Arquivo da tag: Meio Ambiente

Cartas de Enxu 41

4 Abril (145)

Enxu Queimado/RN, 23 de maio de 2019

Sabe, Jorginho, a escritora britânica Virginia Woolf, (1882-1941), certa vez disse que, “Sem alguém cálido e respirando do outro lado da página, as cartas são inúteis”.

Sob as sombras avarandadas da minha cabaninha de praia tenho escrito as Cartas de Enxu, com o intuito de contar um pouco das coisas desse pequeno povoado praieiro encravado sobre as dunas do Rio Grande do Norte, como também comentar sobre o cotidiano desse mundo velho de guerras, lutas e manias. As cartas são endereçadas aos amigos, familiares, conhecidos, jornalistas, autoridades e hoje é para você, cabra bom que tenho a alegria de ter como amigo desde os tempos de menino, vividos no território livre da confluência das ruas Conselheiro Brito Guerra e Almirante Teotônio de Carvalho, no velho e gostoso bairro do Tirol, em Natal/RN.

Eh, meu amigo, algumas destas cartas vagam por aí e não conseguem chegar ao destino, ou se chegam, passam despercebidas e é nessas horas que lembro da frase da escritora britânica, mas não me entristeço, porque o propósito é deixar registrado o cotidiano da vida vivida em um minúsculo e aconchegante povoado litorâneo, durante o tempo que ele tiver a boa vontade e o carinho de me acolher. Quanto ao endereçado, é apenas uma forma de homenagear pessoas que quero bem ou chamar a atenção de outros para causas importantes. Hoje a carta é sua, Jorginho, e como sei que você, além de doutor dentista afamado, é um homem que olha para o mar com amor e respeito, vou adiantar que por esses dias do mês de Maria, as águas atlânticas, por aqui, estão numa boniteza mimosa de fazer cair o queixo dos mais céticos.

Doutor, nos últimos dias tenho ouvido falar que o nível dos oceanos está subindo feito rio que vem em cheia desenfreada e os meninos das ciências já apostam que a previsão anunciada para o ano de 2100, que era de quase um metro, pode ser dobrada. Se assim for, acho bom você se apressar para vir conhecer Enxu antes que Netuno invada com suas tropas. O alerta da ciência bate na velha tecla do tal efeito estufa, porém, os prognósticos são tão alarmistas e extremados que está difícil fechar essa conta. De uma coisa eu sei, por aqui o mar tem avançando um bocado e vem caminhando a passos largos.

Amigo, já que falei em um problema ambiental, falarei de outro. Dia desse ouvi buchichos sobre uma cerca fincada ao longo de um terreno e que esta está impedindo o tráfego de veículos a beira mar, quando a maré está alta. Ora, mas quem disse que dunas e beira de praia são vias trafegáveis para automóveis? Faz tempo que as autoridades da terra de Poti precisam assumir a responsabilidade de proibir o uso das praias para tráfego de veículos. Na grande maioria dos Estados brasileiros, inclusive nordestinos, não é permitido. O dano ambiental é enorme, irreversível, além de ser um eminente atentado contra a vida dos banhistas. Eh, meu amigo Jorginho, nos últimos dias o Brasil falou tanto em educação, mas parece que tudo foi dito apenas para florear perfis nas mídias sociais!

Amigo, esse tema merece ser discutido com mais seriedade pela sociedade e o poder público não pode simplesmente virar as costas e deixar que o tempo descida. As areias das praias do litoral Norte do RN é uma verdadeira avenida em que cabe tudo e mais um pouco. Não existe fiscalização, não existem regras, não existe respeito com o banhista e quem se incomodar que vá procurar o bispo. Diariamente trafegam por essa grande e livre avenida, enormes comboios de automóveis tracionados cometendo festivas agressões ao meio ambiente, com patrocínio de grandes marcas famosas. Alguém haverá de indagar sobre o ganho turístico e monetário para os lugares por onde passam os comboios e direi que, não existe ganho turístico, nem monetário, quando o meio ambiente é sistematicamente degradado!

