PESCARIA DA VACA


As histórias de velejador e pescador, às vezes se confundem tanto que fica difícil saber quem é quem, pela criatividade e riqueza nos detalhes mais incríveis.

 Não sei se os leitores já tiveram a oportunidade de sentar na beira de uma praia, debaixo de uma palhoça ou de um terraço, e ouvir as histórias maravilhosas contadas pelo homem simples e muito bem humorado, que enfrenta o mar com suas pequenas jangadas, lutando para tirar o sustento de suas famílias e dos amigos. Se não teve esta oportunidade, faça acontecer. Você terá uma oportunidade, impar, de ouvir relatos maravilhosos, recheados com muito sal, água do mar, sol, suor e muita coragem. O pescador acima de tudo é uma pessoa muito corajosa, determinada e de muita Fé.

 Um dia ouvi uma história, contada por um velejador, mas que tinham como personagens principais, três pescadores da cidade de Ilhéus/BA.

 A cidade de Ilhéus, localizada no sul da Bahia, famosa pelas plantações de cacau, ouro que brotava da terra e trazia muita riqueza para toda a região. Terra de perfumes que exalavam da pele em fogo da morena Gabriela, saída dos romances de Jorge Amado e ganhando o mundo com seu amor quente, meigo e dengoso com sabores de cravo e canela.

O ciclo do cacau foi fechado pela vassoura-de-bruxa, fungo que exterminou toda a lavoura, encerrando o período de esplendor e riqueza da cidade. Passando por períodos de incertezas a cidade foi despertando para o turismo, com muita praia bonita, natureza exuberante, sol e um mar muito bonito farto em peixe e frutos do mar. Seus casarões recuperados dão charme e faz relembrar o passado de riquezas e romances que encantam o mundo. Com esse cenário, saiu à história da pesca da vaca.

Final dos anos 80, depois de uma chuva muito forte que fez com que os rios transbordassem e arrastassem muitas coisas para o mar. Três amigos saíram para pescar em alto mar, a aproximadamente 5 milhas da costa. Após terem fisgado vários peixes e já se preparando para retornar a cidade, escutaram um mugido. Olharam um para a cara do outro, indagando quem havia imitado uma vaca. Depois de varias negativas e o mugido ter silenciado, ouviram novamente. Vasculharam o mar em volta e notaram dois chifres aflorando do mar. O susto foi tão grande que um deles quase desmaia pensando ser o tinhoso. Passado o susto, deram meia volta na lancha e se dirigiram para o local da visão do fim do mundo. A surpresa foi maior do que o susto, uma vaca, desesperada, nadava tentando retornar para a cidade. Resolveram “pescar” a vaca. Amararam a vaca na popa da lancha e bem devagar foram voltando para Ilhéus com o maior troféu da pescaria.

 A cidade entrou em alvoroço quando os pescadores encostaram a lancha, com a vaca amarrada na popa. Todos vieram ver o acontecido, juiz, padre, prefeito, delegado, vereador, tabelião, repórter, fazendeiro, o povo e entre eles apareceu o dono da vaca, ou melhor, o ex-dono. A briga começou antes de a vaca desembarcar. O dono da vaca, que era primo do pescador, disse “essa vaca e minha”, o primo, pescador, dono da lancha, falou, “é minha, foi eu que pesquei”. Foi confusão grande, o juiz e o delegado se desdobraram para resolver o embate. No final a vaca ficou com o primo pescador e até hoje os dois lados da família são intrigados. Só não sei se a vaca ainda é viva ou se foi feita churrasco, só sei que foi assim que me contaram.

Narrei essa historia a Erico Amorim e a Raul, que só faltaram me largar no meio do oceano. Tive que amargar gozações até Salvador, na expectativa que algum baiano confirma-se a história. Chegando ao clube Angra dos Veleiros, encontramos com o Davi Hermida, velejador, baiano e cheio de histórias, logo o convoquei como testemunha na esperança que confirmasse a historia da vaca. O Davi, só não confirmou como acrescentou outra historia de pesca de vaca. No almoço os dois relatos vieram à tona e para surpresa apareceram mais três vacas, todas “verídicas” e baianas. Tivemos que parar com as historias de pescaria, senão teríamos que montar uma fazenda com tanta vaca.

O povo do mar é assim mesmo, tudo e motivo para uma aventura, heroísmos e muitas histórias interessantes e humoradas. O mar desperta a criatividade e seus movimentos embalam sonhos e fantasias mirabolantes e encantadoras. As profundezas do mar escondem tesouros, lendas e seres que fazem aqueles que têm o mar como trabalho, necessidade, divertimento e paixão terem imaginações muito férteis.

O pescador com seus conhecimentos sobre os segredos do mar, dos ventos e do tempo, e um poço de conversas intermináveis. Aproveite os dias de verão e sente umas horas com essa figura impressionante para um bate-papo descontraído, você vai adorar.

 Nelson Mattos Filho

velejador

Anúncios

4 Respostas para “PESCARIA DA VACA

  1. O pescador da vaca chama-se Dr Guilherme Adami.Medico angiologista em Ilhéus.
    A vaca reproduziu e ele tem filhotes desta vaca.
    Estava acompanhado do Dr Gustavo Nora
    Neurologista em Itabuna BA.
    Formamos em Medicina pela UFBa em 1972.
    A Veja na época publicou a foto da chegada da vaca ao Porto de Ilhéus

    Curtir

  2. Dr Guilherme Adami foi o homem que pescou a vaca
    Médico angiologista exerce sua clínica em Ilhéus e Itabuna.

    Curtir

    • diariodoavoante

      Eita, José Neto, que bom receber esse comentário que enriquece o texto. Mando um abraço para o Doutor Guilherme. Abraço, Nelson

      Curtir

  3. Pingback: Notícias sobre a vaca | Diário do Avoante

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s