Navegação em solitário


VITO DUMAS 2 Os navegadores solitários enfrentam quatro problemas, que numa primeira abordagem nos surgem parcialmente apavorantes:

– a arte de navegar

– a preparação física e psicológica;

– o mar alto; e

– a solidão.

Numa postagem recente sobre um veleiro comandando por um velejador solitário de 71 anos, que havia garrado e encalhado em Cabo Frio, litoral do Rio de Janeiro, falei que admirava a bravura daqueles que se lançam ao mar sozinhos em busca do sonho, de um ideal, de respostas, de aventura, de se encontrar ou simplesmente de curtir a vida ao sabor das ondas e dos ventos. Alguns leitores comentaram o acidente em Cabo Frio e deram vivas quando o veleiro voltou a navegar, desejaram bons ventos e sorte ao velejador. Outros preferiram se armar com o rol das teorias que habitam as sombras aconchegantes dos palhoções de clubes e marinas e ficaram no bem bom das acusações. Hoje, depois de seguir uma dica do velejador Jorge Dino, me deparei com uma postagem no blog Mare Nostrum, de José Maria Alves, que se diz Pelegrino da Terra e Mendigo dos Céu, de onde copiei as letras em itálico, acima, e que abrem o texto Navegação em Solitário.  “…O solitário é um marinheiro por excelência, um amante do mar, que com ele intenta viver para sempre, até que a morte os separe – ou una… – percorrendo os oceanos com as suas velas aladas…”

Anúncios

10 Respostas para “Navegação em solitário

  1. Olá, Nelson.
    Gosto de navegar solitário e já fiz a rota entre São Luís, Fortaleza e Belém, no pequeno tri 3D.
    Sei bem as dificuldades de um navegador.
    Li o que foi publicado no Grupo Navegantes do Facebook.
    É como se ele estivesse com ódio…
    Acidentes acontecem, mesmo que estejamos bem preparados e precavidos.
    Quem somos nós para julgarmos um fato sem saber, o acontecido em detalhes?
    Tinha lido, algum tempo atrás esse blog e passei alguns dias procurando.
    Foi minha resposta a ele sobre navegação em solitário.

    Curtir

  2. Jurandir C.Gonzaga

    Gosto é gosto., prazer é prazer e pronto. o Ser humano conhece seus limites, não há o que se contestar sobre o prazer de ninguém. O que não é bom pra uns, é bom e prazeroso para outros Sou admirador e solidarizo com todos os Navegadores e em especial os Velejadores solitários

    Curtir

  3. Eu quero viajar em solitário um dia, mas desde já me candidato à tripulação de qualquer velejador em solitário (assim deixaria de ser solitário, né?) para fazer companhia e desfrutar de aventuras em alto mar.

    Curtir

  4. Haroldo Quadros

    Nelson, muito se tem falado – e ainda há muito o que se falar – dos
    navegadores solitários desde que Slocum fez a volta ao mundo no final do século XIX. Quero apenas dizer um pouco destes aventureiros, a relação de extrema confiança que eles teem com seus veleiros. A maioria deles constroem seus barcos e, assim, os conhecem profundamente. Sem esta estreita relação não haveriam navegadores solicitários. Em todos os relatos que li destes incríveis velejadoressempre observei como eles se referem aos seus barcos, com um misto de amor e confiança inabaláveis. Você, cronista do mar, poderia nos brindar com trechos destes escritos, sei que voc~e tem uma biblioteca considerável sobre o tema, Slocum, Moitessier, Belov…. Abraço e feliz 2015. Haroldo.

    Curtir

    • diariodoavoante

      Haroldo, tenho escrito alguma coisa sobre o assunto, mas infelizmente ainda não publiquei. Quem sabe nesse 2015. Um grande abraço, Nelson

      Curtir

  5. Gosto é gosto, quando vou para uma navegação maior minha mãe sempre pergunta que graça tem ficar olhando só água e a mesma paisagem, enquanto eu não consigo ver uma onda ou nuvem igual a outra, a hora passa sem que eu perceba. Uma coisa tenho notado nos livros dos navegadores solitários, principalmente os relatos antes de tanta tecnologia tipo internet e gps, eles, conforme os dias de “solidão” aumentam, conseguem fazer comentários dignos de um monge, é como se estivessem constantemente em meditação sem ninguém para interromper suas viagens mentais. Gostam tanto que começam a se sentirem incomodados quando a permanência em terra se prolonga,

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s