Meu caro, Jorge Leite Dantas de Rezende, essa missiva pode até estar meio macambúzia, mas tem dias que precisamos descarregar sentimentos e para isso, nada melhor do que o ombro de um amigo e digo mais: Não se apegue as minhas lamentações para arranjar motivos para não vir até aqui, ainda mais você, um exímio pescador e conhecedor das lamurias da mãe natureza. Sei que adoraria estirar o esqueleto em uma rede armada sob a sombra da varanda, de frente para o coqueiral, jogar conversa fora saboreando uma branquinha, degustar umas postas de peixe frito, acompanhado com aquele vatapá maravilhoso que somente Lucia sabe fazer.

Venha, traga a esposa e as meninas, porque sei que ficarão maravilhadas com essa prainha encantadora. Traga seu irmão, Flávio Rezende, o mais novo retratista do pedaço, para ele entupir as lentes daquela Canon com fragmentos do que há de mais bonito no mundo.

Nelson Mattos Filho

Anúncios

O super iate do lixo

revTem gente que faz, faz em agradecimento e  faz bonito para o mundo ver. O bilionário norueguês Kjell Inge Rokke, que juntou dinheiro com rodo em empresas de exploração de petróleo offshore, anuncia que colocará na água até 2021 o maior iate do mundo e não é para se refestelar pelos mares do mundo, mas para recolher lixo. Isso mesmo, recolher lixo e tentar retirar dos oceanos 5 toneladas por dia, uma pequena fração, do lixo despejado por aí. O REV, nome da embarcação, precisará de R$ 7,5 bilhões de reais para sair do estaleiro em que  está sendo construído, mas não deve ser nada para a décima maior fortuna da Noruega. Kjell declarou a impressa que a iniciativa é uma forma de agradecer ao mar parte do que conquistou por meio dele. O REV terá sistema de recuperação de energia, motores de velocidade média, acionamento direto de um sistema de propulsão diesel-elétrica com pacote de bateria, sistema de limpeza de gases de escape e sistema de gestão de energia que permitirá diminuir sua pegada de carbono. O iate de 181 metros de comprimento, terá 40 tripulantes e acomodará uma equipe de 60 cientistas. Há quem ache que o bilionário não faz mais do que a obrigação e é verdade, porque ele já declarou. Mas será que quem acha assim faz a sua parte? Fontes: gazeta do povo; ambiente legal 

Passeio de jet no litoral potiguar termina em empurra-empurra

600x400Um passeio dos usuários de motos aquáticas que seria realizado nesta sexta-feira, 11/01, no litoral Sul do Rio Grande do Norte, deu o que falar nas redes sociais, expôs a maluquice das repartições fiscalizadoras que cuidam do bom cumprimento das leis ambientais e tirou os prefeitos, das cidades por onde a flotilha navegaria, do conforto dos alpendres das casas de veraneio. O Idema, órgão ambiental do Estado, navegou pra lá, deu bordo pra cá e sem ter um rumo certeiro passou o comando para o Ibama, que sem saber se acelerava ou parava as motocas voadoras, devolveu o timão para o Idema sem ao menos visualizar o horizonte. Quem botou ordem na derrota foi o prefeito de Tibau do Sul, que numa canetada fechou a barra. O quiprocó teve início quando foi anunciado a navegada que sairia da praia de Barra do Cunhaú, uma das joias do litoral potiguar, com destino ao município de Senador Georgino Avelino, passando por uma extensa área de proteção ambiental na Lagoa de Guaraíras. Segundo os organizadores, o “passeio” tinha como objetivo fazer distribuição de cestas básicas a comunidades carentes, porém, os ambientalista vislumbraram uma possível agressão ao meio ambiente e aí o reboliço foi grande. Procurei nas ondas livres da internet notícias se o “passeio” encalhou ou seguiu em frente, mas não tive resposta, como também fiquei sem saber qual foi o posição da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte diante desse moído. Estou comentando o caso porque navegando por aí deparei com vários passeios de motos aquáticas e vi de tudo: de motonautas bem comportados e seguidores das leis de navegação a turmas que mais pareciam saídos dos filmes de bárbaros sanguinários. As leis de terra podem não ter a clareza necessária, mas as leis marítimas não deixam dúvidas, porém, todas escorregam pelo mesmo ralo por onde escorrem as coisas nebulosas. Já os ambientalistas, nem sempre olham para onde deveriam olhar e muitas vezes se apegam apenas em aspas.          

