios, soltou o papel sobre o chão. Sentenciei em meus pensamentos: – Pronto, nasceu mais um sugismundo!

Cleidson Nunes, advogado e velejador como poucos, a varanda dessa nossa cabaninha de praia está com saudade da sua prosa arretada e multifacetada que nos deu muitas alegrias durante os breves dois dias em que esteve por aqui. Você prometeu que iria volta, portanto cumpra a promessa ligeiro, viu! Para apressar seu passo, vou pedir que traga um bolo de rolo, iguaria que tem a marca, as cores, o sabor e a alegria da cultura da sua terra. Mas se não pedir muito, traga também uma cachacinha dos bons alambiques pernambucanos, que garanto a pareia do peixe frito, ou para variar, umas lagostas no bafo.

Abraços,

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 44

20190620_093439

Enxu Queimado/RN, 20 de julho de 2019

Meu caro, Sian, desde que você apareceu por essa Enxu mais bela, colorindo o mundo em preto e branco pelas lentes mágicas de sua possante máquina fotográfica e com uma indisfarçada alegria em apresentar aos poucos felizardos o maravilhoso projeto de fotografia documental, Um olhar de Si Através do Outro, passei a mirar as coisas deste minúsculo pedacinho de planeta por ângulos diferentes e muitas vezes indecifráveis. Eh, meu amigo, o que seria das cores se não fosse o preto no branco e branco no preto…. Aí você haverá de perguntar: – Sim, mas qual o motivo da reticência? Sei lá! Talvez porque quisesse escrever mais, mas sem saber o que. Talvez não quisesse escrever nada e elas apareceram do nada, ou talvez porque…sei lá. Bem elas estão aí, apareceram novamente e agora não sei como suprimi-las.

Amigo, as coisas por esse pedacinho de litoral estão caminhando como Deus quer, pois é assim que diz o povo. Juro que não sei se Ele gostaria que as coisas caminhassem como caminham, mas já que o povo diz e que, segundo o ditado, a voz dele e a voz Dele, vamos seguindo em frente e esperando não sei bem o que, mas vamos. Rapaz, não se avexe com esses meus pensamentos amalucados, pois como já disse lá em riba, tenho olhado o mundo por ângulos meio enviesados.

Fotografo, pelo pouco que aprendi naqueles poucos dias de curso, não é tão fácil a gente ver o mundo através do outro, até porque o outro nem sempre se mostra do jeito que é e se formos escarafunchar por aí, é coisa de risco grande, pois com o advento das mídias sociais, o outro é tão outro que ficamos em dúvida se ele é, foi ou será. Lembra do que presenciamos nas dependências da escola? Pois bem, pintam com uma tinta, mas a tinta não tem a cor que pintam. E não são assim as coisas por esses Brasil encantado? São, e em algum dia do futuro aportarão por aqui novos navegantes e esses haverão de nos descobrir por completo. Só tomara que não seja Cabral e sua trupe de degredados, pois se assim for, ele vai mandar cobrir tudo novamente, pois deu certo não.

Sian, por falar nos personagens do descobrimento e como no curso tiramos uma manhã para bater uns retratos da Praia do Marco e seu encoberto e abandonado Marco de Posse, digo que aquela paragem histórica continua a esperar que os contadores da história passem por lá, não só para dizer o pouco já sabido, mas para cobrar daqueles que devem compromisso e se fazem de desentendidos. Você bem viu que o lugar é lindo, paradisíaco, cheio de bons predicados, mas não passa disso, sobrevive apenas dos discursos feitos da boca para fora e sem nenhum compromisso com a intenção.

Ei, amigo, você sabia que o município de Pedra Grande é bem servido de lugares, que se fossem em outros países, ou mesmo em outros sítios por esse Brasil de futuro incerto, estariam ilustrando bem-aventurados programas de ecoturismo? Pois é! Por aqui existem trilhas e mais trilhas por entre as matas da caatinga e dunas. Existem belas lagoas que mais parecem oásis em meio as agruras da seca que castiga a região. Porém, o que é mais fantástico, existem grutas de valiosas riquezas arqueológicas, Gruta de Lajedo e Gruta dos Martins. Assim como o Marco de Touros, as duas grutas, que tempos atrás mereceu aprofundado estudo por parte da cadeira de geologia da UFRN, estão malcuidadas, abandonadas e, segundo línguas afiadas, servem até como depósito de lixo, que se for verdade, configura um criminoso atentado contra a humanidade.

Pois é, meu amigo fotografo, sair por aí brechando o planeta, como ultimamente tem feito o querido jornalista potiguar Flávio Rezende, nos faz ver situações indesejáveis, mas nem por isso impublicáveis. Aprendi que o olhar é facetado e por isso o cérebro nos obrigada a mexer a cabeça para fugir das ilusões de ótica ou mesmo enxergar um pouco mais além do horizonte. Aliás, a ciência prova que enxergamos invertido e o cérebro é que apruma o foco. Agora me diga: O mundo está de cabeça para baixo ou de cabeça para cima?

Sian Ribeiro Sene, meu novo e bom amigo fotografo, já faz dias que você e a maravilhosa Laura Branco botaram os pés por aqui. Que tal começarem a aprumar os passos de retorno? Aqueles retratos que você deixou em exposição já estão amarelando e todos os dias olhos para eles com saudades, mas sabendo que são registros da vida e a vida amarela com o tempo.

Venha, meu amigo, venha provar do sabor dos frutos da semente que você plantou. Não foram muitos frutos, mas toda plantação começa assim.

Grande abraço,

Nelson Mattos Filho