Arquivo do mês: maio 2015

Regata Brancaccio adiada devido as chuvas

CARTAZ.gif A diretoria de vela do clube Angra dos Veleiros, anunciou o adiamento da XXXVIII Regata Brancaccio, que aconteceria Sábado, 16/05, devido as chuvas que castigam a capital baiana desde a tarde da última Quinta-Feira.

Anúncios

A previsão e a lavagem de São Pedro

20150514_152529

Se alguém quiser saber o quanto chove em alguma cidade litorânea do Brasil, basta comprar um barco! Há mais de um mês que São Pedro abriu as torneiras sobre o Recôncavo Baiano e nem parece que tenha intenção de fechar tão cedo. Ele deve ter entrado na onda das tradicionais lavagens, pois o que tem chovido nas terras do Senhor do Bonfim não é brincadeira. Desde do final de março que a chuva assumiu o posto de assunto mais comentado nas rodas de bate papo e quase sempre com narrações trágicas. Mais de 20 pessoas perderam a vida em deslizamentos de encostas e o número de desabrigados sobe a cada dia. É muita água concentrada em cima de Salvador! No começo dessa semana que começou ensolarada, segunda 11, os noticiários anunciaram que mais chuva estava por vir e que o final de semana seria de pauleira. A quinta-feira, 14, amanheceu com um pouco de sol e eu até me animei a ir até o Farol da Barra para visitar o Museu Náutico da Bahia que há tempos queria conhecer – sobre isso comentarei em outra postagem. Sai da marina Angra dos Veleiros no começo da tarde lembrando dos avisos meteorológicos, porém, apesar de um céu de cores estranhas embarquei no carro e fui ao museu. Pensei: – Acho que não chove hoje. Ao botar os pés no calçadão da Barra a cena que visualizei foi a que está registrada na foto ai em cima. Lucia perguntou: – Aquilo ali vem ou vai? Respondi: – Vem e vamos adiantar o passo se não vai nos pegar antes de chegar no abrigo. Chegamos e o aguaceiro despencou com rajadas de vento que chegava fácil aos 50 nós. Não tive como não dar graças a Deus por ter deixado o Avoante muito bem atracado no píer da marina lá na Ribeira. Era a chuva que havia sido anunciada e que chegou com um dia de atraso. Mas quem falou que previsão tem que ser exata? Pois bem, a chuva chegou desde ontem, 14, os ventos continuam azucrinado com rajadas de mais de 40 nós e a vida de quem mora a bordo, que é o nosso caso, fica mais a bordo ainda.

mapserv Pois bem, os satélites do Cptec/Inpe, continuam lá do espaço anunciado chuva no recôncavo e em boa parte do Brasil para os próximos dias. São os efeitos do fenômeno climático El Niño que anda fazendo estripulias por ai.

DJF_elMais uma vez recorri aos gráficos e imagens do site Cptec/Inpe para ilustrar a postagem e tentar mostrar esse individuo que mexe com o clima de meio mundo. Dizem que foram os pescadores da costa oeste da América do Sul que deram conta do El Niño. Em suas observações, e pescador é mesmo um povo observador e conversador, notaram no mar temperaturas mais altas do que as normais durante o final do ano – por isso a denominação de O Menino, em referencia ao Menino Jesus – e que isso alterava a produção do pescado. O site do Cptec diz assim: El Niño é um fenômeno atmosférico-oceânico caracterizado por um aquecimento anormal das águas superficiais no oceano Pacífico Tropical, e que pode afetar o clima regional e global, mudando os padrões de vento a nível mundial, e afetando assim, os regimes de chuva em regiões tropicais e de latitudes médias. Em novembro de 2014 falei sobre isso na postagem El Niño preguiçoso e hoje estou presenciando o que foi dito aqui.

mapserv (1)Bem, hoje é sexta-feira, 15, muita gente rindo a toa, fazendo planos para o final de semana e eu aqui, escrevendo esse texto enquanto a chuva tamborila o convés do Avoante e sem nem sinal que vai dar uma trégua. O mapa está ai na imagem do satélite mostrando o que está acontecendo com o tempo no planeta e a previsão para o nosso Brasil é essa:

