Arquivo da tag: crônica

Cartas de Enxu 21

IMG_0005

Enxu Queimado/RN, 23 de Fevereiro de 2018

Sabe Nanã, no mar aprendi que os ventos contrários não nos impedem de seguir em frente. Na verdade, eles nos fazem mais confiantes para navegar em mares cada vez mais tempestuosos, desde que estejamos focados e determinados a alcançar um objetivo, porém, para isso não interessa o tempo que se passe, porque a felicidade não está em chegar no menor espaço de tempo, a felicidade, a plenitude, a vitória, está no chegar. Quantas vezes me desesperei, quantas vezes xinguei o vento, as ondas, as correntes marinhas, a chuva, a vida maluca que havia escolhido, e no final da navegada, ao olhar para trás, sentia vergonha das palavras jogadas sobre o mar, pois sabia que todo aquele aperto havia sido criado dentro de minha cabecinha de vento, que não queria enxergar o óbvio: Os elementos estavam se esforçando para dar uma aula e eu não queria ver. Nanã, o mar, a vida, a alma, a natureza, necessitam apenas da nossa paz de espírito para que nos mostrem os caminhos dos coloridos vales onde se fabricam e se realizam os mais belos sonhos e projetos de vida.

Aí você irá perguntar: – E você tem toda essa paz de espírito? – Tenho não minha irmã, pois se tivesse não teria tantas vezes me desesperado com coisas tão simples, tão lógicas e tão mágicas, mas tento e procuro me manter tranquilo e impassível, não como Bruce Lee, mas como Lucia, que nunca a vi se abater e nem olhar para os problemas pelo lado ruim. Para ela, o lado bom está sempre diante de sua vista e nada, nem ninguém, consegue mudar essa visão. Para que querer o ruim se podemos nos agarrar com o bom, não é mesmo?

Minha irmã, essa carta não é para falar das coisas que nos desassossegam, e sim para contar um pouquinho dessa vidinha mais ou menos que escolhi para passar um bom período de minha trajetória. Dessa varandinha de frente para o coqueiral, montei um maravilhoso posto de observação, de onde avisto a pequenina vila de pescadores tomar rumos para lá e para cá, em um vai e vem freneticamente preguiçoso. A cidade caminha lento e a vida passa ligeiro. Ainda não aprendi a medir o tempo por aqui, mas já sei precisar quando se aproxima o final da tarde, porque é o momento que passam tropas de carneiros e ovelhas de volta ao curral. Dizem que uma ovelha negra põe um rebanho a perder, e põe mesmo, pois de vez em quando vejo algum proprietário, na calada da noite, em busca do seu rebanho. Adoro apreciar esse movimento, mas quando a bichinhas entram em meu quintal para comer as plantas, gosto não. Pois é, Nanã, aqui se cria bicho solto nas baixas e na rua, e quem quiser que se acostume, porque reclamar não adianta. Também, reclamar para que, não é mesmo? Cada povo com sua cultura e mania.

Já que falei do horário das ovelhas, vou falar dos galos, que tem o relógio mais certeiro. A regra diz que os cocorocós dos penosos anunciam o nascer do Sol, mas os daqui são adiantados e às 23:30hs, em ponto, soltam a garganta. Eu acho arretado essa passagem, pois sei que é chegado a hora de estirar o esqueleto na cama, se bem que, nem sempre os olhos querem dormir e vou ficando, ficando, até que a madrugada se anuncia alta e vou me aninhar.

Nanã, você gosta de seriguela? Se gostar, tenho uma mini floresta no terreiro e as bichas são doces que só vendo. Quem gosta mesmo são os galos de campina, que chegam com a barra do nascente, fazendo a maior algazarra para acordar quem ainda dorme. A sabedoria dos campinas é de fazer valer ensinamento a raça dos “homens sábios”. Da ruma de seriguela do pé, cada galo de campina só degusta um por dia e deixa quieto o restante para quem vier depois. Nós é que somos gulosos e colhemos até os que não queremos mais, pois quem vier depois que se lixe. Como diz o ditado do mal-educado: Se eu não pegar, o outro vem e pega.

E por falar em deseducação: Nanã, você tem ouvido as letras das músicas dos carnavais de hoje? Aliás, músicas de carnaval não, pois elas tocam o ano inteiro e se brincar tocam até em velório, e não tem que me convença que aquilo é música. A mulherada grita por aí que está sendo maltratada, abusada, assediada e mais uma interminável lista de “adas”, mas basta botar para tocar um paredão, mandando ralar a checa, mostrar o bunda, sentar na maromba ou levar porrada na cara, que as “novinhas” se acabam de dançar e ainda pedem mais. – Reclamar de que e a quem? – De nada e não tem a quem, vamos indo assim mesmo, até o bagaço se desintegrar.

