Arquivo da tag: peixes

Cartas de Enxu 17

1 Janeiro (59)

Enxu Queimado/RN, 05 de junho de 2017

Sabe meu amigo Hugo, como seria bom se o cotidiano da vida fosse regido pelos alísios que fazem bailar as palhas dos coqueirais de uma beira de praia. Talvez todo esse desajustamento que rege atualmente a humanidade, não tivesse vez para criar raízes tão desumanas e cruéis. Aonde chegaremos eu não sei, e duvido muito que algum sociólogo de plantão tenha as respostas, mas que estamos navegando em meio a um terrível maremoto, isso eu sei. No silêncio da varanda de minha palhocinha fico imaginando o porquê de tanta maldade e de tantos discursos abonativos com os possuídos de ideias e ideais desencaminhadores. Mas calma aí, quem danado sou eu para julgar ideias e ideais de alguém, né não? Aprendi navegando sobre as ondas do mar que não se julga sonhos de ninguém a não ser que se queira tolher a esperança, a liberdade e a felicidade do outro. Como é gostoso sonhar, ainda mais quando o sonho nos leva a boas novas. Eu sonho com um mundo onde a paz, a união, o amor e o entendimento entre os povos não seja apenas palavras de conforto para a alma, mas sim o alicerce que norteará futuras gerações.

Meu amigo, desculpe por abrir essa carta com tão carregada de aflição, mas tudo são frutos desse mar de lama e incerteza que nos chega através de um jornalismo que a cada dia está mais focado nos assuntos do terrorismo fácil. Certa vez, em conversa com um blogueiro, perguntei o motivo de tantas postagens com gosto de sangue em seu blog e ele respondeu, o que para ele é obvio: “- Nelson, é o que dá ibope! ”. Rapaz, até parece que o jornalismo esqueceu o jornalismo, e o pior, muitos jornalistas ficam tiririca com os blogueiros, acusando-os de não serem profissionais do ramo. Ora, se eles que são não agem como fossem, imagina quem não é e a age como sendo!

Sabe Hugo, juro que essa carta não se destina a reclamar da vida, mas sim para mandar notícias desse lugarzinho em que vivo, porém, é difícil não enveredar pelas bandas das reclamações, pois parece que os homens das coisas públicas não fazem outra coisa senão chafurdar com o bom andamento do cotidiano da gente. Pois num é que estamos – momento em escrevo estas linhas – há mais de 22 horas sem energia! Rapaz, dizem por aí, mas eu ainda não vi os escritos para falar com certeza, que a falta de energia não pode durar mais de 2 horas sob pena da concessionária de energia pagar umas multinhas pelo desserviço. O problema aqui foi a irresponsabilidade de um motorista que meteu o pé mais fundo do que devia, numa estrada piçarrada, e se danou em cima de um poste, partindo a estrutura em três pedaços. Ei, a turma por aqui conta isso dando risadas, como se o feito fosse uma glória para a irresponsabilidade. Pois seu menino, dizem que o motorista saiu ileso, mas deixou para trás, ou seria para frente?, uma noite, uma madrugada e já vamos caminhando para mais da metade do dia sem nem sinal de energia, sem funcionar as escolas, posto de saúde e comércio. Sabe o que mais me invoca? A moça do telemarketing da companhia energética não cansa, e não se manca, de afirmar que está sendo providenciado. Rapaz, para trocar um poste e remendar um fiozinho de nada! Eita nós, viu! O que não entra em minha cabeça é que estamos no meio de um dos maiores parques eólico do país, com uma infraestrutura fantástica de equipamentos de manutenção e montagem de torres e postes, apoiado por um enorme séquito de engenheiros e técnicos, e nada. Ponto para a incompetência! Pois é meu amigo, a vida por aqui é mansa, mas tem suas verdades.

Sim rapaz, dia primeiro de junho acabou o período do defeso da lagosta, foi aberta a temporada de pesca e já tem lagosta a bambam por aqui, pois o mar daqui é uma das boas fontes do crustáceo. Os pescadores apostam que a pesca vai ser boa, mas os donos dos ranchos – barracões que recebem o produto – não estão botando muita fé, mas não me pergunte o motivo, pois tenho visto barcos chegando bem carregados. Nesse fim de semana comi algumas lagostas e aprovei o sabor e o tamanho. Sou favorável ao período de defeso e isso está sendo provado pelo tamanho da lagosta pescada. Em anos recentes pegavam muita lagosta miúda, que inclusive é proibido, e o Ibama tinha um bocado de trabalho para botar ordem no terreiro. Hoje a coisa tem andado em brancas nuvens e por enquanto os dois lados, pescador e fiscalização, estão em paz.

