Piratas espalham terror nos rios da Amazônia


amazonas

Essa maravilha retratada pelo fotografo do G1 AM, Adneison Severiano, é um pedacinho da floresta amazônica: Um mundo no mundo. Navegar na região amazônica é um sonho de muitos velejadores mundo afora, mas as notícias que chegam de lá é um balde de água fria para a sanha aventureira do povo da vela de cruzeiro. Roubos, assaltos, mortes e crueldade pura e simples são os principais motivos que afasta a vela de cruzeiro desse berçário da natureza. A Amazônia, com toda a sua grandeza recheada de riquezas naturais, só recebe atenção das autoridades, ambientalistas e ONG de toda espécie, quando essa turma se da conta de alguma fumaça no ar ou quando algum índio se mete a tirar satisfações com madeiros, grileiros, mineradores e outros espertalhões qualquer. Nunca fui até lá, nem pelas asas de um avião, mas aquela floresta sempre me pareceu abandonada, esquecida e maltratada por nossas autoridades. “A Amazônia é nossa”. Esse é o lema, mas entre as palavras patrióticas e a vontade de fazer acontecer existe um imenso fosso sem fundo. Navegando na internet, vi uma matéria publicada no site G1 AM que fala da pirataria que cresceu a passos largos nos rios que banham o Amazonas, Rondônia e Para. A Secretária de Segurança do Amazonas registrou entre 2014 e 2015 mais de cem furtos e até sugere a criação de uma Polícia Fluvial nos mesmos moldes da Polícia Rodoviária. As entidades que representam as empresas de navegação e os funcionários alertam e pedem a todo instante para uma ação governamental para coibir tanta violência. O Governo Federal prometeu iniciar agora em Maio uma operação conjunta com as forças policiais dos estados envolvidos, Forças Armadas e Polícia Federal. Velhos discursos, antigas promessas e nada de concreto para um futuro de tranquilidade. O comando do 9º Distrito Naval já se agarrou na Lei 9.537 de 11 de dezembro de 1997, para justificar que a Marinha compete exclusivamente fiscalizar a segurança na navegação, a salvaguarda da vida humana e a prevenção da poluição hídrica. Segundo o G1, a Marinha anunciou em nota que nem possui um levantamento ou registro de ataques de piratas na região, porém, na mesma nota desdiz tudo ao confirmar que foram constatados casos ilícitos de assaltos a mão armada contra embarcações, mas que isso não se caracteriza como pirataria. Como diz uma grande amiga nossa:  Então tá! Afinal de contas: A quem danado compete a segurança e policiamento das nossas águas? Se em terra, que temos tudo bem definido, a coisa degringolou de vez, imagine no mar que ninguém sabe quem faz o que! Quer saber mais: acesse o portal G1 AM

Anúncios

19 Respostas para “Piratas espalham terror nos rios da Amazônia

  1. Nem sabia q era possivel velejar por lá o.O cada coisa q se descobre.

    Curtir

    • diariodoavoante

      Juliano, existia uma flotilha de veleiros franceses, Iles du Soleil, que a cada dois anos aportava no Brasil e ao subir a costa em direção ao Caribe adentrava o Rio Amazonas. É verdade que a organização utilizava segurança contratada para o Amazonas, mas os gringos aproveitavam muito. Confesso que sempre tive muita vontade de navegar por lá no Avoante. Quem sabe um dia!. Um grande abraço, Nelson

      Curtir

      • Interessante, achei que região ameaçada por piratas só tivesse ali na africa e na oceania, realmente deve ser lindo navegar por lá, obrigado por acrescentar a história.

        Curtir

      • diariodoavoante

        Pois é Juliano, além de outros meliantes, também temos piratas. Abraços, Nelson

        Curtir

  2. Pirataria no Amazonas ou furto de botes em Paraty são partes de um mesmo problema: DROGAS ! É o usuário que precisa pagar seu traficante e aproveita a oportunidade de levantar um dinheiro fácil. Infelizmente é tendência MUNDIAL de considerar o usuário como um doente, vítima da sociedade, quando na realidade ele é mesmo criminoso. Não há cidade, vila, povoado ou família que tenha melhorado com uso de drogas.

    Curtir

    • diariodoavoante

      Edson, esse “X” da questão infelizmente virou um grande tabu para a sociedade. Acho que isso merece um grande debate e faço minhas as suas palavras: “Não há cidade, vila, povoado ou família que tenha melhorado com uso de drogas.” Abraço, Nelson

      Curtir

  3. Nelson, estou partindo para lá no dia 14 deste mes para trazer um tiki 30 de santarem até são luiz, vamos passar por todos os locais citados na matéria do G1. Te mandarei noticias atualizadas.

    Curtir

  4. Realmente essa história de “A Amazônia é nossa” é conversa pra BOI dormir….Daqui a pouco não vai ser nossa nem no papel!

    Curtir

  5. A primeira ação que as autoridades deveriam tomar é liberar o porte de armas para uso exclusivo embarcado.

    Curtir

  6. Uma vez ouvi de um agente da PF que cuida de porte e registro de armas que não existe impedimento para REGISTRO de arma em embarcação. Ou seja, comprovando sua residência e domicílio na embarcação, teoricamente você teria direito a possuir e guardar uma arma dentro de sua casa (seu barco), desde que devidamente registrada, como é o caso para residência fixa em casa ou apartamento. Vale uma consulta à Delegacia da PF de sua localidade.

    Curtir

    • diariodoavoante

      Caro amigo Juarez, por onde andas que nunca mais deu notícias? Obrigado pelo comentário e acho que vale sim a consulta na Polícia Federal sobre armamento a bordo. Um grande abraço, Nelson

      Curtir

      • juarezpontes

        Amigo Nelson, obrigado por perguntar. Estou residindo em Natal – ainda intercalando idas ao Planalto Central, terra do nosso amigo Capitão Mucuripe. Mas aqui nas terras potiguares estou engrossando o cordão dos “sem barco” mesmo, por conseguinte bicho mais da terra do que do mar… Mas como diz nosso amigo Miltson: Pra que ter barco se tem o dos amigos… rsrsrs.

        Curtir

      • diariodoavoante

        Caro amigo Juarez, no dia que quiser dar uns bordos pela Bahia é só falar. Abraços, Nelson

        Curtir

  7. LAMENTÁVEL!
    Já naveguei muito nos rios da amazônia durante os 23 anos que morei em Belém do Pará, inclusive uma delas numa viagem maravilhosa de Belém do Pará para Alter do Chão, próximo a Santarém no rio Tapajós, com quatro veleiros, fazendo a segurança entre si. Não me lembro nesses 20 anos de navegadas em veleiros oceánicos, uma viagem tão bonita e marcante como essa, e veja que já naveguei de Belém a Salvador, no Rio de Janeiro, na Bahia em todas as suas baias, Noronha, todo litoral nordestino, etc….
    Realmente existem muitas piratarias, que inclusive algumas delas com veleiros de amigos.
    A malha fluvial da amazônia é incrivelmente grande, complexa e desprovida de infra estrutura. Diria até que um exercito ainda é pouco para fazer sua segurança.
    Mas o que esperar com nosso país sendo dominado pelos bandidos, começando do planalto central???????

    Curtir

  8. Quem sabe agora, com a declaração da MB apareça espaço para uma Polícia que faça o trabalho na lacuna reportada…

    Curtir

    • diariodoavoante

      Comandante Wilson, pelas decisões que estamos acostumados a ver nesse nosso Brasil velho de guerra, infelizmente vai tudo ficar como está. Abraços,

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s