Chuva deverá se intensificar no Recôncavo Baiano
Nesta sexta-feira (15/05) o dia será com períodos de chuva na região do Recôncavo Baiano, com chance de chuva intensa em alguns pontos. Muitas nuvens e pancadas de chuva do norte do AP ao norte do MA e do oeste do AM, ao AC, RO e noroeste e centro de MT.
Obs: Texto referente ao dia 15/05/2015-13h19

Uma declaração surpreendente de um secretário estadual de turismo

IMG_0004

Uma declaração do secretário estadual de Turismo do Rio Grande do Norte durante um encontro na Companhia Docas do RN para incluir Natal em uma rota de navios de cruzeiro entre Portos do nordeste, traduz um pouco da linguagem existente entre nossas autoridades e que faz o universo náutico brasileiro ser tão sem importância, discriminado e com horizontes nebulosos. O secretário que é empresário do ramo hoteleiro e presidente da Associação Brasileira da Industria de Hotéis, foi um dos debatedores do encontro proposto pela Associação Brasileira das Empresas de Cruzeiros Marítimos (Abremar), e quando chegou sua vez de falar partiu para logo para o ataque numa declaração surpreendente: “Eu acho que é uma concorrência desleal com a rede hoteleira. Hotel paga ISS e ICMS e gera 350 empregos, no meu caso, e mais de 10 mil empregos em Natal. Navio não paga ISS, só ICMS e não gera nenhum emprego”. Na entrevista apos o encontro a assessora de imprensa da Abremar lembrou que o navios de cruzeiro geraram 15 mil empregos em 2014. O secretário respondeu que em Natal não havia gerado nenhum e foi quando a assessora perguntou se ele estava ali na condição de presidente de hotel ou com secretário de Estado. Resposta: – Como secretário também. E como secretário, sou contra esse projeto porque dá prejuízo de R$ 300 milhões. Assessora de imprensa: – Prejuízo na sua conta ou na do Estado? Resposta: – Na do Estado. Li a matéria assinada pelo jornalista Dinarte Assunção, publicada no site Portal no Ar, abismado, e fiquei matutando com meus botões: Se um secretário estadual de Turismo diz uma coisa dessas e se posiciona contrário a um setor que movimenta milhões de dólares e que recentemente recebeu fortunas em investimentos governamentais somente nos modernosos terminais de passageiros, imagino o que ele diria se alguém fosse lhe pedir incentivo para projetos de instalação de marinas públicas para apoiar a vela de cruzeiro.    

Concurso fotográfico do Diário do Avoante

20150307_175314_Richtone(HDR)

O concurso MEU PÔR DO SOL NO DIÁRIO DO AVOANTE, lançado há uma semana, está de vento em popa e já recebemos mais de 40 fotos. Pelo nível das imagens enviadas podemos concluir que teremos uma disputa acirrada. Lembramos que as imagens podem ser enviadas para o email avoante1@gmail.com até o dia 15 de Junho.

XXXVIII Regata Brancaccio

CARTAZ

Dia 16 de Maio o Clube Angra dos Veleiros realiza a XXXVIII REGATA BRANCACCIO, uma das regatas mais tradicionais da Bahia. A prova que todos trás um colorido especial a baía de Itapagipe, no bairro da Ribeira, é uma homenagem ao fundador e primeiro comodoro do clube Edson Battle Brancaccio. As inscrições podem ser feitas em qualquer clube náutico e marina de Salvador ou diretamente na secretaria do Angra com a senhora Ana.

Minha Mãe não é uma figura

IMG_0153

“Defina a figura de uma mãe e concorra a brindes.” Li essa frase em um desses folhetos publicitários que emporcalham as calçadas das nossas cidades e sinceramente não entendi o que a “genialidade” daquele anuncio queria dizer. Estava sentado num banco de uma praça central, observando a cidade desfilar em minha frente, enquanto Lucia fazia compras em um armarinho próximo. Adoro viver esses momentos e sentir a pulsação que emana das ruas. Mas aquele folheto me encucou.

Definir a figura de uma Mãe? Definir a figura? Os dicionários dizem assim: Figura e a forma exterior de um corpo, de um ser. Aspecto, aparência, estatura, configuração de pessoa humana: uma bela figura. Personalidade marcante, vulto. Imagem, símbolo, emblema. Mãe não é figura. Mãe é Mãe! Assim mesmo com “M” maiúsculo. Não me queiram mal, mas é assim que vejo.