Ei, Lucia está a cada dia mais esmerada nas saltenhas, aqueles salgadinhos deliciosos de origens boliviana e argentina. Ela aprendeu aprendido e agora bota banca de excelência no feitio do produto. Eu sou suspeito em afirmar, mas quem prova, aprova e pede mais. Tem de carne, frango, calabresa, bacalhau, ricota com espinafre e agora anunciou que vai fazer de lagosta. Vixi! Essa semana um amigo trouxe, para ela fazer um teste, uns quilos de ubarana que dizem ter a carne muito boa para fabricação de hamburguês e recheio de salgados. Acho que vem novidade por aí!

Pois meu amigo Hugo Vidal, velejador arretado de valente e conhecedor como ninguém das tardes baianas de Itapuã, por enquanto é isso, mas tem muita novidade por essa Enxu mais bela. Você precisa vir aqui para ver como é a vida de um praieiro e traga minha amiga Catarina, que prometo armar a melhor e mais bonita rede na varanda. Hoje o vento amanheceu soprador e vindo do quadrante Sul. A Lua está linda e crescente e o mar com uma cor esmeralda e convidativo.

Até mais!

Nelson Mattos Filho

Anúncios

Cartas de Enxu 12

2 Fevereiro (165)

Enxu Queimado, 25 de março de 2017

Sabe meu caro Woden, não o conheço pessoalmente, mas admiro seu trabalho, sua resistência jornalística e leio assiduamente a Coluna do WM nas páginas do jornal papa jerimum Tribuna do Norte, sei que isso não me credencia a sua amizade, porém, me sinto seu amigo pela via do seu filho, Woden Junior, parceiro “derna” dos bons tempos de uma Natal apaixonante e que deixou saudades em quem a viveu. Como dizia o personagem Lilico, o “Homem do Bumbo”, do programa A praça é Nossa: “Tempo bom, não volta mais, saudade… de outros tempos iguais! ”. Depois dessa breve e simplória apresentação, sigo em frente no rastro da chuva que acompanho de minha cabaninha de praia.

O texto de sua coluna do dia 24 de março, depois de discorrer sobre os meandros e segredos do tempo, coisa que os meteorologistas andam mais perdidos do que cego em tiroteio, você fechou o firo com a frase “O Nordeste é mesmo uma Academia”. Pois digo que é mesmo e os estudiosos do clima precisam tirar um tiquinho a atenção dos satélites e computadores para dar um passeio pelas Academias das feiras livres e bancos de praça do interior, pois é ali que se passam as verdades verdadeiras e as esperanças tomam ciência do sim ou do não. E tem mais, esse negócio de “normal” e “abaixo da média” e palavreado de arrodeio.

Seu Woden, não sou do campo, gosto mesmo é das diabruras do mar, pois é nos verdes campos de Netuno e Iemanjá que a vida conta léguas para tirar a prova dos nove daqueles que dizem saber das coisas das navegações. Já vi muito valente acabrunhado diante de uns torinhos de mar, mas também já vi muitos grumetes de alma lavada, pois na lei dos oceanos o que vale mais é o reconhecimento do medo e a vontade do constante aprendizado. Porém, digo que no terreiro dessa cabaninha de praia, que vim ficar debaixo depois que desembarquei do Avoante, me arvorei a espalhar umas sementinhas pelo chão e não me canso de procurar nuvens de chuva nos quadrantes do céu. O feijão já tá bota, não bota. O milho, que plantei um dia desse, já apontou, o inhame está bonito que só vendo e as fruteiras estão faceiras e botando safra. Para quem até uns dias passados estava balançando num veleirinho no meio do mar, até que estou indo bem.

Fico vendo suas notícias de volume de chuva pelo Rio Grande do Norte afora e fico imaginando onde danado você consegue esses números tão milimétricos. Por aqui, nessa Enxu Queimado de uma pequena Pedra Grande, essas informações estão mais raras do que onça brava. E por falar em onça, de vez em quando algumas davam as caras por aqui, mas depois que os parques de energia dos ventos tomaram conta da caatinga, passando o trator em tudo que é pé de jurema, os bichanos se escafederam. Jornalista, se fosse só na mata nativa do sertão estava até bom, mas o trator passou raspando tudo que é duna e daqui uns dias vamos saber apenas que existiu umas tais areias andantes que engoliam cidades.

