Arquivo da tag: nossa senhora dos navegantes

Enxu Queimado festeja sua padroeira

IMG-20181109-WA0033A comunidade da praia de Enxu Queimado, litoral norte do Rio Grande do Norte, realiza neste sábado, 10/11, o encerramento da festa de Nossa Senhora dos Navegantes, padroeira da bela praia paraíso. As comemorações sagradas tem início às 4 horas da manhã com caminhada de orações e cânticos, ao meio dia, procissão marítima e no finalzinho da tarde, procissão e missa de encerramento na Capela. A festa profana, com várias bandas, está marcada para às 22 horas, na quadra de esportes. Taí um programa legal para quem está a procura de um final de semana diferente!  

Anúncios

Cartas de Enxu 33

20181107_090612

Enxu Queimado/RN, 07 de novembro de 2018

Caro amigo, Beto, hoje ao olhar o coqueiral, me peguei pensando em você e naqueles dias, já bem distantes, que parece que foi ontem, dos veraneios da velha e boa praia da Redinha, na casa do seus pais, Bianor e Terezinha Medeiros. Eita tempos bons que não voltam mais. Mas pensando bem: O que seria da vida se conseguíssemos retornar no tempo? Será que meteríamos os pés pelas mãos e poríamos tudo a perder? E o que faríamos com as lembranças, as boas e as ruins? E os aprendizados? Será que avançaríamos como pessoa ou ficaríamos insistindo nos mesmos erros e acertos? Eh, meu amigo, acho melhor parar com essas interrogações utópicas pois a vida é um caminho sem volta e é bom demais cascaviar a memória em busca dos arquivos da saudade.

Os antigos veraneios da Redinha com suas festas do caju no Redinha clube, com a procissão dos navegantes, com as charangas de carnaval, com o Pé do Gavião, com a areia branquinha dos seus becos e vielas, com as estórias assombradas, com os balaios carregados de tainhas, com o cheiro da maresia inebriado de dendê, peixe frito e tapioca, com as jangadas indo e voltando do mar, com as rodas de viola, com a travessia nos toque-toque, com o encanto da igrejinha de pedra, com a alegria que parecia não ter fim, marcaram a vida de gerações, porque aquele recantinho de litoral era mágico, ou melhor, é mágico. Aí você me pergunta: – Nelsinho, você quer falar de Enxu ao da Redinha? – Quero falar da vida, meu irmão, da vida vivida e da vida de agora, porém, o bailar das palhas do coqueiral me fizeram viajar em um mar de lembranças. E assim vou eu, dando pulos no tempo!

Beto, rapaz, faz dias que você não vem por aqui e olhe que prometesse voltar ligeiro, aliás, você, Bruno Barros, violeiro arretado da mulesta, e Clif, tirador de prosa e tocador de causos musicados, e as respectivas consortes. Com sorte mesmo, pois aquelas moças bonitas tiraram sorte grande em pegar cabocos bons que nem vocês. A vidinha por aqui continua indo tranquila e tomara que Nosso Senhor e Nossa Senhora dos Navegantes, conserve assim por anos a fio. O mar nesse comecinho de novembro tem andado meio no reboliço e os alísios estão soprando avexado, mas tem caído uns peixinhos nas redes e os paquetes estão chegado carregados, para alegria de todos. Aquela floresta de eólicos que você viu fazendo, já está pronta e mandando carga para o meio do mundo. Dizem que tem outro parque prometido por aqui e assim a esperança se renova e tomara que a promessa seja paga logo, pois a meninada está desocupada e cabeça ociosa é ninho de coisa ruim.

