Arquivo da tag: maora

Agora danou-se tudo!

Banque Populaire V

Sei que vou receber um bocado de pancada da turma dos multicascos, mas mesmo assim vou provocar com um assunto que é nitroglicerina pura. Num belo dia de sol no Iate Clube do Natal, em que o churrasco corria solto e a cervejada batia no meio da canela, soltei uma frase que até hoje a turma fica olhando para mim com aquele jeito meio atravessado. Era uma discussão acalorada entre os apaixonados por monocascos e os vidrados nos velozes multicascos. Na hora me lembrei da peleja entre o amigo baiano Davi Hermida e Fabinho do veleiro Tatuamunha. Davi apaixonado pelos multicascos e Fabinho louco por monocasco, moviam ventos e tempestades procurando motivos que justificassem suas preferências. A peleja somente chegou ao fim quando Davi disse que monocasco era para quem tinha uma perna curta. Fabinho não se deu por vencido, pois ele mesmo tinha um defeito na perna, e falou: “por isso não, eu tenho…” Davi, ainda se sentindo vitorioso treplicou: “Mas você só tem na ida, porque na volta o bicho pega”maora_20_mini Foi uma risada geral e a cerveja rolou no centro.

Lembrando desses dois amigos na Bahia e vendo que a turma dos multicascos em Natal estava muito animada em ganhar a peleja naquela tarde de sol, soltei essa frase: “Catamarã é barco de rodinha”. Rapaz! A turma só faltou me fuzilar com os olhares e pular na minha jugular. Depois desse comentário o churrasco ficou bem mais animado.

Na verdade essa frase me passou pela cabeça logo que vi uma foto dos trimarãs Maora que já podem ser encontrados no Brasil. O Maora é um projeto do françês Stéphane Vallet e que chega ao Brasil com o objetivo de democratizar a vela. Foi projetado para os jovens velejadores de Optimists que desejam mais desempenho, não esquecendo os velejadores mais experientes que procuram por mais comodidade e conforto.

Prao02_mini

Quando vi as fotos desse barquinho interessante e moderno, mas com jeito das canoas da Polinésia, me lembrei das bicicletas de rodinha que se usa para aprender a pedalar.

Sei que a turma dos dois cascos não vai me perdoar por esse post, até porque conversando com o amigo Hélio do Maracatu, perguntei a ele porque não tinha multicasco competindo na semana de vela de Ilhabela. Hélio, que é dono de monocasco, mas adora os catamarãs, respondeu assim: “Eles só aceitam barcos de alta performance….” 

Com mais essa frase embaixo do braço, parti novamente para o ataque. Danou-se!

Anúncios