Arquivo da tag: BV 43

Votos renovados com o mar- I

IMG_0054

Não estou mais no Avoante e nem morando a bordo, que foi um dos maiores aprendizados que tive na vida e aconselho a todo mundo passar por essa experiência, mas não saí do mar e nem o mar saiu de mim, porque temos uma relação de amor incondicional, um imã poderoso, que nos faz ligados mesmo quando estamos a milhas e milhas de distância um do outro. O mar é o bálsamo que acalma minha alma irrequieta, mantém vivo meus sonhos e me abre encantadores horizontes. O mar é vida. O mar tem alma. O mar não é dos valentes, mas sim dos sonhadores e dos que tem no coração a leveza de ser e a perseverança de seguir um pouquinho mais à frente. Mar, ser encantador e guardião das verdades! Mar, me permita amá-lo para o sempre!

Estava eu sob a sombra da humilde, refrescante e instigante varandinha de minha cabaninha de praia, quando escuto o toque do celular e não sei porque me veio a lembrança dos seres encantadores dos oceanos. Do outro da linha o comandante Flávio Alcides me convidava para uma velejada pelas águas do Senhor do Bonfim e sem nem piscar o olho e nem pensar, respondi sim. – Quando? – Começo de dezembro. – Estarei lá! Isso não é convite que se faça a um amante do mar, porque por mais que forças estranhas lutem contra, mais a vontade cresce e os contornos vão sendo moldados para acolher a razão. Lucia sempre diz que para velejar é preciso prioridade e tudo mais deve ser descartado, ou simplesmente adiado sumariamente. – É assim? – Claro que é!

O convite não foi apenas para mim, mas também para alguns amigos em comum, que deixaram a prioridade de lado e se apegaram com os descartes e as desculpas. Resultado: Sobrou espaço no confortável catamarã Tranquilidade, um BV 43 construído no estaleiro Bate Vento, lá nas terras maranhenses do Boi Bumba. A tripulação foi formada apenas com o comandante Flávio, a imediata Gerana, Lucia e esse navegante e praieiro escrevinhador. Velas ao vento e vamos lá!

A viagem teve início em Enxu Queimado, um povoado praia – ou seria uma praia povoado? –, localizado no litoral norte potiguar, onde me divirto olhando de minha rede na varanda a natureza que muda a cada milésimo de segundo. – E como muda! A estrada era longa até Salvador do Senhor do Bonfim, mas como prefiro o mar e as estradas para me locomover, acelerei meu Fiat bala e fomos em frente com a alegria estampada no rosto. – Qual estrada seguir? Tudo já estava na minha mente, pois fiz o trajeto de carro entre Natal/Salvador inúmeras vezes, porém, partindo de Enxu Queimado seria a primeira, e tomara, de muitas.

Reprogramei a rota na cachola e partimos em direção a cidade de João Câmara, onde outrora morei e tive um comércio de padaria, aliás, sem falsa modéstia, uma das melhores da cidade. De lá seguimos pelas estradas e cidades do sertão e agreste: Bento Fernandes, Riachuelo, São Paulo do Potengi, Senador Elói de Souza, Tangará, onde tem um pastel maravilhoso, São José de Campestre, Passa e Fica, todas no Rio Grande do Norte. Na Paraíba passamos por Belém, Bananeiras, lugar mais do que lindo, Solânea e desaguamos na famosa Campina Grande, do melhor forró do mundo. Paramos na entrada da cidade de Barra Santana/PB para se esbaldar numa pamonha de lascar meio mundo de boa, no restaurante Leitosa. De bucho cheio a viagem seguiu por Toritama/PE, cidade famosa por suas fabricas de roupas de marca, porém, incrivelmente desarrumada e mal cuidada, Caruaru, capital pernambucana do forró e da moda, e seguimos em frente até alcançar a bela e faceira sereia Maceió/AL, onde paramos na casa do casal Daniel e Ângela Cheloni, proprietários do restaurante Del Popollo, o melhor da capital das terras dos menestréis.

