Arquivo da tag: emparn

Olhando a chuva que cai lá fora

mapserv (1) Hoje

Hoje, 22/02, o dia foi de chuva nas paragens dessa praia mais bela chamada Enxu Queimado, litoral norte do RN, aliás, tive notícias que choveu maravilhosamente bem em quase todo Rio Grande do Norte, o que é coisa boa de saber e ver. Na certa vai ter milho, feijão e mais uma rama de produtos saindo da terra benzida pelas chuvas de São Pedro. Eita que o São João vai ser festeiro e com muita fogueira acesa pelo interiorzão de Nosso Senhor Jesus Cristo! Vai ser é bom! E não foi somente nas “terras dos potiguares” que a chuva se fez presente, choveu e vai chover um bocado pelo Brasil e as notícias vindas das terras do Sul, é que a “terra da garoa” está debaixo de água. A imagem do satélite GOES-16, no site do CPTEC/INPE, demonstra o que estou dizendo e corrobora com o relatório  da II Reunião de Análise Climática para o Semiárido do Nordeste Brasileiro, encerrada hoje no auditório da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), em Natal, onde diz que o inverno de 2018 será normal ou acima da média dos últimos anos. Segundo o meteorologista da EMPARN, Gilmar Bristot, os efeitos do fenômeno climático La Ninã, que este ano nem está tão poderoso, dão todas as condições para um bom ano de chuvas na região Nordeste. Como faz o bom e valente sertanejo, vamos manter as esperanças! Na noite da quarta-feira, 21/02, olhei para as estrelas e lembrei dos escritos do lendário velejador francês Bernard Moitessier, no livro O Longo Caminho, livro de cabeceira de boa parte dos velejadores de cruzeiro. Moitessier, quando observava que as estrelas estavam muito brilhantes, era sinal de mudança de tempo e muita chuva. Ele dizia que aprendeu essa técnica quando de suas navegadas pelos rios e mares chineses. Li e nunca esqueci essa parte do livro  do francês que se transformou em um mito para a vela de cruzeiro, e sempre me utilizei dela em minhas navegadas. Pois bem, ontem a noite, as estrelas estavam incrivelmente brilhantes.

Anúncios

A parada agora é com La Niña

mapservFazer previsões meteorológicas nos dias de hoje é talvez um dos maiores embates que vivem os estudiosos do clima, porque a natureza está num acelerado processo de reciclagem que nem as lentes dos mais poderosos satélites estão conseguindo decifrar o que acontecerá vinte e quatro horas mais a frente. Basta ver a destruição que causou a passagem do furação Matthew, pelo Caribe, deixando atônitos os homens do tempo. Olhando os fortes ventos que castigam o litoral norte do Rio Grande do Norte, e que já deveriam ter amansado o sopro, escutei um velho pescador dizer assim: “…Se me dissesse que estava soprando esse vento todo por essa época do ano, eu diria que era conversa de pescador”. Apenas balancei a cabeça e sorri. Ontem, 19/10, em Brasília, a chuva e o vento castigaram a cidade e nas águas do lago Paranoá a bagaceira deixou prejuízos incalculáveis para a turma da náutica. Em Santa Catarina um tal de tsunami meteorológico, que eu nunca havia escutado falar, deu o que falar e arrastou carros e pessoas para o mar e as previsões para o restante da semana não são muito diferentes do que estamos vendo. Os meteorologistas afirmam que já é efeito da La Niña, a irmão feiticeira e oposicionista do bruxo El Niño, mas, timidamente, acrescentam que a Niña não vem com essa bola toda e que seu efeito será moderado. Tá certo!

DJF_la           

As mídias sociais já azeitaram a engrenagem da boataria e tem notícias para todo gosto, de seca dos infernos a cheia monumental e tem até quem afirme que o sertão vai virar mar. Porém, o chefe do setor de meteorologia da Emparn – Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN, Gilmar Bristot, já se apressou a desmentir a boataria e disse que o inverno será normal, podendo ser até acima da média para o semiárido, o que interromperia os cinco anos de seca que vive a região nordeste. Segundo ele, La Niña já está agindo sim no clima do planeta e com forte atuação. Deus te ouça professor! Agora vamos ver o que diz a turma do Cptec/Inpe para essa quinta-feira e para a sexta-feira, 21: 

PREVISÃO

Nesta quinta-feira (20/10), o escoamento difluente em altos níveis combinado com a presença do Jato de Baixos Níveis (JBN), calor e umidade, além da frente fria que avançará até o sul de SC, deixará o tempo com condições de instabilidades sobre a Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Além da chuva, ocorrerão muitas descargas elétricas, ventos localmente fortes e, de forma mais isolada, queda de granizo. Também choverá de forma ampla e com elevado risco para temporais em SC e no PR. O aquecimento em superfície combinado com a umidade favorecerão convecção em pontos do Sudeste, especialmente em GO, Triangulo Mineiro no sul de MG, Centro-Oeste, Sudeste e faixa oeste e sul do Norte do Brasil. No litoral sul da BA, choverá de forma muito fraca e isolada. Na sexta-feira (21/10) o sistema frontal avançará até entre o PR e o sul de SP, causando condição para chuva entre SC e SP. No próximos dias, os modelos estão colocando chuva generalizada entre o Norte, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, devido ao calor, difluência em altos níveis e aos cavados vindos de oeste. Também a presença de um Vórtice Ciclônico em Altos Níveis (VCAN) auxiliará para chuvas no interior do Nordeste do Brasil.

Fonte: Tribuna do norte e Cptec/Inpe

Vento forte está acima da média no Rio Grande do Norte

Lavagem do Avoante 013

Que os ventos no Rio Grande do Norte, nos meses de Julho e Agosto, são fortes, isso todo mundo já sabe, mas nesse 2011 parece que os ventiladores estão turbinados. Segundo o meteorologista Gilmar Bistroit, da EMPARN – Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte, a média anual de 25km/h, este ano pode chegar a mais 70km/h. A explicação para o fenômeno dos ventos forte é que, ocorre um aumento de pressão no Atlântico Sul e isso favorece o deslocamento de ar para o nordeste. As rajadas mais fortes acontecem entre 10 e 16 horas e já foram registradas rajadas de 70km/h. Com toda essa ventania desenfreada o mar também solta seus cachorros, e assim, já são anunciadas ondas, para os próximos dias, de mais de 2,5 metros de altura. A Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte já emitiu aviso de ressaca para todo litoral nordestino, alertando os clubes náuticos, marinas e colônias de pescadores.