Arquivo da tag: previsão do tempo

Aviso aos navegantes

anima_alturaEssa semana, de 22 a 28/05, os ventos andam soltos pelas esquinas do litoral brasileiro e os alísios que acariciam o litoral do Nordeste estão batendo fácil na marca dos 20 nós, cerca de 40 quilômetros por hora. Pela animação do gráfico do CPTEC/INPE, dá para ver que o mar está de gente grande e a orientação da Marinha do Brasil é que embarcações miúdas permaneçam no porto e as demais, revisem o material de salvatagem, os equipamentos de segurança e passem a vista nos motores, velas e bombas de esgoto. Veja o que diz o aviso:

MAR CONTINUARÁ AGITADO COM RISCO DE RESSACA ENTRE O LITORAL NORTE DA BA E AL

Entre hoje(23/05) e o início da quarta-feira(24/05), o mar ainda continuará agitado com risco de ressaca entre o litoral norte de RS e ES devido à chegada das ondas atingindo quase perpendicular à costa com alturas entre 2 e 3 metros. Por outro lado, a persistência dos ventos de sudeste mais intensos continuarão deixando o mar agitado no litoral norte da BA, SE e AL com ondas de sudeste entre 2 e 3 metros de altura entre a terça-feira(23/05) e quinta-feira(25/05). O risco de ressaca continuará na região.

De olho no tempo

mapserv
Não é só falar de seca
Não tem só seca no sertão …

Orós II – João do Vale e Oséas Lopes

As esperançosas chuvas que molharam algumas regiões do sertão nordestino desde março, numa intensidade bem abaixo do desejável, infelizmente começam a fazer falta, deixando no ar o cheiro de uma cruel seca medonha. O sertão é lindo por natureza, mas com chuva é um paraíso só. Olhando a imagem do satélite, bate sim a desesperança, mas como diz Seu Nilo de Tita: – Deixe de agonia homem, que ainda vem muita água por aí para vingar o milho e o feijão. Veremos.       

 

Boas novas na previsão do tempo

mapserv (1)A página Satélite, do site do CPTEC/INPE, já mostra imagens do satélite GOES-16, lançado em novembro de 2016 pelos EUA e que está sendo considerado como o mais poderoso satélite meteorológico do mundo. Por enquanto as imagens e os dados apresentados servem apenas para testes e ajustes  do sistema e não valem como fonte oficial de informação, porém, pelo que observamos nas imagens, o estudo das previsões meteorológicas e do acompanhamento ambiental alcançara novas dimensões.  

De olho no mar

anima_altura O feriadão de 1º de Maio, que para muitos terá início na sexta-feira, 28/04, promete ser agitado para aqueles que navegam pelos mares do Sul e Sudeste, com ondas que podem chegar próximo aos 5 metros de altura em alto mar, o que deve levar, se ainda não levou, a Marinha do Brasil emitir avisos de ressaca e mar grosso na região. Para os surfistas, será um fim de semana a ser comemorado com belas manobras. Fonte da imagem: Cptec/Inpe  

De olho no tempo

mapservDepois de um feriado prolongado e com chuvas fartas e molhadeiras em boa parte do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, mas bem que São Pedro poderia manter uma melhor regularidade, a semana promete iniciar com as torneiras do Céu abertas. Quem acreditou e cortou a terra na esperança de colher uma colheitazinha, está rindo a toa, pois as plantinhas estão vingando. O povo do mar também anda animado e as jangadas tem chegado ao porto com os cestos carregados, porém, os alísios começaram a acelerar o passo. Para quem não está familiarizado com os gráficos dos centros meteorológicos, como o do CPTEC/INPE colado aí em cima, as manchas azuis anunciam chuva, as amarelas mais chuva ainda e o vermelho é para sair de baixo.

Tempo instável no centro-norte do Brasil
A segunda-feira (24/04) será de pancadas de chuva a qualquer momento em grande parte da Região Norte assim como em pontos do norte de MT e de GO, noroeste de MG e grande parte do MA. Em alguns pontos desta faixa a precipitação poderá ser intensa e vir acompanhada de descargas elétricas. Na faixa litorânea entre o MA e PE o dia também será de nebulosidade e pancadas de chuva a qualquer momento que poderão gerar acumulados significativos de precipitação em alguns municípios. Entre o leste de MG, no ES e no sul da BA o dia será chuvoso e a persistência da precipitação poderá gerar acumulados expressivos ao final do dia. Entre a tarde e a noite voltarão a ocorrer pancadas de chuva no oeste e sul do RS.
Obs: Texto referente ao dia 23/04/2017-17h05 – Cptec/Inpe

De olho no tempo

mapservHoje, 13/04, véspera de Sexta-Feira Santa, em que o catolicismo celebra a morte e ressurreição de Cristo, boa parte do Nordeste brasileiro festeja as chuvas que caem na terra castigada por longos e dolorosos cinco anos de estiagem. A imagem do satélite do INPE/CPTEC anuncia em manchas azul e amarelo os locais chovidos e por chover durante o final de semana santificado, todos eles no Norte, Nordeste e uns pingos pelas fronteiras do Centro-Oeste. O bom seria que as chuvas de São Pedro lavassem para sempre a lama mal cheirosa que invade os palácios, levando todos os sujões pelas corredeiras dos esgotos, mas nem tudo é como a gente quer, e precisamos sim pagar por nossos pecados, pois penitência é penitência. Em conversa com Seu Neném, homem do campo e do mar, mais do mar do que do campo, ele afirma que ainda vem muito inverno por aí e o milho de São José ainda nem foi colhido. Pois é, o homem do campo é forjado na fé e temperado de esperança. Quer saber o que dizem os homens do CPTEC/INPE? Pois bem:

Pancadas de chuva em parte do país
Nesta sexta-feira (14/04), será com muitas nuvens e pancadas de chuva isoladas, podendo ser localmente fortes, em grande parte da Região Norte, centro-sul do MA e do CE, grande parte do PI, oeste da PB, Sertão de PE, extremo nordeste do CE, norte e leste do RN ao leste de SE. À tarde, as pancadas de chuva isoladas ocorrerão entre áreas do norte da Região Nordeste, demais áreas do RN, PB, PE, AL, SE, norte da BA, sul de TO, norte e leste de GO, DF. Entre o leste do AP, norte da Região Nordeste e leste do RN ao leste do SE o dia será com condições para acumulados de chuva significativos pontuais. Do Litoral Norte de SP, litoral do RJ e litoral sul do ES o dia será com chuvas isoladas.