E por falar nos moinhos de vento e olhando de minha varandinha as pás que não param de girar: Você sabia que a produção de energia eólica no Brasil atingiu níveis de gente grande e em setembro se igualou ao gigantismo da hidrelétrica de Itaipu, com 14,34 gigawatts (GW)? Pois foi! E o Rio Grande do Norte, assoprado pela bondade do deus Éolo, se mantém na frente do processo com 146 parques e 3.949,3 megawatts (MW) de potência, seguindo de perto pela Bahia, do Senhor do Bonfim, com 133 parques que produzem 3.525 MW e o Ceará, com 80 parques produzindo 2.050 MW. A disputa é boa, o progresso é salutar, mas sempre que observo o salseiro que os homens estão fazendo sobre as dunas e matas, ponho minha barba de molho quanto a real pureza dessa fonte energética.

Amigo, estamos no meio das comemorações da padroeira, Nossa Senhora dos Navegantes, e a igrejinha da Santa desde a semana passada se mantém em festa, com missas, novenas e procissões. Gosto de ver a fé de um povo, porque é nela que são derramadas as esperanças em um mundo melhor e as angustias que atormentam a alma. Fico encantado ao ver os passos lentos, os cânticos e a levada suada do andor das procissões. Me absorvo pelos dogmas das religiões, mesmo sem alcançar seus mistérios. Visito meu interior, no interior dos templos, porque é lá que converso com meu eu e sou observado por olhos atentos e um coração que a tudo compreende. Não questiono os princípios religiosos, mas sim os princípios dos homens que as comandam. E lá vai passando a procissão, são quatro horas da manhã!

Pois é, caro amigo Beto, Humberto Jefferson de Medeiros, as lembranças são mágicas e os ventos trazem o antidoto para curar saudades. Não procuro nas religiões o fio da meada dos meus fins, pois acho o povo do Céu ocupado demais para se ocupar com um errante como eu. Dos amigos quero o afago e a verdade do abraço. E assim, hoje vou levando a vida nessa Enxu mais bela, assim naveguei os mares do país de Pindorama e assim aprendi com meus pais, porque a memória ainda não me deixa esquecer.

Rapaz, já ia esquecendo de dizer que em Enxu Queimado não existe Praça do Cruzeiro, na Redinha ainda tem, talvez um pouco esquecida, mas se mantém como Norte de sua história!

Abraços!

Nelson Mattos Filho

Cartas de Enxu 05

IMG_0026

Enxu Queimado, 19 de novembro de 2016

Caro amigo violeiro e velejador Mucuripe, você já viu como esse mundo velho tem andado meio escalafobético? Rapaz, a coisa está cada dia mais enuviada e se o caboco ao acordar não se benzer três vezes e não se apegar com a proteção do Jesus Menino, tá arriscado a dá de cara com umas coisas ruins logo nos primeiros passos de uma manhã. Hoje mesmo, ao atalhar uns sites que gosto de ver, li uma frase, do jornalista potiguar François Silvestre, que me deixou assim pensando no descaminho em que estamos atolados até o gogó: “Matar gente, no Brasil, há muito deixou de ser crime. Pelo menos deixou de ser crime punível...”. Mas sabe de uma coisa? Vou deixar esse fiofó de burro para outra hora, pois nesse Brasil abrasileirado num tem homem com aquilo roxo para botar moral na zona. Rapaz, tu já viu que esse tal de Supremo ultimamente tem dado pitaco até em jogo de porrinha? Pois é! E o pior é que decidem o decido e quando a decisão chega onde era para decidir, as partes escutam por um ouvido e a sentença sai pelo outro e a vida segue como se nada tivesse acontecido.

