Arquivo da tag: idec

Amigos, ironia desta vida

IMG_0105

O amigo, velejador, poeta, escritor, boêmio e inveterado amante dos oceanos, Érico Amorim, certo dia enviou o texto maravilhoso que você lerá abaixo e este navegou perdido pelos arquivos secretos desse meu computador metido a pregar peças. Futucando aqui e ali resgatei a crônica e agora divido com você leitor, com o consentimento do autor. A título de esclarecimento: IDEC, mencionado, é o Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Rio Grande do Norte, do qual o autor esteve presidente.

Amigos, ironia desta vida.

Pequena crônica de Érico Amorim

O amigo Sydnei, de São Paulo, às vezes, talvez brincando, dizia: é isso aí, já estou no outono da vida. Talvez se referindo à maturidade de seus 70 anos. Hoje, almoçando sozinho, fazendo jus aos meus dotes culinários e tomando meu vinho, entra a Alcione: “amigo, ironia desta vida, você me ouve mais que os amigos lá do Brás”. Aí eu não resisti e comecei matutar cá com meus botões. Fui passando minha vida a limpo, resumindo essas duas ideias: poucos amigos e a dificuldade de comunicação entre as pessoas. Será que estou no outono da vida, já com poucos amigos e ninguém me escuta mais?

Quanto a não escutar ou outros, nisso eu sou Doutor. Passei a vida toda interrompendo o fim das frases alheias. Se eu fazia um sacrifício enorme para sintetizar minhas ideias, por que seria obrigado a ouvir tantas repetições? Aqueles discursos sem fim sempre me pareceram um atestado de burrice e por mais que me contivesse não resistia ouvi-los até o fim.

O tempo, porém é senhor de todas as verdades. E descobri que ouvindo mais e falando menos a gente fica com mais tempo para refletir naquilo que ouvimos e se falamos pouco provavelmente erramos menos. Churchill disse: deixe os outros errarem também. Esse aprendizado, no entanto, não foi muito fácil, mas fiz um grande avanço e hoje já consigo ouvir as maiores asneiras sem interromper o interlocutor. O raciocínio é simples: pra que interromper semelhante besteira? E se for um raciocínio que não consegui acompanhar de tão profundo, terei tempo para refletir.

E os amigos? Há, esses a gente só consegue reconhecê-los depois dos fatos passados. Talvez por ter tido a criação que tive e um pai espiritualmente avançado, não imaginava, por exemplo, que todos aqueles que se ofereciam para jantar na sexta-feira estavam interessados tão somente em jantar com o Presidente do IDEC (hoje Idema) e não com Érico Amorim .

Como a vida dá voltas, quando voltei a assumir cargos importantes depois de ter deixado o IDEC passei a ver que alguns davam sinais de bajulação e nada de amizade sincera, ou mesmo amizade nua e crua. Aí, porém eu já havia aprendido a lição.

Outros falsos amigos que frequentaram minha casa, ou mesmo filho de amigos meus ou também colegas que na Faculdade eram pessoas simples se transformaram ao assumir cargos públicos passando a mostrar seus verdadeiros sentimentos.

Parece que Sydnei tem uma certa razão: somente no outono da vida, quando se consegue distinguir bem o joio do trigo a gente ouve mais e distingue facilmente os verdadeiros amigos. Mesmo aqueles que por mais ausente que estejam são amigos de verdade.

Anúncios