Mas voltando a frase que fechou sua coluna do dia 24 de março, comentei com Lucia, a dona do meu ser, e como ela pergunta tudo ao pé da letra, tratou logo de interrogar: – Academia de que? Respondi que era Academia de ensino e que seu artigo falava dos erros e acertos dos homens que estudam o tempo. Ela deu um gole no café e disparou: – Eles erram porque não se apegam nos ventos, se prestassem atenção no que dizem os ventos não errariam tanto. Eu ainda quis argumentar falando nos “meninos” dos Andes, mas fiquei quieto. Em nosso tempo de vida a bordo eu nunca acertei uma quando o assunto era se iria chover ou não. Quando eu dizia que vinha chuva, Lucia botava a cabeça fora da gaiuta, olhava para o poente e sentenciava: – Vem não! Aí eu dizia: – Mas amor, o vento está vindo de lá e vem trazendo muitas nuvens escuras. – Mas não vai e pode tratar de terminar o serviço que começou ontem, viu! Pronto, acabava o assunto e a chuva.

Meu caro jornalista Woden Madruga, não sei onde fica Queimada de Baixo, recantinho de terra que você tem tanto carinho e que acolhe uns rebanhos de bodes manhosos, mas um dia vou dar um passeio por lá. Agora, se quiser comer umas postas de bicuda gorda e uns galos do alto mimosos, apareça em Enxu Queimado que garanto que Dona Lucia prepara um pirão de fazer pareia com o da Comadre. Minha casa é fácil de achar, basta chegar e perguntar, porém, se ninguém souber é porque você não está em Enxu.

Eita que já ia esquecendo de assuntar que o tempo hoje, 25 de março, sábado de quaresma, foi de Sol forte e poucas nuvens, porém, o chão está bem chovido. Anote no seu caderninho da chuva, viu!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 06

Agosto (12)

Enxu Queimado, 21 de Janeiro de 2017

Comandante Érico, como vai essa vida dividida entre as barras do Potengi e do Cunhaú? Por aqui a vidinha é levada ao sabor dos alísios e do balançar das palhas do coqueiral, que por sinal estão bem sofridos diante dessa seca que já vai entrando para história, de mala, cuia e tristeza. Da varanda assisto o tempo passar e ouço o eco surdo dos reclames do nosso povo que há muito deixou de espanto diante das desgraceiras desse mundo sem freio e sem dó. De vez em quando, mais de vez do que de quando, me abasteço de uma cervejinha abençoada ou de um whiskinho básico e vou sonhar com o mar. Como é gostoso sonhar com o mar! E por falar em mar: Como vai a Musa, das poesias e regalos velejáveis etílicos?

Sabe comandante, tenho sentido falta do mar, mas também não é para menos, pois essa danação chamada cidade está cada dia mais esquisita e indecifrável. A vontade é de definir essa zona com um longo palavrão, mas o que seria um PQP diante do caos? Nada né!

Não sei você, mas estou me escondendo das últimas notícias vindas das dunas de Pium, aliás, escondendo não seria a palavra certa, porque fica difícil sair na rua e não dar de cara com essa falta de pulso das ditas autoridades, pois em cada recantinho, embaixo de qualquer sombra de árvore, por trás de qualquer muro assombreado, no pé de balcão de qualquer bar de esquina, sempre tem alguém louco para anunciar a barbárie. Aliás, nesse mundo amalucado em que estamos vivendo fica difícil manter uma agenda positiva. Mas veja bem: Não precisa concordar comigo, pois nem sei prumode me danei a assuntar sobre esse assunto.

Sim homem, e o ministro Teori? O que você acha? Por aqui, nessa lonjura de lugar, fica complicado opinar e nem quero mesmo meter o bedelho nessa seara, pois nas nuvens internéticas já tem tantas teorias e certezas que mais uma seria repetição. Mas que foi, foi, só não sei o que.

