Prefeitura de Salvador derruba marina no bairro da Ribeira


7 Julho (104)

A derrubada das instalações de uma Marina no bairro da Ribeira em Salvador/BA, ordenado pela Prefeitura de Salvador, é motivo de preocupação. Segundo o secretário de Urbanismo e Transporte, José Carlos Aleluia, a prefeitura não precisa de decisão judicial para derrubar um imóvel em situação irregular e inclusive já anunciou que vai estender a decisão para outras construções no local. Veja a matéria completa no G1 Bahia. No segundo dia da ação de derrubada, o proprietário apresentou uma liminar concedida pela justiça suspendendo a demolição do píer e dando prazo de 10 dias para apresentar a documentação. Na declaração pública emitida pelo Sr Arivaldo, proprietário, em que o que diz ter todas as licenças de construção, ele encerra assim:

A agressão aos direitos de um cidadão numa sociedade esclarecida é um ataque a toda a sociedade.
Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram
meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei.
No terceiro dia vieram
e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e me levaram;
já não havia mais ninguém para reclamar…
Martin Niemöller – 1933 – Símbolo da resistência aos nazistas.
Anúncios

8 Respostas para “Prefeitura de Salvador derruba marina no bairro da Ribeira

  1. A área de uma marina, a princípio, está na área de laudêmio, que são áreas de interesse direto da Marinha do Brasil, ou melhor, da União que delega à MB sua fiscalização. Nenhuma área pode ser destruída ou construída à beira dessas águas sem o aval da MB. As prefeituras não são competentes para realizar esse tipo de atividade sem o concorde da MB. Quando uma prefeitura assim age, sem a ciência da MB, está atuando em terras da União, e portanto, esse é um interesse da União, já que uma vez demolida volta a ser administrada pela União, através da MB. Certamente a prefeitura de Salvador tem interesses nessa área,muito provavelmente exploração imobiliária, isso é o normal nesses casos, porém é totalmente ilegal.
    Esse caso deve ser denunciado diretamente a Procuradoria Geral da União na Baía, e dar ciência para a Advocacia Geral da União, no mesmo estado, bem como ao Comandante dos Portos desse distrito naval, esse é o caminho se há realmente interesse em fazer alguma coisa sobre o fato ocorrido.
    Um abraço

    Curtir

  2. Não qual a situação real deste caso, mas em muitos lugares a MB assinou convênio com os municípios repassando o controle das áreas de laudêmio, desde que elas não sejam consideradas estratégicas.

    Curtir

  3. Então Emilio, a MB pode delegar até a fiscalização de embarcações em alguns locais para o município ou a unidade federativa, bem como as regras de navegação, no caso RIPEAM e LESTA, isso ocorre particularmente em praias ou águas interiores; pode delegar estações de rádios de IC e marinas, e coisas assim. Pode até autorizar permuta entre órgãos da própria União.
    Mas na questão em tela parece que a prefeitura municipal está atraindo para si o controle total da área. É patrimônio da União, e não há delegação para outro órgão à não ser o próprio órgão da união que fiscaliza e autoriza -Superintendência do Patrimônio da união-. Em tese a MB não pode dispor ou negociar o patrimônio da União, e nem me parece que esse é o caso.
    Se uma área da união está sendo usada regularmente por um particular em uma atividade, como por exemplo marinas e aeroclubes, então esse indivíduo tem uma autorização da união para explorar e utilizar, mas só e somente só para aquela finalidade, caso perca a finalidade volta a tutoria da União. Logo, mesmo em se tratando de área particular para fins de exploração de atividade específica, se torna de interesse da União no momento em que a tal atividade deixa de ser realizada.
    Acontece que prefeitos e prefeituras enxergam o altíssimo valor comercial dessas áreas, e inventam coisas como parques,jardins,áreas de preservação ambiental e etc, como cobertura de fumaça para realizar a exploração imobiliária da área. Nesses casos a Procuradoria Geral da União é implacável e busca essas áreas reincorporando-as á administração da União. Não precisa de advogado para denunciar na Procuradoria Geral da União, e pode procurar a Advocacia Geral da União também, o que conhecemos como PGU e AGU, pedindo a cassação desse MS -creio que seja mandado de segurança-, e deve ter sido expedido por algum juiz estadual. No caso a Procuradoria Geral da União pede a cassação do MS para um juiz federal, e a área volta a ser da marina, ai para reconstruir já é outra estória, mas a priori a administração municipal deverá ser obrigada a reconstruir o que destruiu.
    Isso parece o caso da Marina da Glória no Rio,com desvio de finalidade; do aeroclube de João Pessoa-PB que foi destruído e depois devolvido aos frangalhos ao proprietário; e também do construtores navais de São Luiz-MA.
    Desejo sorte na luta que se delineia no horizonte.