Ei, e o Trump? Tu já viu um cara mais amarmotado do que aquele americano cabra da peste? O galego deve ter feito algum curso de careta, pois para cada retrato o cabrunco tem um trejeito diferente estampado na cara. E a patroa dele? A gringa parece uma cópia pirata da boneca Barbie com a cara mais esticada do que pandeiro de malandro. E como a turma do fuxico não deixa nada passar em branco, já descobriram e postaram nos zapzaps a foto da gringa peladinha da silva. Eu nem vi, mas nesse concurso de beleza das primeiras damas sou mais a Marcela! E tu? E por falar em Trump, por aqui, embaixo do pé de árvore de Pedrinho, o povo ainda ensaiou uma rodada de apostas, mas na hora de juntar a galinhada para casar as apostas, a coisa deu para trás e foram cuidar de assuntar sobre o mar e os ventos que estão meio endiabrados por essas bandas. Agora vou dizer: Pense numa mulher ruim de voto essa esposa de Bill. Acho se ele tivesse botado a Monica no páreo garanto que hoje estaria festejando a vitória atrás das cortinas. Sabe o que me veio na cabeça? – Será que pelas ruas dos “estaites” tocaram aquela musiquinha que fala que “o povo quer o liso”? Se a candidata de Obama não mandou tocar, perdeu uma boa oportunidade de tutucar os brios do ricaço. Ia ser uma graça universal!

Cearense, tu visse a tal da super Lua? Rapaz, a bicha estava bonita que só a peste, mas, sinceramente, não achei que fosse a maior que minhas bolas dos olhos já viram, porém, São Jorge mandou instalar uns leds especiais que iluminou até os cafundós do judas. Pense num holofote! E para comemorar a Lua, pegamos umas castanhas, botamos umas cervejas no isopor, fomos para a beira da praia, acendemos o fogo e pegue assar castanha, tomar cerveja e conversar arezia até umas horas da noite. Só faltou você para tocar umas toadas na viola.

Meu amigo, o ranchinho está ficando bonito, viu. O serviço já vai se encaminhando para o fim e do mais, falta os ajustes do mal feito, a mão de cal nas paredes e melar as portas com uma tinta da cor do mar. Sim, já ia esquecendo de falar nas plantas. Pois é, as acerolas andaram um tempo entristecidas, mas começaram a tomar ciência novamente e já dá para fazer um suco. As pitangas foi quem perderam o prumo e, segundo os entendidos no assunto, já é tempo da entressafra. Pelo menos ficaram os retratos para comparar com a próxima botada. Os coqueiros continuam bonitos, as seriguelas estão botadeiras que só vendo e agora plantei um pezinho de cajueiro precoce que ainda está na fase do cá te espero. As cabras dos vizinhos é que não me deixam sossegado, vez sim, vez não, tenho que correr para botar as danadas para fora do terreiro. Pense numa fuleragem da molesta e os donos tão nem aí para a cor da chita. Tem uma que está até pegando peso e até já sonhei com uma churrasqueira assando um pernil de cabrito. A gente tem cada sonho pecaminoso, né não? Mas que sonhei, sonhei.

Semana passada foi a festa da santa padroeira, Nossa Senhora dos Navegantes, e eu caminhei todo anjo no acompanhamento da procissão, rezei na missa e ainda tirei um retrato ao lado do Padre, pru mode mostrar pra Ceminha. Ela viu, gostou, sorriu e ainda disse um muito bem. Coração de Mãe é bom demais, e quando vem com um afago na cabeça, coisa melhor não há. E Lucia botou o nome na lista para ser afilhada da Santa, e a Santa aceitou de bom grado. Já hoje é o dia da festa profana, animada por umas bandas de forró aputanhado e umas danças meio esquisitas para cabra macho dançar. Eu é que não vou lá, mas pelo tamanho das caixas de som armada no palanque, hoje ninguém dorme. Mas já que vai ser assim, que assim seja.

Pois é meu amigo Elson Fernandes Mucuripe, a vida por aqui vai indo assim e vamos seguindo em frente como Deus quer. Até mais ver e apareça!

Nelson Mattos Filho

VISÕES DE UM DEVOTO NAVEGANTE

                                                                     

                                    Não sei o que é pior, se as doenças da alma ou se as do corpo. Quando viemos morar a bordo viemos em busca de jogar no mar as doenças da alma, o stress, as chateações, os mal entendidos, as agruras cotidianas que a cada dia se tornam mais agressivas, sem limites e, que é pior, sem soluções.

