Arquivo da tag: poluição

Chegamos ao fundo do poço

ciencia-lixo-no-oceano-20160423-003Cientistas britânicos divulgam resultados de pesquisas feitas nas fossas abissais das Marianas e de Kermadec, que tem mais de 10 quilômetros de profundidade, no Oceano Pacífico, que confirmam que a poluição causada por nós humanos, senhores do caos e da razão, chegou aos profundezas e em altos níveis de poluentes orgânicos persistentes, conhecidos como POPs. Segundo os estudos, o grau de poluentes encontrados nas fossas do Pacífico é 50 vezes maior do que os encontrados no rio Liaohe, um dos mais poluídos da China. Desse mal não escapam nem os crustáceos que vivem nas fossas Mariana e Kermadec, porque o grau de contaminação se iguala aos que vivem nas áreas mais poluídas do mar do Japão. Porém, os homens das ciências dizem que achar os POPs nas profundezas oceânicas não foi surpresa. A surpresa foi a alta contaminação da fauna. A latinha inocente da imagem acima foi encontrada em 2016 a mais de 4.900 metros de profundidade, na borda da fossa Mariana. Aonde vamos parar eu não sei, mas que um dia a bomba vai explodir, isso vai. Será dia 16/02? Fonte: Veja ciência 

Anúncios

Um mar no lixão

imagens-do-dia-mundo-paquistao-bote-meninos-material-reciclavel-20160817-01

Para quem acha que as nossas praias e baías são poluídas, essa imagem publicada no site da revista Veja, seção imagens do dia, é um alento para massagear a autoestima. Porém, nossos erros não se justificam com erros alheios.  A imagem é do porto de Karachi, no Paquistão, onde crianças, a bordo de um bote, recolhem materiais recicláveis.  

O rastro

IMG_20160725_152000

“O homem deixa o rastro de sua passagem”

Coisas que não entendo

PONTA NEGRA (3)

Confesso que tem coisas que custo a entender, mas tem outras que por mais que eu tente, o entendimento dá a bexiga e não chega. Lendo uma matéria sobre poluição nas praias e rios do Rio Grande do Norte, um estado que se declara um dos paraísos turísticos do Brasil, fiquei matutando com meus botões: O que danado quer dizer a frase “um trecho de mar”? A frase em questão se refere a praia de Ponta Negra, um dos mais belos cartões postais da capital potiguar, que segundo levantamentos feito pelo Instituto Federal do Rio Grande do Norte, IFRN, através do programa Água Azul, o trecho que eu nunca ouvir falar, mas que dizem ser conhecido como Free Willy – e não me perguntem o porque desse nome estrambólico – está impróprio para o banho de mar. A foz do rio Pirangi, outro cartão postal potiguar, e as águas do rio Potengi em frente a praia da Redinha, embaixo da Ponte de Todos os retratos e egos politiqueiros, também sofrem do mesmo mal, ou melhor, estão mais para fossas do que para praias. O que está queimando meu juízo – se é que tenho algum – é a frase “um trecho de mar”. Como danado os estudos chegam a um nível de certeza de que apenas um trecho está infestado de esgoto e outro a poucos metros, mais para trás ou mais para frente, não está? A Praia de Ponta Negra é uma baía e por assim ser, as correntes marinhas sofrem alteração de fluxo e refluxo a depender dos ventos e marés. Pelo menos eu na minha santa ignorância acho que seja assim. Basta caminhar nas areias da praia para ver línguas negras despejando dejetos no mar, mas isso só quem vê e o pobre mortal banhista, porque se for perguntar a alguma “autoridade” a resposta é a mesma de sempre: Vamos averiguar, fazer um estudo técnico, elaborar um planejamento, tentar enquadrar quem está causando o problema, mas sabemos que é muito difícil, porque ninguém quer se expor para denunciar. Bem, quanto ao Rio Potengi há muito sofre com o esgoto da cidade e acho até que ele nem liga mais para uma merdinha a mais ou a menos e no Rio Pirangi a pisadinha é a mesma. Aliás, o Rio Pirangi só vai aparecer nos noticiários no período de verão e enquanto isso o esgoto fica em banho maria. Alguém haverá de dizer: – Homem deixe de leseira e tome ciência, pois se nos mares olímpicos do Cristo Redentor o esgoto está no meio da canela, imagine no Rio Grande do Norte que num vai ter nem disputa de cuspe a distância!

Copa Brasil de Vela e a poluição

iatismo_baia

A poluição da Baía da Guanabara continua atormentando e tirando do sério velejadores e principalmente os competidores da Copa Brasil de Vela, que é uma prévia do que vem por ai nas Olimpíadas do Rio 2016. Mas, como esse é um problema em que o horizonte da solução ainda não se consegue avistar, e os homens de gravata não estão nem ai, só nos resta mesmo o rumo da reclamação e muitas vezes temos que ouvir alguém defender que poluição existe em todo lugar. É verdade! A Copa Brasil de Vela segue até o próximo Sábado, 20/12, e, deixando a sujeira de lado, os competidores são unanimes em elogiar o nível da competição que reúne os melhores velejadores do mundo. A imagem acima é do velejador Nick Dempsey, bicampeão mundial e medalha de prata em Londres 2015 na classe RS:X.