Arquivo da tag: veleiro à deriva

Tripulação resgatada do veleiro Toumai já chegou ao Uruguai

O velejador baiano Haroldo Quadros, cabra bom da peste, enviou mensagem dando notícias dos tripulantes, dois adultos e duas crianças, do veleiro Toumai, encontrado a deriva a 500 milhas da costa do Rio Grande do Norte. O veleiro foi rebocado por um barco atuneiro até o porto do município salineiro de Areia Branca/RN. O navio Noni, que resgatou a família, já chegou ao Uruguai. O texto está em espanhol.

El granelero participante Amver rescató a 4 personas de un velero en problemas a unas 500 millas de la costa de Brasil el domingo 22 de enero de 2017. Se trata de una familia francesa integrada por dos adultos y dos menores.
La tripulación del Noni escuchó una emisión de radio mayday y notificó al personal de rescate en Brasil y al  centro de Amver. Según el informe desde el Noni, un velero reportaba una falla y el buque  se estaba inundando. La tripulación del Noni estaba a sólo dos millas de distancia y cambió de rumbo para prestar asistencia al velero discapacitado.
Dos horas después de recibir la llamada de socorro, la tripulación de la nave con bandera de Marshall Island estaba a salvo junto al velero y alzaba a los cuatro supervivientes a bordo del buque. Los integrantes del velero llegaron a estar dos días sin motor a la deriva en el Océano Atlántico.
Los supervivientes no estaban lesionados y habían estado en un viaje desde Dakar, Senegal a Brasil cuando reportaron un fallo de motor y agua entrando en el barco. Los supervivientes llegan ayer 31 de enero al puerto de Nueva Palmira.
La llegada de los cuatro náufragos a Nueva Palmira se da porque era el primer puerto que tenía previsto arribar el buque. Hoy tocaban tierra, fuentes consultadas informaron a Carmelo Portal que los mismos tienen pasaporte y van a ingresar al país como pasajeros. Desde ayer intentamos comunicarnos con la Embajada de Francia en Montevideo, pero nadie devolvió la llamada

Anúncios

E o Timshel ainda está lá

IMG_0242

O veleiro Timshel continua a deriva entre a costa Sul da Bahia e Norte do Espírito Santo, numa situação que mostra o grau de ineficiência dos meios operativos da Marinha do Brasil para salvaguardar os que estão em dificuldade no mar. A coisa começa a descambar para uma grandiosa irresponsabilidade do salve-se quem puder. O Timshel está sem leme em um mar que não promete boa coisa e a Capitania dos Portos do Espirito Santo sabe disso perfeitamente, mas até o momento nenhum barco da Marinha do Brasil levantou âncora para iniciar os procedimentos de resgate. Estão tateando num vazio em busca de algum barco pesqueiro que esteja na área de deriva do Timshel, mas até mesmo para os homens da pesca a coisa está feia. O que a Marinha do Brasil está esperando? É muito confortável receber um pedido de socorro pelo rádio, tentar alguns contatos, achar que fez a coisa certa  e depois colocar cabeça no travesseiro para dormir o sono dos justos. Sempre disse aqui que somente sabe o que é o mar quem vai lá. Não adianta ter um monte de teorias na cabeça e ficar dando palpites. Somente quem está a milhas e milhas de distância da costa, com um barco avariado e vendo as condições meteorológicas mudarem sabe o que é esperar por um socorro que nunca chega. A Marinha do Brasil precisa acordar e se movimentar ainda com os olhos fechados. O Timshel ainda está lá, depois de uma noite sem direção e sendo jogado para todos os lados pelas ondas, ventos e correntes marinhas. A Vitória Rádio anuncia a cada trinta minutos a situação e continua fazendo a ponte entre o Timshel e o comandante Chagas lá em Aracaju/SE. Até a moça que faz as chamadas da Vitória Rádio acha que a coisa está passando dos limites aceitáveis para um socorro. O comandante Chagas se movimenta para todos os lados, entrando em contato com colônias de pescadores e até com uma empresa de resgate que se comprometeu a fazer o serviço, mas por um preço tão absurdo de caro que quando o comandante Ronaldo soube pediu a morte. Continua valendo aquele velho ditado: “quem vai ao mar avia-se em terra” Pelo visto os homens da Marinha estão contando com isso mais do que nunca. Comandante Ronaldinho e tripulação, receba mais uma vez todo nosso carinho e torcida por melhores dias. Queiram desculpar as palavras ásperas, mas estava precisando muito desse desabafo.