    Curtir

  4. Olá, amigo Nelson!
    Você continua sendo o porta-voz dos interesses da náutica de recreio, em especial dos velejadores. Estive recentemente na Ribeira, onde conheci, na ANGRA DOS VELEIROS, uma figura emblemática da vela brasileira: David Hermida, que, apesar de ser espanhol ou argentino, não sei bem, tem alma brasileira e o coração também. Tive a sorte de conversar bastante com ele: é grande conhecedor e entusiasta do SAVEIRO, essa mítica e histórica embarcação da Bahia de Todos os Santos, por cuja preservação David luta tenazmente. Também estive no Pier Salvador, do amigo Sandoval, onde comprei o livro “GRAMINHO – A ALMA DO SAVEIRO”. Uma curiosidade, ou melhor, um fato histórico muito interessante referente ao Pier Salvador, é que lá funcionou o Hidroporto de Salvador, e lá pousou o hidroavião de Gago Coutinho e Sacadura Cabral, na primeira travessia aérea do Atlântico Sul, em 1822, comemoração do 1º centenário da Independência..
    Pois bem, a Ribeira é um dos lugares mais importantes da Capital baiana, não só nos aspectos histórico e social, É lá onde se encontra a maior quantidade de embarcações, de pesca, de recreio, inúmeros veleiros, escunas… – centenas e centenas, talvez milhares. Muitas atividades voltadas para a náutica. Estranhei e me perturbou quando vi a situação denunciada por você, Nelson, e analisada e comentada pelo Wilson: construção parcialmente derrubada, serviços abandonados – parece bem a imagem do desprezo das autoridades por inciativas que não atendem os interesse delas. Por outro lado, é necessário, implementar projetos adequados, e obedecer as posturas legais, lutando por modificações quando elas não atendem os interesses da sociedade. É preciso ser solidário e colaborar para que a Ribeira realize sua vocação náutica e marinheira. A sociedade só tem a ganhar, e nós velejadores, dentro dela, também.

    Curtir

    • diariodoavoante

      João, que pena não nos encontramos nessa velha e boa Ribeira e pena maior em não ter participado desse seu bate papo gostoso com o nosso grande amigo Davi Hermida. Davi é uma enciclopédia viva do mar da Bahia. Um grande abraço e muito obrigado por participar dessa discussão com um comentário tão preciso, Nelson

      Curtir

  5. Pois é, Nelson, eu também teria gostado muito de encontrar você e Lúcia na nossa Bahia de Todos os Santos e de todos os velejadores. Fiquei em Salvador de 5 a 9 de agosto, como tripulante do veleiro Bravo Capitan, de Luiz Ventura, também com Enio Casagrande. O Bravo Capitan sobe para participar da XXV Refeno, e serei tripulante dele. Estive na velha e boa Ribeira em 8/8.
    Fico feliz de fazer parte de seu círculo de amigos, e de poder usufruir de suas crônicas e discussões no seu blogue. João

    Curtir

  6. Agora por favor alguém me diga o que é uma situação irregular.
    Vamos concordar, discordar, debater e chegar ou não a uma conclusão.
    O fato é que, numa situação crítica como esta não basta adjetivar nada disso ou daquilo regular, irregular, indecente, pudico ou escabroso.
    Há que haver uma decisão em instâncias próprias, acertadas ou não.

    Curtir

  7. ronny sonnenhohl

    creio que esta havendo confusão ao colocarem que essa area,terrenos de marinha,tem algo a ver com a Marinha do Brasil.Para quem quiser entender e aprender,sugiro ler os links http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del9760.htm que é a integra do decreto lei 9760 de 1946 com todas as alterações até a data de hoje e trata sobre as terras da União.Outro link interessante é http://www.terrenosdemarinha.com.br/o_que_sao_terrenos_de_marinha.aspx que explica o que são terrenos de marinha,marinha com letra minuscula poisa se referem a terras a beira mar,não tendo relação com Marinha do Brasil..
    http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/85064.html
    http://sosterrenosdemarinha.org.br/
    http://jus.com.br/artigos/5855/regime-patrimonial-dos-terrenos-de-marinha

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s