A orla


IMG_0178

Dizem que as coincidências pegam a gente no contrapé e acho mesmo que a afirmação seja verdade, pois já perdi a conta das vezes em que comentei sobre um assunto e lá para as tantas, o assunto aparece na minha frente, vivinho da silva. – Ei, não precisa tirar onda, pois sei que isso acontece com todo mundo, viu! Pois bem, na tarde da quinta-feira, 26/04, ao passar de carro pelas praias do centro de Natal/RN, em direção a Enxu Queimado, comentei com Lucia que a repaginada que a prefeitura havia concluído recentemente tinha ficado bonita, porém, percebi que meu subconsciente fez cara de muxoxo, mas nem dei cabimento para os trejeitos dele, porque subconsciente tem mania de botar gosto ruim em angu. Segui em frente e ao acelerar para subir a Ponte Newton Navarro, dei uma olhada pelo retrovisor e pensei com meus botões: Eh, bem que a repaginada poderia ter ficado melhor, mas nem tudo é perfeito. O sub deu uma risadinha e fingi que nem ouvi. – Vai pra lá cabra besta!

A noitinha, chegando em Enxu, liguei o computador e fui me assuntar dos moídos do mundo e lá estava o prefeito de Natal, Álvaro Dias, declarando em alto e bom som, numa entrevista, que a orla de Natal é feia, mal arrumada e que precisa urgentemente ser modernizada para trazer novos investimentos. Rapaz, o sub quase caiu para trás de tanto dar risadas de minha cara de tacho amassado. Pronto, pedi arrego, joguei a toalha e concordei com o sub e com o prefeito, que acabou de assumir o posto, no lugar do principal que renunciou para tentar a sorte num andar um pouco mais acima. O sub dormiu em paz, com a alma lavada, e fui me avexar para escrevinhar estas mal traçadas linhas, pois me veio na memória um papo cabeça oceânico, ocorrido a bordo do Avoante, em 2013, enquanto navegávamos entre a Paraíba e Pernambuco, na companhia de Antônio Carpes, Wilson Chinali e Eduardo Aroldo, três cabocos bons que só vendo.

Ao deixar para trás a paisagem da cidade de João Pessoa, Antônio Carpes comentou que a orla da capital paraibana era bonita e que, segundo ele, a única capital do Nordeste que tinha orla feia era Natal e aliás, nem tinha. Lucia, se armou do bairrismo e disparou dizendo que Tonho estava ficando doido, pois a capital potiguar tinha orla e esta era muito bonita. Rapaz, o assunto rendeu milhas e milhas até dar uma dor e não teve quem fizesse eles entrarem num acordo. – Tem orla! – Não tem orla! – É feia! – É bonita! Quando os debatedores deram uma pausa para molhar a garganta, já estávamos próximo de Olinda e ao avistarmos o primeiro lampejo do farol da cidade do carnaval, Tonho disparou: – Pronto, Olinda é uma cidade que tem orla, mas Natal não. Rapaz, começou tudo novamente e ainda bem que o vento apertou o nó e fez o Avoante chegar mais rápido a barra do Recife. O Wilson Chinali que não deixa barato, até hoje, de vez em quando, bota lenha na fogueira e a peleja recomeça. Agora vem o prefeito para botar palha nesse braseiro. Danou-se!

Tirando os nove fora e deixando de lado o moído, todos têm razão em seus pontos de vista. A capital potiguar, apesar das maledicências administrativas de seus mandatários, é linda, tem praias belíssimas, mas merecia uma repaginada mais apurada em todos os quatro cantos. A cidade nos últimos anos perdeu o brilho do seu encanto e anda as tontas pelas vielas marginais do tempo. Até parece que caminha dentro de um enorme labirinto, com o minotauro pronto a lhe dar o bote. Natal não tem mais aquela áurea alegre que lhe dava um brilho intenso e precioso. Tomara que o novo prefeito encontre o fio da meada e destrua os muros do labirinto sem saída.

Como seria gostoso reviver os bons momentos da praia da Praia dos Artistas. Como seria bom ver novamente a juventude dourada de sol, mar e felicidade se estendendo despreocupada naquelas areias mornas e macias. Reviver os bate papos das tardes dos sábados, domingos e das noites iluminadas pela lua. Apreciar os quadros de Dunga expostos no paredão. Vibrar com a maestria do surf potiguar, que começou nos Artistas e hoje faz sucesso mundo afora. Pular ao som da Banda Gália festejando o nascer do sol de um novo ano. E as biritas nas mesas do Caravelas Bar? E as paqueras no calçadão? Eita que a Natal de hoje seria outra!

Prefeito, mostre a Tonho que Natal tem orla e que ela voltará a ser linda. Assuma o timão dessa Nau, quase naufragada, e a faça navegar em mares de paz e tranquilidade. Faça-nos reviver aqueles velhos anos dourados, que você também teve a sorte de vivenciar. – E sabe o que mais? – Não jogue promessas ao vento e não alimente utopias. Faça, apenas faça!

Natal merece mais, muito mais.

Nelson Mattos Filho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s