                                   Ao longo de nossa vida a bordo do Avoante, já atiramos no mar uma boa parte dessa carga acumulada, mas ainda falta muita coisa. Um dia a gente chega lá!

                                    As doenças do corpo, essas ficam muito difíceis da gente se desvencilhar. Até porque no decorrer dos anos vamos ficando com a validade vencida e assim o corpo vai precisando cada vez mais de manutenção. Isso é a vida!

                                   Mas vamos deixar de conversa fiada é vamos partir para o nosso Diário, mas se não fosse umas dores do corpo, que me atormentam há dois meses, o nosso Diário teria uma cara muito mais alegre, cheio de aventuras, lugares que lavam a alma e muitas novidades para o prazer de todos nós.

                                   Fui presenteado com uma hérnia cervical que vem tirando minha paciência e me amarrando cada vez mais em terra. O Avoante já me olha meio atravessado, tentando decifrar meus pensamentos e a cada vez que me sento à mesa de navegação o sinto fazer alguns alongamentos, na esperança de que dali saia à ordem para levantar âncoras e içar velas.

                                   Mas, a vida segue o seu rumo e com navegadas ou sem navegadas, a verdade é que continuamos fiéis ao nosso mundo náutico e a cada dia renovamos as nossas esperanças nessa vida que bem escolhemos.

                                   A cada dia que amanhece e que acordamos sobre as águas do Potengí, presenciamos a vida que se renova nessas águas tão incompreendidas pelo homem da cidade.

                                   A cada dia que se vai, somos brindados pela magia e todo esplendor do Pôr-do-Sol sobre o Potengí, num dos mais belos espetáculos de nossa cidade. Uma dádiva da natureza, numa demonstração de sua incrível paciência e tolerância com seus agressores.

                                   Do cockpit do Avoante, nos chega os aromas coloridos da praia que dá as boas vindas ao navegante que adentra o Porto de Natal. A praia da Redinha com seus peixes fritos com tapiocas, suas tainhas deliciosas e seus cajus mais doces. O gosto forte e saboroso da cachaça e o refrescante sabor de uma cerveja bem gelada nos boxes do Mercado.

                                   Plantada nas areias de uma praia que agoniza espremida entre o progresso torto de uma ponte e a beleza da história que ainda ecoa por entre as pedras de uma fortaleza brilhante como a própria estrela dos Reis Magos, avistamos do nosso pequeno espaço, as pedras negras da Igrejinha da Redinha. De lá, uma Nossa Senhora dos Navegantes espera pacientemente a comemoração do seu dia para poder sair de sua redoma e ver com seus olhos, bem abertos, que as promessas dos homens não passam de palavras jogadas ao vento.

                                   Nossa Senhora dos Navegantes, padroeira dos homens do mar, Mãe dos pescadores e Senhora amada pelos nativos e antigos veranistas de uma Redinha esquecida, mas que de tão simples e apaixonante ainda resiste ao mundo e aos homens que acham que tem o poder.

                                   Do Avoante, vimos Nossa Senhora dos Navegantes, num Domingo de festa, sendo cortejada e levada num dos seus barquinhos, pelas águas de um rio que sempre a acolheu. O seu dia foi festejado com todo fervor por aqueles que reconhecem a sua força e sua bondade.

                                   Faltou a pompa e alegria de uma Banda de Música da Marinha, que em anos passados sempre se fazia presente, mas este ano vimos crescer o número de embarcações a seguir a Santa padroeira. Eu contei 23, poderia ser mais, mas foi bem maior do que as 11 do ano anterior e com certeza bem menor do que as que não quiseram prestigiar a Santa e foram se esbaldar nuns Parrachos para lados de Pirangí. Não acredito que a Santa castigue os navegantes, mas a coisa não anda bem para os lados da bela Pirangi. Foi muita coincidência!

                                   Pedi minhas melhoras a Santa e acho que ela vai conceder.

 

Nelson Mattos Filho

Velejador