Arquivo da tag: titanic

Titanic, uma história sem final

1200px-RMS_Titanic_3O colosso, o maioral, o festejado, o desejado, o fenomenal, o cinematográfico, aquele que nem Deus afundaria, o fundo do mar, a tragédia, o silêncio, a escuridão total, a história, o mito, a lenda. São muitas a palavras que podemos definir o Titanic, mas duvido que depois de tantos anos do acidente que marcou o mundo, alguém possa afirmar com todos os pingos nos is, o que realmente aconteceu naquela fatídica noite gelada no mar do norte. Remontar a história dessa lenda que repousa a mais de 3 mil metros de profundida passou a ser o objetivo e o desejo de várias gerações de estudiosos e será para o sempre, pois é assim com os grande enigmas mitológicos. Pois bem, agora os cientistas afirmam que o que ainda resta do centenário transatlântico de casco negro está preste a se dissolver pela ação de uma bactéria, já batizada de Halomonas titanicae, em homenagem ao navio. Dizem que essa bactéria consegue sobreviver em condições onde praticamente não existe nenhum outro tipo de vida, como é o caso da profundidade oceânica em que se encontra o naufrágio, com forte pressão e completamente escura. Será que nem o mar quer ficar com o Titanic? Essa será mais uma página a ser acrescentada a uma lenda histórica que nunca terá um fim. Fonte: G1 ciência e saúde        

Anúncios

E o Titanic II hem?

titanic-rc3a9plica-e1480601074608

O mundo das vontades é extenso, porém, dizem que vontade é bom porque dá e passa. Em 2015 um bilionário australiano pensou em construir uma réplica em tamanhos naturais do Titanic, o fatídico transatlântico que naufragou em sua viagem inaugural. Pela vontade do empresário, em 2016 o navio já deveria estar navegando e foi até anunciado uma lista de mais de 50 mil pessoas interessadas em fazer parte da viagem inaugural da réplica, fato postado aqui em 01 de agosto de 2015 com o título Vem aí o Titanic II. Hoje vejo no site Veja.com que o navio ainda está na fase final do projeto que será tocado por um estaleiro chinês. Mas alguma coisa deve ter saído fora do plano inicial de fazer a réplica navegar, pois, segundo consta na reportagem, o Titanic II servirá apenas para atrativo turístico e por isso ficará permanentemente atracado em um reservatório na cidade de Daying, fazendo parte de um resort. -Sei não, viu, mas dinheiro é um bichinho que dá vontade.

Vem ai o Titanic II

TitanicII

Acho que ninguém que vive ou viveu no mundo até hoje desconhece a história do Titanic, principalmente depois que os atores Leonardo DiCaprio e Kate Winslet engataram uma paixão avassaladora e fizeram fita com os braços abertos tendo como cenário a proa cinematográfica do velho navio. Mesmo quem não assistiu o filme, com certeza, em algum momento, escutou a música my heart will go on, de James Hornes, na voz de Celine Dion. O filme foi um marco para história do cinema. A música e a letra, uma lindeza sem tamanho e é tema na vida de muita gente boa. A história do gigante dos mares deverá ser revivida muito em breve e vamos cruzar os dedos para que dessa vez ela tenha um belo e maravilhoso final feliz. O bilionário australiano Clive Palmer resolveu dar vida ao sonho e investiu uns trocados para construir, na China, uma réplica – não muito perfeita, porque a perfeição naufragou no oceano gelado em 1912 – do gigante preto e branco. O Titanic II deverá sair do estaleiro em 2016, com os mesmos 269 metros de comprimento, mas, dessa vez, bem mais largo. O original tinha 28 metros de boca e a cópia terá 45 metros, com o intuito de melhorar a estabilidade. O interior promete seguir o mesmo desenho, com as divisões de classes, piscinas, banho turco e café parisiense. A rota será a mesma Southampton/Nova York . Os equipamentos de segurança serão reforçados e os botes de salvatagem atenderam a todos os 3.335 passageiros e tripulantes. Na trágica versão original, que foi vendida para o mundo como “inafundável”, os botes atendiam apenas 36% dos passageiros. A segurança do comando será incrementada com os mais modernos equipamentos e seguirá as normas atuais de navegação, muitas delas vieram ao mundo em consequência da tragédia de 1912. As notícias sobre o Titanic II dão conta que 50 mil interessados fazem fila para reviver a história, mas apenas 2.400 terão a alegria, ou tristeza, de contar como foi. Fonte: revista náutica. 