Sabe de uma coisa comandante, acho melhor falar de cachaça, pois esse é um assunto bom de assuntar e mesmo sem ser expert nesse líquido dos deuses, gosto de dar umas bicadas das boas, e se for na companhia de um caju, vixi! Pense numa pareia arretada! Por falar em caju e cachaça, dia desse fui visitar o amigo Eugênio Vilar, que veraneava na praia de Cajueiro, localizada no lado de lá da esquina do Brasil, e depois de uma recepção cinco estrelas, lá pras tantas o Eugênio pai perguntou se eu gostaria de provar uma cachaça da boa – agora diga aí se isso é pergunta que se faça? – e sem pestanejar respondi que adoraria. Rapaz, o homem trouxe uma garrafa de uma tal cachaça Doministro que de boa não tem nada, porque a danada é para se lascar de deliciosa. E para terminar de completar ainda fui presenteado com uma garrafa e saí todo faceiro com o troféu. Como diria Dona Laurinha, amiga de minha Mãe: Pronto, não faltou mais nada!

Claro que você deve estar doidinho para tomar um trago, mas digo que Doministro só resta um pezinho de garrafa e se você não vier logo, fazer a visita que prometeu faz tempo, vai passar batido. Mas tem nada não, pois tenho umas garrafas da paraibana Rainha, aliás, uma ganhei de presente do amigo Zé Maria, que estava fazendo umas trilhas entre Canoa Quebrada e Natal, montado em uma motoca que mais parece um trator, e passou por aqui só para me presentear. Sinceramente comandante, não sei porque danado os amigos acham que gosto de cachaça? Ainda bem que Ceminha não sabe desses presentes!

Meu amigo, tenho uma confissão a fazer, pois tenho andado meio escalafobético com as coisas desse mundo velho. Não estou conseguindo me situar em meio a esse desajustamento de conduta das nossas autoridades constituídas. Que bixiga é isso meu amigo? Não aparece um filho de Deus para colocar ordem nesse cabaré. Só aparece cabra para tocar fogo no palheiro e ainda tirar o dele da reta. Pense num magote de covarde! Me diga aí comandante: Será besteira minha? E se for, qual será a minha penitência? Mas não se avexe não que vou dar um bordo nessa prosa.

Rapaz, por aqui tem dado uma correção de bicudas e galos do alto que dá gosto ver. Os bichos são gordos que só filho de fazendeiro e tem dado cada moqueca de fazer inveja a panela de baiano. Dia desses estive em Caiçara do Norte e me avexei em comprar uns pares de avoadores. Entrei em beco, sai de beco e me indicaram um frigorífico que tinha acabado de receber um carregamento de avoador. Comprei uma ruma e lógico que lembrei de você, mas chegado em Enxu pedi para uma amiga tratar, acendi a churrasqueira, abri umas cervejas e nem lembrei mais de levar uns para seu agrado. Isso não se faz, né não?

Pois é comandante Érico Amorim das Virgens, navegador, poeta, boêmio, apaixonado, festejador e semeador das boas amizades, por enquanto é isso e a Lua é minguante.

Nelson Mattos Filho

O tubarão híbrido

tubarao-hibrido-dna-20120103-original1

Quanto mais nós humanos usamos nossa incrível capacidade destruidora, mais a natureza demonstra seu poder descomunal e regente de se recriar. A notícia que deu o mote para essas mal traçadas linhas é, para esses tempos internéticos e ligeiros, antiga, porque data do ano cristão enumerado de 2012. A prosa vem das páginas virtuais da revista Veja e trata de uma das mais inclementes, talvez a maior, fera dos sete mares, o Tubarão. O monstro marinho que faz tremer até o mais corajoso dos homens – e não me venha com onda de valente dizendo que não tem medo desse bichano de dentadura mais afiada do que navalha de malandro – tem se apresentado a cada dia mais cabuloso e ameaçador. O litoral brasileiro é bem habitado por tubarões, mas em alguns lugares, como o litoral pernambucano, eles são os donos do pedaço. Até em Fernando de Noronha, onde os tubas são atrações festejadas por agências de turismos e visitantes, e que se afirmava até dias desses serem “domesticados”, a fera já provou que está pronta para qualquer parada. Pois bem: Em 2012 cientistas australianos anunciaram a descoberta dos primeiros tubarões híbridos da espécie ponta-negra e segundo os estudos, a descoberta tem implicação direta na vida marinha dos oceanos. O ponta-negra australiano vive nas águas tropicais e os híbridos se adaptam bem em águas mais frias. Os tubarões híbridos já representam 20% da população dos tubarões-de-ponta-negra, mas o que chama atenção é que a população da espécie original não diminuiu. O assunto dos tubarões australianos me chamou atenção porque ao ler o livro Mar Morto, que comentei em uma postagem recente, notei em várias passagens o autor, Jorge Amado, fazer alusão aos tubarões que atacavam náufragos e aterrorizavam saveiristas dentro da Baía de Todos os Santos, mas em minhas andanças pelas águas dos Orixás não vi esse temor. Recentemente ocorreu um ataque de tubarão em uma praia próximo ao bairro da Calçada, na capital baiana, e alguns tubarões foram capturados em Madre de Deus e nada mais. Será que os tubarões de Mar Morto eram também personagens fictícios da escrita privilegiada de Amado? Será que os tubarões brasileiros já se tornaram híbridos? E em como anda a população de tubarões nesses tempos difíceis? Será que tem tubarão híbrido no Brasil? Dizem que a Polícia Federal tem pescado alguns bem nutridos. Em Pernambuco os tubarões parece que deram uma trégua. Será por causa da crise? E antes que alguém pergunte vou responder: – Nunca dei de cara com a fera em minhas velejadas.   

