44ª Aratu/Maragogipe – Foi assim que eu vi


IMG_0263

Bem, vou aproveitar que a VIVO resolveu dar um refresco e tentar colocar o blog novamente em seguimento, por isso vou contar um pouco do que foi a 44ª Regata Aratu/Maragogipe, que, como mostra a imagem acima, é um verdadeiro festival da vela na Bahia levando Saveiros, Veleiros e Escunas a navegarem lado a lado pela beleza ímpar da Baía de Todos os Santos e o lendário Rio Paraguaçu.

IMG_0247IMG_0241

A festa teve inicio com a excelente palestra da velejadora Izabel Pimentel, contando como foi sua última velejada em solitário pelo Oceano Pacífico, atiçando o interesse de muitos competidores. Izabel falou com a desenvoltura, simplicidade e deixou muitos marmanjos intrigados com a força e coragem da velejadora, primeira, e única até agora, brasileira a cruzar sozinha o Oceano Atlântico a bordo de um veleiro.

IMG_0253IMG_0252

Depois da palestra e da abertura oficial, subiu ao palco uma maravilhosa banda comandada pelo velejador Leo, veleiro Estakanágua, que botou fogo na galera até quase uma da madrugada. Apesar da chuva que não deixou barato, não faltou uma gota de animação na turma.

IMG_0258IMG_0259IMG_0267IMG_0273

A festança de abertura deu o tom do que seria a regata na manhã do dia seguinte, apesar de uma boa parte dos tripulantes não estarem assim tão em ordem como deveriam. Porém as 10 horas, sem choro, nem vela, nem vento, largou a primeira turma. Não estávamos a bordo do Avoante, que ficou descansando no fundeadouro do Aratu Iate Clube, fazíamos parte da tripulação do veleiro Carcará I, um novíssimo Delta 36, a convite do comandante Arthur, proprietário do veleiro. Infelizmente não tenho fotos da largada, pois estava com minhas atenções todas voltadas para o comando do barco. Largamos bem e em meio a flotilha de nossa classe, apesar do Carcará I não estar equipado com velas adequadas para uma regata. O vento que amanheceu fraco se manteve durante a largada, com rajadas na média de 8 nós. Foi uma largada em passo de tartaruga. Eu não sou regateiro, mas tentei usar os meus poucos conhecimentos naquele canal, que já havia velejado tantas vezes, e consegui ultrapassar barcos tripulados por reconhecidos corredores de regata e assim seguimos comemorando. O pouco vento que soprava foi abandonando a prova e em pouco tempo não restava nem um soprinho sequer. No través da Ilha do Medo, novamente o vento surgiu e empurrou a flotilha para a entrada do Rio Paraguaçu. Nessa hora o Carcará I cravou a marca de 8 nós de velocidade. Porém, ao adentrar no poço de história que é o Paraguaçu, o vento saiu definitivamente do cenário e deixou todo mundo admirando a paisagem com cara de poucos amigos. Era um tal de veleiro navegar de lado, de ré, sem direção e com as velas tremulando mais do que bandeira da Argentina. O Carcará I, parou, seguiu, parou de novo, seguiu, deu quatro trezentos e sessenta ao longo do Paraguaçu, mas mesmo assim não abandonamos a disposição de continuar participando da prova. Não vou precisar o número, mas pelos comunicados pelo VHF, e pela quantidade de veleiros que passaram por a gente com o motor ligado, acho que mais da metade dos competidores abandonaram a prova. O prazo limite para cruzar a linha de chegada, em Maragogipe, era às 18 horas e assim fomos boiando com a força da correnteza em direção a ela. No través da Ilha do Frances entrou uma leve brisa e o Carcará I avançou à 2 nós, nos levando a vibrar de alegria com a esperança de chegar em cima da hora. Acho que foi o último suspiro de vento para aquele 24 de Agosto, pois do mesmo modo suspeito como ele chegou tratou de ir embora e assim, demos o nosso último trezentos e sessenta graus a deriva a poucos metros da linha de chegada e sem mais nenhuma chance de cruzá-la no tempo estimado. Chamamos no rádio a comissão de regata, confirmamos o encerramento da prova, ligamos o motor, em cima da linha, e rumamos para a ancoragem com o relógio marcando 18 horas e 10 minutos. Ufá! Foi bom? Com certeza! Curtimos muito a nossa primeira participação competindo na Aratu/Maragogipe e ficamos muito mais felizes porque, apesar da falta de vento, cumprimos todo o percurso na vela, coisa que muitos velejadores de regata não tiveram a paciência de fazer. E assim fiquei pensando em uma frase que ouvi certo dia: “Alguns adoram dizer que fazem sem fazer, outros preferem ficar calados e fazem”. 

Anúncios

6 Respostas para “44ª Aratu/Maragogipe – Foi assim que eu vi

  1. Momentos maravilhosos e inesquecíveis!!! Todos deveriam, ao menos uma vez, velejar na Baia de Todos os Santos, em breve estarei ai novamente. Obrigado pelo aprendizado maravilhoso comandante e Lucia,mais uma vez.

    Curtir

  2. Comandante Nelson,
    Maravilha de texto! Narrou a história toda. Tenho muito orgulho de ser seu aprendiz de navegação. Acho que obedeci os comandos direitim!!!!

    Abraços à Grande Comandante Lúcia, que não nos deixa passar nem um pingo de fome!!!

    Curtir

  3. Óia rapaz, tava começando a ficar preocupado…
    Muito tempo sumido!
    Mas foi só um mais uma daqueles casos tão recorrentes em que o VIVO estava morto…
    Que pena que o percurso não foi concluído a tempo, mas que ventinho sem vergonha, não?
    Logo no dia de tão tradicional e afamada prova!
    O irônico é que aqui, em Itamaracá, exatamente agora no momento em que escrevo, o vento está uivando feito um doido pelas frestas de tudo quanto é janela.
    Mas parabéns Comandante pelo feito, pois em toda a sua situação de velejador explícita em cada texto, fica evidente que regata não é, nem nunca foi seu objetivo maior. E mesmo assim passasse a perna num bocado de competidor, heim?
    O fato de conhecer bem a região é importante, mas não deixa de ser decisivos o apuro das circunstâncias, a decisão das necessidades e o pronto atendimento de uma tripulação que confia.
    Parabéns!

    Ps: Não tá na hora de botar mais um pouquinho D’a Tempestade não?
    Vamo que vamo!

    Curtir

  4. O mais importante é que teve um Bonfim

    Curtir

  5. Parece que havia um veleiro oceânico entre os saveiros a sua ré…Bela visão comandante,só quem estava lá dentro da estória da regata pode entender por completo. kkkk.
    abraços.

    Curtir

  6. Gilson Lindbergh

    Oi Nelson, pelo que ví na súmula, apenas uns 20 barcos chegaram em regata; Nós desistimos as 17:20, quando calculamos que seria impossível cruzar a linha de chegada. Com um balão emprestado, sem os cabos próprios e de improviso, nossa diversão foi colocar o balão que subiu e desceu umas 4 vezes até pegar aquele ventinho, Uma pena, mas aquela região é realmente maravilhosa, e espero estar lá no Muakã em janeiro próximo. Abraço, Gilson

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s