Arquivo da tag: extreme sailing

E a Volvo em?

Itajaí-Sld

Notícias que navegam em meio a um mar de certezas, boatos e afins, dão conta que a organização da regata volta ao mundo Volvo Ocean Race ainda não se decidiu qual a parada brasileira para a próxima edição da prova. Muita gente aposta que nada mudará e que a catarinense Itajaí será pela terceira vez a escolhida. Porém, correndo por fora e aliado a um exército de orixás, sob o comando do Senhor do Bonfim, a baiana Salvador apimenta o tacho de azeite e monta o tabuleiro na praça para receber a grande batalha da vela mundial. A prefeitura de Itajaí promete gorda contribuição ao evento e isso soa como música nos ouvidos atentos dos organizadores, falta agora escutar o ritmo dos tambores da Bahia. Para mim a Baía de Todos os Santos oferece as qualidades necessárias e é um palco natural para o evento, só falta subir as velas e aproar no rumo certo. 

Anúncios

Velejar – Um grupo porreta!

3 Março (420)

Em um bate papo via oceanos internéticos o velejador Leo, veleiro Leoa, deu a ideia ao comandante nota dez Chaguinhas, do não menos famoso veleiro Intuição, para se criar um grupo no WhatsApp para agilizar a troca de mensagens entre velejadores, mas que passasse ao largo dos assuntos que não tivesse o mar e barcos a vela como personagens principais. Claro que diante de um mundo em incessante transformação fica difícil manter um rumo satisfatório e as vezes temos que ajustar o timão em alguns graus para que a Nau volte a velejar em ventos e mares confortáveis. Mas digo que são ajustes tão raros que a tripulação as vezes nem percebe. – Mas não é assim que fazemos no comando de um barco? O grupo Velejar, criado pelo Chaguinhas e que seguiu a rota traçada pelo Leo, hoje é um sucesso e já contabiliza mais de 110 participantes do Brasil inteiro, que se esmeram em discutir – com alto nível de conhecimento e detalhes – assunto como: Elétrica, eletrônica, motores, regulagem de vela, gastronomia a bordo, rotas, ancoragens, dicas de fundeio, informática, restaurantes e pousados nas ancoragens, prestadores de serviço, clubes e marinas, telefones e nomes das pessoas que nos ajudam nas barras brasileiras, causos e histórias da vela. Eu sempre digo aos amigos, quando comento sobre o grupo, que se quisermos saber qualquer assunto que envolva manutenção ou dicas, basta postar sobre o tema e num piscar de olhos recebemos verdadeiros tratados técnicos e práticos, e com detalhes que faz qualquer engenheiro ficar de boca aberta. O Velejar é um grupo náutico arretado de bom e com um perfil alegre, amigo, incrivelmente solidário e que cresce a cada dia na esteira de uma velejada prezeirosa. Parabéns ao comodoro Chaguinhas e ao Leo, como também a todos que fazem do Velejar o melhor grupo náutico do Brasil e, segundo o comodoro, do mundo. 

29ª Regata da Redenção do Aratu Iate Clube

regata da redeçãO Aratu Iate Clube promove no próximo sábado, 19/03, a 29ª Regata da Redenção, uma das mais tradicionais do iatismo baiano e um marco na história do clube da Ilha de São João. As inscrições podem ser feitas em qualquer clube náutico de Salvador até as 18 horas do dia 18/03 ou na secretaria do Aratu Iate Clube até 10 horas do dia 19, ao custo de R$ 20,00 por tripulante. A largada está marcada para 12 horas e 30 minutos do sábado e a cerimonia de premiação as 18 horas na sede do clube.

Felicidade

6 Junho  (143)

Parodiando uma frase escrita em um palito de picolé vou dizer assim:

“Não existe caminho certo para a felicidade, mas o atalho é feito com um barco a vela”

Veleiro é encontrado após 10 anos desaparecido nos oceanos

Hugo-Boss-Sld

Notícia publicada nesta segunda-feira, 22/02/2016, no site da Revista Náutica, dá conta que uma expedição de caiaque no Parque Nacional Bernardo O’Higgis, na Patagônia Chilena, encontrou no último dia janeiro os destroços do Open 60 Hugo Boss, tripulado pelo britânico Alex Tromson na Velux 5 Oceans de 2006. Na época o barco apresentou problemas na quilha, capotou e foi abandonado pelo velejador enquanto este brigava pela liderança da prova com o Mike Golding. Apesar de grandes rivais, Golding, que comandava o barco que estava mais próximo do acidente, deu meia volta e resgatou Tromson. O Parque Bernardo O’Higgis fica a mais de 13 mil milhas do local onde o barco foi abandonado. O mar é mestre em brincar de esconde esconde.

Para abrir o apetite