Após uma noite bem dormida e bem alimentada, com as delícias do Del Popollo, tiramos uma reta para a capital baiana, que fica pouco mais de 600 quilômetros de Maceió. – Você acha que a viagem foi longa e cansativa? – Pois digo que cansativa foi um pouco, mas foi arretada de boa e adoro cruzar as estradas que cortam o interior brasileiro. Me sinto mais eu, mas vivo e um tiquinho mais conhecedor das causas que nos atinge no dia a dia. Como bem disse o mestre-sala das letras Aldir Blanc: “…o Brasil não conhece o Brasil…”. – Atesto e dou fé! Temos um país maravilhoso, acolhedor, rico, fascinante, empobrecido pelos desmandos, alegre, festeiro, livre, dotado de uma geografia ímpar e habitado por um povo fantástico. – Duvida? – Saia do bem bom do sofá e vá ver!

Ufa! Depois das estradas da vida desembarcamos na marina Angra dos Veleiros, onde nos esperava o catamarã Tranquilidade e seu belo casal de comandantes, revimos e abraçamos os amigos que ali estavam, embarcamos e abrimos uma cerveja para comemorar a abertura de mais uma página da nossa história no mar da Bahia, que de tanto eu falar bem, de tanto me deleitar em sua maciez, de tanto respeito que tenho por seu Senhor maior, guardião que a tudo protege do alto da Colina Sagrada, de tanto pedir a benção ao poderoso séquito de Orixás que por lá navega, recebo de coração e um eterno agradecimento tudo aquilo que eles me reservam.

“…Glória a ti nessa altura sagrada/És o eterno farol, és o guia/És, senhor, sentinela avançada/És a guarda imortal da Bahia…”

Nelson Mattos Filho/Velejador

Anúncios

De volta ao batente

IMG_0053

Eh gente, passei uns dias sem dar o ar da graça por aqui, mas foi por uma boa causa, aliás, acho que posso até dizer que foram dias de férias. Pronto, achei a palavra certa: Férias. Recebemos um convite do comandante Flávio Alcides e da imediata Gerana, para embarcar e perambular pelo mar do Senhor do Bonfim, no catamarã Tranquilidade, e aceitamos de pronto. Porém, nem pense que contarei agora como foram esses dias maravilhosos navegando pela Baía de Todos os Santos, um lugar que amo de paixão, porque essa história contarei com muita calma e detalhes, pois agora tenho que preparar a postagem do anuncio dos ganhadores da segunda edição do concurso Meu Pôr do Sol no Diário do Avoante.   

O catamarã de velocidade – V

20160424_171424

Sei que é difícil para muitas pessoas embarcar em um veleiro para uma viagem de mais de dez dias. Deixar a vida agitada das cidades, principalmente para quem está na lida diária do trabalho, enfrentar a inconstância do mar, o ritmo lento do navegar de um veleiro e o bucolismo de pequenos lugarejos ribeirinhos é quase uma prova de tortura, ainda mais nesses tempos de comunicações facilitadas pela bruxaria dos aparelhinhos de celular. Com o celular em mãos, e suas variantes comunicativas, ficamos a mercê das chantagens emocionais daqueles que ficaram em terra e basta um que de nada para bater a vontade de voltar ou simplesmente matar uma saudade.

IMG_0162

Quando fomos convidados para tripular o catamarã Tranquilidade em seu retorno as águas baianas sabíamos que seria uma viagem das mais gostosas, porque é sempre bom navegar na companhia de amigos, ainda mais sendo todos amigos do mar. Inicialmente planejamos uma navegada que favorecesse lugares distantes dos grandes centros e fizemos o possível para seguir a risca o planejamento. O roteiro foi sendo alterado à medida que demorávamos um pouco mais em uma parada e também de acordo com os ditames da natureza, mas procurando manter o foco em lugares paradisíacos.

IMG_0168 

Quando da nossa ancoragem em Maceió/AL parte da tripulação decidiu que iríamos direto para Salvador/BA e chegando lá navegaríamos por dois dias na Baía de Todos os Santos. Quando eu e Lucia recebemos a notícia ficamos sem entender o motivo, mas ficamos com pena, pois havíamos feito um roteiro maravilhoso e sabíamos que o comandante Flávio gostaria de seguir o planejado.