Jornal Almanáutica e o Diário do Avoante

image image

A edição número 15 do Jornal Almanáutica já está a disposição gratuitamente nos clubes e marinas Brasil afora, com notícias e matérias sobre tudo o que vem acontecendo no mundo náutico. Tem reportagem sobre o desafio da Volvo Ocean Race, curiosidades como o cardápio servido a bordo do Titanic momentos antes do choque com o iceberg e muito mais. Quem desejar pode acessar a versão online através do blog Almanáutica. Para nossa surpresa e alegria na seção Biblioteca de Bordo, assinada pela Moana livros, a indicação dessa vez é para o livro Diário do Avoante, que pode ser adquirido também através do site da Moana

 

Capitão do Titanic foi reprovado no exame de biriteiro

captain-edward-john-smith-commander-of-the-titanic Parece que não foi somente o capitão Schettino, aquele do Costa Concordia, que teve suas qualidades posta a prova de dúvidas. Agora descobriu-se que o comandante do Titanic, Edward John Smith, falhou em seu teste de navegação para retirar a carteira de comandante. Arquivos divulgados recentemente de mais de 250 mil comandantes antigos, mostram que o comandante Edward foi reprovado na prova de biriteiro, antigamente os candidatos passavam por exames para testar a eficiência náutica enquanto estivessem sob efeito de álcool, mas acabou conseguindo a pretendida carteira no exame final. Também, com essa cara de papudinho, vai ver que ele estava próximo daquele iceberg apenas para pegar umas pedrinhas de gelo! Essa notícia eu fui pescar lá no site, pra lá de antenado, do Tangata Manu.

A Lua e o Titanic

Falar no super transatlântico Titanic e o mesmo que cascaviar teorias por todos os lados. E quando se navega na net a montanha de páginas dando como certeza a teoria defendida é infindável. A cada dia aparece um pesquisador querendo tomar um drink com o gelo do iceberg destruidor. Dessa vez foram dois físicos de uma universidade do Texas que viram na Lua toda a causa da tragédia. Logo na Lua? Mas até que a teoria deles tem algum fundamento. Agora vamos esperar as próximas cenas desse filme que já dura 100 anos. Para tirar essa história a limpo fui até o site popa.com.br e, sem pedir permissão ao Danilo, copiei tudo.

O navio colidiu com um enorme iceberg
Um fenómeno astronómico muito raro ocorreu três meses antes da catástrofe de abril de 1912, largando uma maré de primavera que arrastou icebergs demasiado a sul.
O naufrágio do Titanic, a 14 de abril de 1912 (dentro de cinco semanas, completam-se 100 anos) foi um dos acontecimentos mais importantes do seu tempo, evocado na literatura, cinema e cultura popular. Na catástrofe morreram 1500 pessoas. O episódio tem sido estudado sob diversos ângulos, mas agora surgiu uma nova teoria que poderá ajudar a explicar a razão de haver tantos icebergs na zona por onde navegava o transatlântico.
A Lua teve um papel crucial na sequência de acasos que produziu a tragédia. Aparentemente, o navio estava condenado devido ao que aconteceu três meses antes, a 4 de janeiro.
Dois físicos da Universidade do Texas, Donald Olson e Russell Doescher, publicaram um estudo na revista Sky & Telescope onde explicam que a 4 de janeiro de 1912 ocorreu um fenómeno astronómico extremamente raro, com a Lua na posição mais próxima da Terra em 1400 anos, circunstância acrescida de um alinhamento do Sol e da Lua, algo que acontece uma vez na vida de um humano. Como se não bastasse este conjunto espantoso, no dia anterior a Terra estava no periélio, ou seja, na menor distância anual do Sol.
Segundo a teoria, tudo isto resultou em forças gravitacionais invulgares, capazes de produzirem marés de primavera que colocaram um número elevado de icebergs na rota do Titanic. Sabia-se dos efeitos dessa anormal proliferação de montanhas de gelo flutuantes excessivamente a sul, na primavera de 1912, mas até agora não tinha sido adiantada uma explicação credível. O fenómeno atingiu tal dimensão que as rotas marítimas foram desviadas para sul.
Os cientistas que formularam esta explicação mantêm algumas cautelas e sublinham que não é possível calcular onde estava, a 4 de janeiro, o iceberg que provocou a tragédia de 14 de abril. Mas os sobreviventes e testemunhas do acidente são unânimes: havia muitos icebergs na zona do naufrágio, numa latitude onde isso não era normal.