Notícias do veleiro Timshel

2 fevereiro (42)

Essa não é uma notícias tão boa, mas com certeza vai ter um final feliz. O nosso companheiro de velejadas em flotilha o grande comandante e mestre dos mares Ronaldinho Gaúcho, conhecido também como Jack Sparrow, está a deriva a pouco mais de 100 milhas náuticas de Vitória/ES. O Timshel perdeu o leme na manhã de hoje, 11/03, quando velejava de Abrolhos para Vitória,  segundo anunciou por telefone o comandante Chagas, do veleiro Intuição, que está movimentando todos os seres do mar e todos os barcos que navegam na área do acidente para ajudar o comandante Ronaldo. Essa é a segunda vez que o Timshel perde o leme em menos de 4 meses. A primeira foi na velejada Fernando de Noronha/Natal, quando voltava da Refeno 2012, e também a 100 milhas de terra. Ronaldo conseguiu contato com o comandante Chagas através do VHF numa ponte com a rede de rádio da Anatel. Nesse momento, Segunda-Feira – 11/03 – 18:00 horas, a situação é a seguinte:  Um pesqueiro que está a 40 milhas da última posição do Timshel foi contatado e já segue para tentar o resgate. O Timshel velejou junto com a gente até próximo a Abrolhos, como não iriamos ao Arquipélago ele seguiu sozinho com 4 tripulantes a bordo e nós tomamos o rumo de Vitória/ES. A Capitania dos Portos do Espírito Santo desde que foi informada tomou todas as providências para o resgate, mas esse capitulo merece uma boa reflexão e que em breve falarei aqui. Comandante Ronaldinho e tripulação, estamos com os braços abertos para dar-lhes um grande abraço quando chegarem em águas mais tranquilas. Se você quiser saber onde está o Timshel nesse exato momento click AQUI.

Pescadores do Pará encontram veleiro à deriva

Esse post eu pesquei do blog popa.com.br

No fim da manhã de segunda-feira, pescadores encontraram um veleiro à deriva próximo à Ilha do Machadinho, no norte do arquipélago do Marajó, no Pará . A embarcação está identificada com o número 797 e traz a marca “Toll” (empresa de logística australiana). Aparentemente, trata-se de um veleiro de competição, patrocinado pela Toll.
A embarcação foi encontrada vazia, sem nenhum equipamento, e foi rebocada pelos pescadores até um porto em São Caetano de Odivelas.
O aparecimento do veleiro já foi comunicado à Capitania dos Portos, que afirmou, através da assessoria de imprensa, que foi aberto um inquérito administrativo para apurar a situação. O resultado do inquérito deve sair em 90 dias.

VELEIRO À DERIVA NO RS

Um veleiro que participa do Cruzeiro da Amizade esta à deriva na costa do Rio Grande do Sul, mais precisamente 40 milhas do Farol de Albardão. O veleiro Baby Sac, de bandeira Argentina e com um casal de argentinos a bordo, perdeu o leme quando fazia a aproximação da costa, mas a situação a bordo até o momento e de controle e nenhum tripulante necessita de cuidados. A Marinha do Brasil já enviou um navio ao local para resgatar os tripulantes, mas de acordo com os organizadores do Cruzeiro da Amizade o veleiro deve ser rebocado, o que seria a situação mais lógica e a embarcação não oferece risco de afundar. O Cruzeiro da Amizade é organizado pelo Club de Veleros San Isidro, de Buenos Aires, e tem como objetivo chegar ao Rio de Janeiro. Esse ano são 30 barcos participantes e deste total uma boa flotilha ira se juntar ao Cruzeiro Costa Leste, que sai do Rio de Janeiro em direção ao Recife. Na edição anterior do Cruzeiro da Amizade um veleiro foi abandonado no oceano depois de uma forte tempestade e sua tripulação foi resgatada por um navio.