IMG_0167

Entre Maceió e o Salvador, com o celular funcionado a todo vapor, praticamente a navegada de dois dias no mar da Baía de Todos os Santos estava fadada a ir por água a baixo, porque Geraldo e Myltson já haviam comprado por telefone a passagem de volta para o dia seguinte da nossa chegada. No través do Farol de Itapuã, Lucia serviu o almoço e disse que era uma afronta ao bom senso eles estarem encerrando uma navegada tão boa, ainda mais com dias de antecedência e sabendo eles que aquela viagem era um sonho do comandante. Continuar lendo

Uma regata bem baiana

8 Agosto (313)8 Agosto (319)

A Regata Aratu Maragojipe é realmente uma grande festa embarcada navegando nas águas abençoadas pelo Senhor do Bonfim. Mais uma vez participamos dessa que é a maior regata da Bahia e dessa vez fomos a bordo do catamarã Tranquilidade, BV 43, atendendo o convite do comandante Flávio Alcides e tripulação. Nessa edição, a 45ª, mais de 80 veleiros estavam alinhados em frente a Ilha de Maré para a largada e foi bonito ver o bailado de velas a espera da abertura das cortinas que aconteceu em três atos. Às 10 horas largou o primeiro grupo e às 10 horas e 40 minutos todos já estavam no rumo de Maragojipe, impulsionados pelos ventos da viração que trazem alegria ao iatismo soteropolitano.

Mas como ninguém é de ferro, a festança começou mesmo na noite anterior a largada com uma grande confraternização nas dependências do Aratu Iate Clube, anfitrião do evento, que se estendeu madrugada adentro e sem hora para terminar. O problema foi arranjar disposição para logo cedo levantar velas, aproar a raia da regata e ainda esquecer a ressaca. Mas como todo ano a pisadinha é essa, a turma já calejou e a ressaca que se exploda.

8 Agosto (324)8 Agosto (330) 

O Tranquilidade não teve a sua melhor performance, para tristeza de parte da tripulação, mas em compensação a cozinha de bordo funcionou a todo vapor e em plena competição Lucia estendeu na mesa uma deliciosa moqueca de fruta pão, acompanhada de carne de fumeiro e salada, que fez os regateiros de bordo esquecerem os percalços do esporte.

8 Agosto (346)

A tarde já estava avançada quando cruzamos a linha de chegada em frente a histórica Maragojipe, Aliás, nas margens do Rio Paraguaçu tudo é carregado de história, mas ainda deu tempo de jogar âncora e com muita tranquilidade e paz apreciar a beleza de mais um pôr do sol.

8 Agosto (353)

Foi assim que vi a 45ª Regata Aratu Maragojipe. Uma regata bem baiana!

Festejando a vida no Tranquilidade

IMG_0477

Eita que o tempo passa como um raio. Na semana passada, penúltima de Janeiro, estávamos a bordo do catamarã Tranquilidade, na companhia do comandante Flávio Alcides e do casal pernambucano Rogério e Sagra e do filhinho João. Passamos praticamente uma semana no clube Angra dos Veleiros, para acompanhar o serviço de manutenção elétrica, eletrônica e hidráulica realizado pelo Rogério. Alias, Rogério é um craque nesse assunto e não foi por menos que Flávio o trouxe de Recife apenas para esse fim. Mas foi também uma semana de regime forçado de engorda, pois Lucia não deu um minuto de sossego as panelas. Para brindar o encontro, o comandante serviu a cada noite duas garrafas de vinho da melhor cepa. Não é para fazer inveja, mas o prato do jantar, mostrado na foto acima, foi um suculento Frango ao molho de tomate e quarenta. Tava bom!

Expedição Tranquilidade – V

IMG_0133

No post IV da Expedição Tranquilidade prometi que na postagem seguinte navegaríamos pelas veredas aquáticas que levam a um dos mais belos recantos navegáveis da costa brasileira, mas resolvi dar um bordo para ir até a cidade de Camamu. A imagem que abre essa postagem é da ponta sul da ilha do Goió e que dá uma pequena mostra da beleza reinante naquele santuário natural da costa baiana.

