Arquivo da tag: cabo frio

Registros e lembranças de uma velejada

Outubro (80)

VIAGEM NO VELEIRO COMPAGNA

DIÁRIO DE BORDO

No final de outubro de 2015 embarcamos no veleiro Compagna, um Delta 36, a convite do comandante Braz, para levá-lo de Salvador a Paraty. Foi uma viagem maravilhosa em que registrei dia a dia em um diário.

20151024_09280220151024_092840

1º dia – 24/10

Saída do Aratu Iate Clube às 8horas e 40 minutos no rumo de Camamu/BA. A bordo os proprietários Braz e Cris, eu e Lucia. Vento ESE e mar de almirante. Velejada tranquila, porém, Braz e Cris tiveram leve desconforto com o fatídico enjoo, mas nada que tirasse o sossego de nossa velejada. Afinal de contas era o primeiro contato deles com o mar aberto e era de se esperar que o enjoo desse o ar da graça. Um peixe se encantou com a isca artificial e teve que ser embarcado. Chegamos à barra de Camamu com maré de enchente e às 21h20minutos jogamos âncora em frente à casa da saudosa Dona Onília Ventura, na Ilha de Campinho.

Outubro (85)Outubro (14)Outubro (40)Outubro (72)

2º dia – 25/10

Acordamos cedo, tomamos café e desembarcamos para rever e abraçar Aurora, uma das pilastras da Ilha de Campinho e, para mim, a melhor referência da Baía de Camamu. Em seguida fomos de botinho até a Ilha de Goio, onde passamos bons momentos entre banhos de mar e bate papo com o proprietário do único restaurante da pequena ilha, mais conhecido como Sr. Goio, que é uma figura. Retornamos ao Compagna para almoçar uma moqueca, preparada por Lucia com o peixe que pescamos. No fim da tarde eu e Lucia desembarcamos para despedir de Aurora e retornamos ao Compagna para o sono dos justos. Continuar lendo

Anúncios

Notícias do mar – III

20151104_04512820151104_04515720151104_045816

Dá notícias ao vivo diretamente do mar não é um privilégio, nem um luxo, nem lixo, nem um monte de adjetivos e alguns podem até achar que é amostramento. Será? Eu bem que gostaria de falar com quem desejasse a toda hora e minutos quando estou no mar dando uns bordos por aí e até poder atualizar o blog, mas nem sempre a banda toca no ritmo que a gente deseja e nossas operadoras de telefonia ainda não estão tão avançadas assim. Quem sabe um dia! Porém, aqui vai mais uma postagem de notícias enquanto navego na coordenada S 23 00.696 / W 042 25.499, sobre um mar de esposa de almirante, vento de proa e promessa de pauleira para as próximas 24 horas, mas se Deus assim permitir, quando começar a festança estaremos com o Compagna muito bem ancorado no Clube Naval Charitas. As imagens acima foram retiradas do tempo, no comecinho da manhã desse 04/11, no momento em que deixávamos para traz o Focinho do Cabo – ponto notável a navegação localizado em Cabo Frio/RJ, que é frio de verdade e para quem quiser tirar a prova, basta navegar por lá durante a madrugada. E por falar em cabo: O tão temível Cabo de São Tomé estava em paz com a natureza, com um humor maravilhoso e até sorriu diante da nossa passagem. Posso dizer que até agora tudo foi,  e está, muitíssimo bem a bordo e a nossa navegada está uma delícia. Que venha o Rio maravilha!

Veleiro australiano é desencalhado em Cabo Frio

veleiro encalhado

Notícias vindas no rolo das ondas mágicas da internet dão conta que o veleiro Morfa London, de bandeira australiana, que havia encalhado na Praia do Peró, em Cabo Frio/RJ, foi desencalhado na tarde da última Sexta-Feira, 19. A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro, informou que o comandante australiano, único tripulante e que não teve o nome divulgado, teve ferimentos leves e que o acidente não causou poluição no local.     

Veleiro australiano encalha em Cabo Frio

veleiro encanhado 1

Um veleiro de bandeira australiana que dava volta ao mundo encalhou em Cabo Frio/RJ na noite da Quarta-Feira, 17. O comandante de 71 anos dormia e não percebeu que o barco derivava para a Praia do Peró, na ocasião soprava ventos fortes e o mar levantava altas ondas. Esse não é o primeiro e nem será o último acidente com essas características, mas é um alerta para todos nós. A ancoragem, que muitos acham ser uma operação fácil, é um dos momentos mais cruciais para o navegante. Não achem que estou aqui condenando o australiano e nunca o faria, pois reconheço a bravura de homens que se lançam ao mar em uma viagem transoceânica, onde muitas vezes o desconforto do cansaço os traem. O verão está chegando com seus dias coloridos de sol, mar e alegria, e muitas praias e recantinhos do litoral acenam chamando o navegante para uma deliciosa ancoragem, mas é bom ficar alerta, pois é justamente no verão que a natureza manda alguns recadinhos ameaçadores e por isso o navegante não deve descuidar da segurança da embarcação.