Arquivo do mês: março 2016

Velejar – Um grupo porreta!

3 Março (420)

Em um bate papo via oceanos internéticos o velejador Leo, veleiro Leoa, deu a ideia ao comandante nota dez Chaguinhas, do não menos famoso veleiro Intuição, para se criar um grupo no WhatsApp para agilizar a troca de mensagens entre velejadores, mas que passasse ao largo dos assuntos que não tivesse o mar e barcos a vela como personagens principais. Claro que diante de um mundo em incessante transformação fica difícil manter um rumo satisfatório e as vezes temos que ajustar o timão em alguns graus para que a Nau volte a velejar em ventos e mares confortáveis. Mas digo que são ajustes tão raros que a tripulação as vezes nem percebe. – Mas não é assim que fazemos no comando de um barco? O grupo Velejar, criado pelo Chaguinhas e que seguiu a rota traçada pelo Leo, hoje é um sucesso e já contabiliza mais de 110 participantes do Brasil inteiro, que se esmeram em discutir – com alto nível de conhecimento e detalhes – assunto como: Elétrica, eletrônica, motores, regulagem de vela, gastronomia a bordo, rotas, ancoragens, dicas de fundeio, informática, restaurantes e pousados nas ancoragens, prestadores de serviço, clubes e marinas, telefones e nomes das pessoas que nos ajudam nas barras brasileiras, causos e histórias da vela. Eu sempre digo aos amigos, quando comento sobre o grupo, que se quisermos saber qualquer assunto que envolva manutenção ou dicas, basta postar sobre o tema e num piscar de olhos recebemos verdadeiros tratados técnicos e práticos, e com detalhes que faz qualquer engenheiro ficar de boca aberta. O Velejar é um grupo náutico arretado de bom e com um perfil alegre, amigo, incrivelmente solidário e que cresce a cada dia na esteira de uma velejada prezeirosa. Parabéns ao comodoro Chaguinhas e ao Leo, como também a todos que fazem do Velejar o melhor grupo náutico do Brasil e, segundo o comodoro, do mundo. 

Anúncios

Projeto quer levar internet a baixo custo aos oceanos

Projeto-Bluecom

A comunicação nos oceanos avança a passos largos desde que o homem olhou para o mar e se viu fazendo parte de uma fascinante e utópica aventura, movido somente pela razão de varar o horizonte e dar asas aos sonhos. Um projeto desenvolvido por portugueses e noruegueses promete dotar os oceanos com sinal de internet, em banda larga, a um custo baixíssimo. A ideia é utilizar bóias, balões de hélio ancorados, embarcações, parques eólicos, plataformas de petróleo, com receptores e transmissores que receberão o sinal de uma rede wireless instalada na costa. O projeto que se chama BLUECOM+, está em estágio final de desenvolvimento e a previsão é que entre em fase de teste até o final de 2016. É assim o mundo vai ficando menor! Fonte: náutica.com.br

Do livro “A Saga do Barcaceiro”

7 Julho (167)

Pra tudo precisa sorte

Até para andar no mar

Onde as águas balançam

Eu queria morar

Prá tudo precisa sorte

até pra navegar

(Cancioneiro das Barcaças)

29ª Regata da Redenção do Aratu Iate Clube

regata da redeçãO Aratu Iate Clube promove no próximo sábado, 19/03, a 29ª Regata da Redenção, uma das mais tradicionais do iatismo baiano e um marco na história do clube da Ilha de São João. As inscrições podem ser feitas em qualquer clube náutico de Salvador até as 18 horas do dia 18/03 ou na secretaria do Aratu Iate Clube até 10 horas do dia 19, ao custo de R$ 20,00 por tripulante. A largada está marcada para 12 horas e 30 minutos do sábado e a cerimonia de premiação as 18 horas na sede do clube.

Polícia Costeira Argentina afunda pesqueiro chinês

ARGENTINA-CHINA-FISHING-BOAT-SANK-GB32KORF6.1

Notícias dos mares do sul dão conta que a Polícia Costeira Argentina afundou o navio de bandeira chinesa, Lu Yan Yuan Yu 010, que pescava ilegalmente no litoral da província de Chubut. A prefeitura naval emitiu comunicado onde diz: “Ativou-se o protocolo de defesa de nossos recursos, e diante da negativa do barco após a abordagem, foram efetuados disparos intimidatórios…O barco desobedeceu as chamada e sinais e tentou colidir com nossa embarcação, pondo em risco a vida de sua tripulação e do pessoal da instituição.” Quatro tripulantes foram resgatados e presos, outros tripulantes conseguiram fugir em outra embarcação chinesa que também pescava na área. Essa foi a primeira vez em 15 anos que a Argentina toma tal medida extrema.  – Agora vamos ver em que vai dar esse bafafá! Fonte: o globo

Delta anuncia novo modelo

Delta 315

O estaleiro gaúcho Delta Yachts anuncia boas novas e deve dar novo alento a vela brasileira. A Delta apresentará ao mundo náutico o Felci 315, desenho do projetista italiano Humberto Felci, autor de projetos para a Dufour e Grand Soleil. O mais novo Delta de 31,5 pés vem com pretensões de fazer fita em regatas e passeios de finais de semana, como fez, e faz, os bons 30 pés que até hoje navegam bonito por aí, caso do Brasília, Fast, Velamar e Cal 9.2. Faz tempo que os estaleiros brasileiros, a Delta principalmente, deixou o segmento dos trinta pés abandonado sob alegação de exigência do mercado, mas que para mim soava como sentença de morte para a renovação da vela brasileira. Pela imagem divulgada, o Felci 315 não me parece um veleiro que atenda os desejos do cruzeirista, porque lhe falta gaiuta central, para ventilação, e algumas vigias, mas festejo como a retomada da produção de um tamanho de veleiro excelente para o litoral brasileiro. Fonte: revista náutica

Mistérios do fundo do mar

navio inca

A notícia é do final de 2015 e veio a tona em janeiro de 2016, porém, chegou até mim e se perdeu em meio aos arquivos recônditos do meu computador. Hoje, sem mais nem menos, dei de cara com ela. Então vamos lá: O desaparecimento do avião da Malaysia Airlines MH370, em 2014 com 239 pessoas a bordo, pode ser considerado como o maior mistério da aviação nos últimos anos e está completando dois anos. Na semana passada foram encontradas duas peças numa praia em Moçambique, mas as autoridades descartam anunciar que sejam partes do MH370 até que saia o resultado de perícia a ser realizada na Austrália. Essas partes encontradas em Moçambique se juntam a parte do avião que foi encontrada na ilha de Reunion em junho de 2015 e já confirmada como sendo do avião desaparecido. Mas o que chamou atenção em dezembro de 2015, foi o achado do barco que aparece na imagem acima e que está a mais de 3,7 quilômetros de profundidade, que segundo os especialistas, trata-se do navio peruano SV Inca, que desapareceu em 1911. Aliás, esse é o segundo navio encontrado depois que foram iniciadas as buscas pelo MH370. Em maio de 2015 foram encontrados restos de uma embarcação do século XIX, a mais de 3,9 quilômetros de profundidade. As equipes de busca já varreram mais de 80 mil quilômetros de área e pretendem manter a procura até junho. Fonte: veja.com