Até tu golfinho?

golfinho doidão

Agora descobri porquê os golfinhos olham para a gente com aquela cara assim meio sei lá. Cara de Golfinho! Sempre achei eles meio largadões enquanto dão saltos exibidos a espera do aplauso da galera. Golfinho parece estar sempre num eterno paz e amor. Pois num é que hoje me deparei com um artigo do jornalista Charles Nisz, no site Yahoo! Notícias, falando que o golfinho é um grande usuário de “drogas” e por isso sai muito doido por ai a dar saltos e mais saltos até acabar o efeito da maldita, ou bendita. Pois é!  O jornalista pegou a notícia no jornal inglês Daily Mail, que publicou um estudo liderado pelo cientista Rob Pilley, que garante que o golfinho usa uma toxina existente no baiacu para se drogar e faz uso dela de forma compartilhada com todo o cardume. O barato funciona assim: O golfinho empurra o baiacu com o focinho e esse libera a toxina na água como arma de defesa, a substância provoca uma sensação de transe no golfinho que sai muito doidão a nadar e a saltar por 30 minutos. Os cientistas dizem que a toxina tem efeito semelhante ao LSD. Eita bichinho danado!  

Do reino da feiura

image

Nesses tempos que precede o reinado de mono e as máscaras entraram no centro da discussão jurídica entre o que pode e o que não pode, fui buscar nas profundezas dos oceanos duas criaturas que disputam o troféu da criatura mais feia do mundo. Descobri que na Inglaterra tem até uma associação, liderada por um comediante, que defende a preservação dos bichos desprovidos de beleza, a Sociedade de Preservação dos Animais Feios, e é justamente esse grupo que organiza a competição nacional dos bichos feios no Reino Unido. O troféu foi para o feioso que aparece na imagem acima que é o Peixe-Bolha, que segundo as línguas ferinas, a marmota tem um rosto que só agrada mesmo a mãe. O Peixe-Bolha vive nas profundezas abissais dos mares frios da Tasmânia, Austrália e Nova Zelândia, assustando outras criaturas tão feias quanto ele.

Tamboril

O outro feioso, que apesar de horripilante ainda não se aventurou a lutar pelo título de feiura, é o Tamboril que também habita o fundo dos oceanos e é um feroz predador, mas na culinária portuguesa tem posição de destaque. O fundo do mar é realmente um grande mistério para o homem e nem de longe quero dar de cara com um monstrinho desses durante um mergulhinho para refrescar o calor. 

 

 

Pense num bicho feio da peste!

tubarão pré-históricoEsse bicho com cara de mau é um raro Tubarão Cobra, que segundo os entendidos do mundo da bicholândia, ou peixolândia, pode ser chamada também de fóssio vivo, foi capturado nas água do sudeste da Austrália. As notícias que navegam nos mares da internet dão conta que pescadores fisgaram o feioso enquanto ele nadava em profundidade de 700 metros, mas a fera gosta mesmo é de nadar em águas mais profundas, abaixo de 1.200 metros. Dizem que ele tem cerca de 300 dentes divididos em 25 fileiras e que a espécie tem mais de 80 milhões de anos. Tem coisas em meio ao oceano internético que deixa a gente com cara de São Tomé, aquele que só acreditava quando via, mas a notícia está no ar, é interessante e é boa para ser papeada embaixo das sombras energizadas do verão, acompanhada de uma cachacinha com caju. Dou por visto o medo de um mergulhador quando encontrar uma criatura dessas embaixo d’água. Fonte: UOL Notícias meio ambiente