Nanã, Margareth Lopes Mattos, minha irmã e minha madrinha de apresentação, esses são pequenos fragmentos de minhas observações enquanto balanço na rede armada na varanda. Lá no alto brilha uma estrela e pelo reflexo do seu brilho, vejo novos sonhos e felizes horizontes iluminando sua vida.

Um beijo, Margareth, e estou lhe esperando aqui para comer uma moqueca!

Nelson Mattos Filho

Anúncios

Visões em uma noite de dezembro

7 Julho (186)

Nesses dias de luz, renovação e esperança que antecedem o Natal, fico aqui em meu cantinho no cockpit a refletir sobre o cotidiano desses tempos modernosos e me pego navegando em mares que me aguçam os sentidos.

Estamos ancorados ao lado de uma ilhota baiana e cobertos pelo manto negro da noite escura. Ao longe, luzes adormecidas acalentam o sono de uma pequena comunidade praieira e nada mais, a não ser o silêncio ensurdecedor que de vez em quando é quebrado pelo marulhar dos peixes saltando próximo ao casco do Avoante. Como é gostoso ouvir o silêncio e observar as sombras enfeitiçadas que dançam no imenso palco noturno.

O que faria Jesus nos dias de hoje? Será que nasceria em uma acanhada e tosca manjedoura ou sob os cuidados de uma excelente equipe de médicos famosos? Qual estrela anunciaria seu nascimento e quem seriam os três magos que caminhariam ao seu encontro? Existiria lista de presentes em alguma loja afamada? E os burrinhos, as ovelhas, os carneirinhos e os outros bichos que cercavam a acanhada manjedoura, será que fariam parte da nova cena? Qual crença ficaria com os direitos autorais de seu nascimento? Os sacerdotes usariam mantos puídos e empoeirados ou vestiriam belos e vistosos ternos ornamentados com gravatas coloridas. E o batismo? Seria em algum templo monumental e sagrado ou seria em algum riozinho qualquer que ganharia fama imediata, apesar da poluição infernal das águas que corroem os rios desse novo mundo tão bisonho.

Diante de tantas indagações me socorri da escuridão e do silêncio que me cercava para pedir perdão ao Menino Jesus das heresias dos meus pensamentos. Claro que as sombras da noite me enfeitiçaram e amalucaram minhas ideias. Quem sou eu para pensar tantas besteiras sem sentido e sem nenhum senso lógico? Tudo está escrito nos livros sagrados e apenas os sacerdotes conhecem os meandros por detrás das letras. Os sacerdotes anunciam a volta de Jesus e mantem segredo do dia e hora, porque assim lhes foi dito pelos anjos anunciadores. Dizem eles que trombetas soarão, trovões sacudirão a terra e o fogo de mil línguas cortará o Céu. Nada parecido com a tranquilidade e simplicidade de dois mil anos atrás, onde apenas uma estrela surgiu no firmamento anunciado o Messias.

Os tempos hoje são outros, segundo dizem os novos anunciadores, estamos no tempo da desgraça, da falta de vergonha, de pudor, de honra, de amor, de sentimentos. Vivemos sob o domínio dos gananciosos, dos pregadores do caos, dos sacerdotes afortunados, dos vendilhões, dos enganadores da alma, dos encantadores de espíritos, dos espertalhões da fé e dos julgadores do pecado alheio. Diante de tanta desfaçatez somente a fúria de mil canhões atômicos para um novo recomeço do mundo. Depois disso, trevas reinarão nos campos, as águas se agitarão, o ar ficará irrespirável e somente os puros de pecado sobreviverão. Será pretensão?

Eita que minha noite está longa e meus pensamentos cada vez mais pecaminosos. Um vinho! Isso mesmo, um vinho para por ordem em minhas ideias e me tirar da escuridão silenciosa. O vinho que representa o sangue de Cristo e sendo assim acalmará a minha alma. No céu uma estrela brilhante toma forma e reflete sua luz sobre a taça. Será a estrela de Belém? Será o anuncio do Menino Jesus? O pão! Sim, um pão para matar a minha fome. Mas, fome de que? Não tenho fome, o que tenho são pensamentos tendenciosos e maledicentes. Mas deixa ver, pois quem sabe eles clareiam.

