Arquivo da tag: energia limpa

A energia eólica avança mar adentro

10 Outubro (78)

Quando a presidente Dilma Rousseff, em discurso na ONU, falou em “estocar vento”, o mundo veio abaixo nas redes sociais e até hoje, vez por outra, Éolo traz de volta as lembranças das palavras presidencial, porém, errada ela não estava de tudo e a ciência prova isso, basta pesquisar por aí os estudos que estão bem adiantados, principalmente no Reino Unido, inclusive com participação de cientistas brasileiros. Pois bem, o Brasil ainda não consegue “estocar vento”, mas está entre os maiores produtores de energia eólica do mundo e o Rio Grande do Norte aparece na liderança com o maior parque instalado. A energia dos ventos alísios que sopram no RN transformam o cenário de dunas, cidades litorâneas e caminha a passos largos para modificar a paisagem das serras e matas do sertão. O potencial é enorme e despertou interesses até na estatal do petróleo, e esta, entabulou estudos e anunciou investimentos para invadir o mar com torres, pás e geradores. A primeira planta-piloto da eólica, em alto mar, da Petrobras será instalada no campo petrolífero de Guamaré/RN e tem previsão de entrar em funcionamento até 2022. Se algum dia conseguiremos estocar vento, eu não sei, mas que vamos produzir uma danação, isso vamos.     

Anúncios

Chineses inauguram parque solar flutuante

x1.jpg.pagespeed.ic.jp20LKVJ7Y

Os chineses, que são considerados o povo mais poluidor do mundo, dá mostra que deseja acabar com essa má fama e passa a bola para os americanos, do galego do topete, que arrota verborragia contra os recentes acordos para melhorar o clima do planeta. Pois bem, os chinas mostram ao mundo a sua segunda usina flutuante de energia solar e a maior delas, com capacidade de produzir 40 Megawatt, energia que pode facilmente abastecer uma cidade com 15 mil residências.  Além de utilizarem águas dos lagos para a implantação de parques solar, os chineses já construíram a maior usina solar do mundo que é o  Parque Solar Longyangxia Dam, com uma área instalada de 25 quilômetros quadrados. Recentemente um grupo chinês assinou protocolo de intenção com o governo do Rio Grande do Norte para construção de uma fábrica de painéis para um futuro parque solar na região do Mato Grande, que tem instalado em suas terras o maior parque eólico do Brasil.  Pois é, apesar de toda desgraceira que se noticia por aí, muitos países sonham com um futuro melhor. Agora uma dúvida do meu amigo Paulo Menezes Guedes: “E o impacto ambiental desses parques flutuantes? Será que eles não criam zonas de sombras para o bom desenvolvimento da vida marinha?” Boa pergunta! Fonte: O Globo       

Energia limpa?

13932733_1123512551045140_950964134181106679_n

Negar os benefícios da energia limpa é difícil, mas justificar dizendo que ela é a redenção para o futuro da humanidade, é um pouco demais diante desses tempos estranhos. Ecologistas, dublês de ecologistas, ONGs, órgãos ambientais e pitaqueiros, batem tambores e emitem sinais sonoros para festejar as florestas de torres de geradores eólicos que se espalham aos quatro ventos pelo mundo. No nordeste brasileiro a energia eólica tem trazido esperanças de melhores dias para pequenos municípios e mudado a vida de muita gente. Imensas áreas são disputadas palmo a palmo por investidores antenados na força dos sopros de éolo. No litoral do Rio Grande do Norte e do Ceará, encontrar uma área desocupada para erguer uma torre eólica é o mesmo que procurar agulha em palheiro. Acho até que tem mais torres do que chão, tamanho é a grandeza do parque já em funcionamento. Os técnicos festejam e anunciam que a energia limpa já responde por 5,8% da produção brasileira e até o Greenpace já canta a bola dizendo que a partir de 2050 o Brasil terá toda a sua matriz energética oriunda das fontes limpas. Quem sou eu para dizer o contrário, mas noto uma cegueira danosa nas palavras dos técnicos e dos ecologistas, porque eles esquecem, ou viram o rosto para não ver, ou se fazem de doidos, ou sei lá o que, de observar e falar do mal, presente e futuro, que os campos de geradores eólicos vem causando as dunas, matas da caatinga, fauna, flora e paisagens brasileiras. As dunas praticamente foram dizimadas do mapa e a caatinga está em terrível e acelerado processo de extermínio. Quem irá pagar essa conta? Vale lembrar que a Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro e seu patrimônio biológico não é encontrado em nenhum outro lugar do mundo. No site do Ministério do Meio Ambiente está escrito assim: “A caatinga tem um imenso potencial para a conservação de serviços ambientais, uso sustentável e bioprospecção que, se bem explorado, será decisivo para o desenvolvimento da região e do país. A biodiversidade da caatinga ampara diversas atividades econômicas voltadas para fins agrosilvopastoris e industriais, especialmente nos ramos farmacêutico, de cosméticos, químico e de alimentos”. Eh, a mistura “científica” entre ecologistas, conglomerados financeiros/empresariais, diretrizes governamentais e interesses multifacetados, dá uma mistura esquisita danada! A imagem que ilustra essa postagem é do blogueiro André Correia, blog Folha de Pedra Grande, e reflete dunas devastadas na praia de Enxu Queimado, litoral norte do Rio Grande do Norte.

A volta ao mundo do Avião Solar Impulse 2

aviao-solar-impulse-20120524-02-original-e1469450957513

Estamos próximos de assistir mais uma conquista da humanidade e em cores bem mais harmoniosas para o futuro do nosso planeta. O Avião Solar Impulse 2 faz as últimas horas de voo para concluir a volta ao mundo utilizando apenas energia limpa vinda do Sol. O Impulse 2 partiu em março de 2015 e deverá pousar em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, ainda nessa segunda-feira, 25/7. O Solar Impulse 2 pesa 1,5 toneladas, tem envergadura semelhante a um Boeing 747, voa em média a 50 quilômetros por hora.  A volta ao mundo do Impulse 2 durou um pouco mais do que o previsto, porque na parada que fez no Havaí teve que permanecer por dez meses para reparo em algumas baterias. Como bem diz os seus idealizadores:  “Este voo vai provar o poder da tecnologia limpa para mudar o mundo”. Veja mais sobre a viagem do Avião Solar pelo site Solar Impulse e acompanhe o voo ao vivo. Fonte: Veja.com