IMG_0138IMG_0139IMG_0144IMG_0145IMG_0146

Poderíamos ter ido a cidade de Camamu a bordo do Tranquilidade, numa navegação pontilhada de waypoints, mas nem por isso terrivelmente complicada. É apenas uma navegação que exige atenção e um pouco de conhecimento em rios e igarapés. O canal de acesso a cidade de Camamu tem sim seus segredos e eu até conheço boa parte deles, mas a prudência sempre fala mais alto e nada melhor do que embarcar em um dos muitos barcos, toque-toque, que fazem a linha, num passeio de interação com os nativos, vivendo suas histórias, escutando seus causos, dando boas gargalhadas e observando a paisagem que passa como em um filme em câmara lenta de um mundo encantado. Foi assim que deixamos o Tranquilidade ancorado entre as ilhas de Sapinho e Goió e embarcamos no barco Camponesa, do amigo boa praça Joaquim. Porém, com um pequeno detalhe: Temos que acordar às 5 horas da manhã, pois a Camponesa passa impreterivelmente às 5 horas e 45 minutos. Quem não estiver pronto e esperando fica!

IMG_0152IMG_0153

Coroas de pedras como essas é que trazem má fama ao canal. Elas foram plantadas há mais de 450 anos, por índios, colonizadores e outros defensores da terra descoberta, para impedir que esquadras de invasores tomassem conta do pedaço. Diz a história, que os barcos invasores ao encalharem sobre os bancos de pedras, eram atacados por flechas, pedras, balas, impropérios e tudo mais que estivesse ao alcance dos defensores. Deve ter sido uma farra das boas! O resultado é que as pedras continuam lá e até hoje não teve uma viva alma com coragem para retirá-las. Ainda bem!

IMG_0164IMG_0166IMG_0168

E o que será que fomos fazer na cidade histórica de Camamu e que já foi considerada uma das joias da coroa? Fomos a feira que acontece aos Sábados e é a maior da região. Enfeitei as imagens acima com muita pimenta e azeite de dendê, pois representam toda a cultura de um povo. O dendê de Camamu tem fama de ser o melhor do mundo e as pimentas ardem como qualquer outra pimenta baiana. É melhor ir com muita parcimônia quando for pedir uma moqueca por aquelas bandas. O negócio não é para brincadeira! E a cidade? Bem, a cidade não é mais essa joia toda, mas merece uma boa visita para podermos observar o quanto nossos administradores públicos estão desnorteados.

IMG_0161IMG_0162IMG_0180

Depois de cinco horas perambulando pela feira e ruas da cidade baixa de Camamu, chegou a hora de retornar. A Camponesa veio carregada e a gente disputando espaço com sacolas e caixas de compras, mas com muita alegria em estar vivenciando aquele momento. Alguns, apesar do barulho do motor, não conseguiram segurar o cansaço e o sono, que bateu pesado diante da malemolência do percurso. Eu preferi, como sempre, vir na parte de cima e aproveitar um pouco mais do bálsamo que exala daquela paisagem maravilhosa.

IMG_0182IMG_0183

Não posso, não nego e não me canso de falar: A Baía de Camamu é mágica e nenhum lugar no mundo consegue ser tão fascinante. Mas, isso é apenas a minha opinião.

Expedição Tranquilidade – IV

IMG_0126IMG_0120

A navegada do Tranquilidade pela Baía de Camamu foi repleta de bons momentos, belas ancoragens e muita alegria. A passagem pelas ilhas de Goió e Sapinho, em que o pequeno canal entre duas se configura numa das mais perfeitas ancoragens daquelas paragens, se deu em duas oportunidades. O local é realmente indescritível, mas está necessitando de mais atenção do poder público.

IMG_0221

O velho píer público onde outrora havia um pequeno pórtico dando boas vindas aos visitantes, com a frase: Sejam Bem Vindos a Ilha do Sapinho, não serve a mais ninguém, pois está em completo estado de penúria e abandono.

IMG_0187IMG_0189

Da bela e velha passarela, onde podíamos sentar em seus bancos de madeira para apreciar a paisagem e o pôr do sol, e que fazia a ligação entre o Sapinho 1 e Sapinho 2, restou apenas um monumento em homenagem a vergonhosa indiferença dos governantes municipais com a coisa pública e seus eleitores. Não queria ter que mostrar imagens como essas capturadas de um lugar tão fascinante como a Baía de Camamu, mas não poderia deixar passar em branco esses crimes de gestão pública. 

IMG_0193

Mas vamos seguir em frente e navegando por entre os mangues que margeiam o monumental Rio Maraú, pois a natureza não costuma desmanchar os prazeres dos homens, a não ser quando é agredida. Nosso destino no próximo post será um dos lugares mais exóticos e encantados e que fazem do litoral brasileiro uma das grandes maravilhas do mundo.