Arquivo da tag: sobremesa

Dos deuses

Dezembro (184)

O manjar é dos deuses, mas com essa calda de pitanga ficou demais da conta. Lucia adora fazer experiências com sabores e quando bateu o olho na produção da pitangueira do nosso quintal, ficou a matutar e pediu a Tia Cecília a receita do manjar, que ela faz como ninguém, e o resultado esta aí nessa imagem. – Se ficou bom? – Vixi! 

Cartola

Fotor_14688941958707

A culinária nordestina tem pareia não, e nem adianta o sujeito vir com trique trique afrancesado que ele perde de capote. Vez sim, vez não apareço aqui com uns quitutes para alegrar a pança do leitor e espalhar no ar a maravilhosa e eficiente dieta da engorda. Hoje, depois de cascaviar uns retratos de outrora, enchi a boca de água quando vi essa Cartola de lascar o cano e para quem não sabe do que se trata vou tentar explicar. A Cartola é uma sobremesa sem igual e o povo do frevo e do maracatu registraram como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado de Pernambuco, conforme Lei 13.751, de abril de 2009. Quem inventou não se sabe, mas os pesquisadores culinários apostam que a iguaria surgiu nas cozinhas das casas-grandes dos engenhos e é resultado da feliz miscigenação dos povos portugueses, indígenas e africanos que deram o tempero especial para a fantástica mistura que é o povo brasileiro. E quem deu o nome? Boa pergunta! Mas os seres homo-pesquizeitions apostam que foi devido ao formato alto das camadas sobrepostas e da cor escura do polvilhado que cobre a sobremesa. Agora vamos a melhor parte, que é aquela que você está doidinho para perguntar. Os ingredientes são: Banana prata madura; queijo de manteiga; leite; açúcar; Nescau; canela em pó e manteiga da terra.  Para fazer um prato para duas pessoas, porque se for mais gente não dá, pois vai um ficar olhando de cara feia para o outro, a receita de Lucia é assim:

RECEITA

3 Bananas prata maduras e cortadas no comprido e ao meio;

300 gr de Queijo de manteiga;

1/2 xícara de leite;

1/2 xícara de açúcar;

1/2 xícara de Nescau;

1 colher de canela em pó;

3 colheres de sopa de manteiga da terra.

COMO FAZER:

Misture o açúcar, canela, Nescau e reserve. Em uma frigideira coloque a manteiga da terra e frita as bananas dos dois lados, até dourar, e coloque no prato. Na mesma frigideira coloque o leite e acrescente o queijo para derreter. Ponha o queijo derretido sobre as bananas e polvilhe com a mistura de açúcar, canela e Nescau. Sirva quente e se prepare para lamber o prato.

Seu menino, isso é bom demais!!!!

  

Nas estradas da vida e da gastronomia

20151017_085842

Nem só de mar vive um velejador de cruzeiro, muitas vezes queremos desenfastiar do sal que impregna a alma e botamos o pé na estrada, ou melhor, embarcamos no Avoante rodoviário, um Uno Fire, presente de Mãe – quando Mãe quer é assim – e saímos por aí. Nesse último final de semana deixamos o Avoante muito bem guardado no fundeadouro nota mil do Aratu Iate Clube e fomos escutar a pulsação dos tambores do maracatu e dos metais do frevo pernambucano. Essa viagem que deu muitos panos pras mangas vai render boas histórias por aqui, mas essa postagem é apenas para deixar muita gente com água na boca e falar do cardápio do almoço dessa segunda-feira preguiçosa de outubro, em que estamos sendo recepcionados na casa dos amigos Daniel e Ângela Cheloni, alagoanos de coração e proprietários do Del Popollo, o melhor restaurante de Maceió. Porém, não foi do cardápio do Del Popollo que saiu nosso almoço, e sim das magias gastronômicas de Lucia.

20151019_14283720151019_144840

O menu foi uma mistura de sabores oriundos das cozinhas brasileira e britânica, alias, brasileira da Ilha de Campinho, Baía de Camamu/BA. Moqueca de Fruta-Pão com sobremesa de Crumble de Frutas com sorvete de creme. A moqueca Lucia apreendeu com a saudosa Onília Ventura, uma das pilastras do Campinho, que segundo ela mesmo, foi namorada do Saint-Exupéry quando esse aterrissou seu avião nos redutos da ilha há muitos anos. Essa história é bem conhecida em Camamu e a casa onde o aviador/escritor usou como base de apoio, até hoje faz parte da história e está plenamente preservada. Pois é, por enquanto é só e desculpe por deixá-los com água na boca. Sabe o que mais: Essa moqueca raramente você terá a oportunidade de degustar produzida por outra pessoa, a não ser por Lucia.