Arquivo da tag: navegadores

O mar

1 Janeiro (90)

“Quem não se atira no mar alto não conhecerá nunca a profundidade da água azul, nem a embriaguez da onda e das vagas, nem a calma das noites durante as quais o navio traça em silêncio o sulco…

Quem não se atira no mar alto não compreenderá nunca a profunda alegria de ter soltado as amarras e de só se apoiar em Deus, mais seguro que o oceano.

Quem fica na margem nunca perderá o gosto pela terra firme, a terra da gente razoável, segura de si mesmo, sensata e bem pensante. Considera-se rico e está nu. Pensa que construiu, mas acumulou ruínas das quais terá que prestar contas…”

Citação a P.Hoest, no livro Karitós – Viagem em terras do Brasil.

É assim!

03 - março (441)

“Navegar é uma atividade que não convém aos impostores. Em muitas profissões, podemos iludir os outros e blefar com toda a impunidade. Em um barco, sabe-se ou não. Azar daqueles que querem se enganar. O oceano não tem piedade.” Eric Tabarly, em Memórias do Mar

Copiado do Facebook do velejador Ricardo Amatucci

Sobre barcos

20160306_170446

“O navegador Amyr Klink, em um de seus livros, define barcos como sendo de brinquedo e de verdade. Busco entender as razões para tal definição e me divido entre o sim e o não. Porém, sempre que passo diante do veleiro Meu Velho, no píer do Aratu Iate Clube, me vem a lembrança da frase do navegador e me vejo diante de um barco de verdade.”  

Encontro de velejadores em Itaparica

IMG_0083IMG_0086IMG_0081

Pode acreditar como se fosse uma verdade, mas a vida a bordo não é uma eterna reunião etílico-gastronômica, como mostram as muitas fotos que posto por aqui. Porém, como ninguém é de ferro, de vez em quando a turma que compartilha algum fundeadouro se junta para festejar e brindar a vida, como nesse encontro na Ilha de Itaparica, a bordo do veleiro Bahia Cat, do comandante Tude. Estavam lá, além dos anfitriões Tude e Rita, os amigos do veleiro Mandinga, Sérgio e Simone, e o gaúcho Paulo, que estava em visita a Bahia. Eu usei meus velhos truques de padeiro e meti a mão na massa para preparar o pão que serviu de entrada para a noitada. Mas veja bem: Isso não acontece todo dia!