O grande mar – V


IMG_0195

Sinceramente não consigo aceitar o descaso que faz com que as cidades e povoados ribeirinhos do Rio Paraguaçu, e de tantos outros que cortam o nosso país, fiquem sem um píer de embarque e desembarque. Para mim isso é um crime administrativo que está sendo acobertado por aqueles que têm o dever de punir.

O Paraguaçu é uma joia rara para a navegação de esporte, turismo e recreio. A falta do equipamento é no mínimo uma vergonha que precisa ser reparada. Em alguns lugares até que ele existiu em outra época, mas o que sobrou dos escombros está lá, como uma denuncia a céu aberto e as autoridades viram o rosto para não ver.

Dizem que o problema é com a nossa política ambiental, recheada de exigências utópicas que engessam e engavetam ideias e novos projetos. Acredito piamente nessa afirmação, mas alguma coisa tem que ser feita para que se encontre uma saída para o impasse. Por que será que os ambientalistas não caem de pau em cima da construção de novas estradas, ruas e becos? E as comunidades que avançam despreocupadamente sobre os morros e áreas verdes das cidades? Tem alguma coisa fora da ordem!

IMG_0230

São Francisco do Paraguaçu estava lá, entristecido no alto da torre, com seu histórico Convento entregue as agruras do tempo, e depois de uma noite tranquila e silenciosa, desembarcamos para desbravar o lugarejo.

O Convento e a Igreja de São Francisco são dotados de uma beleza arquitetônica de doer na vista por dois motivos: O primeiro é que os prédios são realmente imponentes; O segundo é pelo estado de abandono, apesar de estarem acobertados pelas asas indiferentes do Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

IMG_0204 

Na visitação ao interior da Igreja é cobrada uma taxa de R$ 5,00, que infelizmente não consegui saber para que serve. Foi dito também que aos sábados é realizada uma missa, porém, não demos conta se ela ocorreu. Para os amantes da arte da fotografia o conjunto arquitetônico é impar e o pôr-do-sol é simplesmente deslumbrante com tantas belas linhas servindo de moldura.

O povoado é pequeno e bem menor do que São Tiago do Iguape. O comercio funciona pela manhã até meio dia e no período da tarde abre somente a partir das 16 horas. Com uma população de dois mil habitantes, São Francisco é uma cidade pacata e segundo os moradores, não existe violência e todos se conhecem. Para quem gosta de festa, o povoado não é um bom lugar, porque não existe a barulheira noturna e nem diurna. O barulho, quando acontece, fica a cargo da ignorância e má educação dos donos dos paredões de som. Para essa raça não existe a palavra respeito e nem lei que os atinja.

IMG_0261

Como aconteceu em São Tiago, os amigos indicaram para que procurássemos os proprietários do restaurante Santo Antônio, Seu José de Souza e Dona Maria José, duas pessoas fantásticas, extremamente atenciosas que nos acolheu com muito carinho. Quando Dona Maria soube que Lucia gostava de cozinhar, se animou toda e o papo rolou solto até umas horas. Era tanta da receita de um lado e do outro que quem estava de longe deve ter ficado com água na boca só de ouvir.

Fomos convidados para almoçar com eles no dia seguinte, mas quem preparou o prato foi Lucia: Moqueca de Fruta Pão, que ela aprendeu com a saudosa Dona Onília, lá das terras de Camamu. Dona Maria gostou tanto que incluiu a iguaria no cardápio do restaurante.

IMG_0193IMG_0213

Como é gostoso momentos assim! São essas coisas que enche a nossa alma de alegria e nos dá a certeza que estamos no caminho da paz e da harmonia. É maravilhoso receber o abraço apertado, o aperto de mão com firmeza, de pessoas que até então nunca tínhamos visto e saber que a partir dali podemos cravar mais uma amizade verdadeira e sem maiores interesses. Foi assim também com o Liu, proprietário do Bar do Liu, na beira do Paraguaçu, que sem nos conhecer se prontificou a olhar o nosso bote inflável na areia e tratando logo de desanuviar qualquer sinal de preocupação de nossa parte: – Pode deixar ai que aqui ninguém mexe em nada!

Deixamos São Francisco do Paraguaçu num domingo pela manhã, aproveitando novamente a maré de vazante, mas levamos uma ponta de saudade daquele lugar onde fizemos boas e sinceras amizades. Não conhecemos muita coisa, além das ruas do povoado e das ruínas do Convento. Soubemos que existem trilhas e cachoeiras na mata que vale o esforço da caminhada. Mas essa parte ficou para a próxima visita.

IMG_0248

Alguém comentou que o fundeio merecia uma dose maior de atenção, mas não pude confirmar a informação. Tivemos três dias de muita paz e tranquilidade com o Avoante despreocupado na ancoragem. Agora posso dizer com muita certeza: A Baía do Iguape é encantadora e o nosso Brasil é lindo sim senhor!

Nelson Mattos Filho/Velejador

Anúncios

5 Respostas para “O grande mar – V

  1. Nossa, que inveja boa de vocês. De ter o privilégio de conhecer um lugar tão espetacular e tão acolhedor. Já estive em Cachoeira, mas não conhecia estes povoados. Da próxima vez visitarei, com certeza, estes recantos.

    Curtir

  2. Cicero Carlos de Farias

    Fico muito feliz, quando alguém conhece a Bahia, assim como Nelson e Lúcia, confirma o que eu sempre afirmei, ” não existe um povo tão alegre e hospitaleiro como o baiano”. Esse blog é uma oportunidade de mostrar ao mundo, o que é que a Bahia tem também no aspecto das paisagens do lugar. Parabéns. Agora faço um comentário mais técnico.

    Às vezes me ponho a perguntar como pode um país com dimensões continentais como o Brasil, que detém 12% da reserva hídrica do planeta, com as maiores bacias hidrográfica do mundo e cerca de 8.000 quilômetros de costa marítima, utilizar tão pouco a navegação para o transporte de cargas e de passageiros. Na água não se precisa de tanta infraestrutura como na terra, além do que na água não gera o impacto da devastação florestal e da impermeabilização do solo. Então a resposta me vem através da econosfera, ou seja, o liberalismo econômico é que determina o que tem que ser valorizado. As estradas fazem parte de um sistema que amplia os horizontes capitalistas: Asfalto, petróleo, energia, indústrias de base, indústria de bens de capital ( maquinas), industrias automobilísticas, industrias assessoriais etc. Embora essa não seja a nossa lógica, mas é a lógica capitalista. A Nova Divisão Internacional do Trabalho cobrou dos países do então terceiro mundo como o Brasil, o investimento em estradas e rodagem. Assim o nosso país precisou se render as imposições dos países de industrialização clássica para receber os bem vindos investimentos. Recebeu a corda que futuramente iria lhe enforcar, pois hoje mais que nunca a política econômica do Brasil, país emergente, beneficia os grandes grupos transnacionais. Eles dão as cartas.

    Curtir

  3. Que maravilha de texto, cmte! Temos que embarcar no Avoante e fazer essa rota com vocês.

    Mucuripe e neguinha.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s