O Avoante e os poetas


Regata Batalha Naval do Riachuelo 170

Poeta é poeta e sempre vai viver a vida em torno de musas, sonhos e paixões. O poeta sempre vai olhar o mundo pela íris da beleza e pelo manto sagrado dos sentimentos, não interessa se esses sentimentos sejam tolos, abstratos ou verdadeiros como a alma humana. O poeta sempre consegue garimpar o perfume suave com a essência mais pura. Na cabeça de um poeta tudo são flores e as palavras passeiam de mãos dadas ao redor de um jardim tão florido e belo que as rosas se multiplicam a cada passada. O meu amigo, velejador e grande poeta Erico Amorim das Virgens, que brinda a vida ao lado de sua amada Renata na foto acima, não se conteve quando viu as homenagens que os leitores Elson Fernandes e Carlos Ferreira fizeram ao Avoante em forma de poesia, que postei aqui com os títulos Uma poesia para o Avoante e Coisas que emocionam, e nos presenteou com essas palavras que agradecemos de todo coração.

Avoante 1

Movimento? Quase sempre.

Aquele som diferente; desconhecido?

Talvez.

A paz como em qualquer lugar

para quem se acha em paz.

Vastidão de tempo e espaço

O tempo corre diferente entre as cavernas.

Os sonhos se concretizam

São aqueles pontinhos brancos no meio do mar.

 

Anúncios

2 Respostas para “O Avoante e os poetas

  1. Essa é uma belíssima poesia com cheiro de barco e de mar. Só mesmo um grande marinheiro poeta para com tão poucas palavras descrever o sentimento infinito de amor ao mar!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s