hipocrisia ambiental

P_20171128_104134

Desde que enveredei pelos rumos da navegação não consigo olhar para essa paisagem sem vê-la emoldurando uma bela e movimentada marina, porém, a palavra “marina” é sinônimo do “coisa ruim” para a turma que cuida das regulamentações ambientais e dos pseudos dublês de ecologistas. – O que? – Marina? – Sai pra lá satanás!  É assim que agem os “defensores” das coisas da natureza, sem nem sequer dá uma passada de vista no projeto. Pois bem, essa paisagem é talvez um dos pontos turísticos mais fotografados do Rio Grande do Norte e um dos mais afamados portais do turismo potiguar, se bem que nos dias de hoje a fama anda meio cabisbaixa. A bela e mágica Ponta Negra, praia cantada em verso e prosa, hoje é apenas uma sombra desfigurada de um passado brilhante. Da antiga e tranquila praia de veraneio, das pescas de arrastão, das jangadas, das ciobas, dos caícos, das serenatas ao luar e da velha e boa vila dos pescadores, só sobraram as lembranças. Ambientalmente Ponta Negra é um caos!  E olhem que a praia é berço e parque de diversão de quase todos os movimentos ecológicos que atuam em Natal. No nariz dos “fiscais da natureza” – os mesmos que um dia gritaram, espernearam e fizeram birra, contra a construção de edifícios que impediriam a vista que eles tinham da praia – construíram um calçadão, mais agressor impossível. Fincaram hotéis e  restaurantes praticamente na areia. Esgotos escorrem a céu aberto e desaguam no mar. E para fincar a estaca no coração, despejaram toneladas de pedra sobre a faixa de areia para preservar o mais cruel agressor, o calçadão. Agora vejo nas folhas de notícias que o Idema – Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, vários órgãos e ONGs que “fiscalizam” o meio ambiente, se reuniram para discutir propostas – cada uma mais estapafúrdia do que a outra – que visem conter o avanço do mar e consequentemente preservar o calçadão invasor. Hipócritas! Netuno, mostre a eles sua força e exija respeito! – E quanto a marina? – Vixe, deixe quieto, pode não senhor!      

Litoral, energia limpa, paisagem e a ilusão do progresso

10 Outubro (39)

O site Mar Sem Fim, do jornalista João Lara Mesquita, na matéria Litoral, energia eólica e paisagem: Você precisa saber, de dezembro de 2015, alertou para o gigantesco crime ambiental que estava sendo cometido para implantação dos parques eólicos no Brasil e o incrível descaso das autoridades. Em agosto de 2016, na postagem Energia Limpa?, cutuquei a mesma ferida. A paisagem do litoral nordestino mudou, dunas praticamente foram dizimadas e a caatinga, mata nativa do sertão brasileiro, está virando uma triste e cruel lembrança. Muito em breve, se já não foi, até o estonteante parque dos Lençóis Maranhense será cravejado de torres. Dizem que será um parque de grandes dimensões. Georges Braque, pintor e escultor francês: “As aspirações de cada época são limitadas: daí a ilusão do progresso”

Sinais

IMG_0109

No rastro das nossas pegadas

A natureza paga a conta

barreira de coraisA Grande Barreiras de Corais da Austrália, um dos mais importantes patrimônios naturais do planetinha azul, está sendo ferido de morte, segundo os homens das ciências, devido ao aquecimento global, aquecimento que para muitos, que comungam das ideias do galego do topete dos EUA, não passa de uma enorme balela científica para frear o progresso das nações. Balela ou não, o aquecimento global é o terrorista número um quando se fala em crimes contra as causas da natureza e os estudiosos atestam que dois terços da Grande Barreira estão comprometidos e num grau praticamente irreversível. Pois é, e muitas vezes ficamos chateados com os ecochatos! Mas o que restaria hoje da Terra se eles não existissem? Muitas vezes em grupos de bate papo vejo pessoas reclamando da “absurda” proibição para uma simples e “inocente” visita ao magnífico Atol das Rocas, no litoral do Rio Grande do Norte, e me coloco como defensor da proibição é digo que o Atol é frágil, também sofre com os efeitos do aquecimento e infelizmente somos um povo muito mal educado para usufruir e lidar com o  turismo ecológico, basta ver o que acontece na Ilha de Fernando de Noronha, onde tudo acontece, mesmo sob as ordens de normas endurecidas. Não conheço a Grande Barreira de Corais, mas sei que o turismo por lá faz festa e muitas vezes quem faz festa, usa e abusa.