Cartas de Enxu 12

2 Fevereiro (165)

Enxu Queimado, 25 de março de 2017

Sabe meu caro Woden, não o conheço pessoalmente, mas admiro seu trabalho, sua resistência jornalística e leio assiduamente a Coluna do WM nas páginas do jornal papa jerimum Tribuna do Norte, sei que isso não me credencia a sua amizade, porém, me sinto seu amigo pela via do seu filho, Woden Junior, parceiro “derna” dos bons tempos de uma Natal apaixonante e que deixou saudades em quem a viveu. Como dizia o personagem Lilico, o “Homem do Bumbo”, do programa A praça é Nossa: “Tempo bom, não volta mais, saudade… de outros tempos iguais! ”. Depois dessa breve e simplória apresentação, sigo em frente no rastro da chuva que acompanho de minha cabaninha de praia.

O texto de sua coluna do dia 24 de março, depois de discorrer sobre os meandros e segredos do tempo, coisa que os meteorologistas andam mais perdidos do que cego em tiroteio, você fechou o firo com a frase “O Nordeste é mesmo uma Academia”. Pois digo que é mesmo e os estudiosos do clima precisam tirar um tiquinho a atenção dos satélites e computadores para dar um passeio pelas Academias das feiras livres e bancos de praça do interior, pois é ali que se passam as verdades verdadeiras e as esperanças tomam ciência do sim ou do não. E tem mais, esse negócio de “normal” e “abaixo da média” e palavreado de arrodeio.

Seu Woden, não sou do campo, gosto mesmo é das diabruras do mar, pois é nos verdes campos de Netuno e Iemanjá que a vida conta léguas para tirar a prova dos nove daqueles que dizem saber das coisas das navegações. Já vi muito valente acabrunhado diante de uns torinhos de mar, mas também já vi muitos grumetes de alma lavada, pois na lei dos oceanos o que vale mais é o reconhecimento do medo e a vontade do constante aprendizado. Porém, digo que no terreiro dessa cabaninha de praia, que vim ficar debaixo depois que desembarquei do Avoante, me arvorei a espalhar umas sementinhas pelo chão e não me canso de procurar nuvens de chuva nos quadrantes do céu. O feijão já tá bota, não bota. O milho, que plantei um dia desse, já apontou, o inhame está bonito que só vendo e as fruteiras estão faceiras e botando safra. Para quem até uns dias passados estava balançando num veleirinho no meio do mar, até que estou indo bem.

Fico vendo suas notícias de volume de chuva pelo Rio Grande do Norte afora e fico imaginando onde danado você consegue esses números tão milimétricos. Por aqui, nessa Enxu Queimado de uma pequena Pedra Grande, essas informações estão mais raras do que onça brava. E por falar em onça, de vez em quando algumas davam as caras por aqui, mas depois que os parques de energia dos ventos tomaram conta da caatinga, passando o trator em tudo que é pé de jurema, os bichanos se escafederam. Jornalista, se fosse só na mata nativa do sertão estava até bom, mas o trator passou raspando tudo que é duna e daqui uns dias vamos saber apenas que existiu umas tais areias andantes que engoliam cidades.

Mas voltando a frase que fechou sua coluna do dia 24 de março, comentei com Lucia, a dona do meu ser, e como ela pergunta tudo ao pé da letra, tratou logo de interrogar: – Academia de que? Respondi que era Academia de ensino e que seu artigo falava dos erros e acertos dos homens que estudam o tempo. Ela deu um gole no café e disparou: – Eles erram porque não se apegam nos ventos, se prestassem atenção no que dizem os ventos não errariam tanto. Eu ainda quis argumentar falando nos “meninos” dos Andes, mas fiquei quieto. Em nosso tempo de vida a bordo eu nunca acertei uma quando o assunto era se iria chover ou não. Quando eu dizia que vinha chuva, Lucia botava a cabeça fora da gaiuta, olhava para o poente e sentenciava: – Vem não! Aí eu dizia: – Mas amor, o vento está vindo de lá e vem trazendo muitas nuvens escuras. – Mas não vai e pode tratar de terminar o serviço que começou ontem, viu! Pronto, acabava o assunto e a chuva.

Meu caro jornalista Woden Madruga, não sei onde fica Queimada de Baixo, recantinho de terra que você tem tanto carinho e que acolhe uns rebanhos de bodes manhosos, mas um dia vou dar um passeio por lá. Agora, se quiser comer umas postas de bicuda gorda e uns galos do alto mimosos, apareça em Enxu Queimado que garanto que Dona Lucia prepara um pirão de fazer pareia com o da Comadre. Minha casa é fácil de achar, basta chegar e perguntar, porém, se ninguém souber é porque você não está em Enxu.

Eita que já ia esquecendo de assuntar que o tempo hoje, 25 de março, sábado de quaresma, foi de Sol forte e poucas nuvens, porém, o chão está bem chovido. Anote no seu caderninho da chuva, viu!

Nelson Mattos Filho