Onde nasceria o Menino? Será que no meio da loucura da guerra que maltrata e corrói a Terra Santa? Será nos campos castigados pela loucura de etnias religiosas amalucadas que não se toleram? Ou será naquele povoado que avisto do cockpit do Avoante e que me parece coberto de paz. Mais um copo de vinho e sinto que meus pensamentos sobrevivem à força terrível da heresia. A estrela brilha sobre a cidade, porém, não vejo movimento sobre a terra adormecida. Nenhum mago, nenhum carneirinho, nenhum burrinho, nenhuma vaquinha e nem sinal de camelos. Mas estou longe e talvez por isso não esteja enxergando. Apenas aquela estrela que brilha sem cessar enquanto se encaminha para o poente.

Tento escutar o sussurro do vento, porém, o silêncio não deixa. Sinto nas entranhas o pulsar do oceano sob mim e fecho os olhos para me reencontrar. A estrela se foi, a noite reflete um brilho negro fascinante, o vento faz rodeios sobre minha cabeça e as águas parecem ressonar. Olho em volta e sinto que não estou só naquela noite de magia. Lucia dorme um sono profundo, mas tem alguém ali que eu não vejo. Alguém que quer me dizer que o Menino foi único, que se fez homem e morreu pregado na cruz diante de uma plateia ensandecida, incitada por um rei corrupto, malandro e demagogo. Tristezas assim se renovam e a humanidade não aprende.

O vinho acabou e fui tentar dormir o sono dos justos e sonhei com um menino caminhando pelos campos e conversando com as flores. Que noite!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Amigos, ironia desta vida

IMG_0105

O amigo, velejador, poeta, escritor, boêmio e inveterado amante dos oceanos, Érico Amorim, certo dia enviou o texto maravilhoso que você lerá abaixo e este navegou perdido pelos arquivos secretos desse meu computador metido a pregar peças. Futucando aqui e ali resgatei a crônica e agora divido com você leitor, com o consentimento do autor. A título de esclarecimento: IDEC, mencionado, é o Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Rio Grande do Norte, do qual o autor esteve presidente.

Amigos, ironia desta vida.

Pequena crônica de Érico Amorim

O amigo Sydnei, de São Paulo, às vezes, talvez brincando, dizia: é isso aí, já estou no outono da vida. Talvez se referindo à maturidade de seus 70 anos. Hoje, almoçando sozinho, fazendo jus aos meus dotes culinários e tomando meu vinho, entra a Alcione: “amigo, ironia desta vida, você me ouve mais que os amigos lá do Brás”. Aí eu não resisti e comecei matutar cá com meus botões. Fui passando minha vida a limpo, resumindo essas duas ideias: poucos amigos e a dificuldade de comunicação entre as pessoas. Será que estou no outono da vida, já com poucos amigos e ninguém me escuta mais?

Quanto a não escutar ou outros, nisso eu sou Doutor. Passei a vida toda interrompendo o fim das frases alheias. Se eu fazia um sacrifício enorme para sintetizar minhas ideias, por que seria obrigado a ouvir tantas repetições? Aqueles discursos sem fim sempre me pareceram um atestado de burrice e por mais que me contivesse não resistia ouvi-los até o fim.

O tempo, porém é senhor de todas as verdades. E descobri que ouvindo mais e falando menos a gente fica com mais tempo para refletir naquilo que ouvimos e se falamos pouco provavelmente erramos menos. Churchill disse: deixe os outros errarem também. Esse aprendizado, no entanto, não foi muito fácil, mas fiz um grande avanço e hoje já consigo ouvir as maiores asneiras sem interromper o interlocutor. O raciocínio é simples: pra que interromper semelhante besteira? E se for um raciocínio que não consegui acompanhar de tão profundo, terei tempo para refletir.

E os amigos? Há, esses a gente só consegue reconhecê-los depois dos fatos passados. Talvez por ter tido a criação que tive e um pai espiritualmente avançado, não imaginava, por exemplo, que todos aqueles que se ofereciam para jantar na sexta-feira estavam interessados tão somente em jantar com o Presidente do IDEC (hoje Idema) e não com Érico Amorim .

Como a vida dá voltas, quando voltei a assumir cargos importantes depois de ter deixado o IDEC passei a ver que alguns davam sinais de bajulação e nada de amizade sincera, ou mesmo amizade nua e crua. Aí, porém eu já havia aprendido a lição.

Outros falsos amigos que frequentaram minha casa, ou mesmo filho de amigos meus ou também colegas que na Faculdade eram pessoas simples se transformaram ao assumir cargos públicos passando a mostrar seus verdadeiros sentimentos.

Parece que Sydnei tem uma certa razão: somente no outono da vida, quando se consegue distinguir bem o joio do trigo a gente ouve mais e distingue facilmente os verdadeiros amigos. Mesmo aqueles que por mais ausente que estejam são amigos de verdade.