Não posso definir minha Mãe apenas como uma pessoa amada, corajosa, atenciosa, humilde, amiga, valente, forte, sincera, solidária, acolhedora, festeira, temente a Cristo e a todo seu séquito de santos, porque ela é muito mais do que isso para mim. Minha Mãe é tudo e me desespero somente em imaginar sua falta. Não consigo definir minha Mãe, porque amor de Mãe não se define.

Mamãe, como é gostoso festejar mais um dia sabendo que a Senhora está ai, pronta a me receber de braços abertos e a qualquer hora do dia. Como é gostoso sentir o seu cheiro mesmo estando à milhas de distância de sua presença. Como é bom sentir o contato de sua pele e alisar seus cabelos através da fantástica magia telepática que se faz presente na mente de um filho.

Festejo sim o dia das Mães, mas saiba que o festejo todos os dias de minha vida e em nenhum milésimo de segundo a Senhora é esquecida. Sua imagem me sorri a cada passo que dou e por isso vacilo em alguns quando não a vejo sorrindo. Seu exemplo de vida é uma fortaleza de energia e a cada rasteira que a vida tenta lhe impor, mais a Senhora se agiganta.

Há pouco menos de um ano a visitei em uma UTI de hospital e aquilo para mim foi um choque. Minha alma pedia para que não entrasse, mas a mente bateu pé e entrei. Quanta tristeza! Quanta emoção! Quantas lágrimas tive que segurar em ver a Senhora me olhando e sem falar nada me pedir para retirá-la dali. Saí daquela UTI com o coração dilacerado e ouvindo a alma me sussurrar: Eu pedi para que não entrasse, agora seja forte! A enfermidade passou e a Senhora voltou a usar seus trajes de Rainha. Minha Rainha! Por favor Ceminha, nunca mais me assuste assim.

Claro, essa é minha Mãe, minha Ceminha, a pilastra mestra de minha estrutura. Não tenho como sentir diferente, pois é isso que sinto. Não estou a definindo, mas mesmo que assim fosse, estaria definindo a minha Mãe e ela é diferente da Mãe dos meus irmãos. Cada um sente do seu jeito. Cada um ama de uma forma. Cada um tem seus sentimentos. E sei que todos a idolatram, mas a minha Mãe é a minha Mãe.

Outras pilastras compõe o corpo de um homem, mas nenhuma tão forte e estruturalmente tão bem concretada como a que uma Mãe representa. Olhando para elas parecem frágeis, mas são dotadas do material que compõem as mais duras rochas produzidas na natureza. Não as subestimem

Mas e o panfleto? Pois é, ele ainda continua a me incomodar e acho até que poderia participar daquele concurso. Poderia muito bem escrever apenas a palavra amor e esperar pelo resultado. Mas tenho quase certeza que nem ficaria entre os últimos colocados. Talvez sim, porém, amor nos dias de hoje é um sentimento muito comum e até banal. Os marqueteiros querem coisas novas, palavras novas, sentimentos novos. Não, amor não ganha nada!

Poderia até escrever tudo que escrevi ai em cima, mas acho que ficaria muito longo. Será que os jurados teriam paciência para ler? Hoje as pessoas não gostam de ler mais do que cem caracteres. Não, não vou participar daquela promoção que transforma Mãe em figura. Estou decidido e nem sei onde coloquei o panfleto e nem lembro o nome da loja.

Minha Ceminha, desejo que nesse dia a Senhora tenha todas as alegrias do mundo e vou apenas lhe fazer alguns pedidos, porque sei que serei atendido: Em suas orações peça por todas as Mães do mundo e também por aquelas que já não estão entre nós. Peça também conforto para o coração das Mães daqueles velejadores, que como seu filho, navegam loucos pelos oceanos do mundo.

Um grande beijo minha Ceminha e fique em paz.

Nelson Mattos Filho/Velejador

Megaoperação da Marinha Portuguesa no mar dos Açores resgata 12 velejadores

Não existem palavras para definir os heróis. Quantas vezes abrimos a boca para denigrir e criticar o trabalho das equipes de salvamento? Quantas vezes? Olhando o vídeo do resgate no mar dos Açores, em que foram salvos 12 velejadores e uma criança perdeu a vida depois que havia sido resgatada, o melhor a fazer é calar e refletir. Veja a matéria completa desse resgate que emocionou o mundo náutico acessando o site Expresso.